O que espera o Congresso para mandar Dilma embora para casa ?

Oito de cada dez gaúchos desaprovam o governo Dilma, segundo pesquisa que o editor vem publicando desde ontem.

Os números foram recolhidos esta semana pelo Instituto Paraná Pesquisas.

O que espera o Congresso para mandá-la embora ?

Certamente o repúdio de 11 de cada 10 brasileiros.

Banda exige "cadeia" e "impeachment" de Dilma, esta tarde, diante da casa de Carlos Araújo. Dilma não apareceu.

A foto ao lado é de Diego Vara, da agência RBS, e foi publicada no site www.zerohora.com.br, disponibilizado na rede mundial de computadores. -


Um grupo de manifestantes que se intitularam membros da Banda Loka Liberal protestou em frente à casa do ex-marido de Dilma Rousseff, Carlos Araújo, na zona sul de Porto Alegre. A casa fica na beira do lago Guaíba. Foi esta tarde. A presidente chegou nesta sexta-feira à Capital para passar o feriado com a família.

Dilma estava na casa, mas não apareceu.

O protesto  contou até com tambor e começou as 15h40min. Participaram 10 jovens, homens e mulheres, que  surgiram com megafones e cartazes, pedindo "cadeia" e "impeachment".

Dilma não falou na TV, hoje, Dia do Trabalho, mas usou as redes sociais. Ela ficou com medo de panelaço. 

A segurança logo foi reforçada na calçada em frente à residência do ex-marido de Dilma, e as janelas da casa foram fechadas.

Enquanto a presidente descansa aqui, falta dinheiro ao Fundeb e os professores estão apanhando — disse Claudio Camozzato, 61 anos

Os manifestantes foram aplaudidos por carros que passaram pelo local. Seus ocupasntes abanaram e gritaram em apoio. 

Lula, o empregadinho da Odebrecht usa cálculo de comissão até para medir sua desonestidade

Nas fotos ao lado, Aécio e Cunha no comício da Força Sindical, cochicham e debocham dos quadrilheiros do PT, enquanto que Lula late raivoso contra a mídia. 


Empregadinho da Odebrecht, latindo como cão raivoso de cima do palanque do velho aparelho petista sindical da CUT, Lula gritou apoplético para a multidão perplexa que o ouviu esta tarde em São Paulo:

"Peguem todos os jornalistas da Veja e da Época, enfiem um no meio do outro e não dá 10% da minha honestidade".

Lula usa cálculo de comissão até para calcular honestidade.

Faz isto enquanto espera a vez de ir para a cadeia. 

STJ poderá soltar pai do menino Bernardo no dia 7

O STJ irá julgar no dia 7 de maio habeas corpus de Leandro Boldrini, pai de Bernardo Uglione Boldrini e um dos acusados da morte do menino em abril do ano passado. As informações são da Band.

O Supremo Tribunal Federal aceitou um pedido feito pela defesa do réu. Anteriormente, duas liminares chegaram a ser negadas pelo STJ, uma em novembro de 2014 e outra em março deste ano.

O mérito do habeas corpus de Leandro Boldrini agora será julgado pelo desembargador convocado do STJ Newton Trisotto.

- Bernardo Uglione Boldrini, de 11 anos, desapareceu no dia 4 de abril, em Três Passos. Dez dias depois, o corpo do menino foi encontrado no interior de Frederico Westphalen, dentro de um saco plástico, enterrado às margens de um rio. Foram presos o médico Leandro Boldrini, a madrasta Graciele Ugulini e uma terceira pessoa, identificada como Edelvânia Wirganovicz. Evandro Wirganovicz, irmão de Edilvânia, também foi preso acusado de cavar o buraco para a ocultação do cadáver. Os quatro foram indiciados e deverão ir a julgamento.

TAP mantém vôos apesar da greve dos pilotos

A TAP informou esta tarde o que segue, relativamente à greve dos pilotos programada para amanhã:

 Até o momento a TAP confirma os seus voos entre Lisboa e o Brasil, nos dois sentidos, para amanhã, sábado, dia 2 de maio de 2015.
Porém, recomenda que antes de se deslocar para o aeroporto, a partir de 6 h antes do voo faça a confirmação antes com o aeroporto de sua cidade, pelo telefone 0300.210.6060 ou via facebook da TAP.
Veja mais em
https://www.facebook.com/TAPPortugal

Sartori anuncia investimento de R$ 71 milhões em restauração de estradas na região Noroeste

Na abertura oficial da 17ª Fenamilho, nesta sexta-feira, em Santo Ângelo, o governador José Ivo Sartori anunciou investimento de R$ 71 milhões em estradas na região Noroeste do Estado. As obras fazem parte do Programa de Restauração de Rodovias financiado pelo Banco Mundial. 

As melhorias em andamento envolvem as restaurações das ERS-344, ERS-168 e ERS-561, além do asfaltamento da BRS-392 no trecho entre a ERS-551 (Eugênio de Castro) e o entroncamento da BRS-285 e ERS-344 (Entre-Ijuís). 

A principal rodovia da região, a ERS-344, vai receber R$ 14,8 milhões na restauração de 58,83 quilômetros até o final do ano. 

“Diante das imensas dificuldades financeiras enfrentadas pelo Estado, uma das nossas metas do ano é manter as rodovias em boas condições”, afirmou o governador.

Sartori anunciou que o DAER está realizando levantamentos para realizar melhorias em alguns trevos não previstos inicialmente no contrato de restauração. Os primeiros a receberem intervenções devem ser os trevos da Fenamilho e do Porco (entroncamento da ERS-344/472), ambos na ERS-344.

Outra ação importante em andamento na região é o acesso da BRS-392 em Eugênio de Castro. A obra foi recentemente iniciada e está em ritmo bem acelerado. A conclusão está prevista para o próximo ano. São 21,72 quilômetros de asfaltamento com R$ 21,7 milhões de investimento.


O governador também disse que a Secretaria dos Transportes e Mobilidade está trabalhando para retomar as obras do aeroporto de Santo Ângelo, interditado desde maio de 2013. “Os aspectos técnicos e jurídicos estão prontos. Esperamos retomar as obras em breve”, declarou.  

Semana que vem, Paraná Pesquisas divulgará intenções de votos para prefeito de Porto Alegre

A mídia gaúcha - jornal, rádio e TV - parece ter ignorado os resultados da pesquisa feita pelo Instituto Paraná Pesquisas sobre os 100 dias dos governos Sartori e Dilma, fazendo também um apanhado sobre a percepção dos eleitores gaúchos em relação aos seus senadores, deputados estaduais e federais.

O editor vem publicando os resultados desde quinta-feira.

O mesmo também fizeram jornais, sites e blogs como Gazeta do Povo, Diário do Poder, Brasil247 e TV Veja.

Nas notas abaixo, existe farto material sobre as pesquisas.

Na semana que vem, o instituto divulgará a pesquisa que está concluindo neste final de semana sobre as intenções de votos para prefeito de Porto Alegre.

O diretor do Instituto Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo, virá na semana que vem ao RS.

Dilma foge da TV e do panelaço, mas usa a Web para três discursos no Dia do Trabalho

Após cancelar o tradicional pronunciamento da Presidência da República na TV no Dia do Trabalhador, a presidente Dilma Rousseff divulgou nesta sexta-feira três vídeos gravados em seu gabinete no Palácio do Planalto com defesa de reajustes no salário mínimo. Os vídeos publicados nas redes sociais foram a alternativa encontrada pelo Planalto após os panelaços em repúdio ao governo que marcaram o pronunciamento da presidente no Dia da Mulher, em 8 de março.

Em sua primeira mensagem, a presidente exalta o ganho real de renda, que segundo ela beneficiou cerca de 45 milhões de assalariados e aposentados. "O salário mínimo cresceu 14,8% acima da inflação em seu primeiro mandato", diz Dilma.

A presidente também cita a Medida Provisória (MP) que enviou ao Congresso Nacional em março para manter a atual fórmula de reajuste do salário mínimo até 2019 e a correção da tabela do Imposto de Renda. A MP, porém, não incluiu benefícios na correção do salário dos aposentados e pensionistas, o que o governo considerou inconstitucional e oneroso para a Previdência. A lei que estabelece o mecanismo de cálculo para o reajuste do salário mínimo venceria neste ano e leve em conta a correção da inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior, mais a variação do PIB de dois anos anteriores. "Tudo isso vem garantindo um Brasil mais justo", diz a presidente no vídeo. Outras gravações devem ser publicadas nos perfis oficias da presidente no Twitter e no Facebook ao longo do dia.

No segundo vídeo, divulgado por volta do meio-dia, a presidente comentou a lei que regulamenta a terceirização de mão-de-obra. Como havia feito nesta quinta-feira em encontro com sindicalistas, defendeu a regulamentação, mas afirmou que é preciso diferenciar as atividades-fim das atividades-meio - o que o projeto aprovado pela Câmara dos Deputados em abril não faz.
"É preciso assegurar ao trabalhador a garantia dos direitos conquistados nas negociações salariais. É preciso proteger a Previdência Social da perda de recursos e, assim, garantir a sua sustentabilidade", disse ela. Dilma encerrou o vídeo de um minuto com uma afirmação extraída da campanha eleitoral e já desmentida pela prática do segundo mandato: "O meu governo tem o compromisso de proteger os direitos e as garantias dos trabalhadores".

No terceiro vídeo, embora tenha optado pelas redes sociais para se pronunciar justamente temendo a reação dos brasileiros, a presidente afirmou: "Temos de nos acostumar às vozes das ruas, aos pleitos dos trabalhadores". Na sequência, aproveitou para criticar, ainda que indiretamente, o governo do tucano Beto Richa no Paraná. Em referência velada ao confronto entre PM e professores grevistas na quarta-feira, Dilma pediu respeito ao direito de manifestação e de opinião. Temos de reconhecer como legitimas as reivindicações de todos os segmentos socais de nossa população. Temos de nos acostuma a fazer isso sem violência e sem repressão."
Nesta semana, professores insatisfeitos com o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), entraram em confronto com a Polícia Militar em Curitiba. Houve centenas de feridos nas imediações da Assembleia Legislativa. Na semana anterior, sindicalistas da rede estadual de ensino de São Paulo e manifestantes depredaram a sede da Secretaria de Educação, do governo Geraldo Alckmin (PSDB), e atacaram jornalistas que cobriam marchas na capital paulista.

Dilma ambém anunciou a criação de um fórum que reunirá as centrais sindicais de trabalhadores, os sindicatos de aposentados, as entidades patronais e o governo. É uma espécie de formalização da mesa tríplice, que já era adotada no governo para discutir temas como tempo de contribuição e o fim do fator previdenciário - este último cobrado da presidente pelas centrais sindicais na campanha eleitoral.

Dilma passará o feriadão em Porto Alegre

A presidente Dilma Rousseff passará o feriado do Dia do Trabalho ao lado da família, em Porto Alegre. É a segunda vez que ela faz isto em menos de dez dias. Ela embarcou na manhã desta sexta-feira em Brasília com destino à Capital.


A assessoria de imprensa da presidente confirmou que ela não terá compromissos oficiais em Porto Alegre. Ainda não há definição se Dilma retorna para Brasília no sábado ou no domingo.

Neste primeiro de maio, com medo de levar outro panelaço, Dilma resolveu fazer o tradicional pronunciamento do Dia do Trabalho pela Web.

Justiça Federal prorroga inscrições no Fies

A Justiça Federal de Mato Grosso determinou nesta quinta-feira (30) à noite que a União prorrogue o prazo para quem quer ingressar pela primeira vez no Fies (Fundo de Financiamento Estudantil).


As inscrições deveriam ter sido encerradas às 23h59 desta quinta, mas liminar concedida pelo juiz Raphael Cazelli de Almeida Carvalho prorroga o prazo por tempo indeterminado. O juiz atendeu pedido da Defensoria Pública da União. A decisão vale para todo país.

Professores ou marginais ? Estes bandidos encapuzados atacaram a PM no Paraná.

Nesta quinta-feira, a editora de Política do jornal Zero Hora advertiu o governo José Ivo Sartori a respeito de cenas de pancadaria e violência, caso ele protocole na Assembléia o projeto que adia os pagamentos dos ilegais aumentos salariais que Tarso Genro, PT, concedeu para professores e policiais, mas para serem pagos pelo seu sucessor, violando assim a Lei de Responsabilidade Fiscal, que não admite isto.

Rosane Oliveira apelou para a pancadaria do Paraná.

O editor mostrou no mesmo dia algumas fotos que demonstram que a PM do Paraná reagiu a ataques desfechados por black blocs, encapuzados, vândalos, marginais contratados pelas direções dos sindicatos dos professores, todos aparelhados pelo PT.

Em Porto Alegre, junho de 2013, houve algo parecido em Porto Alegre. A policia identificou e indiciou os bandidos mascarados.

Nas informações a seguir, o jornalista Reinaldo Azevedo, Veja, hoje, disponibiliza videos mais esclarecedores sobre a ação de vândalos.

As imagens são claras como filme de cinema.

Leia o texto e CLIQUE AQUI para examinar todos os videos.  

A Assembleia Legislativa do Paraná estava protegida por determinação judicial. A greve havia sido declarada ilegal — entre outras razões, porque não se reconheciam nem objeto nem objetivo. A causa alegada — eventual prejuízo para servidores aposentados — é falsa como nota de R$ 3. O sindicato dos professores, a exemplo do que ocorre em quase todo o país, é só um braço do PT e da CUT. Trata-se de política, não de justa reivindicação.

No alto, há um vídeo; abaixo, outros. Vejam como os ditos “manifestantes” se comportaram. A PM não bateu em professores, como se diz por aí. A PM enfrentou vândalos, enfrentou bandidos, enfrentou marginais.

Privatização do Salgado Filho sairá, sim, mas só no início de 2017.

O ministro Elise Padilha confirmou que  o governo privatizará o aeroporto Salgado Filho na licitação que abrirá no final do ano que vem (360 a 420 dias) ou início de 2017.

Quem levar o aeroporto atual, será obrigado a construir o 20 de Setembro em Portão. Terá 10 anos para fazer isto, ou seja, o novo aeroporto será entregue no final da próxima década.

Marco Alba rompe com Corsan. Serviços de água e esgoto serão licitados para quem oferecer melhores serviços.

O prefeito Marco Alba confirmou ontem que vai romper com a Corsan. Ele reclama da inoperância da estatal estadual.

Gravataí, RS, conta com serviços de água para apenas 72% da população.

Tratamento de esgoto só existe para 22% dos habitantes.

A prefeitura fará licitação para conceder os serviços, mas com metas de atendimento, podendo a concessionária ser privada ou pública,no caso a própria Corsan.

Zacher foi confirmado para o comando da ex-DRT

Flávio Zacher foi confirmado pelo PDT para o cargo de superintendente regional do Trabalho.

46 balões competem em Torres até domingo

É de não perder as atividades do 27o Festival Internacional de Balonismo. Desde ontem e até domingo, 46 balões participarão de competições.

200 mil pessoas são aguardadas em Torres, RS.

Teori, Toffoli e Mendes desarmaram o tripé armado por Moro para desmontar o escândalo da Petrobrás

Reportagem de capa da revista Veja desta semana, que já está nas bancas, avisa que balança o tripé do juiz Sérgio Moro:

- Prisão
- Delação
- Divulgação

A estratégia do juiz da Lava-Jato, inspirada no sucesso da faxina contra a corrupção na Itália dos anos 90, estava apoiada nos três pilares. Vinha funcionando extraordinariamente bem, mas a libertação dos empreiteiros por parte dos ministros Teori, Mendes e Toffoli rompe o “círculo virtuoso”.

De qualquer modo, o que o juiz já tem em mãos, apurado pela PF e MPF, são suficientes para enfiar na cadeia os maiores empreiteiros e boa parte dos políticos de segundo escalão que já tem nas mãos.

CLIQUE AQUI para saber mais. 

Oposição quer perícia em equipamentos da Petrobras por suspeita de destruição de provas

 A estatal alega ter eliminado registros em áudio e vídeo das reuniões do Conselho de Administração, do qual presidente Dilma fez parte.

A CPI da Petrobrás pediu cópia da gravação da reunião em que foi decidida a compra da Refinaria Pasadena, não foi atendida, insistiu e recebeu como resposta que a gravação foi destruída.

A gravação permitirá tirar a limpo o caso.

A reunião da compra foi presidida por Dilma. Dela participaram conselheiros conhecidos, que também aprovaram a aquisição. Entre eles, estava o empresário gaúcho Jorge Gerdau.

PF descobre laços impróprios entre Toffoli e Leo Pinheiro, empreiteiro do Petrolão que ele ajudou a libertar esta semana no STF

Nesta reportagem de Veja desta semana, a personagem principal é o ministro Dias Toffoli, um dos três ministros do STF que esta semana mandou soltar nove empreiteiros envolvidos no Petrolão.

Um dos beneficiados pela decisão de Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Teori Zavascki é o ex-presidente da OAS, Leo Pinheiro.

A revista revgela que investigação mostra que o ministro do STF e Léo Pinheiro, envolvido no petrolão e recém-libertado da cadeia, têm preocupante proximidade. O ministro Benedito Gonçalves, do STJ, também está no rol de amigões do ex-presidente da OAS.

Leia tudo:

No dia 13 de novembro do ano passado, o engenheiro Léo Pinheiro, sócio e presidente da empreiteira OAS, não imaginava que sua rotina estaria prestes a sofrer uma reviravolta em algumas horas. Era noite de quinta-feira. Trocando mensagens com um amigo, ele parecia tranquilo e informava: "Estou indo para a África na segunda". Depois, perguntou: "Você vai ao aniversário do ministro Toffoli no domingo?". O amigo respondeu que ainda não sabia se compareceria à festa. Marcaram um encontro para o sábado no Rio de Janeiro e outro para segunda-feira, 17, em São Paulo. Léo Pinheiro acabou não indo à África, ao Rio, a São Paulo nem ao aniversário do ministro. A Polícia Federal prendeu o engenheiro horas depois da troca de mensagens. Seis meses se passaram e esse diálogo, aparentemente sem relevância, ganhou outra dimensão. Léo Pinheiro foi solto na última semana no fim de um julgamento dividido, em que o voto do ministro Toffoli foi decisivo para sua libertação. Toffoli votou com o relator, ministro Teori Zavascki, para conceder habeas corpus ao empreiteiro Ricardo Pessoa, da OAS - decisão logo estendida aos demais presos da Lava-Jato. Se Toffoli tivesse votado contra a concessão do habeas corpus, Pessoa e Léo Pinheiro teriam sido mantidos atrás das grades.

Léo Pinheiro, ponta de lança do esquema de corrupção da Petrobras, acusado de desviar bilhões de reais e de subornar algumas dezenas de políticos, deve sua soltura à inadequada e estranha proximidade com o ministro Toffoli? É tão difícil afirmar que sim quanto que não. Para que os empreiteiros continuassem presos bastaria que um dos outros ministros que votaram a favor do habeas corpus, Gilmar Mendes e Teori Zavascki, tivesse discordado do relator. A questão é que, até onde se sabe, nem Gilmar Mendes nem Teori Zavascki têm relações com empreiteiros. Como mostra o relatório da Polícia Federal, Toffoli é próximo de Léo Pinheiro, da OAS. Ambos são amigos diletos do ex-presidente Lula, em cujo governo Toffoli, ex-advogado do PT, foi nomeado para o STF.

VEJA teve acesso a um relatório produzido pelos investigadores da Operação Lava-Jato a partir das mensagens encontradas nos telefones apreendidos com Léo Pinheiro. O documento mostra que o empreiteiro frequentava as altas esferas de poder da capital. O interlocutor que aparece marcando encontros com ele no Rio e em São Paulo e a ida à festa de aniversário de Toffoli é o ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Vale lembrar que Benedito chegou a ser o nome preferido do governo para assumir uma vaga no STF. "As mensagens demonstram uma proximidade entre Léo Pinheiro e Benedito Gonçalves, bem como a proximidade destes com o ministro Toffoli", conclui o relatório da Polícia Federal.

Depois do Fêmina, chegou a vez do Conceião fechar sua UTI Neonatal

A suspeita de uma bactéria resistente à medicamentos suspendeu os atendimentos para novos pacientes da UTI Neonatal do Hospital da Criança Conceição, em Porto Alegre.

A bactéria Klebsiella já tinha fechado a UTI Neonatal do Hospital Fêmina.

O problema ocorre por falta de cuidados com desinfecção e higiene.

Conceição e Fêmina pertencem ao grupo estatal federal GHC.

Com isso, os dois hospitais não estão mais recebendo gestantes de risco.

CLIQUE AQUI para ler o que escreve sobre a bacatéria o dr. Dráuzio Varella. 

Justiça ordena pela sétima vez que Sartori não atrase pagamento de salários

A Justiça do RS voltou a conceder liminar para impedir o atraso e o parcelamento dos salários de todos os servidores do governo do Estado.

A nova liminar foi concedida nesta quinta-feira. 

A decisão acatou o pedido da Federação Sindical dos Servidores Públicos do Estado (Fessergs), que representa todas as categorias do funcionalismo gaúcho.

Já foram seis decisões parecidas concedidas nas últimas semanas.

O governo não tentou cassar nenhuma delas e não parece preocupado com as decisões, alegando que elas serão inócuas no caso de falta total de dinheiro no caixa. 

Época revela a face de Lula como operador dos negócios da Odebrecht no exterior

Desta vez ainda não foi a revista Veja, porque o escândalo da semana vai sendo propiciado por Época, publicação controlada pela Rede Globo.

"Lula, o operador", é o título de capa, conforme reprodução ao lado.

O título remete a outros operadores, os da Lava Jato, que estão presos em Curitiba, como Fernando Baiano e Vaccari Neto.

Lula é apontado como o operador da Odebrecht.

Acontece que o Ministério Público Federal abriu há uma semana investigações sobre as atividades de Lula como caixeiro viajante de grandes empreiteiras brasileiras, com ênfase para a Odebrecht, grupo que já é um dos personagens principais dos inquéritos da Lava Jato.

Marcelo Odebrecht, presidente do grupo baiano, que no RS controla o Pólo Petroquímico via Braskem, é amigo do peito de Lula.

Ele também é amigo de FHC. Esta semana, sentou ao seu lado no jantar oferecido ao tucano por João Dória.

Na mesa, sentaram ao lado de FHC o dono da Odebrecht e o dono da Gerdau, Jorge Gerdau.

Os dois grupos são investigados, um na Lava Jato e o outro na Zelotes.

E FHC blindou os dois ao permitir que seus líderes sentassem ao seu lado;

Um recado para que tucanos não molestem nenhum dos dois, coisa que Lula já fez ao enquadrar o PT.

Ao contrário dos seus outros colegas empreiteiros envolvidos no Petrolão, Marcelo até agora não foi preso.

As investigações (leia abaixo) atingem em cheio o ex-presidente, mas nem de longe estão perto de causar os estragos que a Lava Jato ainda produzirá na vida de Lula.

Ministério Público abriu investigações para apurar tráfico de influência de Lula

Reportagem de capa da revista Época que já está circulando em todo o País, conta que auando entregou a faixa presidencial a sua pupila, Dilma Rousseff, em janeiro de 2011, o petista Luiz Inácio Lula da Silva deixou oPalácio do Planalto, mas não o poder. Saiu de Brasília com um capital político imenso, incomparável na história recente do Brasil. Manteve-se influente no PT, no governo e junto aos líderes da América Latina e da África – líderes, muitos deles tiranetes, que conhecera e seduzira em seus oito anos como presidente, a fim de, sobretudo, mover a caneta de seus respectivos governos em favor dasempresas brasileiras. Mais especificamente, em favor das grandes empreiteiras do país, contratadas por esses mesmos governos estrangeiros para tocar obras bilionárias com dinheiro, na verdade, do Banco Nacional de Desenvolvimento, o BNDES, presidido até hoje pelo executivo Luciano Coutinho, apadrinhado de Lula. 

Clicando na imagem ao lado, da revista, dá para entender mais rapidamente e melhor o que aconteceu. 

Leia a reportagem:

Como outros ex-presidentes, Lula abriu um instituto com seu nome. Passou a fazer por fora (como ex-presidente) o que fazia por dentro (como presidente). Decidiu continuar usando sua preciosainfluência. Usou o prestígio político para, em cada negócio, mobilizar líderes de dois países em favor do cliente, beneficiado em seguida com contratos governamentais lucrativos. Lula deu início a seu terceiro mandato. Tornou-se o lobista em chefe do Brasil. 

Nos últimos quatro anos, Lula viajou constantemente para cuidar de seus negócios. Os destinos foram basicamente os mesmos – de Cuba a Gana, passando por Angola e República Dominicana. A maioria das andanças de Lula foi bancada pela construtora Odebrecht, a campeã, de longe, de negócios bilionários com governos latino-americanos e africanos embalada por financiamentos do BNDES. No total, o banco financiou ao menos US$ 4,1 bilhões em projetos da Odebrecht em países como Gana, República Dominicana, Venezuela e Cuba durante os governos de Lula e Dilma. 

Segundo documentos obtidos por ÉPOCA, o BNDES fechou o financiamento de ao menos US$ 1,6 bilhão com destino final à Odebrecht após Lula, já como ex-presidente, se encontrar com os presidentes de Gana e da República Dominicana – sempre bancado pela empreiteira. Há obras como modernização de aeroporto e portos, rodovias e aquedutos, todas tocadas com os empréstimos de baixo custo do BNDES em países alinhados com Lula e o PT. A Odebrecht foi a construtora que mais se beneficiou com o dinheiro barato do banco estatal. Só no ano passado, segundo estudo do Senado, a empresa recebeu US$ 848 milhões em operações de crédito para tocar empreendimentos no exterior – 42% do total financiado pelo BNDES. Há anos o banco presidido por Luciano Coutinho resiste a revelar os exatos termos desses financiamentos com dinheiro público, apesar de exigências do Ministério Público, do Tribunal de Contas da União e doCongresso. São o segredo mais bem guardado da era petista.

Moralmente, as atividades de Lula como ex-presidente são, no mínimo, questionáveis. Mas há, à luz das leis brasileiras, indícios de crime? Segundo o Ministério Público Federal, sim. ÉPOCA obteve, com exclusividade, documentos que revelam: o núcleo de Combate à Corrupção da Procuradoria da República em Brasília abriu, há uma semana, investigação contra Lula por tráfico de influência internacional e no Brasil. O ex-presidente é formalmente suspeito de usar sua influência para facilitar negócios da Odebrecht com representantes de governos estrangeiros onde a empresa toca obras com dinheiro do BNDES. 

Eis o resumo do processo: “TRÁFICO DE INFLUÊNCIA. LULA. BNDES. Supostas vantagens econômicas obtidas, direta ou indiretamente, da empreiteira Odebrecht pelo ex-presidente da República Luis Inácio Lula da Silva, entre os anos de 2011 a 2014, com pretexto de influir em atos praticados por agentes públicos estrangeiros, notadamente os governos da República Dominicana e Cuba, este último contendo obras custeadas, direta ou indiretamente, pelo BNDES”.

Os procuradores enquadram a relação de Lula com a Odebrecht, o BNDES  e os chefes de Estado, a princípio, em dois artigos do Código Penal. O primeiro, 337-C, diz que é crime “solicitar, exigir ou obter, para si ou para outrem, vantagem ou promessa de vantagem, a pretexto de influir em ato praticado por funcionário público estrangeiro no exercício de suas funções, relacionado a transação comercial internacional”. O nome do crime: tráfico de influência em transação comercial internacional. O segundo crime, afirmam os procuradores, refere-se à suspeita de tráfico de influência junto ao BNDES. “Considerando que as mencionadas obras são custeadas, em parte, direta ou indiretamente, por recursos do BNDES, caso se comprove que o ex-presidente da República Luís Inácio Lula da Silva também buscou interferir em atos práticos pelo presidente do mencionado banco (Luciano Coutinho), poder-se-á, em tese, configurar o tipo penal do artigo 332 do Código Penal (tráfico de influência)”, diz o documento.

A investigação do MPF pode envolver pedidos de documentos aos órgãos e governos envolvidos, assim como medidas de quebras de sigilos. Nas últimas semanas, ÉPOCA obteve documentos oficiais, no Brasil e no exterior, e entrevistou burocratas estrangeiros para mapear a relação entre as viagens internacionais do ex-presidente e de integrantes do Instituto Lula com o fluxo de caixa do BNDES em favor de obras da Odebrecht nos países visitados. A papelada e os depoimentos revelam contratos de obras suspeitas de superfaturamento bancadas pelo banco estatal brasileiro, pressões de embaixadores brasileiros para que o BNDES liberasse empréstimos – e, finalmente, uma sincronia entre as peregrinações de Lula e a formalização de liberações de empréstimos bilionários do banco estatal em favor do conglomerado baiano.

A Odebrecht tem receita anual de cerca R$ 100 bilhões. É uma das principais empreiteiras investigadas pela Operação Lava Jato, que desmontou um esquema de pagamento de propinas na Petrobras. Segundo delatores, a construtora tinha um método sofisticado de pagamento de propinas, incluindo remessas ao exterior trianguladas com empresas sediadas no Panamá. A empreiteira, que foi citada pelo doleiro Alberto Youssef e por ex-funcionários do alto escalão da Petrobras, nega as acusações.


85,9% dos gaúchos acham que Dilma sabia de tudo no caso do escândalo da Petrobrás

Apenas 9,7% dos eleitores gaúchos acham que Dilma não sabia de nada e por isto nada fez em relação ao escândalo da Petrobrás.

81,8% consideram que o Petrolão é o maior escândalo da história do Brasil. Apenas 12,9% acham que não. 3,6% ficaram na dúvida. Apenas 1,7% preferiram ficar com outros escândalos.

A revelação está no resultado das entrevistas feitas esta semana pelo Instituto Paraná Pesquisas.

A tabulação demonstra que os gaúchos acompanham e compreendem o que acontece com o escândalo do Petrolão, mais conhecido como Lava Jato:

Dilma sabia de tudo e nãom fez nada - 57,78%
Dilma sabia, mas não pode fazer nada - 28,1%
Ela não sabia - 9,7%
Os demais não opinaram


8 de cada 10 gaúchos desaprovam o governo Dilma Roussef

O editor examinou esta manhã o conjunto completo das entrevistas feitas com eleitores gaúchos pelo Instituto Paraná Pesqisas no início desta semana, visando avaliar os 100 dias do novo governo Dilma Roussef. A pesquisa foi feita nas sete mesoregiões do RS.

O índice de desaprovação de Dilma é inédito na história republicana brasileira:

Desaprova - 79.4%
Aprova - 17,2%
Não sabe ou não opinou - 3,4%

A faixa etária de maior desaprovação é a que vai dos 25 aos 34 anos, com 84,6%. Apenas 13% deste eleitorado aprova o governo Dilma.

Homens desaprovam mais do que as mulheres: 80,7% contra 78,1%

De qualquer modo, em todas as faixas de idades e entre homens e mulheres, os índices são muito parecidos.

Em termos práticos, 8 de cada 10 gaúchos desaprovam Dilma.

A curiosidade da pesquisa corre por conta da posição do eleitor gaúcho em relação a uma nova eleição, caso Dilma fosse candidata:

Votaria nela - 45%
Não votaria - 53,3%
Não sabe ou não opinou - 1,7%