Taxas (não são os juros) de cartão de crédito, sobem até 136% em 1 ano

Seis dos maiores bancos brasileiros aumentaram em até 136%, de 2014 para 2015, as taxas cobradas de seus clientes entre 2014 e 2015, aponta pesquisa do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) divulgada nesta quarta-feira.

O levantamento identificou aumentos acima da inflação tanto entre as tarifas de serviços avulsos, como anuidade de cartão de crédito, como entre os pacotes de serviços. Nesse último caso, os reajustes ficaram até 75,2% mais caros.

6 comentários:

Anônimo disse...

Quem paga esses juros é o caloteiro que refinancia a dívida do cartão.

Anônimo disse...

BOBO DA CLASSE MÉDIA QUE USA CARTÃO.

PEGA A TESOURA, CORTE, E INICIE UM PLANEJAMENTO, MESMO QUE DOÍDO INICIALMENTE.

COMPRAS SÓ O MÍNIMO POSSÍVEL, ATÉ VER PRA ONDE ESTAMOS INDO. FORA ISSO É SUICÍDIO PRO POVO. DEIXE OS RICOS COMPRAREM.

Anônimo disse...

as pessoas para manter o "status" e ter alguns serviços estão cada vez mais se enrolando.

fazem gato de tv
roubam internet do vizinho
usa nome e cpf de conhecido para pedir serviços, e outros tantos gatos e falcatruas.

primeiro devem aprender a lidar com o pouco dinheiro, ainda mais nesta época, que não sabemos como as coisas vão ficar.

fazem contas, empréstimo consignado com avós, pais e depois todos fud....

Ingo Maximo disse...

Na Islândia o povo resolveu isso rapidinho colocando banqueiros na cadeia.

Que eu saiba a CRISE de 1929 e 2009 não foi o povo quem fez. Foi?

Agora pergunta ao presidente do FMI, do BANCO MUNDIAL, DO BIRD e desses bancos.

Eles devem saber como funciona o sistema financeiro.

Henrique Meirelles, Daniel Dantas, Armínio Fraga e outros mais defem saber.

Presidente do FEDERAL RESERVE dos USA deve saber.

O presidente do BANCO CENTRAL EUROPEU deve saber.

Anônimo disse...

Há alguns anos eu andava no limite (literalmente no limite de 4 cheques especiais e vários cartões de crédito).

Pagava mais de juros do que gastava com aluguel e comida.

Para completar tive um assalto à mão armada na minha loja.

Como já andava com a corda no pescoço, fui à lona.

Única e sensata decisão: parar de pagar todos os cartões de crédito e bancos.

Um dos cartões, que tinha feito à época uma conta de 5 x 80,00 reais (já tinha conseguido pagar duas prestações) transformou este saldo de 3 x 80,00 (= 240,00) a estratosféricos 3.200,00 (TRÊS MIL E DUZENTOS REAIS).

Mas eu não estava mais preocupado. Preso eu não seria (não por não pagar as contas, pelo menos).

Depois de alguns anos, vieram as negociações.

O cartão que tinha chegado a 3.200,00 fez uma proposta de 170 reais para quitar a dívida.

Um dos banco, onde a dívida na época, chegava a 6.300,00 reais negociou este mesmo valor, em dez vezes (mas quase dez anos depois).

E assim que paguei a primeira parcela me ofereceram novamente cheque especial, crédito para isso, crédito para aquilo, cartão de crédito.

NÃO ACEITEI NENHUM DOS PRODUTOS. Tenho uma conta simples (mesmo assim o gerente enfiou guela abaixo um cheque especial de 10 mil reais. Mas nunca fiz uso dele, em nenhum único dia nestes últimos anos (desde que readquiri meu crédito junto ao banco).

Outra burrice que eu fazia: tinha conta e cheques especiais em 4 bancos). Sem nos darmos conta pagamos um monte de taxas.

Hoje tenho conta em apenas um banco (pois recebo meus vencimentos ali) e nenhum cartão de crédito).

Guardando SEMPRE PRIMEIRO O DINHEIRO consegui comprar um carro simples, mas à vista, com ar condicionado, direção, tudo elétrico, rodas de liga leve.

Hoje, quando recebo o meu salário no fim do mês, divido em três partes: uma parte vai DIRETO para a poupança e outras aplicações; outra vai para despesas fixas (água, luz, net, gasolina, seguros, etc). E a terceira parte eu divido por 30 dias. O resultado é o valor aproximado que posso gastar por dia em alimentação.

POR ENQUANTO, GRAÇAS A DEUS, ESTÁ DANDO CERTO.

NÃO PAGO HÁ ALGUNS ANOS NENHUM, MAS NENHUM CENTAVO DE JUROS A BANCOS E OU CARTÕES DE CRÉDITO.
O que falta para nós, brasileiros, é PLANEJAMENTO.

Anônimo disse...

Há alguns anos eu andava no limite (literalmente no limite de 4 cheques especiais e vários cartões de crédito).

Pagava mais de juros do que gastava com aluguel e comida.

Para completar tive um assalto à mão armada na minha loja.

Como já andava com a corda no pescoço, fui à lona.

Única e sensata decisão: parar de pagar todos os cartões de crédito e bancos.

Um dos cartões, que tinha feito à época uma conta de 5 x 80,00 reais (já tinha conseguido pagar duas prestações) transformou este saldo de 3 x 80,00 (= 240,00) a estratosféricos 3.200,00 (TRÊS MIL E DUZENTOS REAIS).

Mas eu não estava mais preocupado. Preso eu não seria (não por não pagar as contas, pelo menos).

Depois de alguns anos, vieram as negociações.

O cartão que tinha chegado a 3.200,00 fez uma proposta de 170 reais para quitar a dívida.

Um dos banco, onde a dívida na época, chegava a 6.300,00 reais negociou este mesmo valor, em dez vezes (mas quase dez anos depois).

E assim que paguei a primeira parcela me ofereceram novamente cheque especial, crédito para isso, crédito para aquilo, cartão de crédito.

NÃO ACEITEI NENHUM DOS PRODUTOS. Tenho uma conta simples (mesmo assim o gerente enfiou guela abaixo um cheque especial de 10 mil reais. Mas nunca fiz uso dele, em nenhum único dia nestes últimos anos (desde que readquiri meu crédito junto ao banco).

Outra burrice que eu fazia: tinha conta e cheques especiais em 4 bancos). Sem nos darmos conta pagamos um monte de taxas.

Hoje tenho conta em apenas um banco (pois recebo meus vencimentos ali) e nenhum cartão de crédito).

Guardando SEMPRE PRIMEIRO O DINHEIRO consegui comprar um carro simples, mas à vista, com ar condicionado, direção, tudo elétrico, rodas de liga leve.

Hoje, quando recebo o meu salário no fim do mês, divido em três partes: uma parte vai DIRETO para a poupança e outras aplicações; outra vai para despesas fixas (água, luz, net, gasolina, seguros, etc). E a terceira parte eu divido por 30 dias. O resultado é o valor aproximado que posso gastar por dia em alimentação.

POR ENQUANTO, GRAÇAS A DEUS, ESTÁ DANDO CERTO.

NÃO PAGO HÁ ALGUNS ANOS NENHUM, MAS NENHUM CENTAVO DE JUROS A BANCOS E OU CARTÕES DE CRÉDITO.
O que falta para nós, brasileiros, é PLANEJAMENTO.