PP diz que Simon é ingrato, renegando apoios que recebeu do Partido para se eleger Senador

A nota do PP é a que segue, editada no que tem de mais substantivo para reduzir o espaço usado.

O Partido Progressista do Rio Grande do Sul (PP/RS) ao tomar conhecimento das declarações do senador Pedro Simon, feitas na pré-convenção do PMDB, agredindo de maneira gratuita e injusta a senadora Ana Amélia Lemos, vem a público manifestar sua tristeza e decepção com essa atitude que apequena a política gaúcha. É estranho e lamentável que o senador Simon tendo tantas outras preocupações com o seu mandato, resolva atacar a sua atual colega, Ana Amélia, que por quase 40 anos como jornalista sempre foi respeitada por seu caráter, credibilidade, imparcialidade e defesa da liberdade e dos interesses maiores do Rio Grande. Prova disso é que quando optou pela política, filiando-se ao PP e concorrendo ao Senado em 2010, fez mais de 3,4 milhões de votos.

O senador, até para justificar suas três décadas de mandato, tem o direito de falar do passado, desde que não seja oportunista e ingrato, desconhecendo a verdade e os fatos, como por exemplo, que em 1998 ele foi o candidato oficial apoiado pelo PP e, portanto, eleito senador também com os votos dos progressistas. Esquece, também, que o Partido Progressista apoiou, no segundo turno, os candidatos a governador do seu PMDB, ajudando a elegê-los em duas eleições (1994/2002). Ao que se sabe o senador Simon, tão crítico hoje, não fez nenhuma objeção ao apoio e nem recusou os votos que recebeu dos progressistas.

Não reconhecer isso, além de injusto, mostra sua incoerência, pois passa a idéia de que o PP gaúcho só é bom quando lhe serve e lhe dá votos. Aliás, a mesma opinião oportunista ele faz em relação à imprensa, julgando-a boa só quando fala bem dele.

Isto é decepcionante e melancólico. 

Porto Alegre, 16 de março de 1014

                                                                                 Celso Bernardi

                                                          Presidente Estadual do Partido Progressista

Povo renega ultimato e permanece na praça para protestar contra o governo opressor da Venezuela

A foto aí ao lado mostra a resposta que o povo deu ao caudilhete Nicolás Maduro, que esta manhã deu ultimato para que os manifestantes saíssem da Praça Altamira, Venezuela, em duas horas, conforme notícia e foto do blog dolartoday.com:

Esta fue la respuesta que el pueblo de Caracas le dio al ultimatum de Nicolas Maduro quien aseguró que habría una respuesta demoledora por parte de su régimen si los manifestantes a favor de la democracia no se retiraban en las próximas horas de las calles de Chacao y Altamira.

Tuma Júnior diz que Dilma proibe manifestações de militares sobre golpe de 64. Ele pergunta: "E os golpes do Mensalão, da Petrobrás, da Rose e do Barba em Portugal"

Do Facebook deste domingo (CLIQUE AQUI para ver).

Proíbe Militares e demais integrantes do Governo, de manifestarem-se sobre o "Golpe" de 64, o Golpe do Mensalão, o Golpe das Emendas Parlamentares, o Golpe na Petrobras, o Golpe do "Marco Covil", o Golpe do Baú, o Golpe na distribuição das verbas Publicitárias, o Golpe da Rose e do Barba em Portugal, e outros vários Golpes que enumera....
Pena: Assassinato de Reputação e Exoreração imedata

Governo Dilma sabota liberação de dinheiro da Caixa para que Fortunati toque as Obras da Copa

Ela cochicha, faz promessas, mas por baixo dos panos tira proveito da ingenuidade política e boa fé do prefeito José Fortunati, que não se acostuma a lidar com pilantras. 



A nota abaixo é da editora de Política de ZeroHora, Rosane Oliveira. Ela revelas na edição deste domingo do jornasl que já se foram os primeiros 75 dias de 2014, e a prefeitura de Porto Alegre não recebeu sequer um centavo do empréstimo de R$ 466 milhões da Caixa Econômica Federal para as obras da Copa e de mobilidade urbana. Esse dinheiro todo é para tocar as conhecidíssimas Obras da Copa, um conjunto de 14 grandes obras de mobilidade urbana iniciadas pelo prefeito José Fortunati, mesmo sem ter o dinheiro prometido por Dilma nas mãos. Ele foi ingênuo e impetuoso, porque acreditou na palavra de Dilma, coisa que não deveria ter feito.  Agora, ele enfrentas um claro boicote, todo ele que tem como epicentro a secretaria do Tesouro, comanda pelo petista gaúcho Arno Augustin, mas que tem a cobertura da presidente Dilma. Dilma, pela frente, adula e faz promessas ao prefeito, mas pelas costas não libera nada porque quer vê-lo - e também o PDT e seus candidatos Vieira da Cunha e Lasier Martins - desgastados até a medula. Arno Augustin e o governo anterior do PT fez manobras igualmente desgastantes com a governadora Yeda Crusius no caso do empréstimo que ela tomou com o Banco Mundial. José Fortunasti já deveria saber com quem está lidando, porque foi traído quando esteve dentro do PT (por isto foi embora) e viu o que aconteceu com Yeda. Dilma faz a mesma coisa com o metrô e com a ponte do Guaíba. Vai empurrando tudo com a barriga, ganhando tempo, envolvendo e enganando Fortunati e a população do RS. É um jogo sujo e eleitoreiro - mais um - do governo Dilma, que prejudica claramente toda a população de Porto Alegre. Leia tudo:

A espera se arrasta desde o ano passado, quando a desculpa para o atraso era a necessidade de fechar as contas de 2013. A liberação foi anunciada no dia 28 de dezembro, mas não se consumou.

Confiantes de que os obstáculos tinham sido removidos, o prefeito José Fortunati e o secretário de Gestão, Urbano Schmitt, fizeram um acordo com as empreiteiras para acelerar as obras durante os meses de janeiro e fevereiro.

– Vamos fazer em dois meses o equivalente a quatro, aproveitando que a cidade está mais vazia – planejava Fortunati.


O contrato com a Caixa foi assinado no dia 14 de janeiro, e as empreiteiras se prepararam para retomar as obras que estavam paralisadas. O Ministério da Fazenda deu o aval, criando a expectativa de liberação. Janeiro e fevereiro passaram e nada de o dinheiro chegar. Quando a prefeitura cobrava, sempre faltava um detalhe. Na quinta-feira, dia 6, surgiu um novo e gigantesco obstáculo no caminho: a prefeitura foi inscrita no CAUC, o Serviço Auxiliar de Informações para Transferências Voluntárias, uma espécie de SPC do setor público. Quem está inadimplente ou com alguma prestação de conta de convênio pendente não pode receber financiamentos de bancos oficiais nem contratar empréstimo externo com aval da Fazenda.

A prefeitura foi informada de que havia uma prestação de contas pendente de 2009, de um convênio de R$ 780 mil, que envolveu o Grêmio Náutico União. Urbano garante que encaminhou para Brasília as provas de regularidade da prestação de contas, mas a semana terminou e nenhum sinal chegou do Planalto. Fortunati apelou para o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e para o chefe de Gabinete da presidente Dilma Rousseff, Giles Azevedo, que deixou o cargo na sexta-feira sem ajudar a desatar o nó no Ministério da Fazenda.

Cauteloso, o prefeito evita opinar sobre o que pode estar por trás da demora na liberação dos recursos, mas seus auxiliares trabalham com duas hipóteses: burocracia ou boicote. Há, de fato, indícios de sabotagem. Como explicar que só agora tenham sido descobertas falhas na prestação de contas de um convênio de 2009?

Enquanto os recursos federais não chegam, a prefeitura usa dinheiro dos impostos


Enquanto o governo federal não libera os R$ 466 milhões do empréstimo para as obras de mobilidade em Porto Alegre, a prefeitura vai se focar nas que têm relação com a Copa do Mundo: o corredor de ônibus da Padre Cacique, o entorno do Beira-Rio, o Viaduto Pinheiro Borda e o viaduto que liga a Júlio de Castilhos à Avenida Castelo Branco, o chamado xis da rodoviária. O resto vai ter de esperar sabe-se lá por quanto tempo.

O secretário de Gestão, Urbano Schmitt, garante que não há risco de as obras que integram a matriz de responsabilidade da Copa não ficarem prontas:

– Com ou sem empréstimo, essas serão concluídas. Vamos fazendo com recursos próprios, mas eles são limitados.

Já foram gastos R$ 97 milhões, que terão de ser repostos quando o empréstimo for liberado. Por conta da escassez de dinheiro, Urbano arquivou o sonho de chegar à Copa com o viaduto da Terceira Perimetral liberado ao tráfego no cruzamento com a Avenida Bento Gonçalves. A construtora chegou a acelerar as obras diante da perspectiva de liberação do empréstimo e tem R$ 18 milhões a receber por serviços já concluídos.

Inscrições para workshop sobre "Marketing Político de Oposição" entra na última semana

Esta é a última semana para as inscrições para o workshop "Marketing Político de Oposição", promovido pelo editor no Plaza São Rafael, dias 22 e 23, durante o qual falarão 9 convidados especiais.

. O evento tem características inéditas, porque permitirá apresentações para candidatos da oposição, englobando temas que vão das estratégias da campanha (jornalista e publicitário José Fuscaldo), passando por organização de campanhas (Clóvis Magalhães, ex-secretário de Gestão em Porto Alegre) até programações de TV (Tânia Mohr), rádio (Anilson Costa), internet (Fernando Ferreira) e jornal (Isara Marques). Domício Torres, ex-Ibope, contará tudo o que sabe sobre pesquisas, enquetes e trackings eleitorais.

. Informações podem ser solicitadas via e-mail polibio.braga@uol.com.br, inclusive neste final de semana.

CLIQUE AQUI para examinar em detalhes toda a programação, dados sobre valores e inscrições.

Com pacote, governo adia alta de 20% na energia

O jornal O Estado de S. Paulo deste sábado conta que a ajuda que o governo está concedendo para as distribuidoras de energia pode pesar no bolso do consumidor. Leia tudo:

Segundo cálculos de consultores e analistas do setor de energia, se o governo fizesse o reajuste neste ano, de uma só vez, as tarifas aumentariam, em média, mais de 20%. Além de pesar diretamente no orçamento doméstico, o aumento teria um impacto sobre a inflação de 0,56 ponto porcentual. O aumento da energia, sozinho, elevaria a inflação do ano para a casa de 6,56% - ou seja, acima da meta de 6,5%.

. Os cálculos levam em consideração uma premissa: cada bilhão de gasto no setor de energia equivale hoje a cerca de 1% de reajuste na conta de luz. O analista da J. Safra Corretora, Sérgio Tamashiro, estima que cada R$ 1 bilhão de perdas representa 1,1% de elevação na conta de luz. Como, do ano passado pra cá, a conta já soma R$ 21 bilhões, a alta chegaria a 23% nas tarifas de energia, sem considerar o reajuste de inflação. 


. A consultoria PSR, do especialista em energia Mario Veiga, trabalha com um número parecido. A PSR calculou, em detalhe, os impactos em cada distribuidora e chegou a essa coincidência numérica quando tirou a média de todos os resultados. O valor consta de relatório da PSR. Por essa base, o reajuste médio seria de 21%.

CLIQUE AQUI para ler tudo.
CLIQUE AQUI, também,, para ler "Encrenca adiada", Celso Ming. 

Simon diz em entrevista a Veja que poderá ser candidato

Ao bater, sábado, na senadora Ana Amélia e na RBS, o senador Pedro Simon (na foto ao lado, falando na pré-convenção de ontem) indicou para o PMDB quais os adversários que ele quer ver o PMDB enfrentando nestas eleições:

Governador - Simon sabe que o adversário mais consistente deste momento é Ana Amélia. Em nome de José Sartori, um velho quadro do Partidão (Sartori foi membro do Partidão) trata de desqualificá-la ideologicamente, plugando-a com a ditadura, o que não passa de rotunda mentira. O senador esquece que a ditadura acabou há 30 anos, mas o rótulo que tenta aplicar tem objetivos eleitorais.
Senador - Como quer ser candidato, o senador mira na RBS, tentando juntar Ana Amélia e Lasier Martins, candidato a senador pelo PDT, o número 1 das pesquisas, numa espécie de bancada da RBS, que cresceria ainda mais com a incorporação de Zambiasi à chapa de Tarso Genro.

. No site da revista Veja de hoje, Simon praticamente confirma sua candidatura, apesar dos 84 anos:
O sr. será candidato neste ano?

Eu acho que não. Eu estou muito velho. Para mim, o Senado não vai fazer falta. Cansei disso, foram 32 anos. Uma vida.

Miro Teixeira diz, no Rio, que Dilma faz acordos pornográficos

O deputado e pré-candidato ao Governo do Rio de Janeiro, Miro Teixeira (Pros), bateu sem dó e nem pena no governo da presidente Dilma Rousseff, a quem acusou de fazer “acordos pornográficos” e de ceder à chantagem feita por partidos da base aliada; declarações foram feitas durante encontro programático PSB/Rede/PPS, no Rio de Janeiro; mais cedo, o presidente do PPS, Roberto Freire, já havia acusado a presidente Dilma (PT) de praticar estelionato eleitoral.

. Miro e Freire apoiam a candidatura do governador Eduardo Campos, que tem também ampliado o tom das críticas ao governo. 

Tarso também se lançou candidato neste sábado. Ele insiste com Zambiasi para vice.

A festa que o PT fez ontem para comemorar os 67 anos do governador Tarso Genro sercviu para reforçar
 o lançamento da candidatura de Tarso à reeleição.

— O presente que o PT e os aliados vão te dar, governador, será a reeleição desse projeto no Estado. É Dilma lá, e Tarso aqui — discursou o presidente estadual da sigla, Ary Vanazzi.

.. Tarso Genro aceitou a candidatura:

— Eu me sinto capaz, já que assumi o Estado quebrado e promovi transformações. Eles (se referindo ao PMDB) dizem que o Estado será ingovernável com os aumentos que concedemos ao funcionalismo público. Bom, então eles que deixem com a gente.


. Tarso lembrou que o PTB ainda poderá indicar para seu vice o ex-senador Sérgio Zambiasi, que era aguardado na festa mas cancelou a presença minutos antes do evento.

- O governador recuou nas condições que tinha imposto para concorrer: a aprovação do projeto que renegocia a dívida dos Estados com a União, e que a presidente Dilma viesse apenas para o seu palanque nas eleições. Tarso chegou a afirmar que o Estado seria ingovernável e que o próximo governador seria um mero pagador de salários caso o projeto de lei não fosse aprovado, o que ainda não ocorreu.