Reportagem, Época - Se um deputado Federal da base do Governo vê o filho morrer desta forma, o que sobra para o pobre cidadão brasileiro ?

Flávio Dino: "É uma amputação irreparável"
O ex-deputado viu o filho morrer de asma dentro de um hospital privado de Brasília. Diz que o menino foi vítima de um sistema ganancioso e desumano

Na manhã de 14 de fevereiro, uma terça-feira, pouco depois das 6 horas, o ex-deputado federal Flávio Dino (PCdoB-MA), de 43 anos e pai de dois filhos, recebeu uma ligação da mulher, Deane Maria. Ela falava do Hospital Santa Lúcia, um dos maiores de Brasília, para informar que Marcelo, o caçula, sofria uma nova crise de asma depois de 16 horas de internação. Dino pegou o carro e, por ruas ainda vazias, chegou ao hospital em poucos minutos. No trajeto, o ex-deputado se manteve calmo. Previu que Marcelo passaria por uma sessão de nebulização e logo estaria bom de novo.

Ao entrar na unidade de tratamento intensivo (UTI), deparou com uma cena bem diferente da que imaginara. Marcelo ocupava uma das cinco camas, cercado por três médicos – uma mulher e dois homens –, visivelmente tensos. O filho estava inconsciente, com o rosto roxo, e parecia não respirar. “Adrenalina”, disse um dos médicos, enquanto fazia massagens cardí-acas. Poucos minutos depois, viram os dois médicos deixar a sala. A médica ficou inerte em frente a Marcelo por alguns ins-tantes. Em seguida, dirigiu-se ao casal: “O Marcelo não resistiu”.

O destino de Marcelo gera consternação porque, apenas dois dias antes, era um adolescente ativo. No domingo, Dino e Marcelo pedalaram 10 quilômetros pelo Eixão, principal avenida de Brasília. Na segunda-feira, de volta à rotina, Dino viajou a trabalho para São Paulo. Desde junho do ano passado, preside a Empresa Brasileira de Turismo (Embratur). Marcelo foi para o colégio, onde cursava o 9o ano do ensino fundamental. No final da manhã, o flamenguista Marcelo teve uma crise aguda de asma durante uma partida de futebol de salão. Sentiu falta de ar, vomitou e desmaiou. Foi socorrido e levado para o Santa Lúcia. Por volta das 14 horas, foi internado na UTI adulta do hospital e, mais tarde, transferido para a pediátrica. O prontuário médico registrou que seu quadro exigia monitoramento e que o menino necessitava de oxigenação. A mãe, Deane, fazia com-panhia.

No início daquela noite, quem assumiu o plantão do Santa Lúcia foi a médica Izaura Emídio. Aos 39 anos, especializada em pediatria e terapia intensiva, ela já vinha de uma jornada de 12 horas de plantão no Hospital Regional de Taguatinga. Ao che-gar, foi informada sobre as condições de saúde dos três pacientes da UTI: dois bebês e Marcelo. “Ele estava conversando nor-malmente. Estava ansioso. Não estava cansado”, disse Izaura à polícia. A situação parecia tão tranquila que Deane aconselhou o marido, que pousava em Brasília de volta de São Paulo, a nem seguir para o hospital. Marcelo dormia em paz e, possivelmente, teria alta no dia seguinte, logo cedo. Durante a madrugada, a médica Izaura visitou a UTI pediátrica duas vezes. Avaliou que Marcelo e os demais pacientes apresentavam “saúde estável”.

Tudo seguia bem até as 4 horas, quando o menino deveria receber dois remédios para asma. Isso não aconteceu. Aí começa-ram as complicações. Às 5h30, a médica Izaura foi chamada para ajudar num parto no centro obstétrico, ao lado da UTI pediá-trica. Marcelo só foi tomar o remédio às 6 horas. Em seguida, começou a passar mal. A mãe, Deane, pediu à auxiliar de enfermagem que chamasse a médica. Izaura não chegou. Depois de terminar o parto, ela foi trocar o uniforme. Enquanto isso, a crise de Marcelo se agravou.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

* Clipping revista Época deste sábado.

Simon e Fortunatti irão ao "Prato do Dia", segunda, para ouvir Ferraz falar sobre eleições de 2012

Sinmon e o prefeito José Fortunati estarão segunda-feira ao meio dia na reunião-almoço "Prato do Dia", promovido pelo PMDB de Porto Alegre, que terá como palestrante o ex-reitor da Ufrgs e cientista político Francisco Ferraz. Ele analisará o cenário político de 2012.

. Antes do almoço, só se falará de eleições em Porto Alegre no Salão dos Espelhos do Clube do Comércio. Cada almoço custará R$ 25,00.

Chegou a hora do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, do PT?

- Esta reportagem de Veja que circula neste momento, pode ser a pá de cal que faltava para cassar o mandato do governador Agnelo Queiroz, do PT. Leia:

Parecia impossível. Mas o governador do Distrito Federal, o petista Agnelo Queiroz, conseguiu se enrolar ainda mais. O mais novo escândalo terminou com a queda do diretor da Polícia Civil, Onofre de Moraes. A demissão foi anunciada na tarde desta quinta-feira. Em imagens divulgadas na internet, Moraes aparece fazendo declarações que comprometem o governador. O vídeo foi divulgado pelo jornalista Edson Sombra - o mais próximo aliado de Durval Barbosa, que delatou o esquema de corrupção nas gestões de Joaquim Roriz e José Roberto Arruda.

. “Quando o seu governador [Agnelo Queiroz] estiver saindo num camburão da Polícia Federal e eu estiver aposentado eu só vou falar: ‘Pega a diretora para tirar ele [da cadeia]’”, afirma o delegado Onofre de Moraes a Sombra, diante de três testemunhas. O vídeo foi feito em junho, antes que Onofre assumisse o comando da Polícia Civil. Na época, ele criticava a então ocupante do cargo, Mailine Alvarenga.

. Em outro trecho, Onofre afirma que a lista de denúncias contra Agnelo vai motivar a renúncia do governador: "Vai um bandido preso na DP e diz: ‘Aquele delegado é um corrupto porque me tomou isso e me tomou aquilo’. Aí o juiz, primeiro, não vai acreditar. Aí vem o segundo bandido, o terceiro. Aí o juiz vai dizer: ‘Ele é bandido mesmo’. É o que vai acontecer com o Agnelo. Vem o primeiro processo, Polícia Federal, Ministério Público, um processo, outro, outro. Sabe o fim dele qual é? Renúncia". As afirmações dão força à tese de que a nomeação de Onofre para o comando da Polícia Civil, em novembro, foi uma espécie de cala-boca para o delegado.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

PV de Gravataí apóia Marco Alba para prefeito e quer indicar vice na chapa

Foi nesta sexta-feira a noite a reunião do PV de Gravataí, o mais importante do RS, que decidiu apoiar a candidatura do deputado Marco Alba, PMDB, mas ao mesmo tempo reivindicar a posição de vice e indicar para a disputa os nomes de  Marcos MonteiroFernanda Kauer e Liége Regina da Silva.

PSB começa em Palmeira das Missões seus 11 encontros regionais para preparar disputas eleitorais

Começou neste sábado em Palmeira das Missões, RS, o primeiro de onze encontros regionais que o PSB realizará no Estado, destinados a reunir candidatos a prefeito, vice e vereador. Neste domingo, a cidade escolhida é Santa Rosa.

. Os encontros incluem na pauta as questões de conjunturas nacional e estadual, além de análises dos quadros eleitorais municipais e regionais, mais estratégias eleitorais, inclusive marketing de campanha.

- Em Porto Alegre, o PSB já se decidiu pelo apoio a Manuela D'Ávila, do PCdoB.

Dilma fala para Veja - O Brasil aos olhos de Dilma

- A revista Veja que circula neste sábado em Porto Alegre, ouviu Dilma Roussef durante duas horas no Palácio do Planalto, esta semana. 

Aos olhos de muita gente, a presidente Dilma Rousseff deveria estar uma pilha de nervos na semana passada. Ela vinha de uma viagem à Alemanha, onde pareceu, inadequadamente, dar lições de governança à chanceler Angela Merkel. Na reunião que teria com os maiores empresários brasileiros, ela lhes daria “um puxão de orelha”, e, para completar o quadro recente de tensão, a base aliada do seu governo no Congresso estava em franca rebelião, contrariando seguidas iniciativas do Palácio do Planalto nas votações. Como pano de fundo da semana caótica, havia o fato de Dilma ainda não ter convencido a opinião pública de ser a grande gestora que o eleitorado escolheu para governar o Brasil em 2010. Como escreve nesta edição J.R. Guzzo, colunista de VEJA, capturando uma sensação mais ampla, “a maior parte das atividades do governo brasileiro hoje em dia poderia ser descrita como ficção”. Mas Dilma não estava nem um pouco tensa quando recebeu a equipe de VEJA (Eurípedes Alcântara, diretor de redação, e os redatores-chefes Lauro Jardim, Policarpo Junior e Thaís Oyama) na tarde de quinta-feira passada para uma conversa de duas horas em uma sala contígua a seu gabinete de trabalho no Palácio do Planalto, em Brasília.

. Dilma vinha de encerrar a reunião com os empresários, em que, disciplinadamente, cada um dos 28 presentes teve cinco minutos para falar, e não pareceu ter dado — ou levado — metafóricos puxões de orelha. “Tivemos uma conversa séria. Coisa de país que sabe onde está no mundo e aonde quer chegar”, disse ela.

CLIQUE AQUI para ler mais.

Servidores estão em pé de guerra na Fepagro. Denúncias podem derrubar presidente Danilo dos Santos.

- O secretário da Agricultura, Luiz Mainardi, receberá esta semana os servidores. Se eles não forem atendidos, os passos seguintes serão o Ministério Público e a Assembléia. As maiores queixas relacionam-se com o modo autoritário com que trabalham os diretores e seus assessores do PT.

Assédio moral, coerção, improbidade administrativa, contratos lesivos ao erário público, entre outros, são algumas das justificativas apontadas pelos servidores para exigirem a saída do diretor-presidente Danilo Rheinheimer dos Santos e do diretor administrativo Felipe Ortiz. Em repúdio aos acontecimentos, todos os comissionados pretendem entregar seus cargos e FG’s na próxima terça-feira, mostrando descontentamento com os rumos dos acontecimentos.

. Na última terça-feira, após assembleia geral, no auditório da instituição, todos os servidores foram na Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio numa última tentativa te obterem uma audiência com o secretário Luiz Fernando Mainardi, após passado o prazo legal para manifestação deste (após entrega de documento com denúncias). Na oportunidade foram recebidos pelo secretário substituto Claudio Fiorezze. Na quinta-feira, o mesmo documento foi protocolo na Casa Civil para entrega ao governador Tarso Genro.

. Na tarde desta sexta-feira, a entidade representativa dos servidores convocou uma reunião para discutir a conduta durante a audiência com o secretario Mainardi na próxima terça.Segundo os servidores, várias irregularidades vêm sendo realizadas como a contratação, via dispensa de licitação, de uma empresa para trabalhar na área de informática  num valor R$ 125 mil por um contrato de seis meses. Vale lembrar que o servidor que atuava no setor foi deslocado para outra área da instituição e outros dois concursados ainda não foram chamados. Os salários dos três servidores ficariam bem abaixo destes valores.
                
. Pesquisadores têm dificuldades para viajar e acompanhar seus experimentos. Os deslocamentos são acompanhados com mão-de-ferro pelo diretor administrativo.

. Na contramão das proibições o mesmo utiliza os veículos oficiais para uso pessoal, inclusive com frequentes viagens a Santana do Livramento, sempre acompanhado. Pesquisadores com pós-doutorado aprovados no último concurso foram coagidos a aceitar transferência para unidades de pesquisa do Interior onde não há sequer telefone, muito menos computadores e laboratórios. Outros foram obrigados a mudar de área de pesquisa, abandonando trabalhos em andamento. Tudo isto sob ameaça do diretor-presidente da instituição.
              
. Preocupados com a segurança da instituição, os diretores colocaram câmeras de vigilância, estão em tratativas para colocar catracas nas entradas, ponto biométrico, entre outros. Enquanto isso não temos serviço de limpeza (vivemos num ambiente sujo, laboratórios contam com a colaboração dos técnicos para mantê-los com o mínimo de higiene), vigilância (qualquer pessoa entra e sai da Fepagro sem ser visto),  além de não termos copos para água nos bebedouros e, em seguida, não teremos papel higiênico nos banheiros.

Da Camino ataca presidente da Famurs: "Fascista é a impunidade"

O procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas do RS, Geraldo Da Camino, defendeu neste sábado a proposta do TCE,  estimulada por ele, de elevar de R$ 1,5 mil para algo entre R$ 3 mil a R$ 20 mil, as multas aplicadas a prefeitos gaúchos flagrados em descumprimento de normas financeiras e orçamentárias nos seus municípios.

. Esta semana, o presidente da Famurs, Mariovane Weiss, atacou a proposta, chamando-a de fascista. Weiss é prefeito de Sao Borja, é do PDT. Filho de um ex-prefeito trabalhista amigo pessoal de Brizola, faz política desde criança e não tem medo de ninguém. No seu artigo, Geraldo Da Camino ataca o prefeito, insinuando que ele defende a impunidade.

- A proposta de Geraldo Da Camino será examinada pela Assembléia. Como a casa é política, os prefeitos terão maior peso na decisão junto aos deputados. O procurador também protocolou um projeto que lhe confere superpoderes, criando dezenas de cargos e elevando valores de dispêndios no MP junto ao TCE, além de conferir status de verdadeiro novo Poder no RS. 

Piso do magistério já faz estragos na campanha de Lindenmeyer em Rio Grande

A OAB nesta sexta-feira e PPS neste sábado, criarão um problema de ordem ética insuperável para o deputado Alexandre Lindenmeyer, do PT, porque seu escritório foi flagrado captando clientes entre os professores inconformados com a falta de pagamento do piso nacional do magistério, enquanto seu titular votava contra o piso na Assembléia.

. Lindenmeyer responderá no Tribunal de Ética da OAB, segundo decisão desta sexta. Neste sábado, o PPS examinará proposta do ex-deputado Mário Bernd e levará o deputado ao Conselho de Ética da Assembléia.

. O deputado não consegue sair da armadilha ética, por mais que tente. Seus colegas tentam justificar o deputado, mas atrapalham mais ainda o imbroglio.

. O incidente já faz estragos na candidatura de Lindenmeyer a prefeito de Rio Grande, onde aparecia como favorito. É que a exemplo da maior parte dos petistas gaúchos, também o deputado construiu um discurso de defesa dos princípios éticos na política, na vida pessoal e no desempenho profissional. Em Rio Grande, Lindenmeyer sempre se comportou como um verdadeiro catão da moral alheia - dos adversários - buscando votos com suas campanhas lacerdistas. 

- O caso do deputado do PT não é mais grave do que a cena circense protagonizada pelo governador Tarso Genro, que critica quem criou o piso nacional do magistério no formato em que se encontra, esquecendo que foi ele mesmo quem assinou o decreto e defendeu a vantagem durante a campanha eleitoral. 

Anibal e Tripoli fazem campanha contra Serra neste sábado. Prévias em SP sairão neste domingo.

Apenas o ex-governador José Serra não fez campanha na manhã deste sábado, porque os outros dois candidatos à vaga do Prefeito Gilberto Kassab, no caso José Anibal e Ricardo Tripoli, foram buscar os filiados ao PSDB para que votem neles nas prévias deste domingo.

. Aquele que for escolhido pelos 21 mil filiados, será o candidato tucano.

. As últimas pesquisas internas mostram que Serra vencerá as prévias com 63% dos votos. Nas pesquisas do DataFolha, o candidato lidera com larga margem as intenções de voto.

Análise, Ricardo Kotscho - Auxiliar de Dilma avisa: "Nossa vida será dura daqui por diante"

- A análise a seguir é de Ricardo Kotscho, ex-secretário de Imprensa de Lula, jornalista ligadíssimo ao PT e ao governo, mas bom e correto profissional.
"Nossa vida será dura daqui por diante...", comentou comigo no domingo um importante colaborador de Dilma que trabalha no Palácio do Planalto.
O amigo nem poderia imaginar o tamanho da encrenca. Ao bater de frente com a base aliada, na passagem do verão para o outono, o governo comprou a maior crise política desde a posse da presidente há 15 meses.
Já não dá mais para esconder que Dilma perdeu o controle da situação no Congresso Nacional e agora sofre uma derrota atrás da outra.
A turma de Sarney, Renan e companhia bela resolveu comprar a briga e pagar para ver, depois que o novo líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM) anunciou ter "chegado o momento de novas práticas políticas".
O dia 21 de março de 2012 certamente não será esquecido tão cedo pelos habitantes do Palácio do Planalto. Como se não tivesse a menor ideia da bomba relógio armada no Congresso, o secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, começou a quarta-feira anunciando tempo bom.
Falando sobre a crise entre Executivo e Legislativo, Carvalho garantiu que "isso está superado". Avaliou que "está tudo ótimo, está tudo bem". E tranquilizou o País: "as coisas estão numa dinâmica muito normal".
Logo em seguida, o Congresso Nacional começou a desabar sobre a cabeça do governo. Sem ninguém prever, a bancada ruralista impôs a primeira derrota ao governo na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara ao transferir da União para o Congresso a responsabilidade da demarcação de terras indígenas.
CLIQUE AQUI para ler tudo.