Saiba como ficou toda a diretoria da Procergs

Eis a nova diretoria da Procergs: Antonio Ramos, presidente; Débora Villela, vice; Sérgio Dall'Agnol, diretor Técnico: Paulo Fernando Kapp, diretor Administrativo e Financeiro.

Sartori dá status de secretária ao gabinete de Políticas Sociais para garantir mandato de deputado para Maria Helena

O governador Ivo Sartori criou hoje sua 20a. secretaria, já que concedeu status de secretária ao Gabinete de Políticas Sociais, comandado por sua mulher, a deputada Maria Helena Sartori. O governador e a mulher ficaram num impasse quando Fábio Branco, o titular, e o primeiro suplente, Jovir Costella, licenciaram-se para assumir suas secretarias. Acontece que o suplente seguinte é Maria Helena, que só teria as opções de assumir ou ser nomeada secretária, porque de outra forma perderia o mandato. A solução foi criar uma secretaria e nomeá-la. Isto significa que o terceiro suplente, Ibsen Pinheiro, poderá, agora, assumir na Assembléia. 

Exportações do Rio Grande do Sul despencam 10,5% em janeiro

As exportações gaúchas caíram 10,5% em janeiro em relação ao mesmo período de 2014, somando US$ 966,6 milhões. O dado foi divulgado nesta quinta-feira pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs).

A redução foi puxada especialmente pelo desempenho ruim da indústria, que totalizou US$ 853 milhões no período, uma perda de 18,5%, o menor valor em nível para o mês desde 2010.

Apenas um segmento industrial, entre 24, teve alta: tabaco, com 16,5%. Dezoito subcategorias registraram perdas, enquanto cinco tiveram estabilidade.

Petrobras é responsável por explosão em navio

A Petrobras, como operadora dos campos Camarupim e Camarupim Norte, onde ocorreu acidente em uma plataforma na quarta-feira matando ao menos cinco pessoas, é a responsável pelas ocorrências na área, afirmou Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

A autarquia informou ainda, por meio de sua assessoria de imprensa, que foi aberto um processo administrativo de investigação para verificar as causas da explosão.

Bovespa fecha o dia em alta de 2,68% de olho no exterior

A Bovespa pegou carona no clima mais positivo das bolsas internacionais, engatou um movimento de recuperação e fechou nesta quinta-feira no maior nível desde 8 de janeiro. O avanço da bolsa foi conduzido pelos ganhos das ações de bancos, Petrobras e Vale.

No fechamento, o Ibovespa subiu 2,68%, aos 49.532,72 pontos. O volume de negócios totalizou R$ 6,493 bilhões. Na máxima a bolsa atingiu 49.690 pontos (+3,01%) e, na mínima, 48.240 pontos (estável).

No mês de fevereiro, o índice acumula alta de 5,60% e no ano, baixa de 0,95%.

Ladrões roubam R$ 300 mil de agência do BB em Porto Alegre

Quatro assaltantes armados levaram cerca de R$ 300 mil de uma agência do Banco do Brasil na Avenida Protásio Alves, em Porto Alegre, na manhã desta quinta-feira.

Segundo a Brigada Militar, os homens, que utilizavam máscaras cirúrgicas, luvas, óculos escuros e bonés, tinham a chave da porta lateral da agência, por onde acessaram o local por volta das 8h45min.

Eles renderam os três seguranças e sete funcionários que chegaram à agência durante o assalto. Além do dinheiro de dois cofres, os assaltantes ainda levaram as armas dos vigilantes.

"Prévia do PIB" indica retração de 0,15% em 2014

A economia do país registrou em 2014 a primeira retração em cinco anos, segundo indicam dados divulgados nesta quinta-feira pelo Banco Central (BC). O Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), que é calculado pelo BC e busca ser uma espécie de "prévia do PIB" (Produto Interno Bruto), teve contração de 0,15% no ano passado.

Se confirmada a expectativa do Banco Central, o resultado do desempenho da economia brasileira, em 2014, será o pior desde 2009 – quando o país sentia os efeitos da crise financeira internacional e o PIB registrou retração de 0,33%.

Em 2010, 2011 e 2012, a expansão foi de, respectivamente, 7,53%, 2,73% e 1,03%. Em 2013, o PIB cresceu 2,49% (valor revisado).

Dólar fecha o dia cotado a R$ 2,821

O dólar comercial fechou em baixa de 1,85% nesta quinta-feira, cotado a R$ 2,821 na venda, após duas altas seguidas. É a maior queda percentual diária desde 21 de novembro do ano passado, quando a moeda norte-americana havia recuado 2,05%.

Na véspera, o dólar havia subido 1,33% e atingido o maior valor de fechamento desde 19 de outubro de 2004.

Aeroportos reforçam atendimento contra caos aéreo no carnaval

Para que os brasileiros possam viajar sem problemas, a secretaria de Aviação Civil, Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Comissão Nacional de Autoridades Aeroportuárias (Conaero) e Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) lançaram nesta quinta-feira a operação Folia Feliz.

O objetivo é fazer valer os direitos dos viajantes em situações comuns nos aeroportos do país, como atraso no voo, mudança de assento, o mesmo assento vendido para duas pessoas, entre outras coisas.


A operação será nos aeroportos do Galeão (RJ), Santos Dumont (RJ), Guarulhos (SP), Congonhas (SP), Brasília (DF), Salvador (BA) e Recife (PE).

Manifestantes protestam após polo naval gaúcho ser afetado pela Lava Jato

Manifestantes realizam protestos ao longo de toda esta quinta-feira, em Rio Grande, sul do Estado, em defesa do polo naval da região. O objetivo é chamar a atenção das autoridades para o impacto da Operação Lava Jato na indústria naval gaúcha.

Desde o fim do ano passado, o ritmo das obras nos estaleiros que prestam serviços para a Petrobras diminuiu e houve demissões.

A mobilização desta quinta-feira é organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas e de Material Elétrico de Rio Grande e São José do Norte. Os protestos afetaram o trânsito e o transporte público da cidade.

Cardiologista de Dilma brinca e diz: "Ela está ótima, melhor do que eu"

A presidenta Dilma Rousseff realizou, nesta quinta-feira, exames de rotina no Hospital Sírio-Libanes, em São Paulo. Ela permaneceu uma hora no hospital e, segundo o cardiologista Roberto Kalil, o estado de saúde da presidenta é satisfatório. “Ela está ótima, melhor do que eu”, brincou o médico.

No final da tarde, o Sírio-Libanês vai divulgar boletim médico com informações detalhadas.

Richa volta atrás e retira "pacotaço" da Assembleia do Paraná

O governador Beto Richa (PSDB) enviou um ofício para a Assembleia Legislativa confirmando a retirada dos dois projetos de ajustes fiscais e previdenciários, que causaram a mobilização de vários setores do funcionalismo público estadual.
O Governo do Paraná enviou no início do mês de fevereiro à Assembleia Legislativa um conjunto de medidas que têm por objetivo resolver problemas financeiros da administração estadual. As propostas foram divididas em dois projetos de lei e envolvem cortes de benefícios do funcionalismo, alterações na previdência estadual, dentre outras mudanças. O conjunto de medidas ficou conhecido como “pacotaço”.

- A imagem dos deputados estaduais paranaenses entrando hoje na Assembléia em um camburão do Bope (para se proteger de professores e estudantes) já começou a correr o Brasil.

Dólar chega a cair 1,7%; Bovespa tem alta de 2,8%

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, registrava alta de 2,82%, a 49.598,97 pontos, por volta das 15h10 desta quinta-feira, puxado pelas ações da Petrobras.

No mesmo momento, o dólar comercial caía 1,67%, a R$ 2,826 na venda, após avançar nas duas últimas sessões e atingir maior valor em mais de dez anos.

XP alerta para piora da atividade econômica ainda em 2015

O resultado do IBC-BR melhor do que o esperado pelos analistas ouvidos no AE Projeções não deveria ser comemorado. Pelo ciclo natural da economia, a atividade no Brasil ainda não chegou ao fundo do poço, na avaliação da economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif.

Zeina argumenta que os efeitos do mercado de trabalho, que reiteradamente registra queda nas vagas, o resultado da política econômica e também o impacto da inadimplência das pessoas jurídicas ainda não foram absorvidos pelos cálculos do Produto Interno Bruto (PIB).

Juiz da Lava-Jato retira sigilo de delações de Costa e Youssef

O juiz Federal Sérgio Moro decidiu hoje retirar o sigilo dos depoimentos de delação premiada prestados pelo doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa. A decisão foi tomada após o ministro Teori Zavacki, do Supremo Tribunal Federal (STF), enviar à Justiça Federal no Parará as declarações que não envolvem citados que têm foro privilegiado.

Nos depoimentos, Youssef e Costa relataram como funcionava o esquema de cobrança de propina e de superfaturamento nos contratos firmados pelas diretorias da Petrobras, fatos investigados na Operação Lava-Jato. Os dois também relatam como eram feitos os pagamentos a partidos políticos e ex-parlamentares.

Na decisão, Moro explicou que não se trata de vazamento de informações. "Seguindo os mandamentos constitucionais, o trato da coisa pública, aqui incluído o processo de supostos crimes contra a administração pública, deve ser feito com transparência e publicidade. Não se presta o Judiciário para ser o guardião de segredos sombrios", decidiu.

No Petrolão, Dirceu era 'Bob'. E recebeu dinheiro sujo da Petrobrás.

Todos os sites e blogs divulgam desde o início da tarde os detalhes sórdidos do Petrolão, conforme depoimentos prestados pelos delatores Paulo Costa e Alberto Youssef, liberados finalmente pelo juiz Sérgio Moro. Moro abriu tudo porque recebeu o material escoimado pelo minsitro Teori Zavascki, que retirou do miolo os nomes e referências aos políticos e autoridades citados. Mais uma vez o dr. Zavascki impede que o povo brasileiro saiba nome e sobrenome dos envolvidos do andar de cima. Leia reportagem completa dos jornalistas de Veja, Silvio Navarro e Laryssa Borges.
O ex-ministro José Dirceu, que cumpre pena por arquitetar o esquema do mensalão, teve muitos codinomes em sua vida, quando agia na clandestinidade em grupos de esquerda durante a ditadura militar. Chegou a esconder sua real identidade por quatro anos da ex-mulher. Agora, as investigações da Operação Lava Jato da Polícia Federal revelam um novo apelido do ex-chefe do Partido dos Trabalhadores e homem forte do governo Lula para identificar sua parte na contabilidade do propinoduto que sangrou a Petrobras. Nas planilhas dos operadores do maior esquema de desvios de recursos públicos que se tem notícia, Dirceu era "Bob".
As revelações foram feitas pelo doleiro Alberto Youssef, que durante uma década agiu como uma espécie de "banco" para lavar o dinheiro roubado da petroleira. Em uma série de depoimentos à Polícia Federal, prestados entre os dias 9 e 13 de outubro do ano passado, Youssef afirmou que Dirceu mantinha relação muito próxima – "eram amigos", nas palavras do doleiro –, com o empresário Julio Camargo, da Toyo Setal. “Julio Camargo possuía ligações com o Partido dos Trabalhadores, notadamente com José Dirceu e Antonio Palocci”, disse.
Segundo Youssef, Dirceu e o também ex-ministro Antonio Palocci Filho, este homem forte tanto na gestão Lula quanto no início do primeiro governo Dilma Rousseff, utilizavam um jato Citation Excel, de propriedade de Camargo, que ficava no Angar número 1 da companhia aérea TAM, no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo.
Mas o uso do jato não é o único elo entre o petista e o operador do petrolão. O doleiro descreve o esquema montado por Julio Camargo: segundo ele, o empresário tinha um testa de ferro, chamado Franco, a quem Youssef reconheceu em fotografia exibida pelos policiais. Trata-se de Franco Clemente Pinto, uma espécie de contador do dinheiro roubado da estatal, que utilizava um escritório no sexto andar de um edifício comercial ao lado do Shopping Cidade Jardim, na Zona Sul da capital paulista. Franco detalhava as quantias – Youssef não informou os valores – em planilhas arquivadas em um pen drive protegido por senha. Nessas tabelas, assim como Dirceu era "Bob", Youssef era conhecido como "Primo". Diz ainda que o empresário também instrumentalizou propina da empreiteira Camargo Correa para agentes públicos e bancar caixa dois de partidos.
A exemplo de Youssef, Julio Camargo também concordou em colaborar com as investigações em troca de possíveis benefícios judiciais. Em um de seus depoimentos, Camargo revelou, por exemplo, que a empresa Toyo Setal pagou propina de 30 milhões de dólares ao lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, apontado como o operador do PMDB no petrolão. A propina a Baiano serviria para que a empresa sul-coreana Samsung Heaby Industries celebrasse com a Petrobras contratos para a fabricação de duas sondas de perfuração em águas profundas. O pagamento precisou de intermediação de Alberto Youssef, que providenciou contratos simulados com empresas de fachada para viabilizar parte dos recursos.


Artigo, Gustavo Grisa, O Globo - A quem serve o Estado brasileiro ?

Quando nos dedicamos a pesquisar melhores práticas internacionais para desenvolver projetos na área de gestão pública no Brasil, nos deparamos com termos como “excelência”, “serviço”, “compromisso” com o cidadão e contribuinte. É o caso de Cingapura, França, EUA, Espanha e, mais proximamente, de evoluções recentes em países como Colômbia e Chile. A retórica do “Estado servidor” está vinculada a uma noção ampla de responsabilidade e de consciência do necessário equilíbrio entre os recursos destinados ao custeio e investimento das atividades de governo, e os serviços por este prestados, em todas suas instâncias, ao país e aos seus cidadãos. Uma reflexão importante é: até que ponto as estruturas do Estado brasileiro se tornaram um mecanismo ensimesmado, que busca principalmente a sua manutenção, de sua corporação e de sua estrutura? Até que ponto o Estado brasileiro acompanha as tendências internacionais e evoluções na área, ou em certo ponto parou no tempo e se encontra em crise? Por exemplo, o foco da administração pública em todo o mundo mudou de uma visão de universalização de serviços para uma segmentação. Além das funções típicas de Estado, modernamente, o setor público deve atender a demandas e aspirações de diferentes grupos sociais: empresários, população de baixa renda, idosos, jovens etc.

CLIQUE AQUI para ler tudo. 

Tomado de pavor, valete jornalístico de Lula e do PT mostra assombro diante da conquista de poder pelo PMDB

Tomado de pavor, o jornalista Ricardo Kotscho (o barbudo da foto) valete jornalístico de Lula e do PT, ex-secretário de Imprensa do Planalto, está alrmado com a conquista de poder pelo PMDB, que segundo ele era prevista. Eis o que ele escreve hoje  seu blog; "Só não podia imaginar que se desse de forma tão rápida e avassaladora, sem que Dilma, o seu governo e o PT esboçassem até agora qualquer forma de resistência", comenta Ricardo Kotscho, que vê Cunha impondo ao governo "uma derrota atrás da outra" desde a sua posse como presidente da Câmara, há menos de duas semanas.
CLIQUE AQUI para ler tudo. 

Aos 93 anos, este industrial gaúcho dá expediente integral nas suas empresas de Caxias do Sul

O jornalista Danilo Ucha, conta na sua página do Jornal do Comércio de hoje, que aos 93 anos, Carlos Candido Finimundi, sócio-fundador da Dambroz S.A. Indústria Mecânica e Metalúrgica e da Dambroz Implementos Rodoviários Ltda., ambas empresas de Caxias do Sul, continua trabalhando.Trata-se de um caso edificante de amor ao trabalho, como registra o jornalista. Leia o texto de Danilo Ucha na íntegra - No dia 1 de março próximo, completará 70 anos de trabalho na empresa. Hoje, está no Conselho de Administração e vai todos os dias, dirigindo seu próprio carro, cumprir expediente das 8h às 11h30min (Dambroz S.A.) e das 13h30min às 16h30min (Dambroz Ltda.), caminha pelo parque fabril, cumprimenta os empregados e fiscaliza a fundição de peças para a indústria automobilística. Nos sábados e domingos, sempre dá uma passadinha nas duas empresas para conversar com os guardas e ver se está tudo em ordem. No mercado desde 1945, quando foi fundada por Marciano Giácomo Dambroz e Severino Dal Bó (Finimundi entrou em 1946), a empresa, que começou como uma oficina mecânica, hoje, se dedica à fundição de aço e à fabricação de implementos rodoviários.

Banrisul reúne a imprensa para dizer que lucrou 12,3% menos em 2014. Banco repete desempenho deplorável.

O Banrisul reuniu a imprensa nesta quinta-feira de manhã para informar que a instituição registrou lucro líquido de R$ 691,4 milhões em 2014, valor 12,3% menor que o registrado em 2013. O lucro líquido recorrente totalizou R$ 753,0 milhões, 4,9% abaixo do registrado no mesmo período do ano passado, com rentabilidade de 13,9% sobre o patrimônio líquido médio.

O banco vem registrando desempenho deplorável. É o caso da Caixa Econômica Federal, por exemplo, que também hoje anunciou que  encerrou o ano passado com lucro líquido de R$ 7,1 bilhões, resultado 5,5% maior do que o apurado em 2013.

Bancos públicos de igual ou maior porte, conseguiram resultados muito melhores. 

O desempenho recorrente alcançado em 2014 reflete, segundo o banco, o aumento das receitas e das despesas com juros, a elevação do fluxo de provisões com crédito, o incremento de receitas com serviços e tarifas bancárias e o aumento de despesas administrativas.

Ao final de dezembro do ano passado, os ativos totais alcançaram saldo de R$ 59,562 bilhões, expansão de 11,9% em relação a dezembro de 2013. 

O patrimônio líquido do banco alcançou R$ 5,671 bilhões em dezembro de 2014, 10,1% acima da posição de dezembro de 2013 e 4,6% acima do saldo de setembro de 2014.



Bibi contrata Hirata e de olho no dólar mais alto quer dobrar exportações dos seus calçados em apenas dois anos.

O editor buscou informações esta tarde junto a Bibi Calçados, Parobé, RS, para saber de que modo o dólar mais alto será aproveitado  para exportar mais. Ontem mesmo, a empresa reuniu 220 fornecedores para alinhar todo mundo com a nova estratégia de vendas ao exterior, porque serão realizados esforços extraordinários para aprofundar a presença dos calçados nos 65 Países onde a produção já é colocada. A meta para este ano é ampliar de 500 mil para 800 mil o núnmjero de pares vendidos, chegando no ano que vem a um milhão. A Bibi Calçados contratou a consultora Angela Hirata para ajudar, inclusive na retomada do projeto de ampliar significativamente as exportações para os Estados Unidos. Hirata notabilizou-se no setor, depois que colocou com sucesso as sandaláias havaianas no mercado internacional. 

Notas ruins prevalecem na avaliação do governo Sartori. Nota 5 obteve maior percentual de votos.

27% dos leitores desta página, a maioria, concedeu nota 5 para o desempenho do governo Sartori no primeiro mês. O governo não foi reprovado por muito pouco, porque 19% aplicaram nota zero e 18% ficaram com a nota 3. As boas notas: 10, 8%; 8, 25%.
Nova enquete já está disponível, desta vez perguntando aos leitores, no âmbito da reforma política, quem é a favro e quem é contra o financiamento público de campanhas eleitorais. Vá lá e vote.

Fogaça e Mauro Pereira assumem vagas de Feltes e Biolchi na Câmara dos Deputados

O ex-prefeito José Fogaça e o vereador de Caxias, Mauro Pereira, assumiram hoje na Câmara dos Deputados. Eles ocuparão as vagas abertas por Giovani Feltes e Márcio Biolchi, novos secretários da Fazenda e da Casa Civil do governo Sartori.

American Airlines falha de novo em Porto Alegre. Sucatão da companhia não conseguiu decolar para os EUA.

Um voo da American Airlines que partiria à 1h20min desta quinta-feira foi cancelado no aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre. O motivo do cancelamento não foi explicado, e os passageiros estavam revoltados, aguardando o embarque em um novo avião. Às 5h, o grupo permanecia sem saber se e quando partiria em direção aos Estados Unidos. Uma parte dos passageiros embarcou em voos de outras companhias, mas a maioria foi hospedada em hotéis e viajará amanhã no mesmo avião avariado.

A American Airlines usa aquilo que o prefeito de Porto Alegre chama de sucatões para atender o RS. 

Dilma vai ao Hospital Sírio-Libanês para saber se câncer linfático não reapareceu

A presidente desembarcou na capital paulista por volta das 9h desta qinta-feira, onde foi submetida a  exames no Hospital Sírio-Libanês, tudo relacionado com o câncer que a acometeu ainda no governo Lula.  Não há informações sobre o horário de retorno a Brasília e nem se Dilma foi internada. Em 2010, Dilma fez tratamento no mesmo hospital para combater um câncer no sistema linfático e desde então passa por exames de rotina. Lula também foi atacado por câncer, resultou tratado e também vai a exames de rotina no Sírio-Libanês. Há poucos dias, circulou a informação de que a doença reapareceu e que o ex-presidente se trata com remédio americano ainda em teste. Lula negou tudo e disse que processará o jornalista que veiculou a informação - e que a confirmou. 

Paralisia na nova gestão causa confusão e pode resultar em greve na CEEE

A situação atual nas gerências regionais da distribuidora da CEEE beiram o absurdo e já existe um clima de greve. A situação é a seguinte: o pessoal da gestão PT não quer tomar medidas e nem cobrar mais nada porque estão de saída,  mas desta forma os trabalhadores estão sem diretrizes e coordenação, porque os novos mandatários não assumiram. O pessoal que apoia a nova gestão não quer trabalhar porque aguarda os novos gerentes e as novas definições.
Quem perde com isso é a própria CEEE, apontada pela Aneel como uma das piores empresas da área no Brasil. 
Sem  experiência alguma em empresas públicas de energia elétrica, o atual diretor de Distribuição está pecando gravemente na demora em definir a nova gestão da CEEE-D.  

A CEEE necessita respostas rápidas e eficazes, pois corre contra o relógio para estancar a herança maldita deixada por Tarso Genro. A morosidade da diretoria da CEEE-D em definir os novos gerentes, só prejudica ainda mais a companhia. 

O mensaleiro petista Pizzolato entregou-se em Roma. Ele será extraditado ao Brasil para cumprir 12 anos na cadeia da Papuda, junto com outros ladrões do PT.

Segundo o jornal Bom Dia Brasil, da Rede Globo, Pizzolato se entregou à polícia nesta manhã. A extradição dele para o Brasil, contudo, ainda não está selada. Agora, cabe o Ministério da Justiça italiano a palavra final sobre o caso – a decisão sai, portanto, da esfera judicial e passa para a política.

Economia brasileira trabalhou 2014 em recessão, diz Banco Central. PIB despencou 0,15%.

A atividade econômica no Brasil recuou 0,15% em 2014, de acordo com dados do Banco Central divulgados nesta quinta-feira.Em dezembro, a queda observada foi de 0,55% em relação a novembro, de acordo com dados ajustados.
Os dados são do IBC-Br, calculado pelo Banco Central e considerado uma prévia do PIB (Produto Interno Bruto) oficial, que é divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Socialite fez presidente do BB burlar normas internas para conceder empréstimo privilegiado de R$ 2,7 milhões

O jornal Folha de S. Paulo informa na sua edição de hoje que a empresa usada pela socialite Val Marchiori para obter um financiamento de R$ 2,7 milhões no Banco do Brasil, a Torke Empreendimentos e Participações, nem sequer tinha um endereço formal para informar ao banco.Conforme a Folha revelou no ano passado, o BB concedeu o crédito para Marchiori, a partir de uma linha subsidiada pelo BNDES, driblando um série de regras internas.
Leia toda a repotagem, a seguir - 
A Torke obteve o financiamento, em 2013, para a compra de cinco caminhões-reboque. Poucos meses antes da liberação dos recursos, a empresa era usada por Marchiori para receber os cachês por suas participações em programas de TV. Já na fase da análise de risco de crédito da operação, ela informou ao BB que a principal fonte de receita da empresa era a pensão alimentícia de seus dois filhos menores. Na época, ela estava afastada do empresário Evaldo Ulinski, pai das crianças, com quem casaria oficialmente no ano passado.
Dada a fragilidade da empresa, o BB exigiu maior demonstração de sua capacidade financeira. A Torke informou, então, que alugaria os caminhões objetos do financiamento para a Veloz Transportes, pertencente ao irmão da socialite, Adelino Marchiori.
O contrato entre as empresas dos dois irmãos foi assinado no dia 15 de maio de 2013. No documento, a Torke informa o seguinte endereço de sua sede: São Paulo, Capital, na Rua Estados Unidos, número 346. Trata-se, na verdade, do endereço da agência do Banco do Brasil onde Marchiori tem conta e por onde ela solicitou o crédito.
Os bens financiados são a principal garantia do tipo de financiamento concedido, com juros de 4% ao ano, abaixo da inflação. Para o agente repassador do crédito –no caso, o BB–, é importante saber onde os bens financiados se encontram, até pela eventual necessidade de uma fiscalização no local. O BB aceitou no processo de concessão do crédito o contrato com o endereço da Torke como sendo o da agência Estados Unidos.
Há um outro enigma no contrato assinado entre os dois irmãos. No item II, do "Objeto", informa o texto: "1. A locadora, por força de contrato FINAME - 1863743 por prazo indeterminado [sic], é proprietária de cinco conjuntos cavalo mecânica/carretas marca Scania/Ibiporã...".
O contrato entre Val e Adelino foi assinado em 15 de maio de 2013. O financiamento só foi assinado pelo BB, com a consequente liberação dos recursos para a aquisição dos caminhões, em agosto daquele ano. Cabem aí algumas perguntas: a) como a Torke informa no contrato ser proprietária de cinco caminhões, com marca e tudo, cinco meses antes da assinatura do contrato com o BB?; b) quais critérios o BB adotou para aceitar esse contrato de locação?; c) como a Torke já dispunha de um número de contrato FINAME antes da operação ter sido aprovada pelo BNDES?
Conforme a Folha revelou no ano passado, a Torke não tinha demonstrações contábeis válidas legalmente nem previsão no contrato social para "aluguel de caminhões", objetivo do financiamento solicitado ao BNDES, quando deu início a solicitação do crédito.
O BB teve ainda que driblar outras regras para conceder o financiamento.

CLIQUE AQUI para saber mais. 


Conab confirma safra de grãos superior a 200 milhões de toneladas

A produção de grãos no Brasil na safra 2014/2015 deverá ser de aproximadamente 200,08 milhões de toneladas. É o que revela o 5º levantamento divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) nesta quinta-feira. Segundo o estudo, o volume é 3,4% superior à safra passada, o que representa 6,53 milhões de toneladas a mais do que o registrado anteriormente.
A soja continua como destaque entre as culturas, sendo que a colheita já foi iniciada. A produção ainda deve ser superior à safra passada. Está previsto incremento na ordem de 9,8%, o que equivale a um acréscimo de 8,46 milhões de toneladas, chegando a uma produção de 94,58 milhões de toneladas.
Área - O total de área destinada ao plantio de grãos também deve apresentar variação positiva, passando de 57,03 milhões na safra passada para 57,39 milhões de hectares. A diferença representa uma alta de 0,6%, o que equivale a um acréscimo de aproximadamente 359,9 mil hectares. Dentre os principais produtos, a soja apresenta destaque, com um crescimento de 4,4%, passando de 30,17 para 31,51 milhões de hectares.   
Este levantamento também apresenta a primeira estimativa para as culturas de segunda safra plantadas na Região Centro-Sul. A expectativa é uma redução de 2,5% na área de milho, passando de 9,21 para 8,98 milhões de hectares.

  

Artigo, Ferreira Gullar, Folha - Ah, se não fosse a realidade!

Não me lembro de nenhum presidente que, após ser eleito, desapareça da vista da nação, como fez Dilma
Não me lembro de nenhum presidente da República que, após ser eleito e empossado, desapareça da vista da nação, como fez Dilma Rousseff. Em geral, o que ocorre é o contrário: já que, eleito ou reeleito, o presidente conta com a acolhida da maioria da opinião pública, que lhe deu a vitória nas urnas.
Mas a Dilma sumiu. Ela, que esteve em 2014 no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, onde garantiu que a economia brasileira ia às mil maravilhas, desta vez não foi lá: mandou o seu ministro da Fazenda, Joaquim Levy, nomeado por ela para corrigir os erros que ela e Mantega cometeram.
Claro que ela não poderia voltar a Davos para desdizer tudo o que dissera antes. Esse papel coube ao ministro Levy que é, aliás, o único de seus ministros que se atreve a chamá-la de presidente e não de presidenta. Não se sabe até quando.

CLIQUE AQUI para ler tudo. 

Fiergs debate pauta pobre a crise energética. Será esta tarde em Porto Alegre.

Depois que a casa pegou fogo, a Fiergs busca soluções alternativas para o suprimento de energia elétrica para o setor fabril do Estado, coisa que não fez durante todo o governo Tarso Genro, mesmo advertida sobre a crise que se aproximava. O assunto será tema de debate na reunião que a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS) realiza nesta quinta-feira, 14h, em sua sede. Duas questões principais estarão em análise: a ampliação da matriz energética no Rio Grande do Sul (o RS só produz 40% da energia que consome) e, enquanto isto, já que os investimentos exigem prazos longos de maturação, adotar medidas nas fábricas que economizem energia, a fim de neutralizar pelo menos parte do acréscimo dos custos de produção. 
Na pauta dos debates não consta discussão alguma sobre dois outros pontos vitais:
1) A pasmaceira do governo federal em relação à crise energética brasileira.
2) A paralisia econômica no Brasil e no Estado, sequer os impactos que ocasionariam no suprimento de energia qualquer tipo de crescimento do PIB, porque a crise energética só não é maior porque a economia está parada. 
A Fiergs sabe que as tarifas poderão ter acréscimo de até 60%, impactando negativamente a competitividade das indústrias gaúchas. 
No encontro na FIERGS, participarão diretores da entidade e integrantes dos Conselhos Temáticos, reunindo elementos e estudos para compor um quadro realista da situação. Também estarão presentes os secretários de Energia, Lucas Redecker, e do Ambiente, Ana Pellin, além representantes  da Assembleia Legislativa.

Retomada da usina de Uruguaiana mostra que crise abre espaço para térmicas no País

A retomada das opeações da gigantesca usina a gás de Uruguaiana, ontem, mostra que as usinas termoelétricas a gás, óleo e carvão, vão salvando o suprimento de energia no País. Elas dobraram a participação na matriz elétrica brasileira desde o racionamento em 2001. Uruguaiana é a única térmica a gás, mas o Estado possui térmicas gigantescas, movidas a carvão. O RS possui as maiores reservas de carvão do Brasil e tem outros grandes projetos para aproveitá-lo em geração de energia. O momento nunca foi tão favorável para empreendimentos do gênero. A reportagem a seguir do jornal "O Estado de S. Paulo", diz que na prática, quem continuou bancando o consumo de energia foram as hidrelétricas, já que o modelo adotado pelo governo previa o uso de térmicas apenas em situação de emergência, mas que a crise atual tem mostrado que essa fórmula se esgotou. Leia toda a reportagem:
Com a situação climática cada vez mais incerta, o País terá de optar pelo uso ininterrupto das termoelétricas, como ocorre no resto do mundo, afirmam especialistas.
Em 13 anos, as térmicas ampliaram sua fatia na matriz brasileira de 14% para 30% - conforme o último Boletim Mensal de Monitoramento do Setor Elétrico, do Ministério de Minas e Energia. Enquanto isso, a participação das hidrelétricas caiu de 85% para 66%. Mas até meados de 2012, as hidrelétricas produziam mais de 90% da energia que abastecia o Brasil e as térmicas, apenas 4,51%.
Naquele ano, as represas começaram o período seco com 76,09% de armazenamento, mas o nível caiu rapidamente para 31,91% em novembro - suscitando uma série de questionamentos sobre o que estava ocorrendo com o sistema. Cogitou-se assoreamento nas represas e uso indiscriminado da água para irrigação. Mas um fato era real. Os reservatórios estavam perdendo o poder de armazenamento. Com as usinas a fio d'Água (sem reservatórios), a capacidade, que já chegou a mais de um ano, está em 5,4 meses (2013) e deve cair para 3,4 meses em 2021.
Preocupado com a rápida queda do volume de água nos reservatórios em 2012, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) decidiu no fim do ano por todas as térmicas para operar - mas, na opinião de especialistas, já era tarde demais. Essas térmicas, movidas a óleo combustível, diesel e carvão, são contratadas para ficar em stand by para qualquer emergência no sistema elétrico.
Para ficarem paradas à espera de um chamado do ONS, elas ganham uma receita fixa mensal. Quando
são acionadas, além da renda mensal, recebem também pelo custo do combustível, que é extremamente elevado - acima de R$ 500 o MW hora. "Num primeiro momento, apostou-se em hídricas para ampliar o sistema elétrico. E, num segundo momento, também porque contrataram térmica pensando em não usá-la por causa do custo alto", afirma a presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), Elbia Melo.
Para piorar a situação, quando as térmicas foram chamadas para operar, nem todas tinham condições de funcionar. Hoje, de acordo com os dados do Ministério de Minas e Energia, o Brasil tem 39 mil MW de capacidade instalada de energia térmica. Na quinta-feira, os dados do ONS mostraram que a capacidade instalada era de 22 mil MW, sendo que apenas 16 mil estavam disponíveis para operar. Muitas estão em manutenção. Outras, como as de biomassa, estão em período de entressafra e, portanto, não produzem (ou produzem pouco).
Esse modelo, porém, precisa ser aperfeiçoado, alertam especialistas. "As condições mudaram. Atualmente a grande participação das hidrelétricas na matriz é um elemento de grande preocupação", afirma a economista Joísa Dutra, coordenadora do Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura da FGV e ex-diretora da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Na avaliação dela, com as usinas a fio d'água, o Brasil precisa alterar o modelo de contratação das térmicas, pondo mais usinas que podem funcionar sem parar.
Mais que isso: terá de ampliar a produção de energia com gás. Hoje, porém, essa medida esbarraria na falta de combustível - fator que inibiu a expansão da térmica a gás no sistema. De 2009 pra cá, período com maior entrada de termoelétrica na matriz, essa fonte cresceu apenas 4,44% enquanto as usinas movidas a óleo combustível e diesel avançaram 61%.
Parte das usinas movidas a gás que estão gerando energia usam GNL (gás natural liquefeito) importado, o que exige uma estrutura para desembarcar o produto no País, e encarece o combustível. De qualquer forma, diz Joísa, essa poderia ser uma alternativa de transição enquanto o gás do pré-sal ou demais projetos não são concluídos. "Transformações estruturais levam tempo. Precisam ser tomadas hoje para lá na frente dar resultados."
O professor da Universidade Federal de Itajubá, Afonso Henriques, ex-secretário de Minas e Energia do governo FHC, destaca que a discussão em torno das térmicas vem de longa data. Antes do racionamento de 2001, o governo criou um amplo programa para construir mais de 50 termoelétricas a gás - o chamado Programa Prioritário de Termoeletricidade (PPT). "Mas o câmbio estourou e o preço do combustível (importado da Bolívia) subiu demais, atrapalhando os investimentos."

Parte das usinas a gás que estão em operação no País era do PPT, como Nortefluminense, Mario Lago, Araucária e Termopernambuco. Para Henriques, o País tem de insistir na expansão das térmicas "boas" a gás já que as condições climáticas devem comprometer cada vez mais o nível dos reservatórios. 

Gravataí decide leiloar sua dívida ativa de R$ 80 milhões

Já está na Câmara de Vereadores de Gravataí o projeto do prefeito Marco Alba, PMDB, que propõe leiloar a dívida ativa do município. São valores devidos por contribuintes, todos de difícil realização. O governo de São Paulo é um dos pioneiros neste tipo de operação. A prefeitura enfrenta cenário financeiro muito adverso. Marco Alba recebeu a prefeitura com R$ 400 milhões de dívidas, quase todas vencidas, cadastro sujo, cofres raspados, máquina pública inchada e dívidas em crescimento geométrico. A prefeitura calcula sua dívida ativa em algo como R$ 80 milhões. Leilões do gênero costumam oferecer deságios pesados.
A inscrição do crédito em Dívida Ativa ocorre quando o contribuinte não quita os tributos municipais devidos. Todos os créditos municipais são inscritos na Dívida Ativa - tanto os de natureza tributária (fiscal) como os de natureza não-tributária.

Alba quer R$ 100 milhões da CAF para investir na infraestrutura de Gravataí

O prefeito de Gravataí, sede da GM, Marco Alba, disse ontem ao editor que vai mesmo pedir empréstimo de R$ 100 milhões para o Banco de Desenvolvimento da América Latina – Corporação Andina de Fomento, CAF, para investir pesadamente em obras de infraestrutura e também nas escolas municipais. Ele visitou a sede da CAF em Brasília e no início desta semana recebeu a visita dos enviados do banco. Marco Alba conseguiu limpar o cadastro sujo da prefeitura, depois que reorganizou as finanças públicas, deixadas como herança maldita por 14 anos seguidos de ruinosas administrações do PT. A última prefeita do Partido, Rita Sanco, chegou a ser cassada pela Câmara e o principal líder petista de Gravataí, Daniel Bordignon, não conseguiu reeleger-se deputado estadual. Também o prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, encaminha pedido de financiamento junto a COAF. Ele quer R$ 258 milhões para aplicar em projetos urbanísticos. Sua idéia é aplicar tudo na qualificação da orla do Guaíba e na revitalização das ruas da Praia, Uruguai, Salgado Filho, Voluntários, Doutor Flores e Marechal Floriano, que concentram 48%¨do comércio de rua da capital e que se encontram completamente degradadas. 

Passagens de lotações poderão ir a R$ 4,90 em Porto Alegre

Se depender da EPTC, as passagens de lotações de Porto Alegre subirão 10,85%, subindo de R$ 4,40 para R$ 4,90. O prefeito José Fortunati terá que decidir o assunto.

Usina a gás de Uruguaiana recomeçou operações

A usina térmica da AES em Uruguaiana,630 MW, recomeçou ontem suas operações. A usina estava parada há nove meses. Com problemas de energia no Brasil, a Aneel autorizou a retomada, só possível porque governos brasileiro e argentino entraram em acordo para descarregar gás de propaneiros que chegam a Baía Blanca. De lá, vai tudo para o gasoduto que vai até o lado brasileiro, Uruguaiana.

Dilma, hoje, vai ajoelhar e beijar a cruz. Seu encobntro com Lula será em SP.

Dilma Roussef vai hoje a São Paulo ajoelhar e beijar a cruz. Seu encontro com Lula é o primeiro desde que assumiu novo mandato.

Mauro Knijnik no Banco do Brasil ?

O ex-secretário de Desenvolvimento do governo Tarso Genro, Mauro Knijnik, vazou a informação de que teria sido convidado para a presidência do Banco do Brasil, mas que não aceitou. 
Há controvérsia. 

Sartori já tem pronto outro decreto de contenção de gastos. Saiba, aqui, do que se trata.

Está saindo do forno outro decreto de contenção de gastos no âmbito do governo estadual. É possível que tudo seja publicado no Diário Oficial desta sexta-feira. A ideia é cortar 25% do custeio de secretarias e órgãos a eleas vinculadas, com vigência para todo o ano.
Sartori já tinha contingenciado por 180 dias o pagamentos de dívidas deixadas por Tarso.
E vem aí cortes nos investimentos.
O governo continua sem detalhar o que quer e também não explica como foi seu primeiro mês. As notícias peneiradas pelo editor nos computadores da secretaria da Fazenda indicaram forte crescimento da receita estadual em janeiro, contenção de despesas e pequena sobra de dinheiro no caixa.

Corte de Roma extradita o mensaleiro petista Pizzolato. Interpol decidiu prender o brasileiro. Roma quer troco: Battisti de volta.

Corte de Cassação de Roma aceitou o pedido de extradição feito pelo governo brasileiro do ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado a 12 anos e 7 meses de prisão no julgamento do Mensalão, a organização criminosa montada e usada pelo PT para roubar dinheiro público, chantagear empresários e tudo para corromper eleitores, parlamentares e partidos, visando perpetuar-se no Poder. Henrique Pizzolato fugiu do Brasil com a mulher, depois de usar passaporte do irmão morto, garantir dinheiro sujo depositado na Europa e abandonar seus companheiros petistas de crime na Papuda, inclusive o subchefe, José Dirceu. A  Interpol já foi acionada e lançou na manhã desta quinta-feira uma operação para prender o brasileiro; caberá ao ministro da Justiça, Andrea Orlando, decidir se acata ou não a medida. Ele tem até três semanas para se pronunciar. A Corte de Roma ignorou o caso Battisti, pelo qual o governo brasileiro decidiu não extraditar o assassino e terrorista, mas espera que haja reciprocidade e Battisti seja deportado. Pizzolato foi o único mensaleiro que fugiu. Ele tinha dupla nacionalidade. A decisão da Corte de Roma amplia os problemas terríveis que enfrenta novamente o PT, agora diante de outro Mensalão, o Petrolão. 

Roubo de carros cresceu descontroladamente no governo Tarso. No RS, é roubado um carro a cada meia hora.

Se alguém ainda tinha alguma dúvida sobre o discurso falso empregado pelo governo Tarso Genro para justificar a gastança descontrolada do seu governo, que resultou na herança maldita passada para o governador Ivo Sartori (déficit de R$ 5,2 bilhões previsto para este ano), os números sobre o descalabro na área da segurança pública durante o mandato petista tratam de desmentir.
Tarso e o PT passaram quatro anos usando a retórica de que gastar mais, muito mais até do que se arrecada, portanto se endividar-se selvagemente,, garantiu níveis melhores em áreas como segurança pública, educação, saúde e estradas.
Em nenhuma delas houve avanço, mas retrocessos.
O caso da segurança pública é o mais eloquente.,
O balanço sobre um dos itens que mais preocupa os gaúchos, o de roubo de carros,  no qual o ladrão usa da violência, mostra que ao contrário do governo Yeda, que saneou as finanças públicas, combateu o banditismo e registrou taxas decrescentes deste tipo de crime, aconteceu o contrário no governo Tarso:
Yeda: 2007, 7.999; 2008, 6.864; 2009, 6.080; 2.010, 5.015
Tarso: 20011, 5.507; 2012, 6.335; 2013, 6.488; 2014, 6.903.
São roubados 19 carros por dia apenas em Porto Alegre, quase um carro por hora, 7 dias por semana, 365 dias por ano, chova ou faça sol. A taxa  (857,5 por mil) é muito maior do que a de SP (626,5) e quase o dobro da taxa do Rio (680,3).
No RS como um todo, 90% dos roubos de carros acontecem em 15 municípios do entorno de Porto Alegre. No ano passado, foram 13.684 carros, algo como um roubo a cada meia hora.

As estatísticas da polícia não incluem furtos, que são os casos em que os ladrões não usam violência.