Tarso foi chamado para acalmar PT em São Leopoldo. Oposição cresce com Aníbal Moacir.

Os principais Partidos de São Leopoldo, RS, promovem convenções e reuniões frenéticas para fechar suas chapas para a disputa das eleições municipais de outubro. Foi em São Leopoldo que começou a chamada Rota das Estrelas, o conjunto de municípios da Grande Porto Alegre dominado pelo PT. "Aqui começou e aqui terminará a Rota", disse ao editor o ex-secretário do Desenvolvimento, Marco Antonio Pinheiro, que colocou a administração de Ary Vanazzi na roda, depois que montou um dossiê com 1.200 páginas de denúncias.

. O domínio de 8 anos do PT está ameaçado não apenas em função da Operação Cosa Nostra, desfechada pelo MPE e Polícia Civil para investigar malfeitorias da administração do prefeito Ary Vanazzi, como também pelo fortalecimento da oposição.

. As duas composições mais fortes apresentam-se desta forma, 15h27min deste sábado:

Situação, liderada pelo PT - Neste momento, o próprio governador Tarso Genro está em São Leopoldo tentando acomodar suas forças, porque o prefeito Vanazzi foi obrigado a retirar a candidatura do seu candidato, Paulo Borba, engolindo o nome do deputado Ronaldo Zulke, seu adversário interno. O vice indicado é Guerino Roso, pai do deputado Alexandre Roso, do PSB, o que causou desconforto dentro do Partido, que preferia um dos seus quatro vereadores. Guerino Roso tem 83 anos.

Oposição - O médico tucano Anibal é o candidato mais forte da oposição, apoiado pelo PMDB, que indicou para vice o vereador Daniel Daudt. O PP saiu da base do governo, levou junto seus dois vereadores e resolveu apoiar a oposição, o que também fez o DEM. Até o final da tarde, Aníbal Moacir espera receber o apoio do PDT. O vereador Fernando Henning, PPS, também é candidato a prefeito, mas PSDB e PMDB acontinuam apostando na adesão dele.

Carta de um brasileiro ao diretor do ABC Color: "Peço perdão pelo Brasil, meu caro amigo paraguaio"

-  Madruga Duarte foi durante muitos anos diretor do jornal Zero Hora, RBS, Porto Alegre. Nele, criou e implantou os Classificados. Mais tarde, representou o grupo gaúcho em Buenos Aires, de olho no Mercosul. Atualmente, vive e trabalha no Paraná. Na vida pública, foi Secretário de Turismo do governo de São Paulo. Antes de ingressar na RBS, foi diretor do Banco de Tokio em Porto Alegre. A carta a seguir é de uma mente esclarecida:

De: Madruga Duarte [mailto:bmd@terra.com.br]
Enviada em: sábado, 30 de junho de 2012 10:17
Para: ABC COLOR ZUCCOLILLO
Assunto: Sinto vergonha, meu Amigo

Meu querido Amigo Acero,
Hoje, ao ler manchetes em jornais, senti vergonha de ser brasileiro. O Mercosul, do qual por apoio do Grupo onde eu trabalhava (RBS),  fez muito pela implantação  do mesmo, enlouqueceu. E, claro,que a  manutenção  dos seus princípios – éticos e democráticos, já não são levados em consideração.

Sinto agora que tudo isso caiu por terra, com essa Venezuela – dirigida um demagogo, ladrão e louco.

E o que posso fazer?

Na prática, quase nada, a ser gritar pelas esquinas, falar com as pessoas que conheço e tentar elaborar o problema. Mas o mesmo Deus brasileiro é, também, o Deus paraguaio.Vamos confiar nele, já que nas pessoas está difícil manter as crenças.

Perdão, meu querido Amigo, de um brasileiro apenas, porém que tenta manter intacto os seu princípios.

Madruga Duarte

CONHEÇA o jornal ABC Color, o mais importante do Paraguai: www.abc.com.py 

Correspondências - Grich, o gnomo que odeia o Natal, tenta acabar com o Natral Luz de Gramado

- A troca de cartas a seguir é uma licença literária, mas revela com exatidão o que está acontecendo em Gramado, onde a vanguarda do atraso conseguiu encurralar empreendedores privados que há 26 anos vêm transformando aquilo que era uma procissão relgiosa de poucos fiéis, numa festa global de dimensões turísticas inacreditavelmente exitosa. O texto foi publicado no blog do Giulio Sanmartini.

Caros Drs. Hocus & Pocus
Ouvi alguém dizer que o Grinch esteve à solta em Gramado no Rio Grande do Sul.Por favor o que é um Grinch e o que ele estaria fazendo em Gramado? Teria algo a ver com o Grinch que roubou o Natal filme de 2000?
Horrildo Natalino

Caro Horrildo
Acertou quase em cheio.O Grinch é um gnomo criado pelo escritor de literatura infantil Dr. Seuss. Este gnomo odeia o Natal. Está sempre tentando colocar soporífero na ração das renas do trenó de Papai Noel e dando curto circuito nas luzinhas das árvores de natal. Este ano decidiu atuar no Brasil. Há 25 anos Gramado tem uma festa anual chamado o Natal de Luz. Nas primeiras semanas de dezembro. O evento passou a ser identificado com a cidade e atrai turistas àquela cidade da serra gaúcha. Sempre gerou lucros para a cidade. No ano passado dois promotores públicos tiveram por bem achar que a festa, organizada por seu idealizadores,  empreendedores privados,  desde o início, consistia num abuso econômico com recursos da cidade. Abriram ações penais contra algumas dezenas de pessoas e indicaram um interventor para administrar o evento. Este anunciou que a festa de 2011 renderia cinco milhões aos cofres da cidade e montou sua equipe ao arrepio inclusive da propriedade intelectual registrada do evento. O resultado foi uma festa mal organizada que não só não deu lucro como gerou prejuízos, inclusive com o não-pagamento de fornecedores e tentativas de obrigar os mesmos a reduzir os preços de serviços contratados pelo interventor. Enquanto isto os antigos administradores precisavam defender das acusações de crimes. Os desembargadores ligados ao caso têm concedido o trancamento das ações penais um a um, contra todos os acusados pelo MPE. Nesta altura o interventor nomeado pelo Ministério Público Estadual está sendo investigado por maquiar as contas, e os acusados estão sendo inocentados uma a um.  A prefeitura que não teve nada a ver com a tentativas de estatizar o evento agora se vê confrontada com os prejuízos. Realmente pode se dizer que o Grinch andou em Gramado neste Natal travestido de promotor do MPE. Típica palhaçada de burocrata querendo empurrar sua ideologia e mexer com aquilo que não entende. Uma lição exemplar do princípio de não mexer em time que está ganhando.
Atenciosamente
Hocus & Pocus

A notícia que deu origem à troca das cartas acima é a seguinte:
CPI do Natal Luz vai convocar promotores e o administrador judicial,Dr. Rubinho – Políbio Braga
A CPI do Natal Luz, Gramado, vai convocar os promotores Antonio Képes e Max Guazzeli. A lista inclui o administrador judicial indicado por ambos, Ruben Oliveira, o dr. Rubinho.

. Dr. Rubinho será convocado por edital, caso não seja localizado. 

. Ele será o penúltimo a depor.

- A CPI quer saber por que a última edição do Natal Luz resultou em grosso prejuízo financeiro para a prefeitura de Gramado, exatamente no ano em que o MPE colocou-o sob intervenção judicial, sob a alegação de que os empreendedores privados estavam ganhando muito dinheiro.

Artigo, Elio gaspari - A leviana diplomacia do espetáculo

 * Clipping Folha de S. Paulo e O Globo 

A patrulha internacional que atacou Paraguai é impertinente e só serve aos interesses da democracia chavista
Poucas vezes a diplomacia brasileira meteu-se numa estudantada semelhante à truculenta intervenção nos assuntos internos do Paraguai. O presidente Fernando Lugo foi impedido por 39 votos a 4, num ato soberano do Senado.

Nenhum soldado foi à rua, nenhuma linha de noticiário foi censurada, o ex-bispo promíscuo aceitou o resultado, continua vivendo na sua casa de Assunção e foi substituído pelo vice-presidente, seu companheiro de chapa.

Nada a ver com o golpe hondurenho de 2009, durante o qual o presidente Zelaya foi embarcado para o exílio no meio da noite.

Quando começou a crise que levou ao impedimento de Lugo, a diplomacia de eventos da doutora Dilma estava ocupada com a cenografia da Rio+20.

Pode-se supor que a embaixada brasileira em Assunção houvesse alertado Brasília para a gravidade da crise, mas foi a inquietação da presidente argentina Cristina Kirchner que mobilizou o Brasil.

A doutora achou conveniente mobilizar os chanceleres da Unasul, uma entidade ectoplásmica, filha da fantasia do multilateralismo que encanta o chanceler Antonio Patriota.

As relações do Brasil com o Paraguai não podem ser regidas por critérios multilaterais. Foi no mano a mano que o presidente Fernando Henrique Cardoso impediu um golpe contra o presidente Juan Carlos Wasmosy em 1996. Fez isso sem espetacularização da crise. A decisão de excluir o Paraguai da reunião do Mercosul é prepotente e inútil. Quando se vê que o presidente Hugo Chávez, da Venezuela, cortou o fornecimento de petróleo ao Paraguai e que a Argentina foi além nas suas sanções, percebe-se quem está a reboque de quem. Multilateralismo no qual cada um faz o que quer é novidade. Existe uma coisa chamada Mercosul, banem o Paraguai, mas querem incluir nele a Venezuela, que não está na região e muito menos é exemplo de democracia.

Baniu-se o Paraguai porque Lugo foi submetido a um rito sumário. O impedimento seguiu o rito constitucional. Ao novo governo paraguaio não foi dada nem sequer a palavra na reunião que decidiu o banimento.

Lugo aceitou a decisão do Congresso e agora diz que liderará uma oposição baseada na mobilização dos movimentos sociais. Direito dele, mas se o Brasil se associa a esse tipo de política, transforma suas relações diplomáticas numa espécie de Cúpula dos Povos. Vai todo mundo para o aterro do Flamengo, organiza-se um grande evento, não dá em nada, mas reconheça-se que se fez um bonito espetáculo.

O multilateralismo da diplomacia da doutora Dilma é uma perigosa parolagem. Quando ela se aborreceu, com razão, porque um burocrata da Organização dos Estados Americanos condenou as obras da hidrelétrica de Belo Monte, simplesmente retirou do foro o embaixador brasileiro. A OEA é uma irrelevância, mas para quem gosta de multilateralismo, merece respeito.

A diplomacia brasileira teve um ataque de nervos na bacia do Prata. O multilateralismo que instrui a estudantada em defesa de Lugo é típico de uma política externa biruta. O chanceler Antonio Patriota poderia ter se reunido com o então vice-presidente paraguaio Federico Franco 20 vezes, mas se a Argentina queria tomar medidas mais duras, ele não deveria ter ido para uma reunião conjunta, arriscando-se ao papel de adorno.

Entenda melhor as cenas e as decisões patéticas tomadas pelos dignitários do Mercosul

Mais do que a reportagem de página inteira (página 26) que publicou na sua edição deste sábado, são mais relevantes as duas fotos que o jornal Zero Hora disponibilizou na capa e no miolo.

A foto da capa - Com um bedel sem importância, típico lambe-botas que não se respeita, o chanceler Antonio Patriota trata de trocar a placa que identifica o lugar da nova presidente do Mercosul, Dilma Rousseff.  A expressão de Dilma Roussef é de matrona severa, contrariada, enfastiada e irritadiça.

A foto da página 26 -
A legenda revela que "apontada como articuladora das sanções ao Paraguai, Cristina Kirchner entregou um quadro com o rosto de Chávez ao chanceler venezuelano". A foto mostra os presidentes aplaudindo, inclusive Morales e Correia. O presidente do Uruguai, José Mujica, preferiu botar as duas mãos ostensivamente às costas.

- A reunião do Mercosul  produziu decisões vergonhosas: 
1) a suspensão do Paraguai, que mesmo antes da sentença, não pode sequer falar e votar na reunião. 2) o ingresso autorizado da Venezuela, um golpe aos contratos de criação do próprio Mercosul, que exigem aprovações dos Legislativos dos quatro sócios, o que não aconteceu. 
3) as homenagens ao moribundo Chavez e ao seu companheiro de dor, o ex-presidente Lula.

Argentina acaba aos berros com reunião de Mendoza para discutir boicotes ao ingresso de produtos do Brasil

- O jornal Clarin deste sábado reproduz o clima beligerante que cercou a reunião de representantes do Brasil e da Argentina, em Mendoza, nesta sexta-feira, no âmbito da Cúpula do Mercosul. O encontro foi realizado para discutir as travas comerciais argentinas ao ingresso de produtos brasileiros, como calçados. A reunião terminou aos berros e não deu em nada. 

Una reunión entre Argentina y Brasil que debía intentar resolver los conflictos comerciales más apremiantes entre los dos países terminó literalmente a los gritos y llevó a los funcionarios brasileños a levantarse de la mesa de negociaciones.

. Según indicaron a esta enviada miembros de la delegación de Brasil, la secretaria de Comercio Exterior Tatiana Prazeres se encontró antes de ayer con su colega porteña Beatriz Paglieri en el marco de la Cumbre del Mercosur, en Mendoza. La cita se desarrollaba en “un clima de alta tensión” y, en un momento determinado, la número 2 de Guillermo Moreno “empezó a alterarse” y hablar en voz demasiado alta. F u e entonces que Prazeres le pidió: “Por favor, baje el tono” y amenazó con retirarse.
Paglieri, afirman testigos, moderó el estilo pero el daño ya estaba hecho. Cuando a Tatiana Prazeres le preguntaron por los resultados a los que presuntamente habían llegado en ese encuentro, la funcionaria (tercera en la jerarquía del Ministerio de Desarrollo, Industria y Comercio brasileño) replicó: “¿De qué acuerdo me habla?”.

. Paglieri pasó a comandar las discusiones con los técnicos brasileños luego de ser promovida a la secretaría de Comercio Exterior por su jefe Moreno, con quien parece compartir algunos rasgos de “arrogancia”. El secretario carga en su haber con algunas disputas folklóricas que mantuvo en el pasado con empresarios brasileños. Y otras más comprometedoras que al parecer involucró al embajador en Buenos Aires Enio Cordero y que en su momento mereció el repudio formal del Senado brasileño.
. Lo que está en el fondo de los arranques poco diplomáticos de Paglieri es la discusión por las barreras que levantó Brasil contra las exportaciones de productos regionales argentinos.
Es el caso de las aceitunas, de las pasas de uva y de los aceites mendocinos, que enfrentan trabas para ingresar al mercado brasileño. En verdad esa situación es un espejo del bloqueo que impuso el gobierno de Cristina Kirchner al ingreso de carnes porcinas de Brasil, como también de calzado y autopartes.

CLIQUE AQUI para ler a reportagem completa.

Nove Partidos lançarão Marco Alba a prefeito de Gravataí. Convenção do PMDB sairá no final da tarde.

Siará no final desta tarde de sábado a convenção do PMDB que lançará a candidatura do deputado Marco Alba à prefeitura de Gravataí, RS. Gravataí, 15 minutos de Porto Alegre, é sede da GM.

. Marco Alba costurou o apoio de nove Partidos: PNMDB, PR, PHS, DEM, PTB, PP, PPS, PSD, PTC e PSDC.

. Sob o comando político do deputado, a Câmara de Vereadores de Gravataí promoveu o impeachment da pefeita Rita Sanco, que saiu desmoralizada da prefeitura, depois de 16 anos de mando do PT. Os dois adversários mais importantes de Alba são o deputado Daniel Bordignon, PT, que dificilmente escapará da impugnação, e Anabel Lorenzi, vereadora do PSB.

Chavez reuniu generais e estimulou um golpe militar no Paraguai. Sobre isto, nada diz o governo Dilma.

A repórter Carolina Freitas, da VEJA Online, informa que Nicolas Maduro, diplomata venezuelano, se reuniu secretamente com a cúpula militar paraguaia, incitando-a a não aceitar a eventual deposição de Fernando Lugo pelo Congresso. Chavez queria um golpe militar no Paraguai. Sobre esta intromissão abusiva, nada diz o governo do Brasil.

A ministra da Defesa do Paraguai, María Liz García, confirmou em entrevista à imprensa de seu país um rumor que vinha tomando corpo nos últimos dias em Assunção: o diplomata venezuelano Nícolas Maduro reuniu-se com a cúpula das Forças Armadas paraguaias no mesmo dia em que o Congresso votava o impeachment de Fernando Lugo. O chanceler tinha um pedido para fazer aos comandantes: que os militares reagissem caso Lugo fosse de fato deposto.

As tentativas de intervenção dos presidentes de países vizinhos vêm causando indignação - embora os discursos se mantenham diplomáticos — entre as autoridades paraguaias desde que Federico Franco assumiu o poder na semana passada.  A ousadia dos encrenqueiros latino-americanos, no entanto, chegou a seu ápice nesta sexta-feira, quando veio à tona uma tentativa de golpe militar no Paraguai comandada por ninguém menos que o chanceler da Venezuela - país de Hugo Chávez.

O principal alvo de críticas entre os paraguaios vinha sendo Christina Kirchner por sua atitude de rejeição radical ao novo governo. Até a confirmação da ação do chanceler venezuelano junto ao Exército paraguaio, o imperialista bolivariano Hugo Chávez não se encontrava no centro das preocupações das autoridades paraguaias, que punham suas declarações igualmente inflamadas na conta de sua notória fanfarronice.

A frase de um influente empresário paraguaio durante encontro com o chanceler do Paraguai, José Félix Estigarribia, na quinta-feira resume o sentimento vigente até ontem: “Andam por aí falando da nossa democracia quando têm sua própria democracia cheia de problemas.” 

CLIQUE AQUI para ler mais.

Linha branca e móveis ganham redução de IPI

O governo prorrogou a redução do IPI para os segmentos de linha branca (dois meses) e móveis (três meses). Como contrapartida, os fabricantes terão de repassar a vantagem ao consumidor e manter o nível de emprego.

Mercosul pune Paraguai e faz mimo a Chávez

A presidente argentina, Cristina Kirchner, anunciou ontem durante reunião, de cúpula em Mendoza que a Venezuela será incorporada como o quinto sócio pleno do Mercosul em 31 de julho.

. A entrada de Caracas, que ocorrerá em cerimônia no Rio, só foi possível graças à ausência temporária do Paraguai do bloco, após a destituição do presidente Fernando Lugo. Um impasse no Senado paraguaio impedia a adesão dos venezuelanos, mas o país está suspenso das reuniões do Mercosul.

. Segundo Cristina, as sanções continuam até que o Paraguai tenha “o pleno restabelecimento da ordem democrática”. A presidente Dilma Rousseff convidou todos os interessados a se integrar ao bloco. “Com isso, vamos fazer jus ao tamanho da América Latina.

MP pode ainda tentar impugnar contas-sujas

A decisão do Tribunal Superior Eleitoral de liberar o registro dos chamados “contas-sujas” não impede que os casos graves sejam impugnados mais adiante. Essa é a opinião do presidente dos Colegiados dos Tribunais Regionais Eleitorais, o desembargador Marco Villas Boas.

. "Penso que o tribunal pendeu para o controle de constitucional da resolução. De toda forma isso não impede que nos prazos para impugnação o Ministério Público questione o registro das candidaturas por prestação de contas irregulares", afirmou Villas Boas.

. De acordo com o desembargador, o MP pode pedir impugnação dos registros até 13 de julho. Villas Boas ponderou, no entanto, os prós e contras da decisão.

Censo do IBGE mostra Brasil menos católico e ainda mais evangélico

O Brasil, com frequência apontado como maior país católico do mundo, registrou pela primeira vez na história dos Censos do IBGE queda no número absoluto de pessoas que se declaram assim.

. Nas décadas anteriores, o instituto já registrava uma diminuição proporcional, mas isso acontecia porque eles cresciam em ritmo menor do que outros, perdendo, portanto, espaço relativo no total da população. Desta vez, no entanto, houve diminuição de 1,6 milhão de fiéis de 2000 para 2010. No mesmo período, evangélicos aumentaram em 16 milhões, de 15% para 22%.

. Os sem religião também ganharam mais espaço: de 7,4% para 8%. Apesar da queda, católicos ainda são o grupo predominante no país, com 65% do total. No Rio, no entanto, pela primeira vez eles aparecem com menos de 50% da população do estado.