Impugnação de Bordignon continua levando desespero ao PT de Gravataí. Ativistas "visitam" outro Partido adversário, desta vez o PMDB. No comitê de Marco Alba é detida a chefe de gabinete do deputado Daniel Bordignon.

O PT parece ter perdido completamente o controle dos seus militantes e ativistas em Gravataí, município da Grande Porto Alegre, sede da GM, onde o Partido controlava a prefeitura há 14 anos e perdeu tudo no início deste ano quando a Câmara de Vereadores cassou a prefeita Rita Sanco.

. A própria Rita Sanco só chegou a prefeita porque o candidato natural, o deputado Daniel Bordignon, hoje líder do PT na Assembléia, teve o registro impugnado.

. Nesta eleição, o deputado candidatou-se novamente, mas na quinta-feira foi de novo impugnado.

. A notícia provoou ira, desespero e violência. No sábado, ativistas do PT atacaram um carro de som do PV, um dos Partidos que ajudou a cassar Rita Sanco e pediu a impugnação de Bordignon, depredando-o e ferindo seus ocupantes. O PV apóia a candidata socialista Anabela Lorenzon.  O caso foi parar na Polícia. O clima de tensão e de violência prosseguiu neste domingo, porque ao cair da noite um grupo de manifestantes petistas invadiu a  área do comitê do candidato do PMDB, Marco Alba. A chefe de gabinete do deputado Daniel Bordignon na Assembléia, Daniela Michels, que estava com o grupo, não conseguiu escapar e foi detida pelos dirigentes do comitê até a chegada da Brigada Militar.

E as mulheres? Elas também povoaram as camas dos líderes do PT na época do Mensalão. Leia este despacho de Ricardo Noblat.

- A notícia a seguir foi publicada pelo blog de Ricardo Noblat no dia 15 de agosto de 2005. Foi apenas uma das informações sobre as festas que líderes do PT, como Antonio Palocci e Silvio Land Rover promoviam em Brasília, embriagados com os efeitos do Poder e do dinheiro do Mensalão. Essa cafetin a da notícia, Jeane Mary Corner, foi apenas um a das vagabundas que naqueles dias povoaram as camas dos líderes do PT. No julgamento atual, nada sobre isto foi ainda narrado. Leia o material postado na época por Noblat:

'Se algo de mau me acontecer, as agendas virão a público'
 (Notícia aqui publicada em 15.8.2005]
A célebre Jeane Mary Corner, apontada como animadora das muitas festas que reuniram em hotéis de Brasília belas modelos e cabeças coroadas do PT, contratou os advogados paulistas Ismar Marcílio de Freitas Jr. e José Carlos Paes de Barros e está disposta a ir depor espontâneamente no Ministério Público.
Foi o que ela mesma me disse há pouco pelo telefone. E o que Marcílio de Freitas Jr. confirmou.

- Jeane é uma promotora de eventos, apenas isso - argumenta o advogado. "É casada, mãe de dois filhos, um deles aluno de faculdade, e deve ser deixada em paz."

Por precaução, Jeane guardou muito bem guardado seu tesouro mais precioso - as agendas com nomes e números de telefones de meia República ou da República inteira.

- A essa altura, as agendas estão seguras na casa de uma parenta que tenho em Toronto, no Canadá - garantiu-me Jeane. "Se algo de mau me acontecer, as agendas virão a público".

Tão preciosas ou mais do que as agendas são as memórias de Jeane. Há 15 dias, na parte final do depoimento à CPI dos Correios de Simone Vasconcelos, diretora financeira da SMPB do empresário Marcos Valério, o senador Heráclito Fortes (PFL-PI) disse ao vivo e a cores pela televisão:
- Tem mais gente aqui dentro preocupada em aparecer na lista da dona Jeane do que na lista do mensalão.

O nome de Jeane foi parar nos anais da CPI depois que o senador Demóstenes Torres (PFL-MT) perguntou a Simone se ela sabia das festas privadas promovidas por Valério em hotéis cinco estrelas de Brasília. E se ela ouvira falar em Jeane.

Simone respondeu que não.

Um sócio de Valério contou em depoimento à Polícia Federal que as tais festas aconteceram, sim. E deu detalhes delas.

Ativistas do PT depredam caminhão, intimidam com armas e espancam militantes do PV em Gravataí

O PV, Partido Verde de Gravataí, RS, acusa ativistas do PT pelo cerco ao caminhão de propaganda eleitoral da candidata socialista Anabel Lorenzi, ataque armado e agressões com cacetetes e barras de ferro contra seus militantes, sexta-feira, pouco depois que foi conhecvida a impugnação da candidatura a prefeito do deputado Daniel Bordiginon.

. O PV pediu a impugnação de Bordignon e foi peça chave no processo de impeachment da prefeita do PT, Rita Sanco.

. O caminhão teve o para-brisas quebrado e as lonas rasgadas.

. Os agressores foram identificados.

. Um dos militantes do PV sobreu traumatismo craniano. O Partido avisou que reagirá diante de novos ataques armados.

- O clima político e eleitoral em Gravataí permanece muito tenso. Na noite de quarta-feira, o presidente do PT local, Carlito Nicolai, que quer suceder Bordignon como candidato, mas não pertence ao seu grupo político, foi baleado nas pernas, quando visitava um bar na vila Cohab. A mulher também foi ferida. O Jornal de Gravataí chegou a insinuar que pode ter sido fogo amigo.