Dilma usa solenidade oficial para fazer o diabo

* Clipping Josias Souza.

Dilma Rousseff chamou a Brasília nesta quarta-feira governadores e prefeitos de cidades com mais de 250 mil habitantes. Anunciou, repare no vídeo, a liberação de R$ 33 bilhões para projetos de saneamento, mobilidade urbana e pavimentação. Em meio à pompa, tropeçou nas circunstâncias.A presidente aproveitou a solenidade oficial para rebater críticas do antagonista tucano Aécio Neves. Ele a aconselhara a “descer do palanque” para governar. E ironizara o que chamou de eliminação da pobreza extrema “por decreto”. Assediada pelo Tinhoso, Dilma fez do púlpito do Planalto um caixote.

. “Todo mundo acha que o Bolsa Família a gente faz na canetada. O Bolsa Família precisou de arte e de engenho, precisou de vontade política. Isso não é milagre, não é malabarismo”, afirmou. Na plateia, três governadores tucanos: o paulista Geraldo Alckmin, o goiano Marconi Perillo e, suprema ironia, o mineiro Antonio Anastasia.Dilma disse que seu governo tirou, sim, 22 milhões de pessoas da condição de pobreza extrema. Algo que só foi possível, segundo ela, porque Lula iniciou o trabalho. De novo, a insinuação de que o petismo não recebeu nada de herança, começou tudo do zero. Asmodeu parecia ditar as palavras da presidente.

. “O presidente Lula deu a grande contribuição de mostrar que o Brasil podia distribuir renda e reduzir a desigualdade. Essa é uma prova histórica. Só porque ele fez isso, nós pudemos acabar com a pobreza extrema do cadastro do Bolsa Família. Só uma experiência de dez anos permitiu que nós olhássemos e víssemos que dava para tirar.”

. O contrário do antitucanismo primário é um pró-petismo inocente, que aceita todas as presunções do PT a seu próprio respeito. Em matéria de política social, isso inclui concordar com a tese segunda a qual as presidências de Lula e Dilma têm uma missão no mundo, de inspiração divina e, portanto, indiscutível.
O problema é que o mito da excepcionalidade moral não resiste a um rápido passeio pela história recente. O Bolsa Família foi instituído pela lei 10.836, sancionada por Lula em janeiro de 2004. A peça pode ser lida aqui. Traz no ‘parágrafo único’ do artigo 1o as digitais de FHC. O programa “tem por finalidade a unificação dos procedimentos de gestão e execução das ações de transferência de renda do governo federal”, anota a lei.

. Em seguida, o texto passa a empilhar as ações que seriam unificadas: Bolsa Escola, Bolsa Alimentação, Auxílio-Gás… Coisas criadas sob FHC. A clientela desses programas seria reunida no ‘Cadastramento Único do Governo Federal’, instituído por decreto no ano de 2011, também sob FHC.
Ou seja, falta à indústria da informação e do diversionismo do governo e do PT uma pitada de humildade. Coisa de criança, diria FHC.

CLIQUE AQUI para ler mais. No link, você poderá examinar o video com a fala de Dilma, além da legislação que comprova que os programas sociais tiveram origem no governo FHC.


Brizola Neto perdeu o apoio da Força Sindical por que interrompeu o trenzinho da alegria de Paulinho


* Clipping coluna Radar, Veja

Foi por água abaixo a chance de, pela primeira vez na história, a Força Sindical desbancar a CUT em número de filiados. No início do ano, Brizola Neto suspendeu os processos de registros de associações de pescadores em tramitação no Ministério do Trabalho. Cerca de 600 sindicatos (de pescadores, enfatize-se) seriam incorporados à central de Paulinho da Força, o bastante para a Força assumir a liderança.

O trem da alegria pelego possibilitaria que algumas cidades tivessem mais de 30 sindicatos de pescadores. A partir daí, a relação entre os antigos aliados azedou. Paulinho, que indicou Brizola para assumir a pasta em março de 2012, agora defende simultaneamente a substituição do ministro e a recondução de Carlos Lupi na presidência do PDT.

Santa Maria - Por que a Polícia de Tarso ouve Schirmer e não ouve Tarso ?

Opinião do leitor

Por que o prefeito de Santa Maria foi convidado a depor na polícia e o governador Tarso não? As responsabilidades são as mesmas. É verdade que servidores municipais e até secretários serão indiciados, mas também servidores estaduais e até o comandante do Corpo de Bombeiros de Santa Maria também irão paras a mesma lista, mas é discriminatório ouvir o prefeito explicar o que faz um prefeito em casos como esses e não ouvir o governador explicar o que faz um governador em casos como esses.

Ouça-se Tarso Genro na Polícia.

Plínio de Souza, Porto Alegre.

A informação a seguir é do jornal Zero Hora de hoje:

A Polícia Civil deve remeter à Justiça, talvez ainda no início da próxima semana, as conclusões sobre o incêndio na boate Kiss. O fim de semana é de encontros entre os cinco delegados que acompanham o caso e o chefe de Polícia, delegado Ranolfo Vieira Junior. O objetivo: bater o martelo sobre pontos que ainda não são consensuais na investigação. A apuração criminal poderá ser utilizada por famílias das vítimas em ações cíveis de indenização. Inclusive contra o Estado e prefeitura, já que devem ser responsabilizados servidores públicos pela cadeia de fatos que levaram à tragédia. O dia do envio do inquérito à Justiça não está decidido. Alguns policiais interpretam que, por existirem suspeitos presos, a investigação teria apenas 10 dias para ser concluída, após a decretação da prisão preventiva – prazo que termina nesta segunda-feira. Outros pensam que a prazo pode ser prorrogado, mesmo com indiciados presos. Com base em entrevistas com policiais, peritos, promotores e fiscais, Zero Hora obteve um panorama dos prováveis indiciamentos e também de outros sobre os quais permanecem dúvidas. Uma incógnita se refere ao prefeito Cezar Schirmer, cujo indiciamento depende das conclusões das investigações. Pelo menos oito investigados podem ser submetidos à júri popular. Veja quem pode, no entender dos policiais, ser penalizado pela maior tragédia gaúcha, que resultou na morte de 241 pessoas.