Sérgius diz que não disse o que ZH disse que ele disse contra Yoani

- O jornal Zero Hora, RBS, como todos os grandes diários brasileiros, resolveu repercutir o noticiário sobre a viagem da blogueira Yoani Sánchez ao Brasil. Acabou cometendo uma barriga, que no jargão jornalístico é aquele erro monumental que inviabiliza todo o texto. O atingido foi o ex-secretário da Cultura, Sérgius Gonzaga, que protestou através da elegante manifestação que vai reproduzida a seguir. Sérgius teria criticado a blogueira, quando na verdade ele critica é a ditadura cubana. É possível que tenha ocorrido apenas um "engano", mas se tratando de Zero Hora, não vale a pena acreditar muito nisto.Eis o desmentido feito pelo ex-secretário de Fogaça e Fortunati:

Fui surpreendido neste sábado por um erro de Zero Hora, atribuindo-me impropriamente um comentário a respeito da blogueira cubana. Nunca escrevi aquilo. Na verdade, postei um texto em que manifestava minha decepção (já longínqua) com a Revolução Cubana (na qual, como muitos de minha geração, acreditei fervorosamente). Cuba hoje estertora e o homem novo do socialismo, proclamado de forma idealista por Guevara, oferece prostitutas aos turistas no Malecón, na Habana Vieja e em todas as partes da cidade. 
Como disse Octavio Paz, as utopias políticas do século XX converteram-se em campos de concentração. É uma tragédia histórica, mas estava incrivelmente prevista em dois notáveis romances publicados no ano de 1962, O século das Luzes, de Carpentier, e A morte de Artêmio Cruz, de Carlos Fuentes. São romances sobre o fracasso das revoluções e a traição de seus princípios. 

Quanto à blogueira, é óbvio que ela tem o direito de falar e pedir democracia em seu país...

ILUSTRAÇÃO - A foto ao lado é de capa da Veja desta semana.

Fortunati faz caminhada com o oposicionista Kopschina em Novo Hamburgo

O prefeito José Fortunati fez sua estréia nas atuais eleições extras do RS, porque resolveu fazer uma caminhada na manhã deste sábado com o candidato da oposição em Novo Hamburgo, Paulo Kopschina, PMDB . Fortunati é do mesmo Partido da candidata a vice, Lorena Meyer, do PDT.

Acórdão do Mensalão está pronto. Agora é hora de enfiar Dirceu na cadeia e cassar João Paulo.

* Clipping Folha


Joaquim Barbosa conclui sua parte do acórdão e mantém pressão no STF para que julgamento chegue ao final e sentenças sejam cumpridas

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, dá indícios de que pretende manter neste ano o mesmo empenho com que conduziu, em 2012, o julgamento do mensalão.

O ministro não se limitou a terminar com 40 dias de antecedência a parte que lhe cabia na redação do acórdão do processo (ato que reúne os votos e informa oficialmente a decisão da corte). Também enviou ofício para comunicar o fato aos demais colegas.

Por si só, e ainda mais por ter partido de quem partiu, o gesto já se caracterizava como pressão discreta para acelerar o trabalho de todos os ministros.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

Vender legenda,um bom negócio. O caso do PHS no RS.

- Durante toda a semana, dirigentes do PHS do RS confirfmaram ao editor que houve mesmo a tentativa da venda da sigla para o então candidato a prefeito de Porto Alegre, o delegado Malmann. Malmann não aceitou, renunciou, mas não denunciou.  O material a seguir é do Estadão deste sábado.

O Ministério Público Estadual (MPE) do Rio Grande do Sul abriu investigação para apurar a venda de legendas pelo Partido Humanista da Solidariedade (PHS) para a disputa de cargos nas eleições municipais de 2012 em São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. O inquérito dá sentido concreto a uma expressão antes tida apenas como metafórica: "legendas de aluguel". Chama também a atenção para a enorme distância existente entre as aparentemente nobres intenções dos partidos e a real motivação da existência dessas siglas.

O inquérito foi instaurado a partir de denúncias feitas por filiados e ex-filiados que perderam vagas de candidato a prefeito e a vereador por não pagarem taxas de até R$ 100 mil cobradas pela direção do PHS em municípios de médio porte e da cobrança de prestações mensais de até R$ 20 mil.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

A demissão de Coester revela novamente a natureza paralisante do governo Tarso

- Neste governo do sr. Tarso Genro as crises políticas internas são sempre minimizadas, de preferência enterradas no nascedouro sob sete palmos de terra, mas vola e meia os acidentes de percurso teimam em voltar à superfície para cobrar explicações. É o caso da demissão inesperada de Marcus Coester, presidente da AGDI. Só quem fala é o próprio Marcus, que usa frases oblíquas, indiretas e metáforas para revelar que não gostou do que fez o secretário Mauro Knijnik. A nota a seguir é de Rosane Oliveira. Ela é mais importante pelo que revela nas entrelinhas do que informa nas linhas. Percebe-se que a demissão foi um ato traiçoeiro, irrazoado e desmoralizante para o executivo, que pelo jeito resultou completamente frustrado com a sua experiência no governo que não faz, segundo expressão do deputado Beto Albuquerque. Coester  foi enganado por Knijnik, que o convidou para um tipo de governo que não tem nada a ver com o espírito empreendedor do executivo, já que é um governo atrasado e paralisante. Há verdades a revelar nesse episódio. E talvez elas estejam na natureza do convite ao homem que o substituirá no cargo.

De surpresa
Ao retornar das férias, Marcus Coester foi chamado ao gabinete do secretário Mauro Knijnik que, sem mais delongas, comunicou que ele seria substituído. Coester embarcaria para Barcelona hoje, onde teria uma série de encontros com técnicos envolvidos na organização da Olimpíada de Londres. Apesar da demissão inesperada, Coester diz que não se arrepende desta que foi sua primeira – e provavelmente última – experiência no setor público:

– Aprendi muito nestes dois anos. Só lamento não poder concluir o projeto. Saio no momento em que a AGDI está pronta para atingir a velocidade de cruzeiro.

FHC sobre Lula e o PT: "Eles me enxergam como o pai que precisa ser morto"

Na festa de 70 anos do economista Pedro Malan, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que há um problema "psicanalítico" na relação conflituosa entre PT e PSDB; "tem que tirar o pai da frente, eles sabem que quem começou a estabilização fomos nós, quem começou as políticas sociais fomos nós"; FHC criticou ainda as constantes comparações entre os dois partidos e afirmou que, na questão ética, o PT tem, agora, o "mensalão na testa".

247 - Na festa de 70 anos do economista Pedro Malan, realizada na Casa das Garças, no Rio de Janeiro, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso recorreu a Sigmund Freud, pai da psicanálise, para definir a relação entre PT e PSDB. Segundo Freud, em seu processo de afirmação, cada filho mata, metaforicamente, seu pai. E FHC se vê como o pai que plantou algumas conquistas do PT.

"A relação do PT comigo pessoalmente e com meu governo é de psicanálise. Tem que tirar o pai da frente, sabe. Eles sabem que quem fez a estabilização fomos nós, quem começou as políticas sociais fomos nós. Não é que eles não tenham melhorado, mas por que precisa dizer que a gente não fez nada?", indagou o ex-presidente, demonstrando certa mágoa com o evento que, na última quarta-feira, comemorou os dez anos do PT no poder.

FHC também definiu Lula como uma espécie de "presidente-adjunto" do governo Dilma.

* Clipping www.brasil247.com.br

Floripa, 480 mil habitantes, instala 122 radares da gaúcha Eliseu Kopp

A empresa vencedora da licitação é a gaúcha Eliseu Kopp, que no RS tem sido vítima até mesmo de chantagens em vários casos de disputas no Estadoi. Ela receberá R$192 mil mensais nos próximos quatro anos para manter a estrutura de fiscalização. Todos os custos de instalação estão embutidos no valor pago pela prefeitura para a empresa contratada. O trânsito de Florianópolis, 480 mil habitantes, não é caótico, mas os motoristas parecem participar permanentemente de corridas de alta velocidade, desrespeitando completamente as placas que limitam a velocidade em 80 kms ou 60 kms, superiores aos limites vigentes em Porto Alegre. Em avenidas como a Beira-Mar, a velocidade máxima permitida é de 80 kms, mas ninguém trafega a menos de 100 kms ou 120 kms por hora. A notícia a seguir é do Diário Catarinense deste sábado.

Os 122 radares de trânsito anunciados pelo IPUF começam a ser instalados na próxima quarta-feira em Florianópolis. Como prioridade, estão oito principais pontos da avenida Beira-Mar Norte.

Segundo o IPUF, não há um prazo estimado para a finalização, mas espera-se ter a maior parte terminada nos próximos 30 dias. O prazo inicial dado foi de 120 dias, contados a partir do último dia 13 de fevereiro. Os equipamentos irão verificar o avanço dos carros no sinal vermelho, o excesso de velocidade e o respeito à faixa de pedestre nos semáforos.São três etapas para a finalização da instalação. Primeiro, será feita a aferição do radares, que é uma maneira de registrar se de fato o equipamento está gravando a velocidade correta em que deveriam passar os carros. Segundo, o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) também faz a certificação, onde deverá ser descartado qualquer problema de registro e de funcionamento. A última parte é a publicação em Diário Oficial.

Desde maio de 2011, as vias locais de Florianópolis estão sem fiscalização. A batalha judicial entre as concorrentes da licitação só terminou em dezembro, quando a empresa Eliseu Kopp finalmente ganhou a causa.

Terror desmoraliza governador Raimundo Colombo e volta a atacar com violência em SC

- Embora a manhã deste sábado tenha começado com chuvas esparsas, o tempo melhorou muito a partir das 9h e o sol voltou a brilhar forte em Florianópolis. O Estado de Santa Catarina foi acordado sob o impacto de novos atentados do terror, conforme notícia a seguir do Diário Catarinense. O governador Raimundo Colombo desmoraliza-se a cada dia que passa diante da ousadia dos bandidos, que não respeitam a sua autoridade, incapaz de devolver a paz aos catarinenses. Nem mesmo os 350 homens da Força de Segurança Nacional, que ninguém vê e sobre a qual ninguém fala, foi capaz de mudar o ambiente de insegurança. Os líderes das facções criminosas que estavam presos no Estado, foram transferidos para prisões federais em Rondônia, MT e RN. 

Três veículos e uma residência foram incendiados nesta madrugada de sábado em Santa Catarina. A Polícia Militar informou que, até o momento, os casos não estão relacionados à onda de atentados no Estado, mas que está investigando as ocorrências. O primeiro incêndio foi em Rio do Sul, na rua Tolentino Aristides Gomes, bairro Eugenio Schneider, por volta da meia-noite. O Ford Corcel, que estava estacionado em um terreno baldio próximo à casa de seu proprietário foi totalmente consumido pelo fogo. De acordo com a PM, uma testemunha que estava chegando em casa, perto do local da ocorrência, disse ter presenciado o início do incêndio e ter visto quatro homens em volta do carro, que correram, em seguida, para um matagal. Entre eles, um estava armado com uma pistola.

Novamente em Rio do Sul, por volta das 3h20, uma casa abandonada da rua 1º de Maio, no bairro Jardim América, foi incendiada. Os bombeiros controlaram o incêndio e encontraram, dentro da casa, uma garrafa pet com odor de gasolina. Em Itajaí, um Chevette com placas de Penha, que estava estacionado na rua Agílio Cunha, no bairro São Vicente, foi totalmente destruído pelo fogo. O incêndio ocorreu por volta das 2h.

Em Navegantes, o alvo de incêndio foi um Fiat Uno abandonado na rua 2222, bairro Nossa Senhora das Graças. Segundo a PM, moradores contiveram as chamas.

Sindicância apura novas suspeitas sobre ministro gaúcho Luís Adams

- A foto ao lado é da Folha de hoje.

* Clipping Folha
MATHEUS LEITÃO
BRENO COSTA
DE BRASÍLIA

A sindicância que investigou a suspeita de envolvimento de servidores da AGU (Advocacia-Geral da União) no esquema desnudado pela Operação Porto Seguro apontou "evidentes indícios" de irregularidades contra o ministro Luís Inácio Adams.

Segundo os investigadores da própria AGU, conforme relatório final da sindicância ao qual a Folha teve acesso, cinco condutas de Adams foram consideradas suspeitas e "podem apontar para atuação/omissão irregular" do advogado-geral da União.

Sergio Lima - 29.nov.2012/Folhapress

Para a sindicância, as suspeitas eram "graves" o suficiente para justificar a abertura de um processo administrativo disciplinar contra Adams --responsável pela defesa do governo federal em causas judiciais e pelo aconselhamento jurídico da presidente Dilma Rousseff. O grupo de três servidores da AGU chegou a dedicar um capítulo do relatório só para discutir como deveria se dar a "responsabilização do advogado-geral da União".

As suspeitas, no entanto, acabaram arquivadas 17 dias depois pelo corregedor-geral da Advocacia da União, Ademar Passos Veiga.

PRESIDÊNCIA

Após a Folha ter revelado esse arquivamento, a AGU enviou cópia do relatório à Presidência da República.
Cabe a Dilma decidir pela abertura ou não de nova investigação contra Adams, mas, para isso, precisaria demiti-lo do cargo. Procurada, a Casa Civil não respondeu até a conclusão desta edição.

Empresa pagava despesas de Chalita, diz ex-colaborador

* Clipping Folha


MARIO CESAR CARVALHO
JOSÉ ERNESTO CREDENDIO
DE SÃO PAULO

O Ministério Público Estadual abriu 11 inquéritos para investigar o deputado Gabriel Chalita (PMDB-SP) por suspeita de corrupção, enriquecimento ilícito e superfaturamento de contratos públicos.As investigações partem de quatro depoimentos de um analista de sistemas que diz ter sido assessor informal de Chalita na época em que ele foi secretário estadual da Educação, entre 2002 e 2006.

. Outro lado: Deputado diz ser algo de 'jogo de dossiês'

. O analista, Roberto Leandro Grobman, 41, trabalhou durante anos com o grupo educacional COC e diz ter sido indicado para se aproximar de Chalita para prospectar negócios para o grupo.Segundo ele, o COC pagou despesas com a locação de aviões e helicópteros, viagens, presentes e uma reforma feita num apartamento de Chalita em Higienópolis, na zona central de São Paulo.O grupo também comprou milhares de livros escritos por Chalita e computadores para a emissora de televisão da Canção Nova, grupo católico ao qual o deputado é ligado.

- Em nota à Folha, Chalita negou todas as acusações e afirmou que o objetivo de Grobman é atingir sua imagem.