Ana Amélia assina pedido de CPI dos Fundos de Pensão

A senadora Ana Amélia Lemos acaba de assinar o pedido de CPI dos Fundos de Pensão, proposta do senador do PSDB, Aloysio Nunes Ferreira.

Jornalista denuncia PSD do RS e apóia revolta do deputado Mário Jardel

O jornalista Bibo Nunes, que no ano passado disputou uma cadeira de deputado pelo PSD, resolveu abandonar o Partido, contrariado com o que viu e ouviu. Neste depoimento feito ao jornalista Luiz Carlos Prévidi, hoje, ele informa que viu o deputado Mário Jardel transformar-se em capacho na Assembléia, reagindo agora e mandando embora seus opressores. Bibo Nunes conta que ele e também o advogado Di Lorenzo, que disputaram cadeira na Câmara, saíram do PSD pelos mesmos motivos que levaram Mário Jardel à revolta. Leia tudo:

Foi o mesmo que aconteceu comigo e o professor Wambert Di Lorenzo.
Neste partido só uma pessoa pode brilhar, tudo é dirigido pelo pessoal dele e quem não concorda com tudo é alijado.
O Jardel assumiu seu gabinete com 95% dos cargos nomeados pelo partido, colocando pessoas sem consultá-lo. Ele tinha que assinar o que eles mandassem, mesmo achando que eram coisas erradas, e eram erradas. Ele tinha que ser um capacho, pois quando o elegeram pensaram que tinham um mandato para eles usarem como quisessem.
Jardel demonstrou personalidade e não se sujeitou a isso. 
Todos sabem que ele tem problema com drogas e os seus mentores quando o colocaram na política sabiam disso, mas não sabiam que ele tem personalidade e não é político profissional.
O Jardel está fazendo tratamento para sair do mundo das drogas e tomara que saia.
Eu e o Prof. Wambert somos os mais votados depois do Danrlei e saímos do PSD, pelos mesmos motivos de Jardel.
É partido para um homem só.
O Jardel com essa atitude ganhou meu respeito, pois demonstrou ser um homem sério e que não serve de capacho.
Quanto as drogas, faço votos para que ele saia deste mundo. E vai sair.
Ele demonstrou que na parte que envolve a DROGA DA POLÍTICA ele não quer entrar. Que ele pratique a política séria e saudável na Assembleia Legislativa.
Foi um bom começo!


Pepe Vargas cai. Ele sai desmoralizado do ministério.

Caiu o ministro de Relações Institucionais, o deputado gaúcho Pepe Vargas. Ele sai desmoralizado do governo. Já não mandava nada e foi surpreendido pela imprensa com a notícia de que Dilma convidou Padilha para sua vaga.

Pepe Vargas, ridicularizado pela mídia com a alcunha de Pepe Legal, voltará à Câmara.

Dilma não manda mais no governo. Comando passou para Temer e Levy.

Do deputado Mendonça Filho, líder do DEM, ainda há pouco da tribuna da Câmara:

- O piloto sumiu. Dilma não manda mais nada. Ela passou o comando da área econômica para o ministro Levy e acaba de passar o comando político para seu vice, Michel Temer, que conta com a colaboração desde já do deputado Eduardo Cunha e do senador Renan Calheiros. 

A presidente comunicou aos líderes governistas a sua decisão de indicar Temer, tomada depois que o ministro Eliseu Padilha avisou que não poderia assumir o ministério de Relações Institucionais.

O líder do PT, Sibá Machado, confirmou a informação.

Escassez de manifestantes desmoralizou atos públicos dos aparelhos do PT

Foi de novo um rotundo fracasso as manifestações de hoje realizadas pelos aparelhos do PT - CUT, MST e UNE.

Nem a convocatória de Lula e o apoio do PT resolveu a escassez de gente nas ruas.

Em Porto Alegre, 200 manifestantes lotaram os atos públicos na zona central, depois que ativistas da CUT gritaram palavras de ordem no aeroporto e tomaram táxis para chegar até a Esquina Democrática.

Os atos de hoje foram programados para fazer contraponto às manifestações de domingo.

O mensaleiro petista João Paulo Cunha virou poeta

Ao lado, reprodução do convite que os deputados federais receberam hoje do mensaleiro João Paulo Cunha, investigado, processado e preso na Papuda como bandido do Mensalão. O editor recebeu cópia por Whats App.

O blog O Antagonista desta tarde escreve o seguinte sobre os dotes literários do mensaleiro petista.

O mensaleiro João Paulo Cunha virou poeta.

O Globo de hoje reproduz uma de suas poesias:

"Aprendeu a ser só / acostumou com o vazio / desconheceu o mundo que abandonou tão cedo / a direção da rua não lhe dizia nada por muito tempo / se olhar para a parede de sua cela / era para as mulheres nuas(...) / não conheceu o Céu, mas não gostou do Inferno".

O Antagonista achava melhor quando ele roubava.

Segundo O Globo, João Paulo Cunha abandonou a política. Mas ele continua a defender as práticas petistas:

"Quando se contar a história, veremos que, quando o PT começou a crescer e exercer sua hegemonia, foi abatido pelo mensalão. Foi acusado de fazer caixa dois. Ainda assim, Lula foi reeleito e Dilma foi reeleita. Quando volta a crescer, para ficar mais doze anos, até 2016, é atingido por novo escândalo (Lava-Jato). Acusado agora de fazer caixa um".

É verdade.


O PT roubou para fazer caixa um e caixa dois. O PT roubou até para fazer poesia.

REMOVIDO

REMOVIDO

"PMDB volta a tripudiar sobre o governo Dilma", avisa Tereza Cruvinel

Nas fotos, sentido ponteiros do relógio, Cunha, Padilha, Pepe e Dilma -

O Partido fez "manobra maquiavélica" ao colocar na rua uma sondagem a Eliseu Padilha para a coordenação política como se fosse um convite e conseguiu impor mais um desgaste à presidente Dilma, avalia Tereza Cruvinel, colunista do site 247, ligado ao governo.

 "Com isso, o atual ministro da SRI, Pepe Vargas, perdeu as condições de continuar na pasta, acham os principais líderes no Congresso", diz a jornalista.;

Pepe Vargas poderá se demitir ainda hoje, segundo a jornalista Carolina Bahia, RBS. Pele Legal foi desmoralizado por Dilma. Ela repetiu com ele algo semelhante que fez com Guido Mantega.

O; ministro pode pedir demissão ainda hoje e Padilha, da Aviação Civil, recusou o cargo.

Enquanto isso, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, "está faturando a recusa de Padilha como mais uma vitória dele, que teria vetado a transferência".

Restam poucos possíveis substitutos, segundo Tereza: o líder José Guimarães, o deputado Ricardo Zarattini e Ricardo Berzoini, que teria de deixar a pasta de Comunicações

Grupo AES diz que racionamento já deveria ter sido adotado há muito tempo no Brasil

O presidente do grupo AES Brasil, que no RS controla a distribuidora AES e a usina a gás de Uruguaiana, Britaldo Soares, afirmou, nesta terça-feira, que o racionamento de energia já deveria ter sido implementado no Brasil, caso fosse feita uma análise meramente técnica a respeito da atual situação do sistema elétrico. A restrição da oferta seria uma solução estruturada para garantir que o nível de água dos reservatórios subisse mais e a dependência das chuvas no próximo período úmido, a partir do final do ano, fosse menor no verão de 2015/2016.

— Do ponto de vista técnico, a decisão do racionamento talvez já devesse ter sido tomada há mais tempo, se a gente buscasse a recuperação do sistema, e não a propagação do risco. Isso se quiséssemos restabelecer o sistema como um todo e resolver o problema de uma maneira mais estruturada — afirmou Soares, que participou nesta terça-feira do Brazil Investment Forum 2015, promovido pelo Bradesco BBI em São Paulo.

Pouco antes de comentar sobre o risco técnico que existe sobre o sistema elétrico, o executivo salientou que é preciso fazer uma distinção entre os aspectos técnico e político. 

— Haveria um freio de arrumação, um impacto na economia e no Produto Interno Bruto (PIB) já conhecidos. Obviamente há cenário político a se considerar em toda essa questão — ponderou o executivo.

O Grupo AES Brasil atende 7,97 milhões de clientes em 142 municípios das regiões Sul e Sudeste. Fazem parte do Grupo duas distribuidoras — AES Eletropaulo e AES Sul — e duas geradoras — AES Uruguaiana e AES Tietê.

Riscos

Soares alerta que, sem uma solução mais estruturada, o risco hidrológico permanece. Neste momento, projeta-se que o nível dos reservatórios ao final de março deve ficar próximo a 35% da capacidade de armazenamento, "não muito diferente" do que se imaginava no início deste ano. 

— É um quadro apertado. Eu vejo a gente terminando 2015 com o sistema sob pressão e eu não diria isento de riscos. Vamos estar na dependência do que vai acontecer na estação chuvosa de 2015/2016 — projetou.

Confirmadas as atuais projeções traçadas pelo governo federal, o nível dos reservatórios chegaria a novembro, no início do período chuvoso, com um volume de armazenamento superior ao patamar considerado mínimo de 10%. O efetivo volume dos reservatórios, salienta Soares, estará vinculado ao nível das chuvas no período seco e o comportamento do consumo. A tendência de demanda é de queda em 2015, explica Soares, em função da redução da atividade econômica e do aumento das tarifas.

Saques a descoberto sobre depósitos judiciais e caixa único já somam valores alarmantes no governo Sartori

O editor foi atrás dos milagres que garantiram os salários em dia do funcionalismo estadual em janeiro, fevereiro e março.

O que encontrou foi estarrecedor.

Com os lançamentos de março, os saques dos depósitos judiciais foram para R$ 640 milhões e os do caixa único, R$ 635 milhões. 

O governo Sartori faz o que não queria e limpa a rapa do tacho. 

O fato de o caixa único ser maior, é porque parte dos depósitos  judiciais foram baixados e não aplicados ainda.  

No acumulado de todos os governos, eis como foram os saques a descoberto, na verdade empréstimos que algum governador, algum dia, terá que devolver:

Caixa único:  R$  8.348 milhões

Depósitos judiciais: 12.425 milhões. 

Walmart e Zaffari lideram lista as 10 maiores redes de supermercados do RS

Este é o ranking dos 10 maiores grupos de supermercados em operação no RS, por ordem de faturamento em milhões de reais. Melhoraram de posição os grupos Imec, Asun, Master e Comercial Zaffari.

Walmart, 5.274
Zaffrari, 4.215
Unidasul, 990
Imec, 424
Asun, 410
Peruzzo, 410
Guanabara, 405
Master, 350
Comercial Zaffrari, 330

Rede Vivo, 308

Câmara dos Deputados votará o PL 4330 que legaliza terceirização de boa parte dos trabalhadores do Brasil

Está agendado para ser votado nesta terça-feira na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 4330 que, se aprovado, significará mudanças de profundidade para os trabalhadores que estão diretamente vinculados às atividades fins das empresas.

Se o PL 4330 for aprovado do jeito que está, os metalúrgicos, bancários, comerciários, padeiros, por exemplo, ou seja, todos aqueles e aquelas que estiverem vinculados diretamente à atividade fim da empresa, poderão ser substituídos por prestadores de serviços, contratados e subordinados às empresas terceirizadas.

Não é a primeira vez que projeto semelhante é apresentado. Logo no início do Governo Lula, 370 deputados federaisn aprovaram a Emenda 3, que estimulava a substituição da carteira de trabalho por contratos através de “Pessoas Jurídicas”, as PJs. Com esse artifício, as empresas obrigavam o trabalhador a emitir nota fiscal, como se fosse uma empresa, que deixava de receber 13º, férias remuneradas, FGTS, vale-transporte, vale-refeição, assistência médica e aposentadoria.
O presidente Lula vetou a Emenda 3. 

Além da perda salarial, levantamento realizado pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo mostra que, de cada dez acidentes de trabalho, oito envolvem funcionários terceirizados. Segundo o estudo, as condições precárias de trabalho e falta de treinamento vitimam os prestadores de serviço e resultam em gastos previdenciários e com saúde, ou seja, toda a sociedade paga o preço.

PP do RS ajuda chapa de oposição que terá Odelmo Leão contra Ciro Nogueira

O PP do RS está unido em torno da chapa de oposição que começou a ser montada para disputar a presidência do Partido. A correria é grande porque o presidente atual, senador Ciro Nogueira, desrespeitou acordo que adiava o pleito por meio ano. Ele antecipou tudo para o dia 14, o que obrigou a oposição a apressar articulações.

Tudo indica que a oposição irá com o deputdo Odelmo Leão, PP de Minas.

PP do RS em peso e frações do Partido em SC, Minas e Rio já estão unidos.


O deputado Frederico Antunes, com quem o editor conversou há pouco, disse que antes de registrar a chapa no prazo fatal de segunda-feira, os progressistas gaúchos tentarão fazer com que o senador Ciro Nogueira mantenha a decisão anterior de adiar a convenção para daqui a meio ano. 

"A cocaína destruiu meu lar", contou o ex-jogador para a revista Istoé. Conheça melhor o deputado Jardel, PSD.

A entrevista a seguir foi concedida pelo deputado Mário jardel Almeida Ribeiro, protagonista de maior escândalo do momento na Assembléia do RS (leia notas abaixo). Na crítica que fez ao colega de Partido, ontem, outro ex-jogador, Danrlei de Deus, disse que Jardel ainda não conseguiu se livrar de todos os problemas antigos e por isto saiu atirando nos companheiros e no Partido.

Leia tudo:

"A cocaína destruiu o meu lar"
Um dos maiores artilheiros da história do futebol europeu, o brasileiro Jardel conta como superou o vício em álcool e drogas

Por Rodrigo Cardoso

Passado "Certa vez, fiquei oito dias acordado depois de uma farra com mulheres, bebidas, cocaína. Todo dia era uma mulher diferente", conta ele
Este ano, o jornal A Bola, tradicional diário esportivo de Portugal, quis saber da imprensa especializada e dos leitores quem foi o melhor estrangeiro de todos os tempos a pisar nos campos lusos. O vencedor foi o centroavante Mário Jardel Almeida Ribeiro, o brasileiro Jardel, conhecido lá como Super Mário. Não pela estatura (1,88 metro), mas por ter anotado 186 gols em 186 jogos naquele país. Jardel despontou para o futebol no Vasco da Gama, conquistou títulos no Grêmio e fez fama em Portugal, no Porto e no Sporting, principalmente. Lá, ganhou cinco troféus Bola de Prata de maior artilheiro do campeonato português e duas Chuteiras de Ouro (maior artilheiro da Europa). Era um fenômeno dentro da área, especialista em gols de cabeça. A Copa do Mundo parecia ser um caminho natural, mas ele foi preterido por Felipão, em 2002, quando o Brasil conquistou o penta. Ele, que na época já não conseguia vencer a dependência de álcool e cocaína, afundou de vez.

Terminou o casamento, se afastou dos filhos e passava noites em claro cercado de mulheres, bebida e drogas. Hoje, aos 35 anos, deitado em uma rede na sua casa em Fortaleza, Jardel contou à ISTOÉ por que se considera recuperado do vício há cerca de um ano e meio. Como Ronaldo, que acaba de conquistar um título no retorno ao futebol brasileiro, procura um clube que lhe dê a chance de se superar dentro de campo - como fez na vida pessoal.

ISTOÉ - A história de superação do Ronaldo tem semelhança com a sua perseverança para continuar jogando depois de se livrar da dependência de cocaína?
Jardel - Sim, no sentido que, se a gente tiver fé e for atrás, vence qualquer adversário. Estou feliz por Ronaldo ter voltado a jogar e, principalmente, estar se sentindo bem nessa nova fase. É exatamente o que está acontecendo comigo. Os altos e baixos são comuns, principalmente na carreira de um jogador. Comigo, a tristeza e a depressão fizeram com que eu me deixasse levar por gente com energia negativa. E acabei fazendo coisas que não deveria. Mas o mais importante é perceber o que você fez de errado e demonstrar que pode dar a volta por cima. Por isso, o Ronaldo está de parabéns e estou feliz por ele.

ISTOÉ - O que você procurava no álcool e na cocaína?
Jardel - Eu me tornava um cara confiante. Fico pensando por quê. Mas não sei, não sabia... Por que eu fiz isso? Por que buscava isso? Eu sentia um vazio. E algumas amizades o levam para o mau caminho. Também, depois de dez, 12 anos jogando futebol no auge, como titular, não aceitava ficar no banco. Aí, ficava chateado e usava drogas e bebia. E depois que passava o efeito delas, batia aquela angústia, solidão, tristeza, tudo junto. E consumia mais para sair desse estado. E continuava e continuava. Era uma bola de neve.

ISTOÉ - Quando você experimentou cocaína pela primeira vez?
Jardel - Foi em 1999. Eu jogava no Futebol Clube do Porto, de Portugal, mas experimentei por curiosidade em uma festa no Brasil. A cocaína destruiu o meu lar, a minha família. A rotina em casa passou a ser de brigas.

Ficava alterado, não cumpria as obrigações como pai. Meus filhos (Jardel Filho, 12 anos, e Victoria, 10, do casamento com a ex-mulher Karen Ribeiro Matzenbacher) sentiam falta do pai. Eu errei com eles. Meus filhos ficaram sabendo no colégio que as pessoas falavam que o pai deles era drogado. Às vezes, eu acordava bom e pensava: "O que estou fazendo na minha vida?" Eu tinha consciência de que eu saía dos trilhos, saía com outras mulheres. Hoje, não tenho muito contato com a Karen.

ISTOÉ - E seus filhos com a Karen, você mantém contato?
Jardel - Eles moram em Portugal com ela. Logo, logo vou para lá, vou vê-los. Não os vejo há oito meses e estou com saudades. Falamos por telefone, dizem que sentem saudade, eu pergunto como andam no colégio. Enfim, conversa de pai babão. Acabei de ser pai novamente (com a atual mulher, Tatiana Bezerra, 23 anos). A Tainá tem dois meses. A gente tem babá, mas, às vezes, ajudo também.

ISTOÉ - Você já consumiu drogas antes de alguma partida?
Jardel - Nunca usei cocaína em competição. Nunca! Nunca joguei dopado por ter cheirado. Nunca! Sempre consumia nas férias, para curtir, em Fortaleza.

ISTOÉ - Você fez terapia?
Jardel - Passei por um psiquiatra. Durante um mês eu conversei com o médico. Tirava algumas dúvidas sobre o porquê de acontecer isso comigo, mas quem ajuda mesmo é a própria pessoa. Não tem esse negócio de ajuda de clínica ou de médico. É a pessoa que tem de bater o pé e pronto.

ISTOÉ - O Adriano, ex-jogador da Inter, de Milão, recusou um tratamento psicológico. Ele largou o futebol na Itália para ficar mais perto da favela onde nasceu, no Rio de Janeiro. Como vê essa decisão dele?
Jardel - Só o Adriano deve saber o que estava sentindo quando tomou a decisão. Foi carência de alguma coisa. Vejo como uma fuga.
  
"Eu sou tipo bananeira, parado dentro da área. Dentro dela eu sou melhor do que o Ronaldo. Não tenho dúvida nenhuma, não!"
ISTOÉ - A atitude mais correta é parar e colocar a cabeça em ordem?
Jardel - Treinar e ir para o jogo é também uma terapia. Procurar um terapeuta ou não, depende de como a pessoa acha que pode resolver o seu problema fora do campo. Estou torcendo para que o Adriano dê a volta por cima, faça como o Ronaldo.

ISTOÉ - Alguém da sua família teve histórico de consumo de álcool ou alguma outra droga?
Jardel - A bebida era um mal de família. Meu pai e minha mãe bebiam.

ISTOÉ - Seu corpo dava sinais de que você deveria parar de vez?
Jardel - Claro! Quando acordava mal, com depressão, era meu organismo que estava destruído. Eu pedi muito a Deus para ele me dar forças, luz, para eu conseguir reagir. Pegava a Bíblia, ajoelhava, orava e chorava. Não virei evangélico. Vou à igreja uma vez ou outra. Tenho minha fé pessoal.

ISTOÉ - Como adquiria a cocaína?
Jardel - Tinha gente que levava até mim. O cara tinha o meu telefone, eu tinha um ou dois dele. Em Portugal, eu consumia em casa noturna.

ISTOÉ - Gastou muito com farra?
Jardel - Sim. Com festas, noite, mulheres. Cheguei a gastar R$ 2 mil por noite. Com drogas, não, porque ou usava pouco ou me davam.

ISTOÉ - Qual foi sua maior extravagância?
Jardel - Certa vez, fiquei oito dias acordado depois de uma farra com mulheres, bebidas, cocaína, em Fortaleza. Já estava separado e, nessa época, todo dia era uma mulher diferente.

ISTOÉ - Há quanto tempo você se considera um ex-viciado em cocaína?
Jardel - Há mais ou menos um ano e meio decidi que não queria mais. Foi força de vontade. Fui me afastando dos diabinhos na minha vida.

ISTOÉ - O Casagrande internou-se para tratar do vício em drogas e está voltando a ser comentarista esportivo.
Jardel - Não dá para pensar que se livra facilmente da cocaína. É uma luta diária, que não acaba nunca. Eu conheço o Casagrande. Ele é uma boa pessoa.

ISTOÉ - A tentação ainda o cerca?
Jardel - Sim. O diabo manda seus mensageiros para me atiçar. Você tem de ser forte. Ainda tem gente que aparece e diz: "Quer um pozinho? Dar uma cheiradinha?" Já solto logo um palavrão, o bicho pega para quem se atreve. E só bebo socialmente.

ISTOÉ - Em 2002, você tinha muita chance de ser convocado para a Copa do Mundo. Não ter sido o deixou mais deprimido?
Jardel - Eu fiquei péssimo, péssimo por não ter sido convocado pelo Felipão para a Copa de 2002. Mesmo assim, torci por ele e pelo Brasil.

ISTOÉ - Mas esse fato contribuiu para o seu vício? Jardel - Sim, com certeza contribuiu. Porque fiquei mais deprimido, triste.

ISTOÉ - Como nasceu essa depressão?
Jardel - Foi um pacote de coisas ruins. O meu processo de separação, a minha não convocação para a Copa e o fato de eu jogar pouco no Bolton (time inglês que ele defendeu em 2003).

ISTOÉ - Há vaga para o Ronaldo na Seleção?
Jardel - Tenho quase certeza de que o Ronaldo vai para a Copa no ano que vem. Eu era reserva dele. Por isso não jogava: ele era o fenômeno.

ISTOÉ - Quem é melhor: você ou ele?
Jardel - Eu sou tipo bananeira, paradinho dentro da área. Dentro dela eu sou melhor do que o Ronaldo. Não tenho dúvida nenhuma, não!

ISTOÉ - Se, hoje, você estivesse jogando como na época da Copa de 2002, você teria vaga na Seleção do Dunga?
Jardel - Sem dúvida nenhuma, sim!

ISTOÉ - Por que o Felipão não o convocou?
Jardel - Não sei. Nunca perguntei a ele. Acho que seria antiético da minha parte. Mas falta de gol não foi.

ISTOÉ - Você guarda mágoa dele?
Jardel - Não. As pessoas fazem opções na vida. Apesar de eu ficar de fora sendo o artilheiro da Europa, torci por ele. E o Felipão mereceu.

ISTOÉ - Você vai jogar no Olaria, da segunda divisão do Rio de Janeiro?
Jardel - Um dirigente me procurou. Um grupo de empresários comprou o clube e ficamos de conversar. Fiquei péssimo, péssimo por não ter sido convocado pelo Felipão para a Copa do Mundo de 2002. Isso contribuiu (para o vício em drogas)"
ISTOÉ - O mal dos atacante brasileiros, hoje, parece ser o peso. Você tem feito algum tipo de preparação física?
Jardel - O Jardel aqui está comendo buchada, essas coisas bem leves, sabe? Estou em forma... de bola! Estou brincando: tô no peso. Tenho treinado, estou jogando bola no meu campo quase todos os dias. Perdi sete quilos, estou com 88 quilos. Não estou 100% fisicamente, mas...

ISTOÉ - Não precisa correr muito para fazer gol. Veja o Romário.
Jardel - Preciso correr não, cara! Resolvo dentro da área! Dentro dela, sou um matador, um leão. Fora da área, sou um gatinho.

ISTOÉ - Está perto da aposentadoria?

Jardel - Penso em jogar mais dois ou três anos e depois talvez fazer um curso para treinador ou empresário. Não tenho histórico de lesões. Preciso que o treinador confie em mim e me coloque para jogar.

DEM discute neste momento sua fusão com o PTB. Planalto banca a negociata com ACM Neto. Onyx e Caiado são contra.

Já dura mais de três horas a reunião da Executiva Nacional do DEM que deve decidir sobre a fusão do DEM com o PTB. Agora são 14h.  A disputa é acirrada entre os grupos de Ronaldo Caiado, Goiás, e  Onyx Lorenzoni, RS, contrários à fusão, e ACM Neto e a bancada da Bahia, que apostam no negócio bancado pelo governo.

ACM Neto quer a fusão para garantir apoio do PT e do Planalto para sua candidatura à reeleição em Salvador.

Uma provável fusão com o PTB pode tornar realidade a intenção de Lula em riscar o DEM do cenário po0lítico brasileiro.

Onyx e Caiad prometem resistir até as últimas consequências contra a fusão.

A decisão final caberá à convenção nacional do Partido, que ainda não foi marcada.]/a fusão do DEM e com o PTB significará a idade todos para a base do governo Dilma. O governo prometeu liberar verbas para aACM Neto em Salvador e liberar emendas parlamentares para quem migrar para a base.
Trat-se de uma das maiores negociatas depois do mensalão.


O Planalto está comprando um Partido de oposição.

Prefeitura começa a investir R$ 250 milhões emprestados pela CAF para obras viárias de Porto Alegre

A prefeitura de Porto Alegre já botou a mão no empréstimo de R$ 250 milhões concedido pela Cooperação Andina de Fomento, todo ele comprometido com obras de infraestrutura e mobilidade urbana da cidade.

“São recursos já garantidos”, disse nesta terça-feira ao editor o secretário municipal de Obras e Viação, Smov, Mauro Zaccher, PDT. O editor almoçou uma galinhada com o secretário. Foi na churrascaria Barranco. 

A primeira tranche do dinheiro, R$ 100 milhões, servirá para a revitalização de 100 quilômetros de ruas e avenidas da cidade, as vias de características mais alimentadoras. O primeiro edital será lançado até o final deste mês.

Não se trata de recapeamento asfáltico, mas de obras muito mais profundas.

Nunca se fez nada igual em Porto Alegre.

A cidade conta atualmente com 2.500 kms de vias, das quais a metade é asfaltada.

O secretário Mauro Zaccher disse ao editor que a maior parte do empréstimo, R$ 150 milhões, serão destinadas a outras obras já definidas, como são os casos da orla do Guaíba, projeto de Jayme Lerner, e a revitalização da Rua da Praia.

PIB do último ano do governo Tarso manteve estagnação absoluta, variando apenas 0%

O Produto Interno Bruto (PIB) do Rio Grande do Sul cresceu 0% segundo dados divulgados nesta terça-feira pela Fundação de Economia e Estatística (FEE).

Nem a supersafra salvou a economia gaúcha. 

Os dados são muito piores do que se imaginava. 

Na média, o governo Tarso foi o que apurou pior desempenho do PIB durante o seu mandato.

O fracasso foi completo. 

Veja os números apurados pelo editor, conforme dados da FEE:

RIGOTTO
- 2003: 1,6
- 2004: 3,3
- 2005: -2,8
- 2006: 4,7

YEDA
- 2007: 6,5
- 2008: 2,7
- 2009: -0,8
- 2010: 7,8

TARSO
- 2011 – 5,7
- 2012 - -1,80
- 2013 – 5,8%
- 2014 – zero

O desempenho do Estado foi um pouco pior que o do país, que cresceu 0,1% no mesmo período de acordo com dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Mais uma vez a agropecuária teve um bom desempenho entre os setores e cresceu 0,6%, influenciada pela supersafra de soja que chegou a 14,8 milhões de toneladas – volume 13,7% superior ao resultado do ano anterior.


A indústria gaúcha teve desempenho ruim, seguindo a tendência de desaceleração do setor na economia brasileira. A industria de transformação, que representa quase dois terços da produção estadual, caiu 4,2%. A construção civil, que vinha se mantendo aquecida nos ultimos anos, recuou 4,2% também – reflexo da conclusão das obras para a Copa do Mundo. Já o setor de serviços teve crescimento 1,2%.

Noblat diz que o PT perdeu o controle das ruas

No artigo a seguir, o jornalista Ricardo Noblat conta que o PT sai hoje as ruas através dos seus aparelhos CUT, UNE e MST, mas que domingo ficará escondido dentro de casa.

Leia tudo:

Quem, logo depois das eleições do ano passado, imaginou que isso, um dia, seria possível? E tão rapidamente?

O PT vai de mal a pior. Perdeu o direito de ir e de vir pelas ruas livremente.
Hoje, a Central Única dos Trabalhadores, o Movimento dos Sem Terra e a União Nacional dos Estudantes, além de outras organizações sociais, sairão por aí em defesa da Petrobras e contra o ajuste fiscal promovido pelo governo.

Em defesa das Petrobras, até que o PT toparia marchar. Mas contra o ajuste fiscal, por mais que o deplore? Não dá. Deixaria o governo mal. E ficaria mal.

Então o PT assistirá de longe o que se passar, hoje, nas ruas.

No próximo domingo, a oposição e os movimentos que organizaram as manifestações de 15 de março último prometem repetir o mesmo barulho. O PT, é claro, se trancará em casa.


Quem, logo depois das eleições do ano passado, imaginou que isso, um dia, seria possível? E tão rapidamente?

Brandindo parecer de Gilson Dipp, Engevix tenta livrar seu presidente da cadeia

A Folha de S. Paulo de hoje informa que Gilson Dipp, ex-ministro do STJ, fez um parecer para um dos advogados da Galvão Engenharia, dizendo que a delação premiada de Alberto Youssef é ilegal e que todas as provas coletadas a partir dele são "imprestáveis". 

CLIQUE AQUI para ler toda a reportagem da Folha, que ganhou título de primeira página. 

Com base nesse parecer, o advogado da Galvão Engenharia ingressou com um pedido de habeas corpus no STF.

O gaúcho Gilson Dipp não é um advogado qualquer. Ele é velho amigo de Dilma Rousseff, dos tempos de Porto Alegre, e indicou o nome de seu conterrâneo Teori Zavascki para o STF. O mesmo Teori Zavascki que agora é relator o Petrolão.


Apesar de todo o pedigree, o parecer de Dipp tem tanto valor legal quanto uma moeda de 3 reais. 

Além do ex-ministro Gilson Dipp, outros ex-ministros de notável saber jurídico e prestígio político indiscutível, como Nelson Jobim, resolveram prestar serviços aos empreiteiros presos no Paraná por ordem do juiz Sérgio Moro.

Nem todos os advogados aceitam casos milionários de gente ordinária.

O advogado que mais defende casos de delitos de opinião pelos quais o editor tem sido processado, o gaúcho Luiz Francisco Corrêa Barbosa, convidado pelo então ex-ministro Thomas Bastos para defender a súcia empreiteira do Lava Jato, negou-se a patrocinar o caso. 

MPF quer quebra do sigilo sobre a Operação Zelotes

O Ministério Público Federal quer que seja quebrado o sigilo sobre as investigações da Operação Zelotes. O pedido foi protocolado pelo procurador Frederico Paiva junto ao juiz da 10a. Vara Federal, Ricardo Leite.

Polícia Federal conclui investigações sobre recursos do Pronaf desviado por lideranças do PT do RS

A Polícia Federal conclui as investigações sobre desvios de dinheiro do Pronaf na região de Santa Cruz do Sul e indiciará dez pessoas.

O dinheiro roubado de 6,3 mil  pequenos agricultores, muitos dos quais suicidaram-se depois que o Banco do Brasil começou a cobrar valores que eles nunca tinham recebido, foi usado por uma associação de produtores rurais dirigida por líderes petistas de Santa Cruz e também em campanhas eleitorais do PT.

Gente do BB também está envolvida no escândalo. 

Investigado inicialmente pela PF, o deputado Elvino Bohn Gass (foto) acabou fora do caso por decisão do ministro Teori Zavascki, STF, que alegou imunidade do parlamentar.




Projeto para novo indexador das dívidas dos estados voltará à Câmara

Foi só um bode na sala a aprovação pela Câmara do projeto que muda o indexador da dívida de municípios e estados, porque a matéria parou no Senado, onde a votação ocorreria também em regime de urgência.

O caso já dura duas semanas.

Assim que chegou ao Senado, Dilma mandou o min istro Joaquim Levy conversar com o presidente do Senado, Renan Calheiros. Em reunião com ele e mais líderes do Senado e da Câmara, ficou combinado que o projeto sofreria modificação quanto à data de implementação do novo indexador.

O projeto levará emenda neste sentido.

A nova regra transferirá a vigência para o ano que vem, mas o governo admitirá repor desde agora os valores a menor, sendo que também desde já os estados e municípios terão direito a novo espaço fiscal e com isto poderão contrair novos empréstimos.

Com a mudança no Senado, o projeto voltará à Câmara.

CLIQUE AQUI para ler editorial do jornal Zero Hora de hoje, Solução para a dívida. O editor recomenda atenção ao texto. É para compreender melhor o problema.

Jardel resolve viajar para Portugal

O deputado Jardel,  PSD, protocolará na Mesa Diretora da Assembléia, hoje, pedido de licença para viajar em caráter particular para Portugal. Ele ficará fora entre 9 e 23 de abril.

Este caso do parlamentar (veja nota abaixo) é delicado, porque envolve até mesmo ameaças.

Ativistas pelados protestarão esta manhã contra sacrifícios de animais em cerimônias religiosas

Depois do bloco dos pelados (foto ao lado) que invadiu a Câmara de Vereadores e das mulheres nuas que resolveram caminhar pelas ruas, chegou a vez dos protestos públicos contra despachos religiosos, neste caso dos ativistas pelados de Porto Alegre.

Esta manhã, 10h, quem quiser participar do ato coletivo contra sacrifício de animais, poderá assistir a imolação (despacho) simbólico dos pelados, tudo diante do Mercado Público.

O ato investe contra as religiões afro que realizam sacrifícios de animais.

A discussão está na Assembléia. Ali, a mulher do prefeito José Fortunati, que é deputada, defende projeto proibindo os despachos religiosos no RS.

Na mesma hora do despacho humano, a Comissão de Constituição e Justiça da Assembléia votará o fim dos sacrifícios.

- A deputada Regina Becker ainda nada disse sobre o sacrifício de bois, vacas, porcos, galinhas, patos, marrecos, faisões, codornas e escorpiões nos frigoríficos do Estado, mas os ativistas pelados de hoje poderão empunhar esta bandeira logo em seguida. 

Alta dos reservatórios evita racionamento de energia

Os reservatórios das hidrelétricas do subsistema Sudeste/Centro-Oeste alcançaram o patamar de 30% de armazenamento, segundo dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), no último domingo.

De acordo com o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, trata-se do mínimo necessário para evitar a necessidade de racionamento de energia.

No encontro realizado no início de março, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) reduziu o risco de déficit no Sudeste/Centro-Oeste, de 7,3% para 6,1%. Indice deve cair ainda mais. A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) também reviu a projeção do consumo de energia no país este ano, passando de previsão de alta de 3% para estimativa de queda de 0,5% - primeiro sinal de recuo do consumo de energia em 2015 divulgado pelo governo.

Leia aqui reportagem de Rodrigo Polito, jornal Valor, sobre o assunto.

Eduardo Cunha nega apoio a Padilha no ministério da Articulação Política

Ao conhecer a informação de que a presidente Dilma Roussef tinha convidado Eliseu Padilha para o ministério da Aviação Civil, eis o que disse o presidente da Cãmara, Eduardo Cunha, PMDB:

- Se ela escolheu por opção dela, parabéns, mas da nossa parte não há nenhuma indicação dessa natureza nem achamos que isso é razão para melhorar ou piorar a situação.

Zelotes: delação premiada pode complicar Gerdau

Em depoimento na Superintendência da Polícia Federal em Brasília, o conselheiro Paulo Roberto Cortez, do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), do Ministério da Fazenda, confirmou o uso de empresas de fachada e laranjas para vender facilidades no órgão, causando um prejuízo estimado em R$ 19 bilhões, e manifestou interesse em um acordo para redução de pena. Ele disse ainda que era ele quem escrevia os votos que o conselheiro e auditor aposentado da Receita Federal José Ricardo Silva apresentaria no Carf.

A informação é do jornal O Globo de hoje. 

O grupo Gerdau, do empresário Jorge Gerdau, é suspeito de pagar a maior propina do esquema da organização criminosa: R$ 50 milhões para cancelar uma dívida tributária de R$ 4 bilhões.

A primeira leva de empresas investigadas tem 74 nomes, sendo sete do RS: Gerdau, RBS, Marcopolo, Eleva (Petropar), Avipal e Mundial-Eberle. 

Nenhuma delas admite ter pago propinas. 

Mesa da Assembléia poderá decidir o que fazer com o caso do deputado Jardel

O caso do deputado Mário Jardel, PSD, poderá ser tratado na reunião desta manhã da Mesa Diretora da Assembléia.

É que um médico indicado pela Casa poderá examinar o laudo de um médico de Lajeado que atestou depressão do parlamentar, que entrou ontem em licença.

Na nota que divulgou contra Jardel, o também deputado do PSD, Danrlei, refere-se claramente a problemas que o colega teve com drogas, o que teria motivado seu surto atual.

O afastamento possui características escabrosas, já que seu novo chefe de gabinete, Cristian Lima, anunciou que Jardel vinha sendo ameaçado de morte, mantido numa espécie de cárcere privado por parte de auxiliares e chantageado em função de problemas com o seu passado.

PT promete botar seus militantes na rua nesta terça-feira

O PT promete ir às ruas nesta terça-feira para defender a Petrobrás. É pretexto para defender Dilma Roussef.

Vai contar com o apoio de seus aparelhos sindicais e ongueiros, tipo CUT e MST.

As manifestações pretendem fazer contraponto aos atos de protesto marcados para este domingo em todo o País.

Comissão de Ética da Presidência processa Traumann

Já começaram os trabalhos da Comissão de Ética Pública da Presidência em relação ao caso do ex-ministro da Comunicação Social, Thomas Traumann, tudo por conta da divulgação de um documento de análise no qual o governo ao qual pertencia estaria mergulhado num "caos político".

Traumann poderá ser punido com censura pública.

Padilha não aceitou - ainda - o ministério da Articulação Política de Dilma

A jornalista Carolina Bahia, Zero Hora desta terça-feira, falou com o ministro Eliseu Padilha ontem a noite, pouco depois da reunião dos caciques do PMDB que deveriam homologar o nome dele para novo ministro da articulação política do governo, o de Relações Institucionais.

Segundo a jornalista, Padilha usou de uma única frase para dizer que não irá para o cargo:

- Sou o ministro dos aviões.

Ele é o atual ministro da Aviação Civil.

O episódio remete a pelo menos três leituras sobre o caso:

- Dilma fez outra trapalhada, porque não poderia ter convidado o gaúcho sem ter feito alguma sondagem anterior, porque a recusa debilita suas condições políticas.
- Padilha não aceitou, o que não é definitivo, porque não conseguiu apoio dos seus pares na reunião de ontem a noite.
- Pepe Vargas não tem mais o que fazer no ministério, já que foi fritado publicamente - e desmoralizado pelo convite público feito a um dos seus maiores adversários nas disputas políticas e eleitorais do RS.