Artigo, Carlos Brickmann - Siga o cheiro do dinheiro

A charge é da Transparência Amapá, disponbilizada no Google.



Há algo em comum entre os 32 partidos políticos do país. Não, não é o nome Partido: o Solidariedade, de Paulinho, não se chama "partido". E a Rede, de Marina Silva, se vier a ser registrada também não terá este nome. O que têm em comum é que todos podem aliar-se em eleições estaduais, combater-se em eleições federais, ou vice-versa, unir-se em torno de um candidato, opor-se a ele. E ninguém vai estranhar o ziguezague: aqui, acredita-se, partido é assim mesmo.

Se um partido pode tudo, sem qualquer preocupação com programas de Governo ou com alguma ideologia, por que tantos políticos se preocupam em criar outros partidos? Para que formar 32 partidos? Para que servem? Que é que são?

São minas de ouro - com a vantagem de não exigir investimento para extraí-lo. Há montanhas de dinheiro público à disposição de seus dirigentes. O Fundo Partidário distribuiu no ano passado R$ 286,2 milhões. A propaganda política chamada de gratuita custa ao Tesouro perto de R$ 900 milhões em ano eleitoral (só é gratuita para o partido, porque a conta vem para nós).

CLIQUE AQUI para ler mais.

Militância vira critério para receber moradia do Minha Casa Minha Vida

Onze das 12 entidades com projetos aprovados pelo Ministério das Cidades são dirigidas por filiados ao PT; quem marca presença em protestos e até ocupações ganha prioridade na fila da casa própria em São Paulo, revela o jornal O Estado de S.Paulo, em reportagem de  Adriana Ferraz e Diego Zanchetta.

. Líderes comunitários filiados ao PT usam critérios políticos para gerir a maior parte dos R$ 238,2 milhões repassados pelo programa Minha Casa Minha Vida Entidades para a construção de casas populares na capital. 

CLIQUE AQUI para ler tudo. 

Brasil está vulnerável à desaceleração chinesa e ao fim do estímulo nos EUA

CLIQUE AQUI para ler, também, "O sistema não fecha", de Marcos Coimbra.

Esta entrevista da Folha de S. Paulo com o professor de Harvard, rvela que o país não fez as reformas e vai enfrentar um longo período de baixo crescimento. O entrevistador foi a repórter Raquel Landim. Ela demosntra que o professor Kenneth Rogoff, professor da Universidade de Harvard, está preocupado com a situação dos países emergentes, principalmente o Brasil. Leia toda a entrevista:

"As reformas pararam ou andaram para trás. Isso fez o Brasil mais vulnerável ao fim da expansão monetária nos EUA e à desaceleração na China", disse à Folha.Ele não acredita em "quebra" dos mercados emergentes, mas prevê um longo período de crescimento baixo, o que vai dificultar a solução dos problemas sociais. Rogoff, que já foi economista-chefe do FMI, concorda com a decisão do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) de não interromper agora a política de despejar US$ 85 bilhões mensais no mercado.

LEIA toda a entrevista 

Microsoft denuncia que Brasil também obrigou-o a espionar usuários do Skype e Outlook

Há bastante tempo as redes sociais não levam a sério as queixas de Dilma, porque elas são jogo de cena. A nota a seguir revela que o Brasil há muito usa gigantes como as americanas Microsoft e Google para espionar. A nota a seguir é apenas a ponta do iceberg. O Google nem falou ainda. Pior é quando a NSA revelar de que modo tem trabalhado com o governo brasileiro. 



Em um relatório de transparência divulgado neste sábado, a Microsoft revelou que dados de 2.019 contas e usuários foram requisitados por órgãos brasileiros. Foram 1.098 pedidos encaminhados por meio de ações judiciais entre janeiro e junho de 2013. As informações são referentes a serviços online como Skype e Outlook. Quase 71% delas tratam de informações do usuário ou de dados transacionais. Entretanto, em apenas 5,8% dos casos o conteúdo foi divulgado. Já em 22,7% deles não foi encontrado nenhum conteúdo, e 0,6% dos pedidos foi rejeitado pela empresa. As requisiçõs do Brasil, porém, estão longe do montante buscado em países como Estados Unidos, Turquia, Alemanha, Reino Unido e França, que concentram cerca de 73% do total de pedidos.

No total, a Microsoft (incluindo o Skype) recebeu 37.196 pedidos sobre 66.539 contas nos primeiros seis meses do ano. O número é menor, mas deve superar até o final de 2013 os 75.378 pedidos sobre 137.424 contas de 2012.

Caixa 2 - Folha denuncia uso de dinheiro grosso - e sujo - para pagamento de cabos eleitorais de Dilma

A Folha deste domingo (capa ao lado, em manchete) denuncia que cabos eleitorais da presidente Dilma Rousseff que aparecem como "voluntários" na prestação de contas de campanha de 2010, afirmam que receberam dinheiro pelo trabalho realizado no segundo turno da eleição. Leia tudo:

A Folha localizou 12 pessoas em Mato Grosso e no Piauí que dizem nunca ter atuado de graça, apesar de serem tratadas como prestadores de serviço sem remuneração nos papéis entregues pela campanha ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

. Inscrita no Bolsa Família aparece como doadora

. O motoboy Fernando Araújo Matos, 23, de Teresina (PI), é um desses "voluntários" de Dilma. Ele rodava a cidade em sua moto carregando bandeiras da candidata do PT.

. "No segundo [turno] fiquei só com a Dilma. Recebi R$ 300 e o tanque de gasolina."

CLIQUE AQUI para ler mais. 

Renan acaba de nomear a namorada de Dirceu. A mamata pública vale R$ 12.800 por mês. E eles dão risada.

Zé Dirceu acaba de empregar a namorada no Senado. Ela bota a mão em R$ 12.800,00 por mês num cargo de livre nomeação. Eles se servem como bem entendem com o dinheiro público. 


Da mesma forma que Lula empregou sua amante, Rosemary Noronha, que depois praticou malfeitorias de vários gêneros na sua condição de chefe do gabinete presidencial em SP, também Zé Dirceu emprega amante, ex-mulher e agora até a atual namorada no serviço público. Com salário de 12 800 reais, horário flexível e pouco ou quase nada para fazer, Simone Patrícia Tristão Pereira ocupa desde agosto o cargo de especialista em marketing de relacionamento no Instituto Legislativo Brasileiro

. A reportagem a seguir é de Robson Bonin e Adriano Ceolin, que revelam que a mamata foi assinada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, que também já usou dinheiro público para manter ex-amante em vida boa. Interpelado pelos repórteres, Renan desconversou: "Vou ver. Não sei se fui eu quem nomeou. Depois eu conto". O chefe direto de Marina, fotografado com ela no Senado, foi ainda mais evasivo e cínico: "Nem conheço essa moça". 

Ainda influente em Brasília, o ex-ministro José Dirceu, condenado por corrupção no escândalo do mensalão, conseguiu nomear Simone Patrícia, sua namorada, para um cargo de assessoria no Congresso. Salário: 12 800 reais  (Cristiano Mariz).

. Garantia de estabilidade, altos salários e uma rotina confortável. O serviço público no Brasil é um mundo restrito ao qual só existem duas formas de chegar. A primeira - alternativa da maioria dos brasileiros - requer estudo, sacrifício e dedicação para conseguir uma vaga via concurso público. Já a segunda, aberta a poucos privilegiados, exige apenas ter os amigos certos nos lugares certos. A recepcionista Simone Patrícia Tristão Pereira chegou perto disso justamente por essa segunda via. Dona de competências profissionais desconhecidas, ela conquistou um emprego invejável: desde agosto ocupa o cargo de especialista em marketing de relacionamento no Instituto Legislativo Brasileiro (ILB), órgão de capacitação do Senado Federal. Com salário de 12 800 reais, horário flexível e pouco ou quase nada para fazer, a moça não precisou se esforçar muito para chegar lá. Bastou acionar as pessoas certas - ou, no caso dela, a pessoa certa: o ex-ministro José Dirceu, réu condenado a dez anos e dez meses de prisão por corrupção ativa e formação de quadrilha no escândalo do mensalão. O casal assumiu meses atrás um namoro que começou há alguns anos.