A Alemanha triunfa e Dilma é vaiada cinco vezes no Maracanã

A presidente Dilma Roussef foi vaiada cinco vezes seguidas no Maracanã. Ela também foi xingada e ofendida gravemente. A cara dela na entrega da taça diz tudo.



O jornalista Reinaldo Azevedo escreveu esta noite no site www.veja.com.br que  a melhor seleção da Copa ficou com o título, e essa é, sem dúvida, uma boa notícia para o futebol. 

Leia mais:

A Alemanha mereceu! À diferença do que previram aquelas pessoas com quem Gilberto Carvalho andou dialogando à socapa, “teve Copa”, sim, e o evento, em si, foi um sucesso. A infraestrutura necessária para o evento funcionou. O que os brasileiros, como povo, lucraram com isso? Nada! E, pra começo de conversa, vamos parar com essa cascata de sair dizendo por aí que os brasileiros surpreenderam ao receber bem os estrangeiros. Por quê? Quando foi que o nosso povo tratou mal os turistas? Tenham paciência! O vexame da equipe em campo só não foi maior do que o do governo petista, que tentou usar o torneio para se promover e para demonizar a oposição e os críticos do oficialismo. Deu-se mal! Dilma Rousseff teve de contar com a boa-vontade da Fifa, que a manteve no ar o mínimo possível. Nas raras vezes em que a presidente apareceu no telão, o estádio explodiu numa vaia inequívoca. Cadê os bocas de bagre do puxa-saquismo oficial para acusar a “elite branca carioca”?

Dilma foi hostilizada cinco vezes, com mais intensidade quando entregou a taça para o capitão alemão, Philip Lahm. Os apupos cederam, então, àquele xingamento que já se tornou um clássico: “Ei, Dilma, vai tomate cru” se fez ouvir com uma intensidade e uma clareza que rivalizou com a da abertura do torneio, no Itaquerão. O jornalismo a soldo, cuja pança é alimentada pelas estatais, inventou a tese de que tudo era coisa da “elite branca de São Paulo”. A quem culpar desta vez?

Nunca antes na história destepaiz um tiro saiu tão espetacularmente pela culatra

Justiça derruba exigência de camisa social de cor azul para taxistas de Porto Alegre

Liminar permitindo que os taxistas possam utilizar camisa social de qualquer cor, durante o exercício da atividade, foi obtida pelo Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi), a favor do mais de 10 mil profissionais do volante que trabalham na capital gaúcha. Desta forma está invalidado o artigo 3º, do Decreto Municipal nº 18.647, de 13/05/2014, que obrigava homens e mulheres a utilizar camisa social ou polo na cor azul.

. A decisão é do desembargador Newton Luís Medeiros Fabrício, da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) e entra em vigor a partir desta segunda, dia 14.

. Os taxistas devem observar o texto do artigo 23, inciso 18, da Lei Municipal nº 11.582, de 21/02/2014, a Nova Lei do Táxi, que trata da vestimenta adequada para o exercício da atividade, composta de camisa, calça e calçado, independente de cor:

;. Nozari destaca que o decreto era desnecessário, pois a Nova Lei do Táxi, já define o traje adequado que todos os taxistas devem utilizar no exercício da atividade.

As razões do sucesso da universidade que ultrapassou a USP

O reitor da Universidade Católica do Chile disse para a revista Veja que aumento de produtividade e estímulo à divulgação científica explicam ascensão da instituição em ranking. Leia toda a entrevista:


Ignacio Sánchez, reitor da Pontifícia Universidade Católica do Chile (Divulgação)
Raio-x da Universidade Católica do Chile
Fundação: 1888
Número de alunos: 26.240
Número de docentes: 3.248
Campi: cinco — Casa Central, San Joaquín, Oriente, Lo Contados e Villarrica
Vagas no vestibular: 4.800 ao ano
Cursos de graduação: 50
Cursos de pós-graduação: 85 de mestrado, 63 de especialização médica e 35 de doutorado
Orçamento anual: 800 milhões de dólares (cerca de 1,68 bilhão de reais)

Recentemente, a Universidade de São Paulo perdeu o posto de melhor instituição de ensino superior da América Latina no respeitado ranking organizado pela consultoria britânica QS Quacquarelli Symonds. Quem assumiu o lugar é a Pontifícia Universidade Católica do Chile (UC). Segundo o reitor Ignacio Sánchez, o avanço chileno se deve a uma combinação de aumento de produtividade acadêmica e estímulo à divulgação do conhecimento. Exemplo disso é a adoção do inglês em aulas, pesquisas e até no processo seletivo da instituição: ao "falar" a língua da ciência, a produção acadêmica da UC ganha alcance e reconhecimento. É uma medida que as universidades brasileiras demoram para colocar em prática. 

Qual o segredo da UC para assumir o posto de melhor universidade da América Latina? 
Há três anos, aparecíamos na segunda posição do ranking da QS, com uma pontuação bem próxima à da USP, que considero uma excelente universidade. Contudo, falhávamos ao divulgar nossas pesquisas no exterior. Tínhamos muito trabalho sendo desenvolvido, mas os métodos de apresentação eram muito diferentes em cada curso. Fizemos, então, um esforço para mudar isso. Outros dois fatores influenciaram nosso desempenho. O primeiro é a proporção de docentes por aluno. Há cinco anos, temos uma política de portas abertas que pretende aumentar o contato de estudantes com professores, inclusive após as aulas e durante o período de provas. Para tanto, foi necessário aumentar o número de professores. Hoje, são cerca de 3.200 docentes para 26.000 estudantes, uma relação de 8 profissionais por aluno [a média da USP é de 15]. O segundo fator está relacionado à pesquisa. Temos 35 programas de doutorado e desenvolvemos pesquisas em todas as áreas.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

Merval diz que a seleção carregou a pátria nos ombros

No seu artigo de hoje em O Globo, intitulado "A pátria nos ombros", por Merval Pereira" diz que mais uma vez a seleção brasileira soçobrou ao peso da sua incompetência, aumentada pela enorme carga emocional com que cada um dos jogadores entrou em campo, mais uma vez cantaram o Hino Nacional como se fossem guerreiros, e não jogadores de futebol, e mais uma vez disputaram o terceiro lugar para salvar a honra da pátria.

. Leia tudo:

O que define bem o pensamento dos jogadores é a frase emblemática de Davi Luiz após a acachapante derrota para a Alemanha: “Só queria poder dar uma alegria ao meu povo, a minha gente que sofre tanto. Infelizmente, não conseguimos. Queria ver meu povo sorrir. Todos sabem o quanto era importante para mim ver o Brasil inteiro feliz pelo menos por causa do futebol”.

. Nesta análise sociológica rasa, porém bem-intencionada, de nosso capitão-herói (e pobre de um país que precisa de heróis, como já disse Bertold Bretch) está simbolizado todo o peso que jogaram em cima da seleção brasileira mais uma vez.

CLIQUE AQUI para ler mais.

Compre agora mesmo, neste domingo, meus livros, em versão e-book (digital) pela metade do preço, pagando com cartão:
Cabo de Guerra, a saga de Yeda contra o Eixo do Mal
Herança Maldita, os 16 anos do PT em Porto Alegre
A Casa Civil, o desastroso governo Collares no RS
Vá em:
www.albuka.com.br

Sanzi é pai, mas se engana quando defende as ações terroristas da filha Sininho

Este senhor da foto aí ao lado é o pai da ativista Elisa Quadros Pinto Sanzi, conhecida como Sininho, o portoalegrense Antonio Sanzi. Ele saiu em defesa da filha neste sábado, em Porto Alegre, depois que a Polícia prendeu Sininho e recambiou-a para o Rio, onde ela e companheiros seus preparavam ações de terrorismo, conforme amplo material apresentado ontem à imprensa de todo o País.

. Antonio Sanzi acusou equivocadamente o estado brasileiro de estar perseguindo politicamente centenas de manifestantes, entre os quais a filha, todos eles vinculados aos chamados black blocs, os grupos terroristas que vandalizam agências de banco, assassinaram um cinegrafista da Band, intimidam a imprensa, ferem policiais e portam armas de guerra de maneira ostensiva, tudo sob grossas máscaras, algumas delas contra gases.

. Os black blocs são movidos por ideias liberticidas e comunistas, conseguiram inicialmente o apoio de Partidos de esquerda como PT, PSOL e PSTU, mas acabaram isolados até mesmo por todos eles, tudo devido ao radicalismo exacerbado dos seus discursos e das suas ações.

. Sininho e seus comparsas preparavam atos de violência física para esta tarde no Maracanã.

. Foram apanhados antes.

. O curioso é que Antonio Sanzi não parece dar-se conta de que governos do PT ou aliados a ele é que promoveram a repressão de ontem.

. Antonio Sanzi criticou a cobertura imprensa a cobertura do caso:

- Interessa à mídia desse país, e não só à Globo, a criminalização de qualquer possibilidade de negação do estado de desigualdade e exceção que nós vivemos.

. Nada mais falso.

. Interessa à mídia, e não só a Globo, criminalizar bandidos que usam a política para cavalgar as franquias democráticas para acabar com a democracia no Brasil.

. É por isto que Sininho e seus 18 estão na cadeia neste domingo.

. O que se espera é que fiquem por lá durante bom tempo.


. Foi só desta forma que grupos terroristas em todas as partes do mundo democrático acabaram convencendo-se de que não é possível usar a liberdade para acabar com a liberdade. 

Artigo, Percival Puggina - Os bilhões de Dilma

Se você reparar bem, a cada abalo que o governo da presidente Dilma registra em sua sacolejada escala Richter, segue-se algum plano mirabolante ou algum anúncio bilionário destinado a acalmar as ondas. Seja o abalo moral ou político, a reação oficial vem sempre de um ou de outro modo. Ora o governo anuncia providências estruturais que não funcionam (como essa de intervir no futebol e estancar a evasão de atletas para o exterior), ora reúne o ministério, os governadores, a imprensa, o empresariado, os movimentos sociais e informa que está destinando bilhões de reais para isto ou para aquilo.

Convenhamos, é um modo estranhíssimo de governar. É injustificável que, completados 93% de seu mandato e enquanto transcorre o 12º ano de gestão petista, o país ainda esteja sendo governado aos trambolhões, ao arbítrio do momento e seguindo o juízo das necessidades impostas pelas oscilações do Ibope. De modo especial, tais improvisações parecem incompatíveis com o perfil segundo o qual a presidente foi repassada aos votantes no mercado eleitoral de 2010. São bilhões para cá e para lá, saídos do nada e conduzindo, na vida real, a coisa alguma. É o que se poderia chamar de capital volátil. Faz lembrar aquelas maletas pretas dos filmes de ação, que supostamente deveriam conter vultosas quantias, mas estão recheadas de jornais com notícias antigas. De fato, são eventos que, a despeito da pompa e circunstância, logo se tornam coisas esquecidas, cuja função se exauriu no momento de cada anúncio. E de nada vale ficar cobrando serventia maior para algo concebido apenas para ser divulgado.


Em plena campanha de 2010, a presidente anunciou para Porto Alegre o atendimento das duas principais reivindicações do Rio Grande do Sul: a duplicação da Travessia do Guaíba e o metrô. Nada.

CLIQUE AQUI para ler o artigo completo de Puggina, alojado em seu novíssimo blog. 

Aécio agradece a Dilma por desmentir a criação da Futebras e da Futebrax

Depois de acusar o governo da presidente Dilma Rousseff de pretender criar uma estatal para gerenciar o futebol, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi ao Facebook para comentar o esclarecimento feito por ela própria, negando essa intenção.

. O governo chegou a considerar de verdade a criação de duas espécies de programas, que poderiam virar estatais, a Futebrás, algo como uma estatal de intervenção na CBF, e a Futebrax, para impedir a exportação de craques. O assunto foi para o blog Muda Mais, que segue orientação de Franklin Oliveira, capataz de Dilma para a campanha eleitoral.

. Eis o que escreveu Aécio:

- A presidente Dilma nos informou hoje, pelo Twitter, que não vai criar a "Futebras". Talvez isso entristeça alguns de seus companheiros, mas traz enorme alívio para milhões de brasileiros. Afinal, seria a 14ª estatal criada pelo governo do PT, a sétima só no seu governo. Os cofres públicos agradecem!