Câmara impõe derrota ao governo do PT e aprova lei da terceirização

A Câmara dos Deputados acaba de aprovar o projeto da terceirização, que agora irá para o Senado. A nova lei permitirá a terceirização não apenas em atividades meio, mas também em atividades meio.

O PT e seus aliados da vanguarda do atraso, inclusive com o apoio direto de ministros que Dilma mandou para a Câmara pressionar os deputados, tentaram adiar, rejeitar, escamotear, desfigurar e levar desordem ao projeto, mas foram derrotados.

Foi outra derrota do governo.

Com perdas em corrupção, Petrobras tem prejuízo de R$ 22 bi em 2014

Com impacto do lançamento de perdas de R$ 6,194 bilhões relacionadas à corrupção e outros R$ 44,345 bilhões à reavaliação dos ativos, a Petrobras registrou, em 2014, prejuízo de R$ 21,587 bilhões ante o lucro de R$ 23,4 bilhões registrado em 2014.

O lançamento das perdas de corrupção foi exigência da PwC, empresa que audita as demonstrações financeiras da estatal. Foi decorrente da revelação, pela Operação Lava Jato, do funcionamento de um cartel de empresas que, com a participação de diretores da Petrobras, combinava resultados de licitações da companhia, a partir de 2004, e cobrava percentuais entre 1% 3% para abastecer o esquema, segundo depoimentos.

O esquema veio à tona em outubro, o que levou a PwC a mandar a Petrobras aprofundar as investigações sobre corrupção, atrasando o balanço do terceiro trimestre. Com as evidências do desvio, a empresa teve de calcular o que foi lançado indevidamente como investimento mas que, na verdade, foi desviado em propina.

Dentro de instantes, o novo presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, vai detalhar, em entrevista coletiva, a metodologia de cálculo usada desde fevereiro, quando assumiu o cargo, no lugar de Graça Foster, tendo esta comoprimeira missão.

Em janeiro, duas consultorias contratadas por Graça chegou a uma conta que mostrava ativos superavaliados em R$ 88,6 bilhões. Conselheiros e diretores concluíram, porém, que o número incorporava outras perdas além da corrupção, como variação do câmbio e do barril, além de ineficiência dos projetos.

O número, porém, foi revelado ao mercado, deixando a presidente Dilma Rousseff irritada. O episódio gerou uma crise que resultou na saída de Graça e de cinco diretores, no início de fevereiro.

Em 2014, a produção de petróleo da Petrobras no Brasil cresceu 5,3%, abaixo da meta inicial –de 7,5% com um ponto percentual de tolerância para menos.

Caminhoneiros vão parar o Brasil de novo. Greve geral começará nesta meia noite.

Fracassou a reunião entre caminhoneiros, embarcadores, cooperativas de transporte, empresários do ramo, parlamentares e representantes do Ministério da Fazenda, Secretaria Geral da Presidência da República, Polícia Rodoviária Federal, entre outros órgãos envolvidos na cadeia produtiva do transporte rodoviário de cargas. O governo federal não apresentou nenhuma proposta e os profissionais entrarão em greve a partir da meia-noite de quinta-feira (23). O encontro aconteceu hoje (22) na sede na ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), em Brasília.
                
Os profissionais saíram da audiência gritando palavras de ordem contra a presidência da República, ao mesmo tempo em que comunicavam aos líderes da categoria, via redes sociais, o início da paralisação.
                
O deputado federal Osmar Terra (PMDB-RS), relator da Comissão Externa da Câmara que acompanha o movimento dos caminhoneiros lembrou que o aviso já vinha sendo dado desde fevereiro, e agora o Brasil vai parar. Mesmo assim, a comissão vai examinar o encaminhamento de cinco propostas para o plenário da Câmara, em busca de uma solução para o movimento.

1)    Definição de um preço mínimo para frente, evitando confrontos de constitucionalidade;
2)    Redução dos impostos incidentes sobre o óleo diesel;
3)    Crédito especial de R$50 mil do BNDESm com juros de 2% ao ano destinado aos caminhoneiros autônomos;
4)    Perdão das multas aplicadas durante a paralisação;

5)    Reserva de mercado de 40% para as cooperativas de caminhoneiros

Dólar opera em queda e fica abaixo de R$ 3; Bovespa sobe 1,9%

O dólar comercial operava em queda nesta quarta-feira, após ter caído 0,46% na segunda-feira. No começo da tarde, a moeda norte-americana chegou a cair quase 1% e ficar abaixo do nível de R$ 3, influenciada por operações pontuais de entrada de recursos estrangeiros.


Por volta das 15h25, a moeda norte-americana caía 0,57%, a 3,0102 na venda.


No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, subia 1,91%, a 54.786,56 pontos, puxada principalmente pelas ações da Vale.

Justiça condena Paulo Roberto Costa a sete anos de prisão pela Lava Jato

A Justiça Federal condenou o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, pelos crimes de organização criminosa e lavagem de dinheiro oriundo de desvios de recursos públicos na construção da Refinaria Abreu e Lima (RNEST), no município de Ipojuca, Pernambuco - emblemático empreendimento da estatal petrolífera alvo da Operação Lava Jato.


Paulo Roberto Costa, primeiro delator da Lava Jato, não recebeu perdão judicial e pegou 7 anos de 6 meses de reclusão. Deste total, serão descontados os períodos em que ficou preso na PF e em regime domiciliar, que cumpre desde outubro de 2014, com tornozeleira eletrônica.


Além de Costa, foram condenados o doleiro Alberto Youssef, peça central da Lava Jato, e outros seis investigados, entre eles o empresário Márcio Bonilho, do Grupo Sanko Sider. Delator da Lava Jato, Paulo Roberto Costa está em prisão domiciliar desde outubro de 2014. Em seus depoimentos, ele escancarou o esquema de corrupção na Petrobras e revelou o envolvimento de deputados, senadores e governadores no recebimento de dinheiro ilícito.

Paim passa mal no Senado

O senador Paulo Paim acaba de se sentir mal (15h21min) no Senado. Ele chegou a vomitar. Nesse momento o senador foi levado de ambulância para o hospital onde será tratado.

Zé Otávio diz ao editor que não foi citado pelos colegas no Petrolão. Nesta nota, ele explica o que acontece.

A respeito da nota postada logo abaixo sobre as acusações feitas por deputados do PP do RS ao deputado Zé Otávio Germano, vai a nota que o parlamentar mandou ao editor esta tarde, na qual pretende repor os fatos verdadeiros sobre a Operação Petrolão.

O deputado Jerônimo Gorgen negou qualquer citação a Zé Otávio. Molling, ainda há pouco (14h33min) também desmentiu a informação e disse que jamais citou o nome do colega.

Além dos dois, também o deputado Jerônimo Goergen foi ouvido pela PF. Ele não falou com o editor depois disto, mas os jornais de hoje informam que Goergen citou Zé Otávio. 

Vai na íntegra a nota de Zé Otávio, que do modo como ele explica a nota, é amigo pessoal do editor desde que ele era muito jovem:

Conheces a mim, ao meu pai recentemente falecido, há muito tempo, quase toda a minha vida. Não é verdade que meus colegas citaram meu nome como integrante da cúpula partidária que tratava de assuntos com o ex-diretor da Petrobrás, por uma única e simples razão, meu amigo Políbio, porque nunca fui da cúpula partidária.

Tenho minha atuação da Câmara dos Deputados pautada especialmente na Comissão de Minas e Energia, a onde fui presidente, para minha honra, por duas vezes, aliás, só dois gaúchos ocuparam ao longo da existência da Câmara dos Deputados exerceram a presidência desta importante comissão.

Ocupei quase todas as funções no Estado: vereador, deputado estadual, presidente da Assembleia , secretário de estado várias vezes, em diferentes áreas, deputado federal por quatro mandatos e sempre pautei minhas ações de maneira correta ética e séria.

Como pai que sou, te peço, por favor, que se não acreditares em mim, consulte meus colegas deputados sobre as colocações que fizestes em teu blog, porque nesta manhã fui questionado por minhas filhas e como tu bem sabes, honra não se negocia.

Peço que retifiques.

Um abraço de teu grande amigo,

José Otávio Germano.

CLIQUE AQUI para saber como foi o depoimento do doleiro em relação aos deputados do PP.

Foi Britto quem livrou os gaúchos da assombração feita pela CGTEE

O jornal Zero Hora de ontem, página 21, Editoria de  Economia, a jornalista Marta Sfredo, traz uma item sob o  título “Apagão”, onde é revelado o déficit do grupo CEEE. Mas o mais importante são as perdas da CGTE, a estatal federal que opera com energia térmica, porque elas chegaram a R$ 480 milhões no ano passado, valor superior à própria receita, que foi de R$ 474 milhões. A CGTEE já cumula perdas de R$ 1,37 bilhão e tem um patrimônio líquido negativo de R$ 553 milhões.


o que a nota não diz e ninguém recorda é que esta empresa era da CEEE e entrou na renegociação da dívida de 199, na chamada conta elétrica, um tipo de entrada, que possibilitou reduzir os juros da dívida total do governo gaúcho com a União, de 7,5% para 6%., fora correção pela inflação  

Foi obra bendidta do governo Antonio Britto, ao prviatizar boa parte da CEEE e empurar para a Eletrobrás o custo de Candiota, hoje na CGTEE. 

Britto livrou o governo de monstros sem saída.

A CGTEE é um elefante branco sem solução e prosseguirá consumindo o suado dinheiro dos contribuintes brasileiros. 

Operação Zelotes começou investigações no RS

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal começaram investigações no RS, tudo no âmbito da Operação Zelotes.

Poderosos grupos gaúchos são investigados por denúncias de propinas pagas no Carf para livrá-las de multas milionárias aplicadas pela Polícia Federal.

Afinal, Tiradentes foi de esquerda ou de direita ?

O Movimento Brasil Livre, do ativista Kim Kataguiri, alterou a charge publicada pelo cartunista Laerte nesta terça-feira 21, feriado de Tiradentes.

Na "arte" do MBL, não é a direita conservadora que lincha politicamente Tiradentes, que representa o PT, mas o contrário.

Isto não viola os direitos autorais do chargista, já que foi feita apenas uma colagem clara em cima da brincadeira e a charge não foi tomada como sendo do Movimento Brasil Livre.

Uma espécie de direito de resposta. 

Caminhoneiros prometem parar amanhã, caso governo não atenda suas reivindicações ainda hoje

Os caminhoneiros prometem paralisar amanhã, caso suas reivindicações não sejam atendidas pelo governo federal, na reunião que terão daqui a pouco, 14h,  com o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto. O ministro reúne-se com representantes da categoria. O encontro está marcado para as 14h, na sede da Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT), em Brasília.


A principal exigência dos caminhoneiros se refere à criação de uma tabela com preços mínimos para o frete

Saiba quem são os novos diretores das subsidiárias do Banrisul

Os novos diretores das subsidiárias do Banrisul:

Banrisul Cartões: Luiz Gonzaga Veras Mota (diretor-presidente), Elizabete Rejane Sodré Tavares, Carlos Aluisio Vaz Malafaia e Antonio Carlos Antunes (diretores).

Banrisul Consórcio: Irany de Oliveira Sant’Anna Júnior (diretor-presidente), Artemino Raimundo Rosin e Fernando Postal (diretores).

Banrisul Corretora de Valores: Nilvo Reinoldo Fries (diretor-presidente), Carmem Paludo e João Emilio Gazzana (diretores),

Banrisul Armazéns Gerais: João Simioni (diretor-presidente) e Zilmino Jacedir Tartari (diretor-superintendente).


BRF promove joint venture com a inglesa Invicta

A BRF comunica que, através de sua subsidiária BRF GmbH, firmou, nesta data, com os acionistas detentores da totalidade do capital social da Invicta Food Group Limited, os documentos definitivos para a constituição de uma joint venture entre a BRF GmbH e IFGL, que terá como objetivo principal a distribuição de alimentos processados nos mercados do Reino Unido, Irlanda e Escandinávia.

Leia a nota da companhia:

No contexto da transação,  a IFGL aportou sua atual operação na JV, com presença no mercado de foodservice no Reino Unido; e a BRF GmbH aportou sua atual operação no território e adquiriu, por GBP 18 milhões, participação adicional na JV, de modo que a BRF GmbH deterá 62% do capital social da JV e os Acionistas Atuais os 38% remanescentes.

A transação está em linha com o plano estratégico de globalizar a companhia, acessando mercados locais, fortalecendo as marcas da BRF, distribuindo e expandindo seu portfólio de produtos ao redor do globo.

Sobre a BRF


A BRF, detentora das marcas Sadia, Perdigão e Qualy, é uma das maiores exportadoras mundiais de aves e suínos e a sétima maior empresa de alimentos do mundo em valor de mercado. A empresa possui mais de 100 mil funcionários, 47 unidades industriais no Brasil, 10 fábricas no exterior (sete na Argentina, duas na Europa e uma em Abu Dhabi, no Oriente Médio). Atualmente, a companhia exporta para mais de 120 países.

Entrevista, Darcisio Perondi - Vamos aprovar a terceirização. Atividade-fim também será contemplada.

ENTREVISTA
Darcisio Perondi, deputado Federal, PMDB do RS

O governo, sobretudo PT, apostam em desfigurar o projeto de terceirização, cujos destaques e emendas aglutinadoras vão a votação a partir de hoje.
Não passarão. Meu Partido, o PMDB, em sua imensa maioria, votará com a maioria.

Quais os pontos que são vitais ?
A permissão para terceirizar a atividade-fim e as garantias de direitos e benefícios dos terceirizados.

Que garantias e benefícios ?
4% dos contratos constituirão um fundo para garantir os depósitos de direitos como aposentadoria e FGTS, por exemplo, além de rescisões. O contratante, a empresa que contrata, terá que fiscalizar o depósito, que é de responsabilidade do contratado. Se não fizer isto, será responsabilizada subsidiariamente na hora dos desembolsos.

CUT, PT, governo e seus aliados, alegam que o projeto precariza o trabalho.
Estamos atrasados. O mundo todo já faz isto. É uma questão de produtividade. Precisamos focar nas especializações para disputar.

E a votação ?
Até amanhã isto estará resolvido.

E a pressão ?:
É enorme. As forças do atraso sempre pressionam muito para manter seus ganhos corporativos. A pelegagem sindical quer manter sua carteira de rendimentos intocáveis.

Corte de gasto não basta para retomar crescimento

A jornalista Erica Fraga, Folha de S. Paulo deste domingo, ouviu o economsita Marcos Lisboa, que avisou: "O corte de gastos que o governo tenta implementar poderá evitar que o País mergulhe em uma situação ainda mais dramática que a atual, mas não será suficiente para a retomada do crescimento".  Marcos Lisboa acha que a crise agora é mais grave do que as deflagradas pela desvalorização cambial em 1999 e pela eleição do ex-presidente Lula, em 2002.

Leia tudo:

Um dos acadêmicos mais respeitados do País, Lisboa integrou a equipe econômica de Lula. Após passagem pelo mercado financeiro, foi para o Insper, centro de ensino e pesquisa de ponta em São Paulo. Na semana passada, assumiu de Cláudio Haddad, fundador da instituição, o cargo de presidente.


Como o Insper tem mudado?
Marcos Lisboa (ML) – O Insper muda continuamente. Para os docentes de tempo integral, abrimos diversas especializações, permitindo que alguns sejam mais dedicados à pesquisa acadêmica com fins de publicação nos jornais de fronteira, que outros se dediquem a temas mais relacionados ao Brasil, que outros sejam mais dedicados à sala de aula, ao ensino. E todos são reconhecidos pela excelência no que fazem. Montamos um doutorado em “business economics” que vai começar neste ano, a graduação em engenharia acabou de começar. Fizemos uma agenda grande de eventos de debates sobre política pública no ano passado.

Você liderou esse debate sobre a importância da avaliação de políticas públicas no Brasil. A ideia é que o Insper colabore nisso?
ML – Sim, esse é um tema relevante. O debate sobre política pública no Brasil com frequência cai em uma polarização que pode ser boa para a retórica, mas não ajuda a resolver os problemas.Se você não tem instrumentos de avaliação, não sabe se uma política funcionou ou não, se deve ser continuada, extinta ou ampliada. Eu tenho R$ 100 para gastar. Onde vou gastar? Qual é a prioridade: o Fies, o Pronatec ou o crédito subsidiado? Qual é o impacto de cada um deles para o bem-estar do país? Sem avaliação independente, cuidadosa, de impacto, eu não sei. A gente teve uma fantasia meio juvenil de que os recursos eram ilimitados. Má notícia? Eles não são.
  
Em que medida isso tem prejudicado o desenvolvimento?
ML –  Começamos a ter evidências de que há consequências graves. O Brasil teve essa mudança profunda na política econômica após 2008, 2009. Fez um resgate do nacional-desenvolvimentismo. Na década de 1980, isso levou a um fim bastante penoso.Depois, aos poucos, o Brasil foi se tornando um país mais semelhante ao mundo desenvolvido, até que, com a crise de 2008, vem uma reação semelhante a de 1974. Aumenta o grau de proteção à economia, de intervenção do poder público na concessão de benefícios e privilégios para setores selecionados. Você faz desoneração para A e não faz para B, cria regras de conteúdo nacional, expande enormemente o crédito subsidiado. O problema é que essas políticas se estenderam pelo primeiro mandato da presidente Dilma. O discurso era “estamos evitando a crise, mantendo o país crescendo, enquanto o resto do mundo não cresce”. Deu errado, o País parou de crescer e passou a retroceder.

Como essa crise se compara com outras anteriores?
ML – As pessoas gostam muito de comparar a crise atual com 1999 e 2002, eu sou mais pessimista. Acho que a crise atual é mais grave, porque você não tem apenas um desarranjo macroeconômico.
O desarranjo macroeconômico é uma das consequências dessa política de intervenção, que teve impactos negativos sobre a produtividade e o crescimento.
Fazer o ajuste fiscal neste ano é extremamente difícil dado o descontrole dos anos anteriores, e isso pode evitar uma crise mais aguda. Mas não ajuda a retomar o crescimento porque há todas as distorções que foram induzidas na microeconomia, com a política de conteúdo nacional, os controles tarifários, as medidas de proteção.Isso gerou um quadro muito prejudicial para o setor produtivo. Nossa produtividade estagnou e, sem ganho de produtividade, é difícil ter crescimento relevante.

Há sinais de melhora?
ML – A boa notícia dos últimos meses é que o governo parece ter reconhecido os graves equívocos que fez. É um reconhecimento tácito, difícil, constrangido. Mas não adianta só reconhecer que errou, fazer algo diferente e achar que está bem. Se tecnicamente for malfeito, vai dar errado.A necessidade do ajuste fiscal não vai terminar em 2015 nem em 2016. Os gastos da sociedade com os inativos vão aumentar ano após ano. Vejo com preocupação o debate ir na direção de não aprovar algumas medidas que buscam resolver problemas mais estruturais, como o seguro-desemprego ou o abono salarial, da forma como elas foram propostas.

Petrobras divulga balanço no final da tarde

Com cinco meses de atraso, relatório deve mostrar os prejuízos decorrentes da corrupção, detalhes do plano de desinvestimento e revisão dos valores dos ativos da estatal.

O balanço será divulgado no final da tarde, depois de encerrados os trabalhos da Bolsa.

Operação Zelotes começaram investigações em Porto Alegre

A Polícia Federal começou investigações da Operação Zelotes em Porto Alegre. Na sexta-feira, foram cumpridos mandatos de busca e apreensão.

A PF e o MPF iniciaram operações em todo o País.

De acordo com a primeira lista divulgada pelo MPF no caso de propinas pagas para liberação de pesadas autuações tributárias em processos tramitando no Carf, serão investigados casos relacionados com as gaúchas Gerdau, RBS, Mundial-Eberle, Marcopolo e Avipal.

As operações de sexta-feira não foram divulgadas pela RBS.

Molling, Hamm e Heinze acusam membros da cúpula do PP na Polícia Federal

Os primeiros três dos seis deputados federais gaúchos do PP que já prestaram depoimento na PF por conta das investigações do Petrolão, disseram claramente aos delegados e aos procuradores do MPF que seus nomes foram usados pelo colega Zé Otávio Germano, apontado como integrante da cúpula partidária que negociava com o ex-diretor da Petrobrás, Paulo Costa e recebia dinheiro do doleiro. . Esta cúpula teria tomado dinheiro do doleiro Alberto Youssef em nome deles.

Luiz Carlos Heinze e Jerônimo Goergen não citaram o nome de Zé Otávio, mas disseram que outra pessoa usou indevidamente seus nomes. Eles seriam membros da cúpula do PP.

O deputado Renato Molling foi mais longe e citou o colega. Ele também deixou claro que "gente de fora está ineressada em desestabilizar o PP", mas não citou nomes.

Vão também ser ouvidos os deputados Afonso Hamm, Zé Otávio e Vilson Covatti.

A PF interrompeu suas oitivas porque está em litígio com o MPF, caso mediado pelo ministro do STF, Teori Zavascki, que suspendeu novos depoimentos. No total, 39 parlamentares serão ouvidos por ordem do STF.


Joaquim Barbosa denuncia valor triplicado do Fundo Partidário.

O ex-presidente do STF Joaquim Barbosa criticou, no Twitter, a triplicação do valor do fundo partidário como “escárnio” e questionou: 

- Para que doações de empresas privadas? R$ 900 milhões para partidos políticos é valor escandaloso para um País envolvido em grave crise financeira. Procure saber em detalhes como essa montanha de dinheiro é gerida pelos caciques partidários.

A decisão da presidente Dilma Rousseff de manter o aumento levou em consideração as consequências da Lava Jato.

O PT, agora formalmente sem chance de pegar dinheiro legalmente das empresas,  ficará com a parte do leão, 50,7%. O Partido foi quem mais pressionou Dilma para aprovar a triplicação do valor do Fundo. Ela não teve força para vetar a proposta, já que está refém do PT e dos Partidos da base aliada, sobretudo PMDB, que também pressionou pelo aumento. 

Agora, irmã de Vaccari alega que não era ela quem aparecia nos caixas de bancos com dinheiro sujo

Marice Correa de Lima, cunhada do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, rebateu acusação do MPF, de que teria feito depósitos na conta de sua irmã Giselda Rouse de Lima.

. "A pessoa que aparece nos vídeos (do Itaú) não é a Marice, como diz a Procuradoria, mas a própria Giselda, que é irmã dela. As duas são parecidas", diz o advogado Cláudio Gama Pimentel.

Há controvérsia.

Este tipo de alegação nunca foi usado por ninguém.

Os bandidos e bandidas do PT, que misturam roubalheira de dinheiro público com o petismo, os seus governos e a família, envolvendo todo mundo na quadrilha de ladrões, ainda não tinham tentado explicações parecidas. 

Segundo o Ministério Público, foram identificadas na conta de Giselda operações de depósitos bancários com “características de fracionamento”, no limite próximo de R$ 10 mil, que somaram R$ 322,9 mil. Em 2008, os depósitos bateram em R$ 16 mil. Em 2011, chegaram a R$109,1 mi e, em 2014, foram de R$ 31,5 mil.

Tarso nomeou 150 CCs para vagas que ele mesmo tinha eliminado

O governo Tarso Genro manteve até o final de 2014, o total de 150 CCs que nomeou para vagas que ele mesmo tinha extinto através de lei aprovada na Assembléia.

E ?

Tonollier terá que falar na Assembléia sobre pedalada fiscal de R$ 150 milhões de Tarso

O ex-secretário da Fazenda de Tarso, Odir Tonollier, é aguardado para prestar depoimento na audiência pública de amanhã da Comissão de Finanças da Assembléia do RS.

O deputado Frederico Antunes, PP, autor do convite, avisou que Tonollier será convocado, caso não compareça.

Acontece que a Assembléia quer esclarecer o verdadeiro uso dos empréstimos tomados pelo governo Tarso junto á banca. O atual governo de Sartori já possui documentos que comprovam que pelo menos R$ 150 milhões foram usados para pagar despesas correntes, inclusive funcionalismo, portanto em total desvio de finalidade.

Pedaladas fiscais, em si, não configura crime fiscal, mas o debate que importa, no entanto, é outro: algum banco pagou despesas do Tesouro, sem que o Tesouro lhe houvesse repassado recursos para tal finalidade específica.

E isto é crime.

O Tribunal de Contas do Estado e a Cage foram convidados para acompanhar o depoimento de Tonollier, porque caberia a ambos identificar a ocorrência. Trata-se de pedalada fiscal parecida com a que inferniza agora a vida da presidente Dilma Roussef. No caso de Dilma, foi o TCU quem descobriu a trampa.

A prática é criminosa, capitulada na Lei de Responsabilidade Fiscal, porque caracteriza empréstimo disfarçado ao Tesouro.



Jairo Jorge e Folador disputam presidência da Famurs

Foi confirmada para 21 de maio a eleição do novo presidente da Famurs, associação de prefeitos do RS.

A vez é do PT.

São candidatos o prefeito de Canoas, Jairo Jorge, e o vice de Candiota, Luiz Carlos Folador, que é o atual vice-presidente do presidente Serge Menegaz, PMDB.

PDT está mesmo de olho no senador Paulo Paim

O PDT anunciou que tenta há algum tempo atrair o senador Paulo Paim, que seria um dos seus dois candidatos ao Senado em 2018, quando terminam os mandatos do próprio Paim e da senadora Ana Amélia.

Paim está em conflito com o PT.

Cremers ataca os movimentos pela legalização da maconhas

É corajosa e consistente as nota tirada esta quarta-feira pelo Conselho Regional de Medicina do RS, que condena de modo veemente a legalização do uso da maconha no Brasil.

A legalização tem sido defendida por produtores, traficantes e usuários que operam na ilegalidade, mas também por grupos de renegados sociais alojados em ONGs, Partidos e até na mídia.

A nota paga publicada nos jornaisé assinada pelo presidente, dr. Fernando Weber Matos, como também pelos diretores Rogério Wolf de Aguiasr e Isaias Levy.

Diz a nota:

- Em todo o mundo, devido às evidências científicas e aos insucessos, a legalização das drogas é vista com temor. Aqueles que a defendem em nome da liberdade do indivíduo devem olhara para zas implicações e o alto custo pasra a sociedade. 

MPC do TCE do RS aperta o cerco sobre a Máfia do Lixo

O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas do RS apertou o cerco sobre as empresas e os prefeitos envolvidos com a máfia do lixo nos municípios de Flores da Cunha, Gramado, Novo Hamburgo, Palmares do Sul, Santo Antonio da Patrulha, Tavares e Tramandaí.


. Também já existem denúncias em relação a Charqueadas.