Governo Temer mostra por que é diferente do governo corrupto de Dilma.

Conselho de Administração reuniu-se hoje para apreciar indicação de Pedro Parente para a Petrobrás

A Petrobras informou esta noite ao editor que o seu Conselho de Administração se reuniu, extraordinariamente nesta segunda-feira, para apreciar a indicação do executivo Pedro Parente para os cargos de Conselheiro de Administração e de Presidente da Companhia. 

A posse de Parente será dia 31, 11h.

Inicialmente, tudo estava agendado para o dia 23, mas o Conselho de Administração alterou os procedimentos para a homologação de diretores indicados, o que exigiu mais tempo para o ato de posse. 

Cai primeiro ministro de Michel Temer. Romero Jucá pede licença para se defender.

O ministro sairá amanhã.

Jucá afirmou que vai pedir que a Procuradoria-Geral da República se manifeste sobre se há algum indício no conteúdo do diálogo divulgado de que ele possa ter cometido algum crime. O pedido à PGR deverá ser apresentado na noite de hoje.

Segundo o ministro, caso a Procuradoria entenda que não há ilegalidade na conversa, o presidente interino Michel Temer poderá reconduzi-lo ao cargo.

Energy America Brasil Wood Resources anuncia fábrica de pellets de R$ 24 milhões em Rio Grande

A empresa americana Energy America Brazil Wood Resources anunciou hoje que quer instalar uma fábrica de pellets no Distrito Industrial do Rio Grande e que irá utilizar também o complexo portuário para exportação do material.  A Energy América Brazil Wood instalará a unidade industrial de fabricação de pellets em uma área de 261.212,73 m².

O investimento inicial na cidade chega a R$ 24 milhões.

O investimento consiste de três fases, sendo que a primeira deverá ser a produção de 70 mil toneladas/ano de pellets para a exportação; a dois consiste na produção e exportação de 400 mil toneladas/ano de cavacos de madeira a granel e; a terceira será a produção e destinação de mais 350 mil toneladas/ano para o mercado externo.

O pellets é um combustível granulado fabricado a partir de diversos tipos de biomassa renovável. A matéria prima para produzir pellets virá do eucalipto, pinus e acácia de florestas cultivadas na região sul do estado. A indústria absorverá, também, resíduos de madeireiras gaúchas em atividade. 

Depois de seis anos falando em BRT, Fortunati ainda não sabe o que fará em Porto Alegre

Há seis anos na prefeitura de Porto Alegre, e falando em BRT, o prefeito José Fortunati (o amigo de Dilma Roussef) ainda não sabe que projeto de BRT vai implantar nos corredores que deveriam estar prontos para a Copa do Mundo de 2014 e ainda estão em obras.

Agora, ao apagar das luzes do seu tedioso governo, ele despachou dois secretários e o vice-prefeito para Belo Horizonte e Rio de Janeiro, com o objetivo de observarem os BRTs implantados nas capitais mineira e carioca, e trazer os modelos para Porto Alegre. 

A prefeitura ainda não sabe qual é o modelo de transporte que pretende implantar. 

EsTe é o tamanho do atraso de Porto Alegre em relação às grandes cidades brasileiras.

PV rejeita participação no governo Temer

O PV informou há pouco ao editor, que decidiu, hoje, que o Partido não participará do governo Michel Temer.

O ministro Sarney saiu na quota pessoal do presidente.

Conversações de Jucá desvalorizam o real

As conversações nada republicanas do ministro Romero Jucá jogaram o real para baixo nesta jornada de segunda-feira.

O dólar valorizou 1,61% as 16h20min, cotado a R$ 3,5749.

Michel Temer vai ao Congresso, que amanhã votará a nova meta fiscal de R$ 170,5 milhões

O presidente Michel Temer acaba de entregar ao presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros, a proposta de revisão da meta fiscal prevista para este ano. Temer foi à reunião acompanhado dos ministros Henrique Meirelles (Fazenda), Romero Jucá (Planejamento), Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) e Eliseu Padilha (Casa Civil).

A nova meta é de R$ 170,5 milhões. A anterior, de Dilma, mentirosa, era de R$ 96,6 bilhões.

O Congresso votará amanhã, 11h, a proposta. 

Manifestantes da organização criminosa lulopetista hostilizaram o presidente. 

Saiba como votaram os deputados do PMDB no caso do reajuste de 8,13% para os Poderes

O líder do governo na Assembléia corrigiu informação que o editor passou sobre a votação do aumento de 8,13% para os servidores da Assembléia, Judiciário, MPE, TCE e Defensoria Pública, porque ele votou contra e não a favor da proposta.

E defende o veto do governador.

Os servidores do Executivo ficaram de fora.

Além de Alexandre Postal, votaram contra a proposta:

Gabriel Souza, Ibsen Pinheiro, Thiago Simon e Vilmar Zanchin.

Os deputdos Boesio e Edson Brum não votaram porque estavam viajando, em Brasília.

O único voto favorável aos 8,13%, portanto em desrespeito à orientação do governo, foi o deputado Capoani.

Michel Temer não deu ouvidos à oposição e aproveitou três ministros contaminados pelas roubalheiras dos governos do PT

O presidente Michel Temer começa a pagar caro por não ter ouvido os aliados da oposição quando eles pediram que não nomeasse ex-ministros que estivessem contaminados pelas roubalheiras dos governos do PT. Foram os casos de Jucá, Henrique Alves e Geddel Vieira Lima.


Ainda no primeiro mandato de Lula, quando a Comissão de Ética Pública da Presidência da República funcionava a plenos pulmões, o então ministro da Previdência Romero Jucá teve de se explicar por três vezes sobre a relação de bens dele e de seus familiares e sobre o rosário de denúncias que pairavam contra ele. Em meados de 2005, foi bombardeado com questionamentos de conselheiros, como "se ele entendia possível cumprir sua missão como ministro da Previdência, dada a extensão das denúncias contra sua pessoa" e se considerava ter "força moral" para coordenar o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Na época, uma das suspeitas contra Jucá era de fornecer fazendas inexistentes como garantia para conseguir um empréstimo de 3,5 milhões de reais junto ao Banco da Amazônia (Basa). 

Atual ministro do Planejamento do governo interino de Michel Temer, Jucá apareceu hoje, em reportagem da Folha de S. Paulo, em conversa em que sugere ao ex-presidente da Transpetro Sergio Machado um "pacto" para travar as investigações da Operação Lava Jato. O ministro é alvo de inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeitas de integrar a quadrilha do petrolão, pedir propinas, disfarçadas de doações eleitorais, em obras da usina nuclear de Angra 3, aparece em trocas de mensagens com empreiteiros da OAS como responsável por possíveis emendas em uma medida provisória de interesse do grupo e ainda é alvo de inquérito na Operação Zelotes, onde é citado como o destinatário de parte de uma propina de 45 milhões de reais para defender interesses de montadoras de veículos.

Com R$ 300 milhões em caixa, Fras-le mira no mercado externo

A fabricante gaúcha de lonas de freio Fras-le, grupo Randon, quer usar os R$ 300 milhões da oferta pública de ações capitaneada pela empresa para expansão fora do país. A estratégia compreende, inclusive, possibilidade de fusões e aquisições no exterior.

A empresa avisou que uma das razões da diversificação é buscar hedge para o mercado interno.

No acumulado de janeiro a março deste ano, a receita bruta total da Fras-le totalizou R$ 298 milhões. O valor é 6,7% maior do que o acumulado no mesmo período de 2015. O lucro líquido consolidado, no mesmo período, somou R$ 11,7 milhões ou 15,8% inferior ao trimestre do ano anterior. 

Artigo, Nelson Jobim, Zero Hora - José Serra e as relações exteriores

No dia 18, o senador José Serra tomou posse no Ministério das Relações Exteriores — o Itamaraty.

Fez discurso marcante e sem rodeios.

Anunciou, "com os olhos voltados para o futuro", diretrizes para sua pasta.
Arrolo algumas:

(1)foco intransigente nos valores e interesses econômicos dos Brasil;
(2)responsabilidade com o meio ambiente;
(3)soluções pacíficas e negociadas dos conflitos internacionais, com empenho na superação das crises econômicas e no comércio mundial;
(4)acordos bilaterais de livre comércio, diante da paralisia dos multilaterais;
(5)negociações comerciais para nossas exportações, com reciprocidade;
(6)renovação do Mercosul

CLIQUE AQUI para ler tudo.

Ana Amélia reclama "resposta rápida" de Temer sobre o Caso Jucá

A senadora Ana Amélia defendeu nesta segunda-feira a Operação Lava Jato ao comentar a divulgação da conversa entre o ministro do Planejamento, Romero Jucá, e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado:

— Não podemos aceitar qualquer obstáculo à Lava Jato e ao trabalho conduzido pelo juiz Sérgio Moro, nem tolerar qualquer tentativa de abafar a Operação e a independência das instituições. Ninguém está acima da lei.

Ana Amélia destacou que a população foi às ruas no dia 13 de março para pedir exatamente o fim da corrupção e disse que é preciso entender o desejo da sociedade:


— O presidente Michel Temer deve ter a consciência disto: não permitir a contaminação, não levar um problema para dentro do Palácio do Planalto. Ele precisa, com urgência, dar uma resposta à sociedade e também uma resposta ao Congresso Nacional.

Ouça o áudio e leia a degravação da conversa entre Sérgio Machado e Romero Jucá

Vale a pena ouvir todo o áudio e ler com atenção as degravações, para entender melhor todo o contexto em que se deu a conversa entre Sérgio Machado e o ministro Romero Jucá.

A Folha de S. Paulo tem todo o material. Ela não identificou a fonte, mas insinuou que o material saiu da PGR.

CLIQUE AQUI para examinar áudio e texto, conforme material do UOL.

Enio Rockenbach foi sepultado neste domingo em Porto Alegre

Foi sepultado neste domingo o radialista gaúcho Enio Rockenbach. Ele morreu no sábadom, aos 82 anos, em Porto Alegre. Ele trabalhou durante 30 anos na Rádio Farroupilha.

Delegados Federais querem aprovação da PEC 429/2009 para garantir autonomia à Polícia Federal

O editor recebeu há pouco cópia da Nota da Associação Nacional dos Delegados da Polícia Fedeeral revela "preocupação" com o conteúdo dos diálogos entre o ministro Romero Jucá e o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado.

Diz a nota:

- Jucá teria sugerido a existência de um pacto no governo pra deter as investigações da Lava Jato.

A ANDPF lembra que já alertou swobre as repetidas tentativas de interferência política, reivindicando a imediata aprovaçãod a PEC 412/2009, que concede autonomia à Polícia Federal. E aproveita para pedir a substituição do atual diretor Geral. Uma lista tríplice de candidatos ao cargo está sendo organizada pela ANDPF.

MDS de Terra perde o braço do Desenvolvimento Agrário

Terra ainda não falou sobre o caso.


O ministério do Desenvolvimento Social, comandado pelo deputado gaúcho Osmar Terra, vai perder o braço do antigo ministério do Desenvolvimento Agrário, transformado por Temer em secretaria.

A nova secretaria ganhará o status de especial e ficará subordinada diretamente ao gabinete do presidente.

Esta foi a exigência do Solidariedade para indicar o titular e apoiar o governo.

Paulinho da Força, chefe do SDD, não conseguiu nenhum ministério.

"Crise Jucá" adia medidas do ajuste fiscal

A crise com Romero Jucá, ministro do Planejamento, adiou para amanhã:

1) A votação da nova proposta sobre a meta fiscal para este ano por parte do Congresso.
2) O anúncio das primeiras medidas de ajuste fiscal.
3) A coletiva de Michel Temer

E até a vista do presidente ao Congresso.

Deputado quer que Assembléia explique-se sobre sede da Ubes no Palácio Farroupilha

Segundo o jornal Zero Hora, a  Ubes, União Brasileira dos Estudantes Secundaristas, mantém uma sede dentro da Assembléia do RS, com todas as despesas e serviços pagos pelos deputados estaduais.

Em função da niotícia, o deputado Marcel Van Hatten, interpelou sua colega de PP, Silvana Covatti, presidente da Assembléia, para que confirme ou não o caso.

Sérgio Machado, o mais novo vilão dos grampos, quer delação premiada na PGR

A Folha de S. Paulo informou esta manhã que o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, negocia um acordo de delação premiada com Rodrigo Janot e seus procuradores da PGR.

Dentro e fora do Partido ele sempre foi tido como caixa da cúpula do Partido.

O ex-presidente da Transpetro teria outras gravações, inclusive com o senador Renan Calheiros.

O jornal dá a entender que o vazamento da gravação com Jucá foi de iniciativa do próprio Sérgio Machado ou de Janot, mas não garante nada.

Mudanças nos comandos gaúchos dos órgãos federais começarão esta semana

Começarão esta semana as mudanças nos comandos dos órgãos federais no RS. Os casos mais complicados são do Grupo Hospitalar Conceição e Trensurb.

Jucá concede coletiva e diz que fica. Até aliados já pedem que ele renuncie.

O ministro dificilmente permanecerá no cargo. Ao contrário de Dilma, que blindava todo ministro acusado de corrupção, Temer pedirá que os acusados saiam do seu governo.

O ministro do Planejamento, Romero Jucá, acaba de conceder entrevista coletiva, na qual anunciou que não renunciará.

Ele disse que a conversa grampeada que teve com Sérgio Machado foi banal.

O caso está com Michel Temer.

Até aliados do presidente acham que Jucá deve sair.

Esta manhã, o senador Ronaldo Caiado pediu a substituição do ministro e à tarde o PDT pedirá a cassação do mandato de Jucá.

Governos estaduais articulam-se por repactuação da dívida com a União.

O prazo de 60 dias concedido pelo STF para que os governadores e a  União busquem sobre as dívidas, termina no dia 27 de junho. Os estados mais endividados, entre os quais o Rio Grande do Sul, iniciaram reuniões na última semana, no Rio de Janeiro, para traçar estratégia conjunta nas negociações com o governo federal.

O novo governo já deixou bem claro que poderá aprovar moratória de um ano e repactuar a dívida. 

Uma conversa nos próximos dias deve ocorrer entre o novo Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles e governadores. 

Além dos encontros que envolvem técnicos dos governos estaduais, do Ministério da Fazenda e da Secretaria do Tesouro Nacional, estão em campo além de Meirelles, os ministros do Planejamento, Romero Jucá, e o chefe da Casa Civil e Eliseu Padilha.

Correio do Povo e Radio Guaiba demitem no RS

O Grupo Record passa por mais uma fase de reestruturação na equipe. Nesta semana, mais 13 colaboradores foram desligados da empresa,  entre repórteres, fotógrafo, diagramador, revisão e pré-impressão.

Mês passado, a equipe de Redação do jornal Correio do Povo passou por “adequações ao longo desta semana”, ao menos 10 colaboradores foram desligados nos últimos dias.

Opinião do editor - Saiba a quem interessa o vazamento da conversa entre Jucá e Sérgio Machado.

No dia 12 de dezembro do ano passado, a Abin passou ao comando da secretaria de governo de Dilma, no caso passou a operar sob as ordens do ministro Ricardo Berzoini, que já foi presidente nacional do PT e deputado Federal, um dos quadros mais perigosos da organização criminosa lulopetista. CLIQUE AQUI para ler a MP de Dilma.

Foi a primeira vez que a Abin passou ao comando de um ministro civil.

A partir daí, surgiram informações e evidências sobre grampos distribuídos entre inimigos e amigos do governo do PT. Os casos mais recentes, foram os grampos aplicados sobre o ministro do STF, Barroso, bem como sobre Temer e o juiz Sergio Moro, conforme esta notícia da semana passada.

Onde estão os áudios e textos dos grampos ?

Ora, na Abin.

Ora, também com o ex-ministro Ricardo Berzoini, que segundo notícias de duas semanas atrás, destruiu documentos e até registros de computadores ao sair do Palácio do Planalto, como já tinham feito os governos Olívio Dutra e João Verle no RS, conforme conto no meu livro "Herança Maldita".
É facilmente compreensível aceitar a versão de que o vazamento da gravação da conversa entre o ministro Romero Jucá e Sérgio Machado, foi obra do PT, dos esbirros do governo Dilma Roussef, e pelas mãos de Berzoini.

Se o leitor aplicar sobre o caso de hoje as perguntas clássicas das investigações mais elementares ("A quem interessa ? A quem beneficia ? A quem prejudica ?), será fácil identificar as digitais do PT e da organização criminosa lulopetista.

Não é de agora que Dilma, Lula e o PT, buscam identificar todos os políticos como ladrões, justificando com a torpeza alheia a sua própria torpeza.

O objetivo de agora é levar isto às últimas consequências, melando o governo Temer e favorecendo a tese de novas eleições para presidente e até para a tese de eleições gerais.

O editor considera grave o diálogo entre Jucá e Machado, como também acha que ele não deve mais permanecer no governo. Aliás, nem deveria ter entrado nele, como de resto nenhum dos investigados ou denunciados na Lava Jato também jamais deveriam compor o novo ministério.

Artigo, Luis Milman - O antipenalismo e o crime que vale a pena

É preciso convencer os partidos políticos que tenham compromissos liberais e conservadores a lutarem pela reforma da Lei 7210/84, a Lei de Execuções Penais no Brasil, único modo de se retomar o conceito virtuoso e não degenerado de justiça no pais. O atual modelo só garante impunidade e, com isso, produz anomalias de modo sistêmico, ao transformar penas longas em meras passagens rápidas dos apenados pelos presídios. O primeiro fator de dissuasão para o crime, para quem tem alguma inclinação para a delinquência, é a expectativa de punição. Se esta não passar de mera ficção, o delito se estabelece como norma e, assim, corrompe e desfigura o tecido das relações sociais. É o nosso caso. 
Não é aceitável que alguém condenado a 20 anos cumpra, em regime fechado, apenas um sexto da pena, se o crime não for considerado hediondo (ou dois quintos, se o for) e já tenha direito à progressão para regime não-fechado. Isto é resultado de uma deformação penalista ou, para falar de modo direto, isto é o antipenalismo que termina por beneficiar a transgressão. Isto para não falar em remissão por trabalho e indultos, também previstos na mesma lei.

Para a mente criminosa dos graúdos, é aceitável cumprir um tempo relativamente pequeno na prisão e sair, pouco depois, para se lambuzar com dinheiro roubado ou desviado dos mais diversos modos, com tramoias que envolvem ocultação de patrimônio e utilização de laranjas. É mais do que chegada a hora da nação reformular seu modelo de aplicação de justiça, pois já nos tornamos um país no qual não só a falta de virtude e de decência, a ausência de pudor e de vergonha, mas o próprio crime, vale, literalmente, a pena.

CLIQUE AQUI para ler, também, "Guinada favorece direita ideológica", caderno Mais, Folha de S. Paulo. 

Ontem, Marcos Mazoni reclamava: "Este governo canalha ainda não me demitiu". Esta manhã, ele foi atendido.

Nesta madrugada, 1h, o gaúcho Marcos Mazoni, ex-presidente da Procergs no governo Olívio Dutra, ainda presidente do Serpro, reclamava no seu Twitter:

- Não sei o que houve. Ainda não fui demitido por esse governo de canalhas.

As9h15min desta manhã, no mesmo Twitter, Mazoni avisou, aliviado:

- Ufa, finalmente me demitiram.

Maria da Glória Guimarães dos Santos foi nomeada para o lugar do petista gaúcho.

Marcos Mazoni poderia ter pedido demissão, como muitos fizeram, mas preferiu aguardar o expurgo, publicado na edição de hoje do Diário Oficial da União.

Saiu ele e toda a diretoria petista.

Profissional considerado extremamente competente, Marcos Mazoni é no entanto um quadro neomarxista petista intransigente e ortodoxo, incapaz de enxergar os crimes cometidos pela organização criminosa lulopetista.

Vieira da Cunha volta do tour europeu e não sabe se fica ou se sai do governo Sartori

Depois de se demitir, ser convencido a dar um tempo e viajar para tour europeu em plena greve dos professores, voltou ao cargo o secretário estadual da Educação, Vieira da Cunha.

O ex-deputado, procurador afastado do Ministério Público Estadual, não sabe se fica, se vai embora, se assume sua candidatura a prefeito ou se volta ao MPE para buscar a aposentadoria e depois voltar à política.

Isto tudo poderá ser decidido hoje com o governador Sartori e com o PDT.

- A greve dos professores estaduais prossegue sem solução e o índice de invasões e ocupações de escolas estaduais já é de três dígitos. 

PP ameaça abandonar o governo Ivo Sartori

O PP do RS reunirá amanhã suas principais lideranças para exigir que o governador Ivo Sartori enquadre sua base parlamentar, sobretudo o PDT.

Acontece que o PDT tem votado contra projetos fundamentais, entre eles os das concessões.

Se não for atendido, o PP sairá do governo.

Prévia da Sondagem da Indústria da FGV aponta para continuidade de alta da confiança em maio

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) atingiu 78,8 pontos em maio, de acordo com a Prévia da Sondagem da Indústria divulgada há pouco pelo IBGE. 

O resultado, que marcou a terceira elevação consecutiva, é equivalente a um avanço de 1,3 ponto na margem, descontada a sazonalidade, levando o indicador ao maior nível desde março do ano passado. Essa melhora refletiu, majoritariamente, a avaliação da situação atual, cujo índice subiu 1,9 ponto em relação a abril. No mesmo sentido, as expectativas registraram expansão de 0,7 ponto. Já o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) reverteu parcialmente a alta do mês anterior, ao recuar de 74,3% para 73,9% no período, segundo os dados dessazonalizados. 

Os economistas do Bradesco, que enviaram a avaliação ao editor ainda há pouco, estimam que a melhora da confiança reforça expectativa de alguma estabilização da atividade econômica já neste trimestre.

Mercado reduz projeção de taxa básica de juros para este ano

O mercado fez apenas alguns ajustes em suas projeções, com destaque para a taxa Selic e o câmbio, conforme apontado pelo Relatório Focus de hoje, com estimativas coletadas até o dia 20 de maio, divulgado há pouco pelo Banco Central. 

A mediana das expectativas para o IPCA subiu de 7,00% para 7,04% em 2016 e permaneceu em 5,50% em 2017. As estimativas para o PIB em 2016 passaram de uma queda de 3,88% para outra de 3,83% e, para o ano que vem, continuaram apontando expansão de 0,50%. A mediana das projeções para a taxa Selic recuou de 13,00% para 12,75% no final de 2016 e passou de 11,50% para 11,38% no próximo ano. Por fim, as estimativas para a taxa de câmbio recuaram de R$/US$ 3,70 para R$/US$ 3,67 o final deste ano e de R$/US$ 3,90 para R$/US$ 3,88 o final do ano que vem.

Artigo, Sérgio D'Ávila, Folha - O Golpe de 16

O autor comenta o papelão feito em Cannes por Kleber Mendonça Filho e seu filme Aquarius, que não levou prêmio algum e só fez campanha contra o Brasil. Ao lado, os artistas e o diretor mentem sobre o País. A seguir, trecho do artigo:

A história é boa e renderia um longa –chamemos de "O Golpe de 16"–, que nas mãos de Mendonça certamente seria bom de se ver. Mas estaria na categoria ficção.

Nele, uma elite econômica não se conforma com o resultado das urnas e passa a conspirar com o pior da política e da imprensa para fazer o impeachment de uma presidente cujo único erro foi ser honesta demais, num partido que ousou tirar os pobres da miséria.

O problema é que a realidade é outra, mais feia e nuançada. Dilma foi afastada num processo político-jurídico legítimo, amparado pela Constituição e supervisionado por uma suprema corte insuspeita, que teve 8 de seus 11 integrantes indicados por presidentes petistas.

Se não roubou, não impediu que roubassem. Presidiu sobre a pior crise econômica em décadas, em parte resultado de decisões erradas que ela tomou. Foi alvo das maiores manifestações de rua do país desde as Diretas-Já. Bateu recordes de impopularidade. Isolou-se.

CLIQUE AQUI para ler tudo. 

Meirelles anunciará hoje as primeiras medidas de cortes de gastos. Previdência é o que mais assusta.

A equipe econômica do governo deve anunciar nesta segunda-feira os cortes de gastos e medidas para reduzir o déficit nas contas do governo, incluindo a definição de um teto para conter a expansão da dívida pública.

Apenas com a Previdência, o governo apresentará ao Congresso o número de R$ 146 bilhões como o tamanho do déficit para este ano, R$ 10 bilhões a mais do que anunciado anteriormente por Dilma Roussef. Entenda os números da Previdência para este ano (entre parênteses, os números de Dilma):

Receita, R$ 356,9 Milhões (350,4 bilhões)
Despesaas, R$ 503,3 bilhões (R$ 496,5 bilhões)
Déficit, R$ 144,4 bilhões (136 bilhões)

CLIQUE AQUI para ler "A farsa da reforma da previdência", Ricardo Bergamini.

Planalto ainda não confirmou visita de Michel Temer ao Congresso

A divulgação da gravação que envolve o senador Romero Jucá, ministro do Planejamento, poderá pautar boa parte da visita que o presidente Michel Temer faria hoje ao Congresso para protocolar pessoalmente a nova proposta de meta fiscal para este ano.

Os ataques a Romero Jucá foram persistentes e diversos neste final de semana, incluindo umc aso de uso de laranja para administrar a TVCaburaí, Roraima, que seria do senador. Este é um caso antigo e voltou ao ar.

Até o início desta manhã, a visita estava confirmada.

Também não houve informação, pelo menos até as 8h30min, de que o presidente recuaria da coletiva que concederia hoje.

Crise pelo ministério da Cultura foi só espuma

O governo Michel Temer não considera que o recuo em relação ao ministério da Cultura demonstre sinal de fraqueza.

Ele acha que o caso faz muita espuma e não demonstra o real tamanho da reação do PT.

E é esta que o governo vai medir a partir de hoje.

CLIQUE AQUI para ler, também, "Hora da verdade", Ferreira Gullar, Folha de S. Paulo.

Segunda-feira será dia de nuvens e frio no RS

Porto Alegre, 8h01min: 9 graus.

O frio será bem maior nesta segunda-feira, tudo por conta de ar mais gelado de origem polar que ingressou no RS. Chuvas isoladas são aguardadas. Em Porto Alegre, o sol apareceu em meio a nuvens baixas. 

A temperatura estará baixa ao longo do dia com sensação de frio.

As mínimas de hoje oscilarão entre os 1ºC em São José dos Ausentes e 3°C em Vacaria. As máximas, por sua vez, podem chegar aos 17°C em Santa Cruz e no Litoral Norte. Em Porto Alegre, os termômetros variam entre 9°C e 16°C.

As listas da Lei Rouanet começam a circular. Deputado quer auditoria do TCU no ministério da Cultura.

O editor confere desde ontem duas listas completas com os nomes de artistas, intelectuais e projetos beneficiados pela Lei Rouanet durante o governo Dilma Roussef, PT. A lista contém datas e valores.

Elas serão submetidas a escrutínio durante esta segunda-feira.

Neste domingo,em Curitiba, o deputado Fernando Francischini, Solidariedade, disse no seu Facebook que vai protocolar nesta segunda-feira um requerimento de auditoria na Lei Rouanet. Fará isto junto à Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados.Ele quer que o TCU abra apuração de todos os projetos para os quais a Lei Rouanet concedeu captação de verba nos últimos 14 anos.

O deputado do Paraná quer que o ministério da Cultura diga se foram obedecidos os critérios do TCU, que proibiu a destinação de recursos pasra eventos com fins lucrativos. E também quer apurar denúncias de que parte do dinheiro captado foi devolvido para a própria empresa doadora.

Gim Argelo teria gravado diálogos com Renan Calheiros

Nas redes sociais circulam desde ontem a noite notícias de que já vazaram gravações de diálogos entre o ex-senador Gim Argelo, preso em Curitiba no âmbito da Lava Jato, e o senador Renan Calheiros.

Polícia Federal já está nas ruas desde esta madrugada

Começou esta madrugada a 29ª fase da Operação Lava Jato desde a madrugada desta segunda-feira em Brasília, Pernambuco e no Rio de Janeiro. A ação foi batizada de "Repescagem". Estão sendo cumpridos seis mandados de busca e apreensão, um de prisão preventiva e dois mandados de prisão temporária.

Os mandados foram expedidos em procedimento que investiga os crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e corrupção passiva a ativa envolvendo verbas desviadas do esquema criminoso revelado no âmbito da Petrobras.

Segundo a PF,um dos investigados foi assessor do ex-deputado federal José Janene e tesoureiro do Partido Progressista. "Foi, juntamente com o deputado, denunciado na Ação Penal 470 do STF (Mensalão), acusado de sacar cerca de um milhão e cem mil reais de propinas em espécie das contas da empresa SMP&B Comunicação Ltda., controlada por Marcos Valério Fernandes de Souza, para entrega a parlamentares federais do Partido Progressista, no escândalo criminal conhecido vulgarmente por Mensalão", disse a PF. Segundo a PF, surgiram elementos probatórios que apontam a participação do investigado também no esquema criminoso que vitimou a Petrobras. As investigações apontam que ele continuou recebendo repasses mensais de propinas, mesmo durante o julgamento do Mensalão e após ter sido condenado, repasses que ocorreram pelo menos até o ano de 2013.

Em diálogos gravados, Jucá fala em pacto para deter avanço da Lava Jato: "Tem que resolver essa porra !"

Sérgio Machado foi quem gravou tudo.

Os jornais desta manhã passam informações que poderão derrubar nesta segunda-feira um dos ministros mais fortes do novo governo, o ministro do Planejamento e presidente do PMDB, Romero Jucá. O que acontece é que conversas ocorridas em março passado, o ministro do Planejamento, senador licenciado Romero Jucá (PMDB-RR), sugeriu ao ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado que uma "mudança" no governo federal resultaria em um pacto para "estancar a sangria" representada pela Operação Lava Jato, que investiga ambos.

Gravados de forma oculta, os diálogos entre Machado e Jucá ocorreram semanas antes da votação na Câmara que desencadeou o impeachment da presidente Dilma Rousseff. As conversas somam 1h15min e estão em poder da PGR (Procuradoria-Geral da República).

O advogado do ministro do Planejamento, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, afirmou que seu cliente "jamais pensaria em fazer qualquer interferência" na Lava Jato e que as conversas não contêm ilegalidades.

Machado ocupa a maior parte da conversa. Leia o diálogo principal:

Machado - O Janot está a fim de pegar vocês. E acha que eu sou o caminho. [...] Ele acha que eu sou o caixa de vocês. Machado, o envio do seu caso para Curitiba seria uma estratégia para que ele fizesse uma delação e incriminasse líderes do PMDB. Preciso que seja montada uma "estrutura" para me proteger. Aí fodeu. Aí fodeu para todo mundo. Como montar uma estrutura para evitar que eu 'desça'? Se eu 'descer.
Jucá -  Este teu caso não pode ficar na mão desse [Moro].
Machado - Então eu estou preocupado com o quê? Comigo e com vocês. A gente tem que encontrar uma saída. As novas delações na Lava Jato não deixarão "pedra sobre pedra".
Jucá -  Será preciso uma resposta política para evitar que o caso caia nas mãos de Moro. Se é político, como é a política? Tem que resolver essa porra. Tem que mudar o governo para estancar essa sangria.
Machado - É preciso uma coisa política e rápida.
Jucá - [Em voz baixa] Conversei ontem com alguns ministros do Supremo. Os caras dizem 'ó, só tem condições de [inaudível] sem ela [Dilma]. Enquanto ela estiver ali, a imprensa, os caras querem tirar ela, essa porra não vai parar nunca'.. E o Aécio ?
Machado - É aquilo que você diz, o Aécio não ganha porra nenhuma...
Jucá  - Não, esquece. Nenhum político desse tradicional ganha eleição, não.
Machado - O Aécio, rapaz... O Aécio não tem condição, a gente sabe disso. Quem que não sabe? Quem não conhece o esquema do Aécio? Eu, que participei de campanha do PSDB...
Jucá - É, a gente viveu tudo.