PIB baixo no 3º trimestre expõe 'herança maldita'

* Clipping Veja

Analistas dizem que Dilma sofre ao tentar corrigir erros da gestão anterior, que deixou de investir em infraestrutura e na qualificação de mão de obra

A falta de políticas consistentes para áreas cruciais da economia ao longo dos oito anos de governo Lula foi apontada por economistas ouvidos pelo site de VEJA como um dos motivos que levou o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro a apresentar a taxa pífia de crescimento de 0,6% no terceiro trimestre.

. Embora tenha conduzido a política econômica de forma responsável – principalmente a monetária, menos por mérito pessoal e mais por ter relegado o trabalho ao ex-presidente do BC, Henrique Meirelles –, o antecessor de Dilma Rousseff pouco fez para elevar a produtividade e ampliar os investimentos no país.

. Diante disso, a chamada Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que mede o volume de investimento na economia doméstica, mostrou nesta sexta-feira a quinta redução trimestral consecutiva. As consequências da inação de Lula também começam a ser notadas no segmento de serviços, cuja expansão dá sinais de esgotamento graças ao "apagão" de mão de obra, isto é, a escassez de profissionais qualificados decorrente da péssima estrutura de ensino brasileira.

. Em outras palavras, o PIB divulgado nesta sexta-feira é a perfeita tradução da 'herança maldita' deixada pelo ex-presidente à sua sucessora.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

O PT de Rosemary - Até no exterior Rosemary frequentava a suite de Lula (mas só quando Marisa estava fora).

CLIQUE AQUI para ver e ouvir o comentário do jornalista José Nêumanne Pinto, autor do livro "O que eu sei de Lula", no qual descreve episódios anteriores do ex-presidente, que são até mais escabrosos do que o Caso Rosemary.

* Clippin www.terra.com.br

interceptação de e-mails da ex-chefe do escritório da Presidência da República em São Paulo, Rosemary Noronha, revela a longa relação de intimidade que ela manteve com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Eles se conheceram em 1993, no PT, e desde então se tornou uma aliada importante do político. A relação, no entanto, já gerou clima de mal-estar tanto na equipe de Lula como com a mulher do ex-presidente, Marisa Letícia, como revela o jornal Folha de S. Paulo. Segundo a publicação, Marisa jamais escondeu que não gostava da assessora do marido.

Durante 19 anos, o relacionamento de Lula e Rose se manteve oculto do público. Em Brasília, a agenda presidencial tornou a relação mais complicada. Quando a então primeira-dama Marisa Letícia não acompanhava o marido nas viagens internacionais, Rose integrava a comitiva oficial.

Segundo levantamento feito pelo jornal, tendo como base o Diário Oficial da União, Marisa não participou de nenhuma das viagens oficiais do ex-presidente das quais Rosemary esteve. Integrantes do corpo diplomático ouvidos pelo jornal, na condição de anonimato, afirmam que a presença dela sempre causou mal-estar dentro do Itamaraty. Na opinião deles, a ex-chefe do escritório da Presidência em São Paulo não era necessária. Oficiais da Aeronáutica se preocupavam com o fato de que ela por vezes viajava no avião presidencial sem estar na lista oficial. Nessas viagens, seguranças que guardavam a porta da suíte presidencial nas missões fora do Brasil registravam ao superior imediato a presença da assessora. Lula chegou a receber de amigos reclamações dando conta de que ela tratava mal os funcionários. 

Veja como a imprensa estrasngeira trata o escândalo de corrupção envolvendo Rosemary e os governos Lula e Dilma Roussef:


Carris prossegue greve neste sábado em Porto Alegre

A Carris, Porto Alegre, maior empresa de ônibus de Porto Alegre, continua em greve neste sábado.  Rubens Dobal, membro da comissão dos funcionários da empresa, afirma que os grevistas irão manter a greve enquanto não houver acordo. Como a Carris responde por 30% da frota total da cidade, o trânsito na sexta-feira resultou amarrado.

. Não está sendo respeitada decisão judicial que manda manter em funcionamento  70% da frota nos horários de "pico" e 50% nos demais horários. A determinação prevê multa diária no valor de R$ 15 mil para o sindicato, em caso de descumprimento da medida.

- A reivindicação principal dos trabalhadores é o pagamento de um bônus de desempenho, no valor de R$ 800,00, que devia ter sido quitado em novembro e não foi. A Carris fez uma acordo para pagar e depois voltou atrás.