Ciclone extratropical deve atingir a região Sul neste final de semana

As informações a seguir são de hoje da MetSul:

A MetSul Meteorologia destaca que enorme ciclone vai se formar no Atlântico Sul junto à costa do Sul do Brasil no final desta semana, conforme as projeções dos principais modelos internacionais de previsão do tempo. Um centro de baixa pressão em médios e altos níveis da atmosfera na costa do Sul do Brasil entrará em fase com outro centro de baixa, este em superfície e no litoral do Sudeste, no final desta quinta e na sexta, dando origem a um ciclone. Conforme todas as projeções numéricas, o ciclone avançará para Sul a uma grande distância da costa e se intensificará bastante à medida que a sua pressão central declina. De acordo com estas projeções este ciclone até oscilaria (wobble) um pouco para Oeste em direção ao continente na altura do Rio Grande do Sul.

São esperadas alta incidência de raios em torno do centro do ciclone, o que não é a regra em sistemas extratropicais. Há de considerar o oceano muito quente na região com temperatura da superfície do mar em valores muito acima do normal na costa do Sul do Brasil com a atuação da Corrente do Brasil em áreas onde normalmente as águas estariam mais frias em razão da tradicional influência da Corrente dos Malvinas, o que pode levar a uma intensificação maior que a prevista pela parametragem dos modelos globais.

O campo de vento muito intenso (rosca do ciclone) deverá permanecer pelos dados o tempo todo em alto mar, onde a navegação será muito perigosa entre sexta e o domingo, mas se espera aumento da velocidade do vento na costa gaúcha entre amanhã e sábado. O mar ficará mais agitado e com ondas mais altas, não se descartando ressaca, no litoral do Rio Grande do Sul com ondas de até dois metros. No sábado, circulação de nuvens e umidade do sistema em alto mar pode induzir instabilidade no Leste gaúcho com a possibilidade de banda de nebulosidade ciclônica atingir a região continental.

"Enfatiza-se que quaisquer comparações com eventos extremos do passado hoje são descabidas diante dos dados que neste momento se dispõe".

- Na noite desta quinta-feira na praia de Torres o vento já é muito forte e os moradores já estão preocupados com que potência este ciclone atingirá a costa gaúcha. No final de março de 2004 o Furacão Catarina (um ciclone tropical do Atlântico Sul) atingiu a costa da região Sul do Brasil. A tempestade alcançou ventos com velocidades de até 180 quilômetros por hora, definida como de categoria 2 na escala de furacões de Saffir-Simpson. O centro da tempestade atingiu a costa brasileira na altura entre as cidades de  Passo de Torres e Balneário Gaivota. O Catarina destruiu cerca de 1 500 residências e danificou outras 40 mil casas. Os prejuízos econômicos atingiram mais de 400 milhões de dólares.

Dólar paralelo lambe R$ 3,00 em Porto Alegre

Dólar comercial, R$ 2,745
Dólar paralelo, hoje, Porto Alegre, R$ 2,91

Tarso defende remoção de Vaccari da tesouraria do PT. E diz que denúncias de roubalheira no Partido é "golpismo" do PSDB.

O ex-governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, que foi ministro no governo Lula, defendeu nesta quinta-feira que o PT avalie a permanência do tesoureiro do partido, o seu companheiro de lutas João Vaccari Neto, na direção partidária. Ele afirmou que o PT deve designar delegados para investigar se há indícios da participação do tesoureiro no esquema de corrupção na Petrobras, investigado pela Operação Lava-Jato. Nesse caso, Vaccari deveria ser afastado, disse. 
“Não há nada excepcional nisso. É uma obrigação”, afirmou Genro. O ex-ministro também afirmou, no entanto, que existe uma “tentativa de criminalizar” o PT. Cita como exemplo “uma ação coercitiva combinada com o aniversário do partido”.“Há uma forte conspiração política para tentar a aventura do impeachment ou o bloqueio do governo da presidenta Dilma Rousseff”, afirmou. Segundo ele, o governo deve reagir.


PF termina de ouvir envolvidos em fraude com crédito do Pronaf no RS. Roubalheira envolve líderes do PT. Bohn Gass não é mais investigado.

A Polícia Federal terminou de ouvir em Santa Cruz do Sul, no Vale do Rio Pardo, os depoimentos dos envolvidos em um esquema que desviou mais de R$ 80 milhões do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar do governo federal (Pronaf) no Rio Grande do Sul. Mais de seis mil produtores da região foram prejudicados.
A fraude começou a ser investigada pela PF em 2012. Os trabalhadores faziam o financiamento através do Pronaf, utilizando a Associação Santa-Cruzense dos Agricultores e Camponeses (Aspac) para intermediar a ação em duas agências do Banco do Brasil na região. Parte dos financiamentos liberados era desviada para contas pessoais de membros da Aspac e do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), indicam as apurações. A situação fazia os produtores assumirem as dívidas.
Em 60 dias, a polícia deve concluir o inquérito. Em seguida, o Ministério Público Federal  decidirá se os envolvidos serão denunciados à Justiça. Na quarta-feira (4), dois gerentes de agências do Banco do Brasil confirmaram que os empréstimos eram liberados sem o conhecimento dos agricultores.
Apontado como um dos principais articuladores da fraude, o vereador do PT Wilson Rabuske, que também é coordenador da Associação de Pequenos Agricultores Camponeses de Santa Cruz (Aspac), negou as acusações e disse que o dinheiro do empréstimo de um agricultor era usado para ajudar outro produtor endividado.
O processo corre em segredo de justiça e tramita no Tribunal de Justiça do estado (TJ-RS). O Tribunal de Contas da União (TCU) e o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) também investigam a fraude.
Entenda o caso
O esquema começou a ser investigado depois das queixas dos pequenos agricultores. Seis mil teriam sido prejudicados. Documentos do inquérito policial mostram que a fraude seria comandada pelo coordenador do MPA, Wilson Rabuske, que também é vereador de Santa Cruz do Sul pelo PT. No total, o desvio para as contas dele e da mulher chegariam a mais de R$ 1 milhão. Rabuske se defende e nega fraude.
"Foram feitos pagamentos pela minha conta pessoal, quando a associação não tinha disponibilidade, inclusive do uso de talões de cheques para nós honrarmos compromissos, nós usávamos a conta pessoal. E esses valores foram para isso", disse.
A transcrição das escutas telefônicas autorizadas pela Justiça também indica a participação do vereador Maikel Ismael Raenke, do PT de Sinimbu, e do deputado federal Elvino Bohn Gass, do PT. Como o deputado tem foro privilegiado, o inquérito foi enviado para o Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou o arquivamento da investigação contra Bohn Gass. A decisão é do ministro Teori Zavascki, relator do caso, e atende a um pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. O ministro determinou também que o inquérito retorne para a 7ª Vara da Justiça Federal de Porto Alegre.
No documento em que requer o arquivamento, o procurador afirma que o vazamento de informações na imprensa da investigação que corria em segredo de Justiça tornou impossível a busca de provas contra o deputado, com a interceptação telefônica e busca e apreensão.
Em depoimentos, agricultores disseram que assinaram documentos em branco, ou muitas vezes não liam o que estava escrito. O inquérito da polícia ainda aponta para 134 casos de suicídios ocorridos na região nos últimos anos. Ao cruzar esses dados com as informações de vítimas da fraude, foi constatado que 10 agricultores que morreram foram enganados e estavam endividados.


Depois de denunciado por receber R$ 500 mil em propina, presidente da Transpetro finalmente renuncia no Rio

O presidente da Transpetro, Sergio Machado, homem de confiança do senador Renan Calheiros, que o indicou para o cargo, apresentou na tarde desta quinta-feira à direção da Petrobras seu pedido de renúncia do cargo. Por meio de um comunicado, ele se afastou do controle da subsidiária, posto que ocupava desde 2003. A saída ocorre um dia depois da renúncia da presidente da estatal, Graça Foster, e mais cinco diretores. Machado foi citado no depoimento do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa como beneficiário do propinoduto montado para desviar recursos da estatal. Delator do Petrolão, Costa diz ter recebido das mãos do próprio Sergio Machado 500.000 reais em propina pela contratação de navios – Costa diz que recebeu porque se tratava de um negócio que precisava também do aval de sua diretoria.

Ex-Secretário de Imprensa do governo Lula, Ricardo Kotscho, diz que governo Dilma está a um passo do impeachment

O jornalista, ex-secretário de Imprensa do governo Lula, homem ligadíssimo ao PT, ao qual sempre esteve filiado, escreve hoje que  "pelo ranger da carruagem desgovernada, a oposição nem precisa perder muito tempo com CPIs e pareceres para detonar o impeachment da presidente da República", pois "o governo Dilma-2 está se acabando sozinho num inimaginável processo de autodestruição"
Ele lamenta no seu blog de hoje: "O que já está ruim sempre pode piorar". "É duro e triste ter que escrever isso sobre um governo que ajudei a eleger com meu voto, mas é a realidade", acrescenta o jornalista. Leia a íntegra: Governo Dilma-2 caminha para a autodestruição
O que já está ruim sempre pode piorar. A Petrobras e o país amanheceram de pernas para o ar nesta quinta-feira.
Ao mesmo tempo em que a Petrobras ficava sem diretoria, após a renúncia coletiva da véspera, e sem ninguém saber o que será feito dela amanhã, a Polícia Federal está fazendo neste momento, nove da manhã, uma nova operação em quatro Estados, com mandados contra mais de 60 investigados na Lava-Jato, entre eles o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

Diretor do PT do RS no BRDE trabalha para Tarso sob o governo Sartori

O governo Sartori já entrou no seu segundo mês, mas no BRDE continua ocupando a vaga de diretor o ex-secretário da Agricultura do governo Olívio, PT, José Hermeto Hoffmann (a outra vaga de diretor está desocupada) que prossegue fazendo propaganda do governo Tarso, tudo com recursos administrados pela nova administração, a do PMDB. Nesta quarta-feira, por exemplo, Hoffmann, que é homem ligadíssimo ao MST, viajou ao Rio para entregasr ao presidente do Bndes, Luciano Coutinho, o vistoso relatório "O BRDE no Rio Grande do Sul durante o Governo Tarso Genro", mandado imprimir com dinheiro do banco, o que caracteriza flagrante ilegalidade. Leia a nota completa do boletim de hoje da Associação Brasileira dos Bancos de Desenvolvimento -
O presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, recebeu o diretor da Agência Rio Grande do Sul do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), José Hermeto Hoffmann, no Rio de Janeiro, para a entrega do Relatório de Gestão dos Diretores do BRDE no RS. O objetivo foi evidenciar a memória positiva deste período junto ao banco federal, que é a principal fonte de recursos do BRDE.
O presidente do BNDES ressaltou que este foi um dos períodos mais intensos e profícuos da relação entre as duas instituições, citando três fatores principais: a iniciativa em propor o cartão BNDES/BRDE, a gestão do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) e a continuidade da reestruturação da ABDE, fortalecendo a sua atuação na articulação das instituições financeiras de desenvolvimento, sob a presidência do diretor Carlos Henrique Horn. “Isto fez com que a ABDE exercesse um novo e importante papel de aproximação efetiva das instituições financeiras junto ao BNDES”.
O diretor Hoffmann destacou que o banco federal teve uma relação intensa e produtiva com o governo do Rio Grande do Sul neste período, com várias iniciativas acolhidas na gestão de Luciano Coutinho. 

Hoffmann destacou também  o papel que o BRDE desempenhou ao se integrar no Sistema de Desenvolvimento do Estado, assim alavancando vários investimentos de longo prazo captados na Sala do Investidor. Lembrou ainda que o banco esteve à frente das políticas setoriais da agroindústria e de reciclagem e despoluição. Por fim, o diretor salientou ao presidente Luciano Coutinho a iniciativa, contida na publicação, de pensar o BRDE para os próximos 50 anos, propondo uma agenda de futuro.

Ornare, móveis de alto padrão, amplia rede no Sul e EUA. Porto Alegre está no radar do grupo.

Ornare, fabricante de móveis de alto padrão, amplia seu projeto de expansão e inaugura cinco novos showrooms, ainda este ano, em Cuiabá, Campinas, Santos, Houston, México e um Studio no Tatuapé. Com a expansão a marca passa a ter 16 lojas, sendo três nos EUA.

Porto Alegre, Florianópolis, Balneário Camboriú, Maringá, Londrina e Ponta Grossa estão no radar da marca para abertura de showrooms.

Para as futuras franquias a empresa busca empresários que se identifiquem com a Ornare e tenham trânsito social e empresarial na praça de interesse, como formadores de opinião entre os arquitetos, especificadores e construtoras.
O investimento inicial gira em torno de R$ 3 mil por m², com previsão de retorno de aproximadamente 22 meses e lucro líquido estimado de 10% a 22% das vendas por mês. A Ornare tem dois modelos de franquia, Loja com espaço físico de 400m² e Studio com espaço de 120m².

Além do hotsite (www.ornare.com.br/expansao) com todas as informações sobre a franquia: os diferenciais da empresa, os modelos que podem ser adquiridos e o perfil necessário aos investidores e todas as etapas do projeto, os franqueados também tem todo auxílio na identificação do ponto, orientação para a execução do projeto arquitetônico e layout, realização do planejamento comercial, acesso aos métodos e procedimentos de administração e marketing, treinamentos em todas as áreas e  acompanhamento comercial e operacional por consultor de campo.


Delator diz que PT recebeu US$ 200 milhões em propinas derivadas de fraudes na Petrobrás

A reportagem a seguir é do site www.veja.com.br de hoje, mas as informações centrais da matéria já estão em todos os sites, portais e blogs do País. O fato principal é que o ex-gerente de Serviços da Petrobras, Pedro Barusco, afirmou à Justiça, em acordo de delação premiada, que o tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto, recebeu de 150 milhões a 200 milhões de dólares em propina de 2003 a 2013, por meio de desvios e fraudes em contratos com a Petrobras. Leia toda a reportagem, a seguir - As revelações de Barusco colocam mais uma vez o caixa do PT no centro do escândalo do petrolão e devem respingar diretamente nas campanhas políticas do partido, incluindo a da própria presidente Dilma Rousseff. Vaccari foi levado na manhã desta quinta-feira para a Superintendência da Polícia Federal em São Paulo onde prestou esclarecimentos sobre a arrecadação de recursos para a legenda e foi liberado em seguida.
Ainda que tenha negado irregularidade no sistema de arrecadação de campanhas do PT, Vaccari agora é confrontado pela primeira vez com as informações do delator Pedro Barusco, que concordou em colaborar com a Justiça em troca de reduções de pena. Após firmar o acordo de delação, o ex-gerente confirmou, por exemplo, que iria devolver aos cofres públicos impressionantes 97 milhões de dólares recolhidos a partir do megaesquema de cobrança de propina na Petrobras.
 “Durante o período no qual foi gerente executivo de Engenharia da Petrobras, subordinado ao diretor de Serviços, Renato de Souza Duque, de fevereiro de 2003 a março de 2011, houve pagamento de propinas em favor do declarante [Barusco] e de Renato Duque, bem como em favor de João Vaccari Neto”, diz trecho do depoimento de Barusco. O pagamento envolveu 90 contratos de obras de grande porte entre a Petrobras, empresas coligadas e consórcios de empreiteiras. Os contratos estavam vinculados às diretorias de Abastecimento, Gás e Energia e Exploração e Produção. No rateio da propina, normalmente eram cobrados 2% do valor do contrato, sendo que 1% era administrado pelo ex-diretor Paulo Roberto Costa, e o outro 1%, repartido entre o PT e diretores da Petrobras, incluindo Renato Duque e Jorge Zelada, da Área Internacional da petroleira.
Enquanto as projeções de Barusco apontam que o tesoureiro do PT embolsou até 200 milhões de dólares em nome do partido, no mesmo período o delator recebeu 50 milhões de dólares em dinheiro sujo. Em apenas um contrato de sondas de perfuração de águas profundas para exploração do pré-sal, Vaccari, em nome do PT, recebeu 4,5 milhões de dólares em propina.

CLIQUE AQUI para saber mais.





Operação Lava Jato chega até a BR Distribuidora. Roubalheira na Petrobrás nunca parou.

A foto ao lado mostra a Polícia Federal fazendo operação na sede da Oil Drive, no Rio de Janeiro - 
A diretoria de engenharia e serviços da Petrobrás é o foco principal da nova fase da Operação Lava Jato, que incluiu pela primeira vez também a BR Distribuidora entre os alvos da investigação. Os procuradores do Ministério Público explicaram que a maioria dos mandados de condução coercitiva e busca e apreensão são referentes a 11 operadores responsáveis por lavagem de dinheiro e pagamento de propinas a funcionários da Petrobrás, incluindo fatos ocorridos também em 2014. O tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, foi um dos nomes da lista e foi levado para depor na sede da PF em São Paulo, sendo alvo de dois mandados, um de condução coercitiva e outro de busca e apreensão, o empresário Milton Pascowitch, diretor da Ecovix, foi outro que foi levado para depor na Polícia Federal. Também foi feita uma operação de busca e apreensão no escritório da Oil Drive, de Julio Faerman, acusado de pagar propinas a funcionários da Petrobrás no caso da SBM.
 “Temos suspeitas claras de que essas pessoas ouvidas participaram de esquemas de lavagem de dinheiro, mas não podemos citar os nomes ainda, para não atrapalhar a operação. Até o final do dia os documentos serão abertos para a consulta de todos”, informou um dos procuradores.
Numa das empresas em que está sendo feita a busca, houve um volume muito grande de dinheiro apreendido, por isso a procuradoria afirmou que o resultado da operação deve demorar a ser divulgado.
Eles explicaram ainda que cada um dos operadores tinha contratos específicos em que eram encarregados de pagar propina, explicando que ainda não é possível saber qual era o número total de operadores envolvidos em esquemas na estatal.

“Temos fatos mostrando que isso acontecia até recentemente, até o ano de 2014”, afirmou um dos procuradores.

Entrevista, Adilson Troca, PSDB do RS - O PSDB do RS é o estuário da oposição ao governo Dilma e ao PT

ENTREVISTA
Adilson Troca, presidente do PSDB no RS

Na reforma política que parece estar na iminência de sair, com certeza será aberta uma janela de 30 dias para troca de Partidos sem perda de mandato. Existem rumores fortes de que boa parte do PP do RS migrará para o PSDB. Isto é fato ?
Não existe qualquer articulação com este objetivo, mas noto que em várias cidades do interior ocorrem novas filiações em massa.
Como é que o PSDB vê a possibilidade ?

Somos o maior Partido de oposição do Brasil. Aécio fez votação espetacular, inclusive no RS. O estuário das insatisfações com o governo Dilma e com o PT está no PSDB. É natural que nos procurem. No RS, o PSDB tem espaço enorme para crescer e quer crescer. Nós somos oposição ao governo Dilma e ao PT, lá e cá.

Lula se faz novamente de morto

Onde está Lula ?

Josias de Souza que Aécio faz bem em peitar o bando de Renan e do PT

CLIQUE AQUI para ver o video com o bate-boca - O jornalistas Josias de Souza, UOL, diz hoje na seu blog, que o senador Aécio Neves e a tropa oposicionista fazem um bem a si mesmos ao peitar Renan e sua infantaria. Leia tudo - O grão-tucanato fareja na movimentação do morubixaba de Alagoas a tentativa de solidificar a milícia parlamentar que lavará a jato um eventual processo de cassação por falta de decoro. Líder do DEM, o senador Ronaldo Caiado ousou dizer a Renan, do alto da tribuna, que o objetivo dele é mais ambicioso: “quer usar o Senado como para-choque para amortecer” um ainda hipotético pedido de impeachment contra Dilma Rousseff. Curiosamente, não houve governista que o contraditasse.

“Perderam a rua e querem levar tudo no tapetão”, afirmou Cássio Cunha Lima, líder do tucanato. “Vossa Excelência pode atropelar o PSDB e o PSB. Mas não irá atropelar o povo brasileiro. Não vai ultrajar nossa democracia. Não estamos mendigando cargos na Mesa. Queremos respeito à proporcionalidade construída nas urnas. Saiba Vossa Excelência que sua atitude terá consequências. O Brasil vai ver o desdobramento dessa manobra.”

Resta à plateia torcer para que venham mesmo as “consequências”. Não é de hoje que, no Senado, se briga e se fazem as pazes desavergonhadamente. Renan Calheiros já esteve na bica de ser cassado um par de vezes. Numa delas, viu-se compelido a renunciar à presidência para salvar o mandato. Suas desavenças foram sempre sucedidas de hediondas reconciliações.


Ninguém deseja para as brigas do Senado um epílogo de romance do século 19, época em que os insultos eram lavados com sangue. Mas convém não abusar da paciência dos botequins. A reiteração dos acordos, dos conchavos, das alianças potencializa a convicção, já tão disseminada, de que a política é o território da farsa. Junte-se a isso a falta de uma agenda e descobre-se o porquê de o Senado e seus protagonistas não serem levados a sério.

PF prendeu diretores da catarinense Arxo. Dinheiro estava escondido na empresa, acusada de ter pago propinas para diretores da Petrobrás.

O jornal Diário Catarinense informou ainda há pouco que dois executivos da empresa catarinense Arxo, Piçarras,  foram presos temporariamente, sob suspeita de pagamento de propina à estatal. Há outro no exterior, mas deve voltar hoje ao Brasil. O nome dos executivos não foi revelado. Eles deverão ser levados ainda hoje para Curitiba.

Um grande volume de dinheiro foi encontrado e apreendido nesta empresa. A PF ainda não sabe qual é o valor.


No final do ano passado, a Arxo fechou um contrato no valor de R$ 85 milhões para produzir 80 CTAs (Caminhões Tanques de Abastecimento de Aeronaves) com o objetivo de equipar e renovar a frota da Petrobras Distribuidora.

Fortunati aguarda por Sartori para mudar 1/4 do seu primeiro escalão de governo

No aguardo de novas defecções no seu governo, já que sua secretária de Inovação, Débora Vilela, está na lista de candidatos a uma das diretorias da Procergs, o prefeito José Fortunati ainda não decidiu nada sobre as seguintes substituições:
Secretaria de Urbanismo Municipal/
Secretariua de Licenciamento e Edificações/
Procon/
Secretaria da Juventude/

Dmae

Eduardo Cunha acaba de autorizar criação da CPI da Petrobrás

Eleito no último domingo como presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) acaba de autorizar a criação da CPI que investiga a Petrobras. O gesto foi parabenizado pelo tucano Antonio Imbassahy e conclamado pelo líder do DEM, Mendonça Filho, que disse que a estatal está "jogada na lama, desmoralizada". Agoa está aberto o prazo para a indicação dos integrantes da comissão. O líder do PT, deputado Sibá Machado disse ontem que partido reivindicará a presidência ou a relatoria. Das 182 assinaturas, constaram apenas 8 do RS: Darcisio Perondi, PMDB: Jerônimo Gorgen e Luiz Carlos Heinz, PP; Marchezan Júnior, PSDB; Onyx Lorenzoni, DEM; Pompeo de Matos, PDT; Heitor Schuch e José Stédile, PSB. 

Procon ameaça postos, mas poupa o responsável pelo aumento dos preços da gasolina

Fiscais do Procon percorrem desde segunda-feira os postos de combustíveis de Porto Alegre, tudo para checar os novos preços da gasolina e do diesel. Alguns postos registram a responsabilidade pelo aumento, mas o Procon não age sobre ele.  O órgão estadual avisou que só tolerará aumentos de até R$ 0,25 por litro, desconsiderando que este aumento não cobre todos os impostos federais e estaduais incidentes sobre os combustíveis O Procon pensa autuar quem praticar preços que ele considera abusivos. O que ocorre é que nenhum órgão público defende o consumidor dos achaques praticados pelo próprio governo, porque os aumentos de preços atuais decorre de práticas de gestão temerárias, decorrentes de gastos públicos realizados de modo perdulário.

Aneel passa pito na CEEE e AES Sul

A Aneel passrá uma descompostura na CEEE e na AES Sul, esta tarde, tudo por conta dos péssimos serviços prestados pelas duas distribuidoras gaúchas de energia elétrica.

Vendas a prazo registram menor crescimento anual para meses de janeiro, diz SPC Brasil

O SPC Brasil informou esta manhã ao editor que com   menos  renda  disponível,  consumidores   brasileiros   têm    evitado  as compras parceladas, sebndo que na comparação com dezembro, a queda foi de 28,85%. O número de consultas ao banco de dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) para vendas a prazo registrou alta de 1,81% em janeiro deste ano, na comparação com o mesmo mês de 2014. Embora este crescimento na comparação anual seja o segundo maior observado nos últimos 12 meses, a recuperação do ritmo de vendas parceladas ainda não se configura uma tendência, uma vez que a economia brasileira segue em desaceleração, com efeitos negativos sobre o emprego, a renda do consumidor e o apetite ao consumo do brasileiro. A alta de 1,81% representa o menor crescimento para meses de janeiro de toda a série histórica do SPC Brasil. Nos anos anteriores, as altas haviam sido de 5,07% (2014) e de 3,88% (2013).Já em relação a dezembro do ano passado, sem ajuste sazonal, as vendas a prazo caíram 28,85%. De acordo com a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, a queda pode ser explicada, em grande parte, pelo efeito calendário. 
Para o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, o crescimento das vendas a prazo no varejo deve encontrar um cenário ainda difícil neste novo ano, em função do baixo crescimento da massa salarial, da alta dos juros e da dificuldade que o país enfrenta para gerar novos postos de trabalho. O custo para comprar a prazo aumentou ao mesmo tempo em que o poder de compra do salário dos consumidores está crescendo menos. Desse modo, o apetite do consumidor para contrair novas dívidas está em desaceleração, uma vez que seus gastos e pendências já atingiram o limite do comprometimento da renda.Após encerrar o ano de 2014 com queda acumulada de 0,3% no volume de vendas a prazo, a expectativa dos lojistas é que o setor feche 2015 com leve expansão positiva de 0,5%, impulsionado, sobretudo, pela recuperação do movimento no segundo semestre deste ano. 

Novas prisões feitas pela Polícia Federal demonstram que Petrolão virou Mãos Limpas

Há poucos minutos, na Globonews, a jornalista Crisitiana Lobo, geralmente alinhada com o governo Dilma e com o PT, sobre a nova etapa de prisões do Petrolão: "A ação da Polícia Federal estava prevista para depois do Carnaval. Algo houve, provavelmente vazamentos. O fato é que estamos diante de uma operação do tipo Mãos Limpas. Ninguém sabe no que vai dar tudo isto, mas se o caso for até o fim, este País será muito diferente".

Bancada de um só deputado do PSOL contrata Luciana Genro com salário mensal de R$ 16.500,00.

Além do polpudo cargo de coordenador da bancada de apenas um deputado, Pedro Ruas, percebendo R$ 16.500,00 por mês, a ex-presidenciável Luciana Genro toca com força o novo escritório de advocacia Genro & Genro, no qual é parceira do filho, Juliano. O escritório promove vistosa propaganda nas redes sociais, via mídia do Google. CLIQUE AQUI para saber o que faz Genro & Genro.

Veja como a Bloomberg enxerga Dilma e a corrupção na Petrobrás

A reportagem a seguir é da Bloomberg. Vale a pena examinar de que modo o mundo enxerga a presidente Dilma Roussef e a Petrobrás. O material vale também para comparar a objetividade da notícia com o tipo de material que diariamente é disponibilizado pela mídia local. Confira:
Did Rousseff Know About Alleged Petrobras Corruption? CLIQUE AQUI para ver e ouvir.

26 mandados de busca e prisões foram cumpridos em SC. Arxo é uma das empresas envolvidas no escândalo do Petrolão.

A Polícia Federal cumpre 26 mandados — 16 de busca, 7 de condução coercitiva e 3 de prisão temporária  — em Santa Catarina, na manhã desta quinta-feira. A ação faz parte de mais uma fase da Operação Lava-Jato, o Petrolão. Todos dizem respeito a esquemas de propinas. Uma das empresas visitadas é a Arxo, de Piçarras, que fabrica tanques para transporte de combustíveis. 

Os mandados foram cumpridos nas seguintes cidades:
- Itajaí - 8 mandados de busca, 5 de condução coercitiva e 2 de prisão temporária;
- Balneário Camboriú - 3 mandados de busca, 1 de prisão temporária e 1 de condução coercitiva;
- Piçarras - 2 mandados de busca;
- Navegantes - 1 mandado de busca e 1 mandado de condução coercitiva;
- Penha - 1 mandado de busca;
- Palmitos - 1 mandado de busca.

Além de Santa Catarina, a operação foi realizada em outros três Estados. Em São Paulo os agentes cumprem 12 mandados, 21 no Rio de Janeiro e três na Bahia. 

Chefe da Casa Civil de Sartori já passou metade do tempo de governo na Disney dos EUA e na Disney do Brasil

O principal secretário do governador José Ivo Sartori, seu articulador político, o deputado Márcio Biolchi, faz enorme falta nesta semana de início dos trabalhos legislativos e de incidentes domésticos no Palácio Piratini. O governador está sem blindagem política, o que o obriga a entrar em bolas divididas e postergar decisões, inclusive nomeações no segundo escalão. Diretorias inteiras de estatais de enorme importância, como Badesul, AGDI e Procergs. Nos primeiros 40 dias do novo governo, o chefe da Casa Civil ficou 20 dias fora do Estado: 10 dias passeando na Disney com a família e 10 dias na posse e desempenho como deputado Federal.

Entrevista, Yeda Crusius - Governo faria bem, caso decidisse fechar a Casa Militar e o Palácio das Hortênsias

Entrevista: Yeda Crusius, ex-governadora do RS.

Quando a senhora iniciou o governo, a Casa Militar também mandou comprar lençóis de cetim e toalhas de linho egípcio ? 

Fez algo parecido. Fui saber quem deu a ordem. Um empurrou para o outro.

O que faz a Casa Militar ? 

É um órgão anacrônico, do tempo da Corte. Ela cuida do governador e da família, como se isto fosse necessário.

O que fazer com ela ? 

Eu cheguei a fechar as portas dela. Sartori perceberá que não há razão para sua existência.

E o Palácio das Hortênsias, a casa da serra do governador ? 

Uma inutilidade. Melhor seria transformá-la num museu.

A senhora não fez isto, não é ? 

Demorei muito para me dar conta dos problemas deste tipo  que afligem o governo. Coisas menores, mas que são emblemáticas por causa das suas possibilidades de gerar intrigas e futricas.

No RS, só Escala integra a lista das 50 maiores agências de publicidade do Brasil

Apenas uma empresa gaúcha, a Escala, integra a lista das 50 maiores agências de publicidade do Brasil. Segundo Ibope Mídia, ela somou investimentos de R$ 630,2 milhões no ano passado. A Escala detém as contas do Banrisul e do governo estadual, dividindo a primeira com a Escala e a segunda com três outras. A lista das 10 maiores são: YR, Ogilvy, WMCCann, Borghi Lowe, Almpap BBDO, Havas Worldwide, Africa, JWT, Publicis e Leo Burnet Tailor Midia. A YR autorizou R$ 7,6 bilhões no ano passado.

Sartori manda Casa Militar revogar compras de peças de cetim e de algodão egípcio para cama e banho do Palácio das Hortênsias

O governo gaúcho confirmou esta manhã que o próprio governador Sartori mandou cancelar as compras de lençóis de cetim e toalhas de algodão egípcio para as guarnições de cama e banho do Palácio das Hortênsias. O governador também mandou afastar o servidor da Casa Militar responsável pelas compras. Este tipo de aquisição ocorre em cada início de governo. Sartori quer que seus auxiliares diretos e também ops servidores ajam de acordo com os princípios de austeridade e de economicidade que aplica desde que assumiu. O aperto de cintos vale para tudo e para todos.

Tesoureiro do PT, Vaccari Neto, sai escoltado para depor na Polícia Federal

Em reportagem no site UOL, os jornalista Gabriel Mascarenhas e Flávio Ferreira informaram que a  Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira mais uma etapa da Operação Lava Jato. Os agentes estão cumprindo 62 mandados –um de prisão preventiva, no Rio, três de temporária, em Santa Catarina, 18 conduções coercitivas e 40 de busca e apreensão. Leia tudo a seguir - 
A ação está ocorrendo ao mesmo tempo nos Estados de São Paulo, Rio, Bahia e Santa Catarina.
A Folha apurou que o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, que mora em São Paulo, é um dos alvos dos mandados de condução coercitiva –quando a pessoa é levada até a delegacia para prestar depoimento– e será levado pela PF.
Outras seis ações de busca e apreensão estão sendo cumpridas no Estado de São Paulo.
Esta fase da operação foi batizada de "May Way". É com o título desta canção de Frank Sinatra que o ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco, que colabora com as investigações, se refere a Renato Duque, ex-diretor de Serviços da estatal.
nas.
Em seu depoimento, o ex-diretor da Petrobras, Paulo Costa, delator do Petrolão, afirmou que havia um esquema de pagamento de propina em obras da estatal, e que o dinheiro abastecia o caixa de partidos como PT, PMDB e PP.
No final de outubro, Julio Camargo, da empresa Toyo-Setal, fechou acordo de delação premidada com procuradores. É o primeiro executivo a fazê-lo. Uma semana depois, outro executivo da empresa, Augusto Ribeiro de Mendonça Neto, também assinou uma delação.