Funcionalismo gaúcho começa a parar nesta segunda. Na terça, segurança estadual fará greve geral.

Ao lado, servidores usam as redes sociais para ironizar a decisão do governador Sartori de pagar apenas 600 reais nesta segunda. -


Os servidores públicos estaduais gaúchos farão greve a partir destasegunda até quinta-feira. O movimento é uma resposta dos sindicatos às medidas adotadas pelo governo de José Ivo Sartori de não pagar os salários em dia, parcelando-os.

Nesta segunda, pararão escolas, unidades de saúde do governo estadual, policia civil e funcionalismo em geral.

A Brigada Militar promete aquartelar-se as partir da meia noite.

Nas terça, quarta e quinta-feiras, a segurança estadual estará seriamente comprometida, sendo que bancos e lojas poderão fechar as portas. 

No primeiro dia de manifestação, o Movimento Unificado dos Servidores Públicos do Estado irá realizar uma coletiva, às 10 horas, na Federação Sindical dos Servidores Públicos (Fessergs), localizada na Rua Doutor Flores, 307, 9º andar. A greve é motivada, principalmente, pelo parcelamento dos salário

Artigo, Percival Puggina - Da megalomania à insignificância

Certa feita, no ano de 2004, em um dos tantos debates que já mantive com lideranças do PT, ironizei a continuidade que o governo Lula vinha dando às políticas tucanas que combatera tão intensamente e com tanto sucesso eleitoral. Mostrei, uma a uma, as contradições. O abominável Plano Real estava mantido com inteiro rigor. O superávit fiscal, tão execrado pelo petismo, havia atingido, com Lula, o maior valor dentro da série histórica. Os programas de renda mínima, que Lula acusara de serem uma forma de fazer votos graças à fome de quem vota com a barriga, haviam mudado de nome e recebido mais recursos. E por aí fui, até ser interrompido por meu interlocutor que me disse exatamente o seguinte: "Puggina, não se muda a direção de um transatlântico com guinada brusca" e ilustrou o que dizia com o braço desenhando um longo arco. A mudança de rumos estava em curso e seria gradual.

Ele pertencia à alta hierarquia de seu partido e estava bem informado. O tempo o comprovou. O PT destruiu os fundamentos macroeconômicos então vigentes (responsabilidade fiscal, câmbio flutuante e meta de inflação). Exibiu, pouco a pouco, sua vocação para o totalitarismo. Empenhou-se na armação da luta de classes, forçando o divisionismo dentro da sociedade. Ensaiou várias tentativas de controlar a mídia. Levou o revanchismo até onde pode. Concebeu várias agendas socialistas. Aliou-se aos piores vilões da política nacional e internacional. Não lhe faltaram tentativas de impor absurdos, mediante decretos felizmente rejeitados pela opinião pública e pelo Congresso. Tais foram os casos do PNDH-3, que fazia gato e sapato em nome dos direitos humanos, e do decreto Nº 8.243 (decreto dos sovietes), que pretendia uma desabilitação do poder legislativo. O partido viria, como de fato veio, contaminar e aparelhar o Estado em conformidade com um desígnio totalitário. Tudo para alterar a trajetória do transatlântico.

 Na política, tudo ia bem. Os corruptos prosperavam. Não faltava dinheiro à mídia chapa branca, nem capitanias hereditárias aos partidos e aos políticos da base. O crescimento chinês empurrava a economia para a frente, mais ou menos como as elevações da taxa de juros engordam os lucros dos bancos sem que os banqueiros precisem sair da poltrona. O petróleo a mais de US$ 100 viabilizava qualquer estripulia na Petrobras e o pré-sal era portentosa mina, a ser drenada ainda antes de gotejar. A megalomania, os delírios de poder e de riqueza, os projetos faraônicos, o messianismo característico dos partidos e movimentos totalitários recebiam injeções de adrenalina na veia. No limite das aparências, Lula era um Midas. Além das aparências, uma bomba de efeito retardado.

Só agora, concluída aquela curva descrita pelo meu interlocutor no debate acima referido, veem-se todas as dimensões do estrago. O desvio de rota jogou o país contra os rochedos, de modo desastroso. Lula e Dilma, que sequer se animam a aparecer em público, fazem lembrar o rápido e furtivo desembarque do comandante Francesco Schettino após jogar o Costa Concórdia contra os arrecifes junto à ilha de Giglio.

A direção pretendida quando a grande curva foi desenhada chegou onde inevitavelmente haveria de chegar, porque nunca foi diferente o resultado de tais políticas. E se há muita incerteza, hoje, sobre o futuro do país, se os comandantes se escondem mas não desembarcam, ninguém duvida de que o desvio de rota e a megalomania os condenaram à insignificância.


* Percival Puggina (70), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões, integrante do grupo Pensar+.

Alckmin volta a defender duras investigações sobre malfeitos de Dilma

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, defendeu, neste domingo, durante a Expointer, em Esteio, que as investigações envolvendo a presidente Dilma Rousseff sejam aprofundadas.

Ele admitiu que poderá disputar as eleições presidenciais de 2018 e aproveitou para se referir ao pleito que disputou em 2006:.

— Mas quero aproveitar para agradecer porque eu tive a maior votação do país (na eleição de 2006) em um município perto de Pelotas chamado Arroio do Padre. Não foi em SP. Tive 84% da votação, e sempre é tempo de agradecer

Na Expointer, em Esteio, Alckmin e o governador José Ivo Sartori assinaram um protocolo de intenções para troca de experiências entre as secretarias da agricultura de ambos os Estados. O tucano evitou comentários a respeito da crise enfrentada pelo RS e apenas destacou sua confiança no governador gaúcho.


— Sartori é um homem experiente e preparado para enfrentar as dificuldades que todos nós também estamos enfrentado nesse momento de crise fiscal.

Na CPI, Paulo Costa reafirmou: "Dilma e o Conselho autorizaram a compra de Pasadena". Veja o video com depoimento do ex-diretor da Petrobrás.

O editor postou há pouco este material editado sobre o depoimento feito pelo ex-diretor da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, ao falar na CPI sobre a ruinosa compra da Refinaria Pasadena.

O delator chegou a escandir cada palavra e repetir várias vezes a mesma explicação.

CLIQUE AQUI para acompanhar o Facebook do editor e examinar o video, editado de modo que o leitor entenda com clareza.

O que disse Paulo Costa:

Muita gente que devia entender, parece que ainda não fez isto: quem autorizou a compra da refinaria foi o Conselho de Administração. A diretoria não tem poderes para decidir compras do gênero, a não ser depois de autorizada. A responsabilidade foi do Conselho.

"E quem presidia o Conselho de Administração na época ?", perguntou então um deputado, ao que Costa respondeu de imediato:

- A atual presidente da República.

Superlua valorizou o final de semana lotado de Gramado

A foto ao lado foi obtida pelo editor no seu iPhone de última geração da Claro, exatamente diante do Lago Joaquina Bier, Gramado, RS, que neste final de semana apresentou-se novamente com hotéis repletos de hóspedes, como o Ritta Hopner, próximo ao local da cena.

O editor, aliás, recomenda vivamente o almoço alemão de sábados no Ritta Hopner, porque é o que existe de melhor no RS nesta área.

R$ 80,00 por cabeça, incluído apfelstrudel e refrigerante. 

A foto é da superlua de sexta-feira a noite. 

O evento acontece quando ocorre uma lua cheia no período entre 24 horas antes ou depois de a lua atingir o perigeu (ponto mais próximo da Terra) de sua órbita.

Sartori pensa pagar pensionistas e aposentados em oito prestações

O governo usa o atraso do funcionalismo como um bode na sala, destinado a convencer a sociedade gaúcha de que a crise é mesmo infernal e exige medidas duras, algumas das quais já estão na Assembléia. - 



O governo Sartori já decidiu como é que vai atrasar e parcelar novamente os salários de pensionistas e aposentados, cujo número é maior do que os funcionários  em atividade.

Veja ao lado o calendário referente a um pensionista.

O caso só atinge pensionistas e aposentados do Poder Executivo, porque os servidores da Justiça, MPE, TCE e Legislativo estão fora do calote.

É curiosíssimo que o governo pense em pagar aposentados e pensionistas em oito parcelas, sendo a maior  no dia 22.

Nesta segunda-feira, serão pagos apenas R$ 600,00.

O atraso e parcelamento dos salários do funcionalismo levarão todos a nova e justa greve, desta vez de quatro dias, mas não está afastada a hipótese de greve por tempo indeterminado.

PMDB dirá na TV que o Brasil quer e precisa mudar. E ?

A Folha de S. Paulo deste domingo concede manchete  para as informações sobre o próximo programa partidário gratuito de TV, o do PMDB, destacando que o ex-ministro Moreira Franco, que é visto no Palácio do Planalto, como um dos principais conspiradores pró-Temer, estrelará um dos comerciais do PMDB, que não deixa margem a nenhuma dupla interpretação.

"A nação quer mudar, a nação deve mudar, a nação vai mudar", diz ele, num dos filmes dirigidos pelo publicitário Elsinho Mouco.

Moreira foi um dos responsáveis pela desastrada entrevista do vice-presidente Michel Temer, em que ele defendeu o surgimento de alguém capaz de "unificar o País". Desde então, Temer e Dilma se distanciaram. Ele deixou a articulação política e ela indicou um de seus mais fiéis assessores, Giles Azevedo, para tratar do tema.

Temer também participa das novas inserções. "O Brasil é um só, e sempre vai ser maior e mais importante do que qualquer governo", afirma o vice, que tenta consertar a fala da 'unificação'.  "O momento pede equilíbrio, pede grandeza. A hora é de diálogo, de ouvir, de reunificar a sociedade", diz o vice-presidente.

Outros que aparecem nas peças são os presidentes da Câmara e do Senado. "Governos passam, e o Brasil sempre vai ser maior do que qualquer governo", diz Renan. Cunha afirma que seu "dever" como presidente da Câmara é "defender sua independência, cumprir rigorosamente a Constituição e, acima de tudo, priorizar o que é de interesse da sociedade".

De acordo com o publicitário Elsinho Mouco, o objetivo é mostrar que "o PMDB de Temer é fundamental para apaziguar os ânimos e ajudar na governabilidade".


Jornal Nacional desmascara intermediação de Lula em favor da Odebrecht em Cuba

Ao lado, Lula com o ex-presidente do Uruguai, Mujica, dizendo que volta a voar. - 


O Jornal Nacional de ontem a noite usou seis minutos da sua programação para passar informações completas sobre as ações do Ministério Público Fedral a respeito dos empréstimo do BNDES para construção de porto em Cuba e a intermediação feita por Lula no bnegócio.

Segundo reportagem da revista Época, haveria indícios de tráfico de influência praticado pelo ex-presidente Lula junto ao governo cubano.

Leia a transcrição da reportagem e CLIQUE AQUI para examinar o video com a reprodução da reportagem do Jornal Nacionasl:

A revista Época divulgou neste sábado (29) documentos de dois inquéritos do Ministério Público que apuram se houve irregularidade na concessão de empréstimo do BNDES para a construção de um porto, em Cuba, pela Odebrecht. E como o ex-presidente Lula agiu durante as negociações desse empréstimo.
A revista Época traz reportagem com informações de dois inquéritos do Ministério Público Federal, um no Rio de Janeiro e outro em Brasília, que apuram indícios de irregularidades na concessão de empréstimos do BNDES para a construção do porto cubano de Mariel. A Odebrecht foi escolhida pelo governo cubano para construir o porto. As investigações descrevem a atuação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante o processo de negociação dos empréstimos.
Segundo a revista, a transação chegou a ser classificada como secreta a pedido do ex-ministro do Desenvolvimento Fernando Pimentel. O porto custou US$ 957 milhões, dos quais US$ 682 milhões foram financiados pelo BNDES com dinheiro público. Um dos documentos das investigações conduzidas pelo Ministério Público no Rio, publicados pela revista, mostra que o BNDES tratou como "excepcionalidades" as condições oferecidas a Cuba. O prazo de financiamento seria de 25 anos, e não de 12, que é o prazo regulamentar. E 25 anos também para o pagamento de taxas de juros mais baixas, em vez dos dez anos habituais. A garantia seria o dinheiro que Cuba tem direito a receber por exportações de tabaco.
A reportagem lembra que os investimentos brasileiros em Cuba tornaram-se possíveis graças a um acordo comercial assinado em 2008 entre os dois países, quando Lula era o presidente. Na época, ficou acertado que o BNDES colocaria à disposição dos cubanos US$ 600 milhões para financiar projetos na ilha. A reportagem reproduz um telegrama do dia 6 de junho de 2011, que consta do inquérito de Brasília, da embaixada do Brasil em Cuba para o Itamaraty. Um diplomata que acompanhou o encontro de Lula com Raúl Castro, dias antes, faz o seguinte relato: "Lula disse a Castro que veio a Cuba reiterar seu desejo de que aumente a presença brasileira no país". E mais: "Dilma é amiga de Cuba", teria dito Lula. A revista não revela o nome do diplomata. A respeito da construção do Porto de Mariel, segundo o documento, Lula, já como ex-presidente, disse que tem o financiamento garantido e não haverá mudança.
De acordo com a revista, a Odebrecht foi a empresa que mais recebeu dinheiro do BNDES para obras em Cuba. Entre fevereiro de 2009 e agosto de 2014 foram US$ 832 milhões. Em um dos telegramas publicados, o encarregado de negócios da embaixada Marcelo Câmara diz que, em uma conversa reservada com Lula, os representantes da Odebrecht se mostraram preocupados em relação a financiamentos. Segundo eles, dado o volume que já tinha sido emprestado, dificilmente o BNDES aprovaria novos empréstimos sem conseguir garantias soberanas, ou seja, dadas pelo próprio governo de Cuba.
Baseada em telegramas do Itamaraty, a revista diz que a Odebrecht teria sugerido outras formas de garantia. Entre elas, o aumento da oferta de medicamentos cubanos no SUS e a venda de parte da produção de nafta de Cuba para a petroquímica Braskem, que pertence à Odebrecht. Além do Porto de Mariel, a empresa também tem obras no Aeroporto de Havana.
Em telegrama ao Itamaraty, Marcelo Câmara diz que Lula confidenciou ter tratado da questão das garantias soberanas com ênfase à opção de venda de nafta à Braskem. Depois dessa conversa, Lula embarcou para o Brasil em avião fretado pela Odebrecht, segundo a Época.
A revista lembrou que, quando a presidente Dilma foi a Cuba, no início de 2014, ela disse que o financiamento previsto de US$ 290 milhões para a segunda fase do Porto de Mariel era peça-chave para a promoção do desenvolvimento econômico cubano.
O Palácio do Planalto disse que desconhece o conteúdo dos documentos mencionados pela revista e que, por isso, não faz comentários. A nota diz ainda que o Porto de Mariel é um projeto estratégico nas relações entre Brasil e Cuba, que foi um projeto bem-sucedido do governo Lula e que, depois, teve apoio do governo da presidente Dilma.
Em nota, o Instituto Lula afirmou que o ex-presidente Lula, a exemplo de outros dirigentes mundiais, atua com muito orgulho para abrir mercados para o Brasil, sem receber nada por isso. O instituto diz que o ex-presidente Lula nunca interferiu em decisões do BNDES.
A construtora Odebrecht afirmou que o financiamento para as obras foi concedido ao governo de Cuba e não para a construtora. Segundo a Odebrecht, a visita do ex-presidente Lula a Cuba, em 2014, não gerou novos financiamentos para o governo cubano e tampouco a construtora foi contratada para novas obras.
O BNDES disse que são absurdas as ilações sobre a suposta influência do ex-presidente Lula na concessão do financiamento a Cuba. O banco também afirmou que os empréstimos foram feitos com taxas de juros e garantias adequadas.

Em nota, a assessoria de Fernando Pimentel, hoje governador de Minas Gerais pelo PT, disse que o financiamento do porto foi colocado em sigilo em respeito ao memorando assinado entre Brasil e Cuba, mas que órgãos de controle como o Tribunal de Contas da União tinham acesso às informações.

Costa disse na Polícia Federal que Gerdau foi um dos responsáveis pela "quebra da Petrobrás".

Nos últimos meses, além da posição no Conselho de Administração da Petrobrás, Gerdau deixou o cargo de Coordenador da Câmara de Gestão e Competitividade, no qual tinha assento no Palácio do Planalto. Depois disso, acabou afastando-se também da presidência do Conselho de Administração da própria Gerdau. Sua empresa, atualmente, é investigada no âmbito da Operação Zelotes. O envolvimento do dr. Jorge com os petistas acabou saindo caro para o empresário de 77 anos. - 

Nas 45 horas de videos que gravou para a Polícia Federal e que começaram a vazar,hoje, na Folha de S. Paulo (leia nota a seguir), o ex-diretor da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, citou o industrial gaúcho Jorge Gerdau como um dos dirigentes da estatal nos governos Lula e Dilma (Gerdau era membro do Conselho de Administração) que ajudou "tecnicamente" a quebrá-la, além de responsabilidade pela compra da Refinaria Pasadena.

Segundo Paulo Costa, todos eles estavam na Petrobrás para defender o governo e não a empresa.

E foi o governo quem a obrigou "a participar em 30% do pré-sal em tudo", segurou o preço da gasolina e matou o álcool.

Sobre Jorge Gerdau e os demais conselheiros da iniciativa privada, disse Paulo Costa:

- Os conselheiros da iniciativa privada são omissos, vamos colocar essa palavra, na reunião do Conselho, porque normalmente são empresários e não querem ficar mal com o governo.

Milhares de gaúchos superpovoam neste momento a Expointer, Esteio, RS

Domingo de céu azul, sol claro e forte, temperatura amena, resulta em superlotação na Expointer, Estteio, RS.

O editor teve dificuldade para entrar e sair da área.

São milhares de carros e pessoas.

Algo jamais visto.

A Expointer é a mais importante feira agropecuária do RS.

Como sempre acontece, o evento é inaugurado no final da festa.

Dilma, convidada, mandou dizer que não virá.

Feltes sofre forte desgaste político ao incorporar o papel de Senhor "Niet"

É enorme o desgaste político do secretário estadual da Fazenda, Giovani Feltes. O senhor niet faz o contrário de tudo que defendia como parlamentar, a começar pela manutenção do Imposto da Fronteira.

O que existe de pior no governo Sartori, portanto na gestão também de Feltes, é que não há um ponto na linha de horizonte capaz de indicar prazo certo para o fim dos atuais sofrimentos


Lei Anti-Tarso tramita em regime de urgência na Assembléia

A Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual que tramita na Assembléia do RS já ganhou apelido. Os governistas resolveram chamá-la de Lei Anti-Tarso.

É a lei que impedirá a desordem fiscal e administrativa no RS.

A proposta corre regime de urgência.

Pixuleco reaparece neste domingo na avenida Paulista. Segurança foi reforçada para evitar ataques petistas.

Depois de sofrer um ataque e ser rasgado na sexta, o Pixuleko, boneco inflável do ex-presidente Lula vestido de presidiário, reapareceu neste domingo consertado e com esquema de segurança reforçado.

A informação é do site www.uol.com.br O texto a seguir é do UOL:

Cinco seguranças e um gradil foram contratados por cerca de R$ 2 mil e levados para isolar o boneco do público na avenida Paulista.

"Se a gente não fizer isso a petralhada ataca de novo", afirmou Carla Zambelli, líder do movimento Nas Ruas.

O Pixuleko foi inflado na altura da alameda Ministro Rocha de Azevedo, na frente do prédio onde funciona TCU (Tribunal de Contas da União) em São Paulo, para pressionar o tribunal a agilizar a análise de supostas irregularidades na conta do governo Dilma em 2014.

Líderes dos movimentos pró-impeachment também recolhiam assinaturas para um manifesto contra a corrupção.

Para animar os manifestantes, que se aglomeravam em torno do boneco e em cima da ciclovia da Paulista, a organização providenciou um alto falante que era usado para fazer discursos contra Dilma e Lula e tocar músicas diversas.

A trilha sonora foi do hino brasileiro a adaptações de músicas famosas.

"Vem vamos embora que esperar não é saber. Quem sabe faz a hora não espera acontecer", trecho de "Pra Não Dizer que Não Falei de Flores", de Geraldo Vandré, virou " Dilma vai embora, o Brasil não quer você. Leva junto o Lula e os vagabundos PT". Os organizadores se revezavam no megafone para cantar junto.


O ato está previsto para acontecer até as 14h deste domingo.

Ministro da Justiça foi vaiado e xingado esta manhã em SP

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, foi cercado, vaiado e xingado na avenida Paulista, na manhã deste domingo. 

Ele fazia uma caminhada junto com um amigo, que estava de camisa vermelha, e foi reconhecido por manifestantes. 

Paulo Roberto Costa pede proteção à Polícia Federal: "Tenho medo que o PT me mate, como fez com Celso Daniel"

CLIQUE AQUI para ver a imagem, ouvir as falas e ler a reportagem da Folha. São videos inéditos. -


O delator e ex-diretor da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, delator, Lava Jato, tem medo de ser assassinado pelo PT, como aconteceu com Celso Daniel.

Foi o que ele disse para a Polícia Federal.

A Folha de S. Paulo publicou o video com a fala:

- Eu tenho um receio. É integridade física minha. [...] Porque... Eu tenho medo. Porque nós estamos falando com [de] uma gente muito graúda.

Artigo, Elio Gaspari, Correio do Povo - A letalidade da roubalheira do Carf

No caso do Carf, a empresa que devia R$ 100 milhões pagou R$ 5 milhões à Receita e uns R$ 3 milhões à quadrilha. Só se produziu prejuízo e propina. -

A Operação Zelotes, conduzida pelo Ministério Público e pela Polícia Federal, está comendo o pão que o tinhoso amassou. Ela começou em março e explodiu uma quadrilha de ex-conselheiros, parentes e amigos de conselheiros que vendiam decisões do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, um órgão do Ministério da Fazenda (Carf).
Depois de dois anos de investigações sigilosas e 2.300 horas de escutas telefônicas, foram cumpridos 41 mandados de busca e apreensão. Passados na peneira, separaram-se 74 processos com cheiro de queimado, todos de peixes gordos.
Num grampo autorizado pela Justiça, um ex-conselheiro disse o seguinte: “Aqui no Carf só os pequenos devedores pagam. Os grandes, não.” Ou, noutra versão, mais crua: “Quem não pode fazer acordo, acerto — não é acordo, é negociata — se fode”.
A coisa funcionava assim, há muitos anos: uma grande empresa ou um grande banco era autuado em R$ 100 milhões pela Receita Federal, recorria ao Carf e liquidava a fatura reduzindo a autuação para algo como R$ 5 milhões.
Essa modalidade de corrupção é muito mais daninha do que tudo que se viu na Lava-Jato. Num raciocínio cínico, a tia de um empreiteiro que cobrou R$ 100 milhões por uma obra que valia R$ 50 milhões, sempre poderá dizer que, apesar de tudo, a obra do seu sobrinho está lá.
Já a tia de um magano que alugava por R$ 150 milhões um navio-sonda que o mercado oferece por R$ 100 milhões também dirá que o navio está no litoral de Campos, fazendo seu serviço.
No caso do Carf, a empresa que devia R$ 100 milhões pagou R$ 5 milhões à Receita e uns R$ 3 milhões à quadrilha. Só se produziu prejuízo e propina. Nem refinaria, muito menos navio-sonda.
Coisas estranhas aconteceram com a Operação Zelotes. Quando ela foi desencadeada, o juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal de Brasília, julgou desnecessário prender pelo menos quatro acusados, contentando-se com os mandados de busca e apreensão. Jogo jogado. Em junho, o Ministério Público pediu e conseguiu seu afastamento.
Noutra ponta, saiu da Câmara dos Deputados um pedido de informações com algumas perguntas banais ao Ministério da Fazenda: Quais os valores de cada processo milionário julgado no Carf? Quais recursos foram aceitos?
Em junho, o doutor Carlos Alberto Freitas Barreto, presidente do Conselho, informou que, devido a uma mudança no sistema de armazenamento de dados, esse detalhamento só poderia ser apresentado “em breve”. Passaram-se três meses e nada.
Numa nova surpresa, o coordenador-geral de investigação da Receita Federal, Gerson Schaan, deu uma entrevista à repórter Andreza Matais na qual disse o seguinte: “O que a quadrilha fazia era direcionar o julgamento para uma turma que tinha entendimento a favor do contribuinte. Trata-se de um caso de corrupção, não de sonegação”.
Em tese, tudo bem, na prática, a ver. O centro dessa questão só será melhor entendido “em breve”, quando o Carf fulanizar nomes e cifras.
Nos pixulecos do Carf podiam ocorrer três situações:
1) O contribuinte sabia que estava sonegando e dava a pedalada tributária porque esperava ganhar a parada no Carf. Nesse caso há corrupção e sonegação.
2) O contribuinte pode ter razão, mas comprou o “direcionamento”. A Receita errou, mas falta explicar melhor como uma turma entende uma coisa e outra vai na direção oposta, sobretudo sabendo-se, há anos, que uma quadrilha orientava o trânsito. Nesse caso há um atravessador corrupto e um empresário corruptor.
3) No pior dos casos, o contribuinte tinha razão mas foi informado de que iria para a lâmina se não pagasse o pedágio. Segundo um dos integrantes da quadrilha, “se eu participar (...) eles têm mais ou menos 95% de chances de ganhar. Caso contrário, perderão, com certeza.”
Essas diferenças poderão ser esclarecidas se a Operação Zelotes entrar no estilo da Lava-Jato. Pelo andar da carruagem, apesar dos esforços da Polícia Federal e do Ministério Público, ela está devagar, quase parando.
Corre o risco de ficar parecida com a “Castelo de Areia”, aquela que livrou a empreiteira Camargo Corrêa de qualquer suspeita. Passaram-se seis anos e agora a empresa está colaborando com o juiz Sérgio Moro.


Alckmin rfadicaliza na filiação do governador Pedro Taques ao PSDB: "Temos que nos livrar dessa praga que é o PT"

A senadora Ana Amélia esteve presente ao ato. -

O governador Geraldo Alckmin, que visitará hoje a Expointer, Esteio, RS, tudo na companhia de deputados do PSDB, despiu-se ontem do seu estilo moderado e durante evento que marcou a entrada no PSDB do governador de Mato Grosso, Pedro Taques, assumiu o tom radical contra o PT>]

- Temos que nos livrar dessa praga que é o PT. 

Em seguida, o goverfnador disse que "este é o PT do desemprego, da inflação, dos juros pornográficos e dessa praga do desvio do dinheiro público".

Ele explicou o que mudou:

-  Hoje é tempo de honestidade.

Na filiação de Pedro Taques, Alckmin; além dos seis governadores tucanos, estavam presentes o senador José Serra, a senadora Ana Amélia (PP-RS) e deputados tucanos de vários estados; Pedro Taques se disse um "soldado" da sigla a lutar pela transformação do país

Dilma não desistiu da CPMF

Ao contrário do que boa parte da mídia informou neste domingo, o governo Dilma Roussef não desistiu de protocolar proposta para recriar a CPMF.

A idéia é aplicar alíquota de 0,38% sobre o valor de cada cheque.

Ontem, em SP, o ex-presidente Lula e o PT voltaram a defender a recriação do tributo.

Neste domingo, Dilma terá nova reunião com ministros escolhidos e voltará a debater o assunto. Neste sábado, ela manteve um encontro com o mesmo objetivo.

Senadores gaúchos protocolam projeto que acaba com a dívida do RS com a União

Os senadores gaúchos protocolaram nesta semana projeto de lei complementar (PLC 561) que propõe uma mudança radical no índice de correção do valor da dívida dos estados e municípios com a União. A proposta foi assinada por Ana Amélia Lemos (PP), Lasier Martins (PDT) e Paulo Paim (PT). Se aprovada, a lei determinará que a dívida do RS já está paga. Mais que isso: o Estado passaria de devedor de R$ 47 bilhões a credor de R$ 5 bilhões pagos a mais à União.

Se o projeto passar, todos os Estados e municípios poderão fazer o mesmo, quebrando a União.

O texto propõe que o indexador da dívida pública estadual com a União deixe de ser o Índice Geral de Preços — Disponibilidade Interna (IGP-DI), que impôs correção de 275% somada a 601% de juros, como definem os contratos da dívida. Este indicador é calculado pela Fundação Getúlio Vargas. Em seu lugar, o indexador passaria a ser o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que resultaria em correção de 178% sem incidência de juros, considerando que a correção justa para os empréstimos de um ente público a outro é a reposição da inflação, calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), órgão de Estado responsável pela produção de indicadores oficiais para a economia do país. Os percentuais correspondem ao exercício dos contratos, entre 1999 e 2014.

Eis os pontos:

* Altera a lei complementar nº148, de 25 de novembro de 2014 (que mudou a lei de 1997, que definiu os acordos de pagamento da dívida com a União), para estabelecer novo índice de cálculo para atualização monetária das dívidas dos estados e municípios.

* Veda em seu parágrafo único, a utilização, a qualquer título, de quaisquer outros índices ou taxas bem como a cobrança de juros sobre os valores devidos e calculados para a dívida dos estados e municípios.

*Determina que a troca do índice da dívida será aplicado retroativamente à data de assinatura dos contratos, devendo a União refazer os cálculos, inclusive dos contratos já quitados.

*Determina que a União apresente às unidades da Federação, para fins de conferência, num prazo máximo de 120 dias, a contar da vigência da lei, os valores dos novos saldos devedores, das novas mensalidades, dos prazos restantes para a quitação total da dívida e dos eventuais saldos credores.

*Determina que a União quitará, num prazo de 360 dias a contar da vigência da lei, eventuais saldos credores que as unidades da Federação venham a ter em decorrência da nova forma de cálculo prevista na lei.

*As unidades da Federação poderão manifestar a sua opção pela celebração dos aditivos contratuais que recepcionem o disposto nesta lei.


No RS, sol, céu azul e temperatura alta marcarão este domingo

Domingo será dia de céu azul, sol e temperatura alta no Rio Grande do Sul. resultado da massa de ar seco e quente que cobre o Estado. A atmosfera muito seca proporciona uma queda acentuada da temperatura à noite, especialmente em áreas de baixadas, com diferenças de microclima significativas. 

 Com a presença do sol, a temperatura dispara durante a manhã e poderáchegar a 30ºC na maioria das regiões, até na Serra. Nos Vales e Grande Porto Alegre> P calor será forte. 

Em Porto Alegre, os termômetros devem registrar entre 15ºC e 33ºC.