Incêndio de grandes proporções atingem casa noturna em Porto Alegre. Não há feridos.

As redes sociais já postam fotos de um incêndio de grandes proporções atingiu toda a parte interna do Cabaret, casa noturna localizada na Avenida Independência, em Porto Alegre. As primeiras informações do Corpo de Bombeiros apontam que o fogo não se alastrou para os terrenos vizinhos e que não há feridos.

Quatro viaturas atenderam a ocorrência.O assessor da casa, Yog Mars, avisou que o gerente chegou no local, vazio no momento, e deparou com as chamas.

CLIQUE AQUI para ver fotos no Facebook.

Desembrgador, presidente do Tribunal, assumiu por poucas horas o governo do RS


O presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Marcelo Bandeira Pereira, assumiu esta manhã (4/5) como governador do Estado. A transmissão do cargo realizou-se numa rápida solenidade no Palácio Piratini durante encontro com o vice-Governador Beto Grill, que estava no exercício da função.

. O desembargador Marcelo Bandeira Pereira assumiu porque o titular, o governador Tarso Genro, encontrava-se em viagem ao exterior, devendo retornar ao Estado ainda hoje. Já o Vvice-Governador Beto Grill viajou neste sábado para os Estados Unidos, onde permanece até o dia 15. O segundo na linha de sucessão, Pedro Westphalen, presidente da Assembléia, está na Europa. 

Cony e Manuela miram para dentro do Piratini ao defenderem mar de lama do PCdoB

Guerra de bugio - Ao lado, da esquerda para a direita: Jussara Cony, Manuela D'Ávila, o ex-secretário Carlos Fernando Niedersberg (preso na Operação Concutare) e Nelcir Tessaro, PSD, candidato a vice na chapa de Manuela em 2012. Tessaro chegou a ser dado como preso pela PF, mas foi rebate falso.  


O governo Tarso Genro não foi surpreendido apenas pela descoberta do mar de lama encontrado pela Polícia Federal na secretaria estadual do Meio Ambiente e Fepam, feudos sob o controle do PCdoB, mas resultou alarmado com a reação de dois dirigentes de primeiro escalão do Partido, que acabaram envolvendo na discussão a chamada Sala de Gestão, localizada no porão do Palácio Piratini e que tem a condução direta do próprio governador do PT.
. Jussara Cony, ex-secretária do Meio Ambiente e atual vereadora em Porto Alegre, suspeita de ter recebido dinheiro sujo desviado da secretaria, e a deputada Manuela D'Ávila, citada por 10 entre 10 políticos e por 10 entre 10 jornalistas como possível beneficiária de recursos para sua campanha à prefeitura da Capital, miraram diretamente no Piratini ao se defenderem:

- Os principais projetos em exame na secretaria estadual do Meio Ambiente são os da Sala de Gestão.
. As declarações não foram acidentes de percurso.
. O PCdoB acha que existe dedo do PT nas ações da Polícia Federal e tratou de mostrar as garras.
. Estes são os chamados projetos estratégicos que estão subordinados à Sala de Gestão, cujo tutor é Tarso Genro:

- Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (Suasa), Mais Água, Mais Renda, Programa Gaúcho de Microcrédito, o Plano Diretor do Turismo, RS Tecnópole, Prouni RS, RS Indústria Oceânica, Fortalecimento das Cadeias e dos Arranjos Produtivos Locais, Irrigando a Agricultura Familiar, Fortalecimento dos Sistemas Produtivos da Agricultura Familiar e Programa de Combate às Desigualdades Regionais.

. Provocada pelo governo estadual, a PF disse que não há nada contra os projetos estratégicos. O Piratini não disse que as dúvidas a respeito disto partiram do seu aliado, o PCdoB. 

O gaúcho Arno Augustin, ex-secretário de Olívio, poderá ser ministro da Fazenda e tesoureiro da campanha de Dilma

Secretário do Tesouro integra articulações para a reeleição da presidente Um dos nomes mais influentes da Fazenda, Augustin já participa da definição das alianças eleitorais nos Estados

* Clipping Folha, by Natuza Nery e Valdo Cruz, Brasília.


Um dos nomes mais influentes da equipe econômica transita agora pela política. O secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, foi admitido nas articulações para reeleger a presidente Dilma Rousseff em 2014 e é um dos nomes que vão integrar a futura coordenação da campanha petista.

Segundo a Folha apurou, Arno já participou de ao menos uma reunião de mapeamento político para fazer uma radiografia de alianças nos Estados.Por enquanto, conforme relatos de pessoas próximas, ele tem ajudado nas projeções sobre futuras composições partidárias.

Ainda não se sabe qual função ele assumirá na coordenação da campanha. Arno pode inclusive atuar como coordenador informal se a situação da economia exigir sua presença no governo durante a disputa.
Interlocutores presidenciais afirmam que uma das principais funções será construir uma plataforma econômica para um eventual segundo mandato.

A influência de Arno Augustin no debate eleitoral causa surpresa até mesmo entre colegas de Esplanada dos Ministérios. No Palácio do Planalto, porém, assessores afirmam que experiências em campanhas petistas no Rio Grande do Sul o credenciam a um papel de destaque na disputa de 2014. Em 2006, ele foi o coordenador da candidatura do petista Olívio Dutra ao governo gaúcho, que acabou derrotado pela tucana Yeda Crusius.

CONTROVERSO

Em pouco mais de dois anos de governo, o titular do Tesouro ganhou forte projeção e uma imagem controversa no empresariado, devido a seu estilo intervencionista, e no mercado financeiro, após as maquiagens contábeis realizadas para fechar as contas de 2012.

PF envolve BarraShoppingSul nas malfeitorias de licenciamentos ambientais em Porto Alegre

Ao lado, o estado atual do BarraShoppingSul e sua mega-torre de escritórios. Os dois empreendimentos imobiliários, que ficam de cara para o Guaíba, correspondem a 1/10 do que sairá na área - e que modificará brutalmente a paisagem urbana de toda a região.



- Entre os jornalistas e advogados que acompanharam o caso durante toda a semana, o nome mais recorrentemente citado era o do BarraShoppingSul, que desenvolve empreendimentos imobiliários descomunais na zona Sul de Porto Alegre, algo jamais visto na cidade. 

Somente neste sábado a Polícia Federal liberou as primeiras informações sobre as razões que levaram ela mesma e o MPF a decretar a prisão do secretário municipal do Meio Ambiente, Luiz Fernando Zacchia, porque até agora o centro do noticiário esteve concentrado nas atuações do secretário estadual do Meio Ambiente e do Instituto Biosenso.

. A Polícia Federal liberou a notícia de que o secretário Zácchia teria recebido R$ 20mil para agilizar licenças ambientais que permitiriam a expansão do BarraShoppingSul em Porto Alegre. O advogado do ex-secretário negou tudo. O próprio BarraShoppingSul tirou nota, explicando que o projeto de expansão nem foi ainda para a área ambiental da prefeitura, já que o Estudo de Viabilidade urbanística encontra-se na Cauge (Comissão de Análise Urbanística e Gerenciamento).O advogado de Zácchia e o BarraShoppingSul exigem provas.

. Nesta sexta-feira (leia abaixo) a Justiça Federal mandou soltar todos os envolvidos na Operação Concutare, já que considerou frágeis as provas apresentadas pela PF para prosseguir com a prisão temporária. Isto fica reforçado pelo fato de que a PF nem quis pedir prisão preventiva de ninguém.

- O governador Tarso Genro, que volta neste final de semana de sua viagem ao exterior, confirmou que dificilmente o PCdoB voltará ao seu feudo na secretaria do Meio Ambiente. Homens e mulheres do PCdoB, no comando da secretaria e da Fepam, estão envolvidos diretamente nas investigações. 

A investigação paralela para salvar a amante de Lula, Rosemary Noronha

Ao lado, primeiras duas páginas com a reportagem "Condenados pela impunidade", revista Veja deste sábado. É um dos temas da publicação. O outro é este caso que envolve a tentativa de impedir investigações sobre as operações da amante de Lula. 



* Clipping www.veja.com.br

Secretaria-Geral da Presidência da República tentou sabotar a sindicância da Casa Civil que investigou a ex-secretária e amiga de Lula, uma operação considerada mal-intencionada pelo próprio governo.

Robson Bonin

GOVERNO x GOVERNO - Comandada pelo ministro Gilberto Carvalho, a Secretaria-Geral da Presidência tentou retirar da Casa Civil a investigação sobre as atividades ilícitas de Rosemary, a ex-chefe do gabinete presidencial em São Paulo.(Fernando Cavalcanti).

Há duas semanas, VEJA revelou as conclusões de uma sindicância do governo que investigou as traficâncias de Rosemary Noronha no período em que ela chefiava o escritório da Presidência da República em São Paulo. Coordenada pela Casa Civil, a apuração desvendou como a ex-funcionária usava a influência e a intimidade que desfrutava com o ex-presidente Lula para se locupletar do poder. Ao fim de dois meses de trabalho, os técnicos reuniram provas que resultaram na abertura de um processo disciplinar contra ela por enriquecimento ilícito. A investigação chamou atenção pela celeridade, profundidade e contundência com que se esmiuçaram os malfeitos da ex-chefe de gabinete - um ponto fora da curva na tradição petista de poupar os companheiros pilhados em falcatruas. O desfecho, porém, não deveria ter sido esse. Desde o primeiro dia de investigações, forças poderosas dentro do próprio governo atuaram para impedir a sindicância de chegar ao fim. Essas forças tentaram, felizmente em vão, evitar que a sindicância terminasse da maneira como terminou. VEJA teve acesso a um documento que mostra como a Secretaria-Geral da Presidência da República montou um processo paralelo com a falsa intenção de “acompanhar e orientar” a apuração da Casa Civil - mas que não passava de um ardiloso instrumento de sabotagem do trabalho de investigação.

Análise - A RBS, suas contradições e o arbítrio da PF e do MPF no caso Zé Otávio Germano

Ao lado, Ildo Gasparetto, homem da República de Santa Maria. Na época, o chefão, Tarso Genro, foi identificado como o verdadeiro mentor das tropelias. Disse Pedro Simon: "Isto tem as digitais de Tarso". Esta semana, ao atacar Gasparetto, Zé Otávio "esqueceu" espertamente a existência do chefão, Tarso, beneficiário direto pelo caso escandaloso. 



Somente o jornal Zero Hora continuou repercutindo neste sábado, a exclusão do deputado José Otávio Germano do processo principal da Operação Rodin. O STF considerou criminosas, portanto ilegais, as provas obtidas por grampos aplicados pela Polícia Federal sem a devida autorização do Supremo, o que quer dizer que violou dispositivos claramente desenhados na Constituição Federal e nas leis da República.
. Correio do Povo e O Sul, os outros dois diários que circulam aos sábados em Porto Alegre, ignoraram o assunto.

. Zero Hora repercutiu a entrevista concedida na sexta-feira pelo ex-superintendente da Polícia Federal, Ildo Gasparetto, premiado depois da Operação Rodin com cargo de adido na embaixada do Brasil em Buenos Aires:

- O deputado Otávio Germano, ao me acusar, usa seu direito de jus sperniandi (o direito de espernear). Ele age como político.

. Há no mínimo uma impropriedade na resposta de Ildo Gasparetto, cuja atividade na PF foi tão notória que ele chegou a receber a distinção de Personalidade Política do Ano, conforme a Federasul. É que ele atribui reações como as do deputado ao gênero da atividade escolhida por ele, o que acaba atingindo até mesmo o Sr. Tarso Genro, que foi chefe de Ildo Gasparetto e fiador de tudo o que ele praticou na Operação Rodin.

. O jornal da RBS, que se beneficiou de informações privilegiadas na época da Operação Rodin e integrou o Eixo do Mal contra o governo Yeda, publicou duas opiniões desencontradas sobre o caso:
Túlio Milman, página 3 – Já a Justiça (referindo-se à decisão do STF) tem rigores que antecedem a análise do mérito. É a forma ganhando de goleada do conteúdo. E talvez, pelo bem da democracia, tenha de ser assim.

. Túlio Milman refere-se ao respeito ao que dispõem a Constituição e as leis da República, sobretudo ao devido processo legal, pedra de toque da prestação jurisidicional em qualquer sociedade civilizada, democrática e em pleno exercício do estado de direito.
. Editorial (Investigação questionada), página 16 – “Sem qualquer prejulgamento, o arquivamento do processo contra o deputado José Otávio, apontado pela Polícia Federal e pelo MPF entre os responsáveis pelas fraudes da Operação Rodin, preocupa quem espera pelo cumprimento das normas legais em todas as investigações criminais. (...) a Rodin não pode se juntar ao acervo de investigações, cujo único resultado é o aumento da sensação de impunidade.

. Nada impedia a Polícia Federal e o MPF de buscar a devida autorização do STF para grampear o deputado Zé Otávio, mas ambos preferiram atropelar a Constituição e a s leis da República, o que é intolerável no estado democrático de direito. Não se trata de cumprir ritos impostos arbitrariamente pela cabeça do legislador ou da Justiça, mas se trata de cumprir a lei. Polícia e MP não estão acima da lei, porque o Brasil não está sob a égide da ditadura. É possível, sim, investigar e punir criminosos comuns ou privilegiados, cumprindo o que dispõe a lei. Quem aplaude o autoritarismo contra adversários, inimigos, desafetos ou suspeitos, abre a porta de casa para ser a vítima seguinte. 

* No livro Cabo de Guerra, 499 páginas, o editor dedica 5 capítulos à Operação Rodin. Adquira seu exemplar pelo e-mail polibio.braga@uol.com.br A história do Eixo do Mal é contada em detalhes inéditos. Entrega em 48 horas em todo o Brasil, sem custo adicional. R$ 75 o exemplar. 

OPINIÃO DO LEITOR
A opinião a seguir é a mesma de inúmeros inocentes úteis, pessoas até bem intencionadas ou notórios aprendizes de ditador, que teimam em confundir o respeito ao devido processo legal com a necessária investigação policial, a imprescindível denúncia do MP e a inadiável prestação jurisdicional a qualquer preço, inclusive atropelando a Constituição e as leis da República, portanto os direitos mais elementares de qualquer cidadão. No caso, o editor não defende o deputado José Otávio e nem colocaria indícios e provas materiais criminosas encontradas contra ele na Operação Rodin, simplesmente porque o editor não é bandido e nem é celerado. Se existem crimes, eles só não terão julgamento justo porque a PF e o MPF trabalharam à margem da lei para apurá-los. 


O questionamento do leitor
Políbio, em defesa da sociedade gaúcha, tu que defendes ardorosamente o Deputado José Otávio terias coragem de colocar no teu site os indicios e provas materiais encontrados na Operação Rodin, mesmo que obtidos de forma ilegal?Milton Serpa, Porto Alegre. 

Opinião do leitor - Delinquência política tenta detonar ministro Joaquim Barbosa

OPINIÃO DO LEITOR

Já faz parte dos planos dos delinquentes políticos,  detonar o ministro Joaquim Barbosa. Neste País, as coisas está ficando tão esquisitas, que pode-se afirmar, que estamos vivendo uma espécie de jogo de gato e rato.  E os ratos estão vencendo, porque seu número e "poder oculto," são infinitamente maiores.
A PF e o Ministério Público investigam, encontram evidências indiscutíveis,  mas sempre surge um "dedo" invisível, que parece mandar apagar tudo.  Por que não entram em rede nacional de televisão, e dizem que é tudo mentira ? Que trata-se de invenções da imprensa golpista?  E o povo? Cuidado, dono do "invisível dedo," o povo já está acordando. E isto já vem acontecendo bem antes. Veja em 7 de Setembro de 2011. 
Luciano Moura, Porto Alegre.

Aécio em Minas: "País está à deriva e precisa de um bom gestor"

* Clipping www.brasil247.com.br

Um dia depois de trocar amabilidades com a presidente Dilma Rousseff numa feira agropecuária em Uberaba, o senador Aécio Neves (PSDB/MG) parte para seu mais duro ataque contra o governo federal. "O governo Dilma não tem marca. É sintomático que a presidenta se apresse para comemorar os dez anos de governo do PT. É uma forma de esconder os dois anos do governo Dilma", diz ele. Confira

247 - Ontem, as imagens do encontro entre o senador mineiro Aécio Neves (PSDB-MG) e a presidente Dilma Rousseff revelaram dois políticos maduros, civilizados e prontos para um confronto de ideias no campo do respeito e da democracia. Neste sábado, a entrevista do senador aos jornalistas Mario Simas Filho e Delmo Moreira, de Istoé, aponta um Aécio pintado para a guerra. E com um discurso, por exemplo, muito mais duro do que o do seu oponente Eduardo Campos, do PSB. Enquanto Campos fala em "fazer mais", Aécio aponta um país "à deriva". Confira trechos abaixo:
Diferenças entre PT e PSDB

Quando assumir a presidência do PSDB, meu papel será o de discutir uma agenda para os próximos 20 anos. E de mostrar que os modernos, os eficientes, os que prezam a democracia somos nós. O atraso, a ineficiência e o viés autoritário são a marca de nossos adversários.
Gestão do Estado e política externa

Como presidente do PSDB, quero correr o Brasil para, até o final do ano, ter essa proposta nova muito bem clara. Que ela mostre que apostamos na gestão eficiente e não no gigantismo da máquina pública. Que nós apostamos em uma política externa pragmática em favor dos interesses do Brasil e não no alinhamento ideológico atrasado que tanto prejuízo traz ao País. Que apostamos na refundação da Federação, com distribuição mais justa de recursos entre os Municípios e os Estados

Aprovação a Dilma
Ainda vivemos uma sensação de bem-estar. Temos um nível de desemprego baixo, empregabilidade alta. Mas há uma bomba-relógio para explodir a qualquer momento. E o nosso papel é mostrar isso.

CLIQUE AQUI para ler tudo.