Se vale para o Maranhão, porque intervenção federal não valeria também para o RS ?

A entrevista a seguir é de um membro proeminente do governo Dilma Roussef, candidato ao governo do Maranhão. Ele reverbera propostas que cresceram nas últimas 48 horas. Com base no caso da Penitenciária de Pedreewiras, é de se perguntrar se as condições apontadas pelo membro do governo Dilma ("comprometimento da ordem pública e o desrespewito aos direitos huymanos", não são as mesmas do RS, já que a própria OEA acaba de exigir que o governo Tarso Genro tome providências em 15 dias para mudar o cenário de desordem e desrespeito existente no Presídio Central. Como disse o presidente nacional da OAB ao editor, a situação do Central só se compara à de Pedreiras, porque aqui como lá, quem comanda o presídio são as facções criminosas e não o governo, porque este não tem como administrar superlotação de 4.400 presos num presídio imundo e desequipado. O governo tirou uma nota desrespeitosa em resposta e o governador entrou de férias. A reportagem a seguir, sobre o Maranhão, é do site www.brasil247.com.br:


Se a sensação nas ruas de São Luís é de medo, diante da onda de violência e da decisão do sindicato dos ônibus de impedir a circulação dos coletivos, a temperatura também deve subir no campo político. Em entrevista exclusiva ao 247, o pré-candidato ao governo estadual, Flávio Dino, afirmou que já existem condições jurídicas para uma intervenção federal no Maranhão. "Dois casos que permitem intervenção são o comprometimento da ordem pública e o desrespeito aos direitos humanos", diz Dino. "Por muito menos, houve intervenção no Espírito Santo". 
Dino, que é presidente da Embratur e filiado ao PCdoB, se refere à intervenção ocorrida em 2002, no governo FHC, que atingiu seu aliado José Ignácio, também tucano, e que se mostrava incapaz de combater o crime organizado no Estado. Doze anos depois, no Maranhão, a situação seria ainda mais grave, segundo Dino. "No presídio de Pedrinhas, 60 pessoas morreram no ano passado e outras duas foram mortas neste ano", afirma ele. 

O político também classifica como "irresponsável" a declaração do ex-presidente José Sarney, que teria rotulado a crise como "briga de bandidos", que ocorreria dentro dos presídios.

CLIQUE AQUI para ler mais. 

A partir de 3a. feira, RS só terá pedágios estatais nas estradas estaduais

Apesr das declarações otimistas do governo, o Tesouro já teve que socorrer a EGR com R$ 30 milhões a fundo perdido. As estradas pedagiadas pelas concessionárias, agora têm cobrança feita pela EGR, que cobra tarifas menores, mas não oferece serviços de guincho e nem de socorro médico.

A partir da zero hora desta terça-feira (7), a Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR) passa a administrar 14 praças de pedágio público-comunitários mediante cobrança de tarifa em Viamão, Santo Antônio da Patrulha, Gramado, Três Coroas e São Francisco de Paula.

Em razão do fim do programa estadual de concessão de rodovias, a EGR assumiu, no dia 30 de dezembro de 2013, os pedágios de Viamão, na ERS-040, Santo Antônio da Patrulha, na ERS-474, Gramado, na ERS-235, Três Coroas, na ERS-115, e São Francisco de Paula, na ERS-235.

. "Com isso, a EGR irá administrar aproximadamente mil quilômetros de rodovias", afirma o presidente da empresa, Luiz Carlos Bertotto.

Criada em julho de 2012, a EGR , a EGR assumiu, em 12 de junho, a administração dos pedágios de Encantado, Boa Vista do Sul, Cruzeiro do Sul e Flores da Cunha, e, em 2 de julho, os pedágios de Venâncio Aires e de Candelária.

- O orçamento da Empresa Gaúcha de Rodovias para 2014 é de cerca de R$ 182 milhões, com uma malha de aproximadamente mil quilômetros a ser administrada, sendo que a meta é utilizar 80% desses recursos nas rodovias. "Esses valores serão suficientes para manter as rodovias, seus serviços e ainda investir nas estradas", diz Bertotto. Conheça, a seguir, o programa de investimentos da EGR para este ano.

Livro que denuncia Lula como alcaguete do Dops continua sumido das livrarias de Porto Alegre

O livro "Assassinato de Reputações" continua fora do mercado em Porto Alegre. Neste domingo, a livraria Fnac, shopping Barra, informou ao editor que a previsão de chegada é 15 de janeiro. A seguir, leia resumo elaborado pelo editor no seu site www.polibiobraga.com.br, abordando o principal capítulo do livro, justamente o que denuncia em detalhes o caráter de alcaguete exercido por Lula durante a ditadura militar. Ninguém do PT, sequer Lula, atrevem-se a desmentir o que conta Tuma Júnior, que fala como protagonista, porque acompanhou as deduragens de Lula para seu pai, Tumão, o então todo-poderoso chefão do Dops. Leia:

- Escreve Romeu Tuma Júnior na página 66 do seu livro "Assassinato de Reputação": "Eu vivi essa história com o meu "velho" (o chefão do Dops de SP na ditadura, Romeu Tuma). Sou protagonista; eu era policial (investigador do Dops) não esqueçam". O livro chegou a Porto Alegre nesta segunda-feira. O editor comprou um exemplar, leu, e vai resumir em notas o que considera mais relevante. 

Em 20 páginas (51 a 70) de enorme consistência, o delegado Romeu Tuma Júnior desconstrói por completo a imagem que Lula e o PT forjaram ao longo da sua exitosa carreira de sindicalista e líder político, reduzindo-o a um reles dedo duro da ditadura militar - um traidor da causa operária e dos oposicionistas que acreditaram na sinceridade do que ele proclama até hoje nas assembleias, nas convenções e no governo.

. O título do capítulo em que conta a deduragem diz tudo:"Lula: Alcaguete e aprendiz do Dops".

. O que escreve Tuma Júnior, relatando a ordem de Lula para que seu ministro Tarso Genro deveria mantê-lo secretário nacional da Justiça, como reconhecimento das "relações íntimas" que o presidente sustentava com Tumão, o pai de Tuma Júnior, quando este comandava o Dops de São Paulo, justamente o órgão estadual da repressão, enlace direto com os militares e sobretudo com o general Golbery do Couto e Silva, o ente político de Geisel e da tese da abertura "lenta, gradual e segura":

- Na ditadura, Lula foi um dos mais importantes informantes do Dops, capitaneado pelo meu pai.

. Lula era o que no jargão policial chama-se "ganso (nos sindicatos, a função chama-se Judas ou Judas) e seu nome de guerra era "Barba". Ele foi recrutado por Tumão, antes mesmo de ser preso em 1980. Na prisão, Lula costumava dormir na poltrona da sala de Tumão no Dops. Pouco ia para o xadrez onde estavam seus companheiros, alegando que era "ouvido" a toda hora pelos policiais e militares, o que não deixava de ser verdade. 

. A função era muito perigosa:

- Se soubessem que era informante pessoal do meu pai, Lula estaria morto há muito tempo.

. Mais adiante, Tuma Júnior escreve (página 53)

- Lula era o nosso melhor informante, por isso eu estava na missão de acompanhá-lo em sua prisão. Lula nos prestava iformações muito valiosas sobre as datas e locais de reuniões sindicais, quando haveria greve, onde o pastrimônio das multinacionais poderia estar em risco por conta dessas paralisações. Queríamos informações especiais sobre o líder dos bancários. Luiz Gushikin,um jovem trotskista da facção Libelu.

. Sobre Gushikin, que depois seria seu ministro da Propaganda, mais tarde defenestrado em meio a denúncias, eis o que Lula pensava dele:

- Gushikin é o mais arredio, um louco incontrolável.

. Tuma Júnior conta no livro que Lula entregava tudo de Gushikin.

. A colaboração com a polícia da ditadura militar, incluía acertos com as multinacionais do setor automotivo:

- Lula combinava as greves com empresários e avisava o Dops. Muitas das greves que ele armava com os empresários eram pasra aumentar o valor de venda dos veículos.

. Não foi por acaso que Miguel Jorge, um dos ex-presidentes de montadoras do ABC, virou ministro de Estado, sob Lula.

. Tuma Júnior concede datas, locais, testemunhas, situações - em grande profusão.


. Muito do que ele escreve, é contado de maneira bem mais encoberta nos livros "Jogo Duro", do banqueiro e ex-presidente da Anfavea, Mário Garnero, e "O que eu sei de Lula", de José Nêumanne Pinto. 

Volta das praias lota freeway. 95 mil carros passarão por ali entre domingo e segunda.

Desde sábado a tarde, voltar de Florianópolis para Porto Alegre virou um suplício de até 10 horas, porque a BR-101, trecho que vai até Torres, continua em obras que não se completam nunca. São pontos críticos a ponte de Laguna e o Morro dos Cavalos.

. Neste domingo a tarde, também o trecho entre Torres e Porto Alegre, mesmo com rodovias duplicadas, passou a exigir muita paci^ncia.

. Somente pela freeway são esperados 95 mil carros entre este domingo e segunda. 

CLIQUE AQUI para examinar imagens ao vivo, agora, do movimento na freeway.

. O movimento em Porto Alegre começou a retomar sua normalidade neste domingo, mas ainda assim a circulação de carros é reduzida. Supermercados, restaurantes, parques e shopping centers apresentram bom movimento, até porque a temperatura é amena neste domingo. CLIQUE AQUI para ver imagens ao vivo nas ruas de Porto Alegre. 

Chefão da Fifa reclama: "O Brasil é o País mais atrasado desde que eu estou na Fifa"

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, reafirmou sua percepção de que haverá novos protestos e manifestações durante o Mundial de 2014. Ele está desencantado com o atraso brasileiro:

- O Brasil tomou consciência do tamanho do desafio de receber uma Copa do Mundo tarde demais. É o País mais atrasado desde que eu estou na Fifa e, portanto, foi o único que tinha tanto tempo – sete anos – para se preparar.


Na última quarta-feira, o ministro do esporte, Aldo Rebelo, informou que os seis estádios que ainda precisam ficar prontos serão entregues somente em janeiro de 2014, fora do prazo dado pela Fifa, que era dezembro de 2013.

Artigo, Vinicius Torres Freire - "Não vai ter Copa"

Em artigo para o jornal Folha de S. Paulo, o jornalista avisa que manifestações marcadas para começar no dia 25 de janeiro, portanto daqui a alguns dias,  podem embaralhar previsões para este 2014. Leia todo o artigo:

"NÃO VAI TER COPA" é o mote de protestos marcados para o dia 25 de janeiro, em todas as capitais, ou pelo menos nas "capitais da Copa". Seria um ensaio da reestreia dos protestos, iniciativa de alguns daqueles grupos que desencadearam as manifestações de 2013.

Como tais grupos são desarticulados e dispersos, é difícil saber o que articulam. Muito menos é possível saber se vai haver repeteco da articulação esdrúxula, acidental e mesmo indesejada entre pequenos grupos de esquerda e massas indignadas mas apolíticas, o grosso de quem foi às ruas.

A Copa é, óbvio, um prato cheio de desperdício, politicagem autoritária, incompetência e outros acintes. A depender do gosto do freguês manifestante, não vai ser difícil contrastar essa despesa perdulária e arbitrária com algum motivo de revolta com a selvageria social e a inércia política brasileiras.

Vai colar? ]

CLIQUE AQUI para ler mais. 

Tarso já ficou fora do Estado o equivalente a 1/4 de um ano de mandato

Ao final das férias de 11 dias que curte no Uruguai, o governador Tarso Genro terá mais uma razão para contabilizar pelo menos duas vantagens que superam de longe o que fizeram os governos Rigotto e Yeda Somados:

Ausências do Estado
127 dias, o equivalente a quatro meses e sete dias, ou ¼ de um ano inteiro.
Voltas ao mundo (só viagens internacionais)
5 voltas ao mundo, o equivalente a 200 mil quilômetros

Ao final deste mês, contabilizados os 17 dias em que permanecerá no exterior, Tarso Genro terá acumulado 90 dias de viagens internacionais, mais do que a soma do que viajaram os dois governadores anteriores, Rigotto (59 dias) e Yeda (16 dias). Das 16 viagens que fez em três anos, o governador tem dado clara preferência por Países atrasados. Ele viajou 5 vezes ao Uruguai, 5 vezes a Portugal, duas vezes a Cuba e uma à Palestina, paisecos que nada significam na nossa pauta de exportações e de investimentos. As viagens se justificam por preferências ideológicas atrasadas do governador. 

Polícia gaúcha age rápido e prende assassino do motorista de táxi

Ao lado, a foto distribuída pela Polícia. O acusado teve prisão provisória decretada.



A Polícia foi rápida e em entrevista coletiva na tarde deste sábado, divulgou a identidade do jovem preso Por ter assinado um taxista em Porto Alegre no início da manhã de sexta-feira.

. O suspeito, de 23 anos, foi identificado como Teimis Magno Cardoso Cunha. Ele é um ex-frentista do posto de combustíveis, na Avenida Princesa Isabel, onde ocorreu o crime.


. Logo abaixo, vai nota sobre o crime, inclusive repercussão das ações da Brigada para proteger o Palácio e a casa do governador, diante dos temores de que protestos de taxistas poderiam ocorrer nos dois locais. 

Abriu o maior vestibular do RS, o da Ufrgs

Começaram, às 8h30min deste domingo, as provas do primeiro dia do vestibular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

. São 42 mil inscreitos para 5.461 vagas.

. O vestibular terminará na quarta-feira.

Governo avisa que poderá abrir mercado para aviões estrangeiros durante a Copa

Na véspera do Mundial, ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffman, afirmou neste final de semana que o governo vai usar o que estiver ao alcance para que os preços não sejam abusivos, inclusive permitir por medida provisória a operação de empresas estrangeiras. O que ela avisa:

-Nenhuma pendência impedirá a realização da Copa do Mundo.

Esta família de Porto Alegre foi arruinada pelo vício

CLIQUE AQUI para ler entrevista do editor com o ex-secretário da Saúde, Osmar Terra. Durante uma hora, Terra desfia argumentos irrespondíveis sobre o desmonte que a droga produz sobre o cérebro das pessoas e sobre as relações interpessoais.

A reportagem a seguir é do jornal Zero Hoira deste domingo. Quem assina é Letícia Costa. FHC, o presidente Mujica, o governador Tarso Genro e todos os que defendem a liberação da maconha, precisam conhecer esta história terrível, ocorrida em dezembro em Porto Alegre. Ela não é exceção. Milhares de famílias gaúchas sofrem da mesma forma, tudo porque governo e sociedade não dão combate duríssimo aos viciados e aos traficantes. As famílias destruídas estão aí, mas FHC, Mujica e Tarso, não são capazes de dar bons exemplos de pessoas beneficiadas pelo uso das drogas. A reportagemn é de Letícia Costa:

Eram 21h de sexta-feira, 30 de outubro de 2009, quando Daniel da Silva Blanco (foto ao lado) chegou em casa na Rua Urussanga, bairro Guarujá, zona sul de Porto Alegre.

Viciado em cocaína, o jovem de 29 anos olhou para a avó, que assistia à televisão, e ordenou, antes de se trancar no quarto:

– Linda (a avó), resolve lá pra mim!

. Resignada, Linda Alsira da Silva Blanco, 69 anos, sabia o que tinha de ser feito. Desde que Daniel tornara-se dependente químico, era a aposentada quem sustentava o vício do neto. Mas naquela noite a conversa com o taxista que chegara para cobrar a droga fora diferente. Linda não tinha R$ 80 para pagar – e morreu no colo de uma filha, com um corte profundo na cabeça, após conversar com o motorista.

. A morte de Linda era tratada como um acidente, mas, em outubro passado, a telefonista Márcia Rosane Blanco de Moraes, filha de Linda, contou o que sabia ao delegado Lauro Santos, da 10ª Delegacia da Polícia Civil:

– Ela foi morta pelo taxista.

.A tragédia vivenciada pelos Blanco expõe o drama de dependentes químicos e de seus familiares.

(...)

Ao reabrir o caso, Santos solicitou à Justiça a autorização para um mandado de busca e apreensão da arma e de prisão temporária – que não foram deferidos pela Justiça.

Na quinta-feira, 26 de dezembro, o homem se apresentou à polícia, e negou a agressão.

(....)


Depois da morte de Linda, Daniel foi mandado embora pela tia. Perambulou entre residências de parentes. Em 22 de janeiro de 2010, foi de táxi na casa de familiares e de alguns vizinhos na tentativa de conseguir dinheiro emprestado para pagar mais uma “corrida”. Na última chance, recorreu ao endereço onde um tio trabalhava, na Rua Vigário José Ignacio. Na portaria, o taxista esperava o dinheiro, mas o parente do dependente químico estava de férias. Sem encontrar uma solução, Daniel pôs fim à própria vida.

CLIQUE AQUI para ler toda a reportagem e também a entrevista da psicóloga Fátima Padim, intitulada “A dependência química é uma doença crônica"

Folha diz que "bom" sauperavit primário não passa de otimismo primário de Mantega

Em editorial deste domingo, a Folha de São Paulo denuncia que o ministro da Fazenda anunciou o cumprimento de meta do governo federal para superavit, mas que isto ´pe falso, porque que só remenda um fraco desempenho fiscal. Leia tudo:

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, quis iniciar 2014 com uma nota otimista. Anunciou anteontem que o governo federal cumpriu sua meta de superavit primário, antecipando em quase um mês o anúncio do resultado das contas do ano passado.

. O resultado primário é a diferença entre receitas e despesas, excluídos os gastos com os juros da dívida pública.

. O ministro, porém, não fez mais do que confirmar que o governo conseguiu, na undécima hora, remendar um desempenho fiscal na melhor das hipóteses sofrível.

Pelo menos 45% da meta de superavit federal foi preenchida graças a receitas extraordinárias, como os recursos obtidos com o leilão do campo de petróleo de Libra e o refinanciamento de débitos tributários.

CLIQUE AQUI para ler tudo.