Flávio Presser poderá ir para a Corsan

Flávio Presser, diretor Geral do Dmae nos governos Fogaça e Fortunati, o homem que revolucionou o sistema de tratamento de esgoto de Porto Alegre, elevando-o de 24% para 82%, está de licença e dificilmente voltará ao cargo.

. É que Sartori poderá levá-lo para a presidência da Corsan.

Cabresteado, Conselhão ouve último discurso inútil de Tarso Genro

A 19ª e última reunião do Pleno do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES-RS) foi presidida pelo governador Tarso Genro (PT) e fez o balanço de ações do órgão; todos os temas relevantes para o desenvolvimento econômico, social e ambiental foram tratados em mais de 247 reuniões realizadas nas duas gestões, entre 2011 e 2014, resultando em mais de 200 propostas implementadas pelo governo estadual.

. É o que diz o release do Piratini.

. A reunião pode ter sido a última do órgão dispensável e cabresteado.

. O Conselhão tem sido aparelho montado pelo governador para esterilizar manifestações críticas de setores sociais e econômicos, amestrando-os à condução do governo petista. 

. Não serviu para nada mais.

. O governador Ivo Sartori dificilmente manterá a estrutura inútil.

- Tarso adora criar aparelhos do gênero, já que não pode criar sovietes. No primeiro governo Lula, também criou um Conselhão. Assim que virou as costas, Lula enterrou sem pompas o Conselhão do Tarso.

Procurador Geral nega acordão para livrar a cara do governo no Petrolão

O Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, tirou nota ainda há pouco, desmentindo acordão com empreiteiras e destinado a livrar o governo das acusações no Petrolão. A denúncia foi feita hoje pela revista Istoé, conforme matéria publicada abaixo. Leia a nota da PGR:

Em função das recentes notícias veiculadas na imprensa, o procurador-geral da República esclarece:

1. No caso conhecido como Lava-Jato, o Ministério Público Federal apura a existência de um grande esquema criminoso instalado no País, envolvendo crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, fraude à licitação, formação de cartel, associação criminosa, além de atos de improbidade administrativa.

2. Ante a dimensão da rede criminosa investigada, o montante dos valores envolvidos e considerando a prioridade dada pelo Ministério Público Federal ao combate à corrupção, em abril de 2014, o procurador-geral da República constituiu uma Força-Tarefa composta por procuradores da República qualificados e experientes em investigações de alta complexidade, garantindo-lhe todas as condições necessárias para o seu funcionamento. A investigação vem sendo realizada em conjunto com o gabinete do procurador-geral da República, que tem a atribuição de processar as autoridades com foro no Supremo Tribunal Federal.

3. Em respeito à função institucional de defender a sociedade e combater o crime e a corrupção, o Ministério Público Federal cumprirá seu dever constitucional e conduzirá a apuração nos termos da lei, com o rigor necessário. O procurador-geral da República não permitirá que prosperem tentativas de desacreditar as investigações e os membros desta instituição.

4. Até o momento, a investigação revelou a ocorrência de graves ilícitos envolvendo a Petrobrás, empreiteiras e outros agentes que concorreram para os delitos, o que já possibilitou ao Ministério Público Federal adotar as primeiras medidas judiciais. A utilização do instrumento da colaboração premiada tem permitido conferir agilidade e eficiência à coleta de provas, de modo a elucidar todo o esquema criminoso.


5. Medidas judiciais continuarão a ser tomadas como consequência dessa investigação técnica, independente e minuciosa. O Ministério Público Federal reafirma seu dever de garantir o cumprimento da lei.

Governo Dilma dá calote de R$ 2 bi nos governos estaduais

Governadores e prefeitos calculam em R$ 2 bilhões os pagamentos atrasados que o governo federal deveria ter feito e não fez, tudo por conta de salário-educação, pagamento a professores e receitas dos royalties do petróleo.

. 11 das 12 parcelas foram pagas.

. A informação é do Confaz, que reúne os secretários estaduais da Fazenda.

. O Confaz estima que outros R$ 4 bilhoes devidos aos governos estaduais também não foram pagos até agora.

Brindes faziam parte de política de aproximação da OAS com autoridades

Cálculos deste sábado da Folha indicam que empresas do grupo OAS depositaram R$ 19 milhões de dinheiro sujo nas contas do delator Alberto Youssef. (página A6).

Lista apreendida pela PF inclui pelo menos 28 deputados, nove ministros, 13 senadores e oito governadores: Paulo Okamoto, Paulo Bernardo, José Eduardo Cardoso, Guido Mantega, Aloizio Mercadante - todos ex-ministros ou ministros do PT - foram brindados com cortes nobrs de tecido pasra ternos, além de gravatas. Zé Dirceu levou vinho Pêra Manca, R$ 700,00 uma garrafa. Aécio e Aloysio, PSDB, levaram gravata e corte de terno. 

A reportagem é da Folha:

Uma das empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato distribuía presentes como política de aproximação com membros do governo e da oposição. A Polícia Federal apreendeu na Construtora OAS, em São Paulo, em 14 de novembro, listas de mimos de aniversário para ministros, senadores, deputados, governadores e empresários.

As listas incluem pelo menos 28 deputados federais, nove ministros, 13 senadores, oito governadores e quatro prefeitos. Não é possível saber se os presentes foram entregues ou se foram devolvidos.

Um exemplo da lista é um relógio de R$ 10.619 para Armando Tripodi, chefe de gabinete do presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, de 2005 a 2012.

O código de ética da administração federal só permite brindes de até R$ 100.

As listas da empreiteira trazem o nome do aniversariante e o que lhe será dado.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

Manifestantes vão para as ruas em todo o País. Palavra de ordem mais usada é a do "impeachment".

Em Porto Alegre ocorrem duas manifestações diferentes desde as 16h, sendo uma no Parcão e outra no Parque Marinha do Brasil. Esta última saiu em passeata até a sede da Polícia Federal, com o objetivo de dar apoio ás investigações contra a corrupção.

. Na Capital do RS, centenas de manifestantes pediram o impeachment de Dilma, defenderam a prisão dos corruptos e defenderam a democracia. Não foram admitidas faixas com pedido
de intervenção militar.

. Os atos de São Paulo ocorrem em muito maior volume. Pelo menos 10 mil pessoas saíram ás ruas. Milhares de pessoas que se concentraram diante do Masp e depois foram para a avenida Paulista. As fotos ao lado são da passeata de São Paulo e de Porto Alegre.

. Nas manifestações deste sábado, políticos de vários Partidos fizeram conclamações durante a semana, pedindo o povo nas ruas. Em São Paulo, o maior ativista foi o senador Aécio Neves, mas em Porto Alegre este papel coube à senadora Ana Amélia, que ao falar colocou-se sob a liderança do tucano.

. O número de manifestantes ainda é reduzido, mas o fato de grupos heterogêneos, sem comando partidário oculto ou aberto, normalmente avesso a ganhar às ruas, demonstra que as manifestações podem encorpar. Se isto ocorrer, o governo, o PT e seus aliados terão dificuldade para se manter no Poder.

Preço do petróleo já caiu 36% este ano. Valor menor já ameaça custo do pré-sal. Dilma mostra aflição com queda nas cotações das commodities.

A presidente Dilma Roussef voltou a tentar transferir para a conjuntura econômica internacional os maus momentos pelos quais passa o PIB no Brasil, tudo por conta da suas trapalhadas no governo. Ela chegou a se referir aos preços em queda do petróleo, que levam junto as cotações das commodities, para se justificar.

. O pré-sal, sim, corre risco. Mantidas as condições atuais do preço do barril de petróleo no mercado internacional, o desenvolvimento de áreas no pré-sal sob o regime de partilha pode ser afetado, afirmam analistas. O preço da principal referência internacional de petróleo (Brent) está em trajetória de queda e recuou nesta quinta-feira (4) para US$ 69,64 o barril. Esse valor é considerado próximo do limite para a viabilidade comercial de áreas do pré-sal exploradas sob regime de partilha, dizem cálculos do CBIE (Centro Brasileira de Infraestrutura). Para o instituto, os custos para extrair o óleo de águas profundas são altos e o negócio só é viável com um barril entre US$ 60 e US$ 70.

. A Petrobras afirma que o desenvolvimento de sua produção no pré-sal é comercialmente possível com um barril a até US$ 45. O Plano de Negócios e Gestão da empresa para o período de 2014 a 2018 considera um barril a US$ 105 em 2014, caindo para US$ 100 até 2017 e US$ 95 no longo prazo.

. São números, portanto, bem acima da atual cotação, em queda que foi acentuada após a decisão da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) de não reduzir a demanda para manter preços que façam competição com a produção de gás e o óleo de xisto nos EUA.

. O combustível de xisto é uma alternativa mais barata que os combustíveis fósseis convencionais e especialistas dizem que ele só não seria mais barato que o carvão.

. Também contribui para o recuo os seguidos anos de baixa atividade mundial.


. No ano, o preço do barril já acumula queda de 36%.

Hingel é um dos cotados para a presidência do Banrisul

Ricardo Hingel, ex-diretor do Banrisul, é um dos nomes cogitados para a presidência do banco. Hingel conduziu o processo de lançamento internacional de US$ 1,2 bilhão de ações do banco, do qual é funcionário.

. Sartori quer quadros técnicos para dirigir o Banrisul.

As articulações do Procurador Geral da Repúblcia, Rodrigo Janot, que podem livrar o governo

Procurador-geral da República participa de uma série de encontros com representantes das empreiteiras envolvidas na Operação Lava Jato e propõe um acordo que impede investigações que possam chegar ao Palácio do Planalto

A reportagem é da Istoé que acaba de circular. Assina a matéria o jornalista Mário Simas Filho

Há sete meses o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, vem se reunindo com representantes das empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção instalado na Petrobras e investigado pela Operação Lava Jato. ISTOÉ apurou que de maio até a última semana foram realizados pelo menos quatro encontros com a presença do próprio Janot e outros dois com procuradores indicados por ele (leia quadro nas páginas seguintes). O objetivo dessas conversas, que inicialmente foram provocadas pelos empresários, é o de buscar um acordo no Petrolão. No Brasil, onde a legislação da delação premiada ainda engatinha, não é comum que o chefe do Ministério Público mantenha conversas com representantes de empresas envolvidas em um processo criminal. Mas, em se tratando de um caso com a alta octanagem que têm as investigações da Operação Lava Jato, as reuniões de Janot com os empreiteiros não poderiam, a princípio, ser tratadas como um pecado. Trata-se de uma prática comum nas democracias mais maduras, cujo principal objetivo não é o de evitar punições, mas o de acelerar as investigações e permitir que o Estado adote medidas concretas e imediatas para evitar a repetição de atos criminosos. O problema dos encontros de Janot é que, segundo advogados e dois ministros do Supremo Tribunal Federal ouvidos por ISTOÉ na última semana, o acordo que vem sendo ofertado pelo procurador-geral nos últimos meses poderá trazer como efeito colateral a impossibilidade de investigar uma suposta participação do governo no maior esquema de corrupção já descoberto no País. Na prática pode ser um acordão para livrar o governo.

. Na sexta-feira 5, através de sua assessoria, Janot confirmou os encontros com representantes das empreiteiras e negou que esteja negociando um acordão. “Como os investigados não têm prerrogativa de foro, os acordos devem ser tratados com os integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato, no Paraná”, diz o procurador. Nas conversas que manteve com representantes dos empresários, porém, Janot, segundo advogados ouvidos por ISTOÉ, definiu qual o modelo de acordo interessa à Procuradoria. Ele quer que as empresas, seus diretores e executivos assumam a responsabilidade pelos crimes investigados. Pede que as empresas reconheçam a formação de cartel e que concordem em pagar multas recordes (no caso da Mendes Júnior, estudos preliminares feitos pelos empreiteiros indicam que a multa poderá até inviabilizar a sua continuidade no setor de construção civil).

CLIQUE AQUI para entender toda a trama.

Governo ganhou, mas não levou. Oposição perdeu, mas deu um show

CLIQUE AQUI para ler, também, "Lavanderia oficial",
Renato Andrade, Folha de S. Paulo.

O comentário em vídeo a seguir é do jornalista Ricardo Noblat. Vale a pena ver, ouvir, anotar e passar adiante. Ele conta e analisa tudo o que aconteceu nas históricas sessões desta semana do Congresso do Brasil, dominada por uma oposição corajosa, vibrante, lúcida e oportuna, que proporcionou um dos mais completos shows de desmonte moral, ético e político de um base governista em qualquer época, como nunca se viu antes neste País.

. É a oposição que todos reclamavam.

. E é só o começo.

. Este é o início de uma caminhada que precisa levar ao impedimento do governo ilegítimo e à cassação do registro do PT como uma organização criminosa a serviço do mal.

CLIQUE AQUI para ver e ouvir.

Frederico Antunes diz que usina AES Uruguaiana voltará a operar até o final do ano

O presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Retomada da Termo AES Uruguaiana, deputado Frederico Antunes (PP), foi informado nesta sexta-feira , por fontes ligadas ao ministério de Minas e Energia e ao Grupo AES que a termelétrica AES Uruguaiana, deverá voltar a gerar energia para o sistema elétrico nacional.
O deputado passou a informação na quinta ao editor, que procurou-o. Ontem, confirmou tudo. 
De acordo com as informações recebidas pelo deputado, a expectativa é que o religamento da usina ocorra pelo prazo mínimo de 60 dias, com possibilidade de prorrogação por igual período, e capacidade operacional de 270 MW. “A se confirmar, esta é uma boa notícia para a região, especialmente neste período do ano em que o consumo de energia chega próximo do pico. Só vamos parar com essa luta quando a nossa usina voltar a funcionar os 365 dias do ano.”, afirmou o deputado progressista.


- A AES Uruguaiana foi a primeira usina termelétrica a operar com gás natural no Brasil. A geradora iniciou suas atividades em 2000, em Uruguaiana, com capacidade instalada de 639 MW. A empresa integra o Grupo AES Brasil, composto ainda pelas distribuidoras AES Eletropaulo e AES Sul e pela geradora AES Tietê. Em agosto de 2008 a empresa argentina responsável pelo fornecimento de gás natural à AES Uruguaiana, suspendeu o envio do insumo à empresa. Em consequência disso a AES determinou, em abril de 2009, a hibernação da usina, o que implicou na paralisação de suas atividades de operação. Em 2013 e 2014, a usina voltou a operar no período de fevereiro a maio, tendo seu trabalho novamente paralisado por falta do fornecimento de gás.

Dica de música - Orquestra da Petrobrás com Karabtchevsky, segunda, na Assembléia

Celebrando os 80 anos do maestro Isaac Karabtchevsky, a Orquestra Petrobras Sinfônica inicia turnê nacional com concerto em Porto Alegre, às 20h, no Teatro Dante Barone. Ingressos a R$ 20,00.

Ainda sob observação, Sérgio Machado toma nova licença de 30 dias na presidência da Transpetro

A Perrobrás informou ontem a noite ao editor que Conselho de Administração da Transpetro aprovou hoje a prorrogação da licença não remunerada do presidente da Transpetro, José Sergio de Oliveira Machado, pelos próximos 30 dias. O presidente licenciado continuará sendo substituído pelo diretor Cláudio Ribeiro Teixeira Campos.

. Sérgio Machado, homem do senador Renan Calheiros, PMDB, é investigado na Operação Lava Jato.

CPMI de mentirinha sobre a Petrobrás encerra trabalhos esta semana

Ao lado, charge de Chico Caruso sobre o Petrolão.



O deputado Enio Bacci disse neste sábado ao editor que nesta semana a CPMI da Petrobrás quer apresentar seu relatório final.

. A CPMI fez de tudo para não investigar nada. Seu presidente, senador Vital do Rêgo, pelos serviços prestados, foi nomeado ministro do TCU.

. A oposição já tem assinaturas suficientes para reabrir a CPI em janeiro, noutra legislatura.

Deputado André Vargas, ex-PT, será cassado como corrupto na quarta-feira

Presente à Mesa Diretora do Congresso na qualidade de vice da Câmara, Vargas hostiliza o presidente do STF, Joaquim Barbosa, repetindo o gesto dos ladrões do Mensalão, seus companheiros de PT. Poucos meses depois, acusado como ladrão do dinheiro público, ele foi expulso de mentirinha do PT. Esta semana, será cassado como corrupto. 



Será em  Sessão Deliberativa Extraordinária, quarta-feira, a discussão e votação da Representação nº 25-A, de 2014,  que decidirá a cassação do deputado federal André Vargas, com parecer do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar.

. André Vargas, expulso do PT, prossegue protegido do Partido. Ele foi denunciado como corrupto no âmbito da Operação Lava-Jato. Na época, era vice da Câmara. 

Tesoureiro da campanha do prefeito de Charqueadas diz que doação da Iesa foi legal

A nota a seguir é do ex-tesoureiro da campanha do prefeito Davi Gilmar, Charqueadas, RS. Sérgio Oliveira é homem da maior confiança do editor. Ele repõe pontos levantados ontem em reportagem do site Terra, que levantou suspeitas sobre doações para a campanha do prefeito do PDT. Leia:

A Iesa está aqui desde o governo Yeda, embora o governador Tarso Genro tenha consolidado o investimento no Pólo Naval do Jacuí, mas a campanha do Davi Gilmar não teve corrupção;a doação do Sr Armando Garcia de Garcia, dono da antiga Granja Carola, bem como da Iesa,  foram legais. Fui o tesoureiro da campanha. Na época PTB e PT, que eram os adversários coligados, fizeram denúncia à Justiça Eleitoral, que arquivou  tudo, julgando ser improcedente a denúncia. Na época, nós não sabíamos, então, destas ações da empresa com a Petrobrás. Quem apresentou a Iesa ao prefeito Davi Gilmar foi a governadora Yeda Crusius, que, creio, também não sabia das ações dela com PT e Petrobrás, pois ela trabvalhava em Rio Grande no Consórcio Quip. Atualmente, a Iesa faz parte do consórcio QGI, com a Queiroz Galvão. O contrato de lá foi rompido, também ? Claro que não. O prefeito de Rio Grande é do PT. Perto dos milhões que a Iesa deu para o PT, os R$ 40 mil que doou legalmente para a nossa campanha é troco. Já os R$ 300 mil do Sr Armando Garcia de Garcia, informo que ele consegue valor igual, creio,  com 2 ou 3 leilões de animais de suas fazendas.

A coligação PT e PTB distribuiu panfletos sobre o assunto e ao final o resultado da eleição foi: Davi Gilmar: 13.784; Anápio PTB, com Dega do PT: 6.366. Diferença de 7.418 votos. 

Aécio puxa atos públicos contra a corrupção em todo o País

CLIQUE AQUI para ler "Imprevisível Ano Novo",
Fernando Gabeira.

Em vídeo postado nesta sexta-feira, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) decidiu convocar um protesto neste sábado em São Paulo e em outras capitais:

-  Nós já dizíamos que o escândalo da Petrobras é o maior caso de corrupção do Brasil, mas a coisa não para de crescer. E agora estamos sabendo que não era apenas na Petrobras.

. Em SP, a concentração será no MASP.

. Em Porto Alegre, ato público e passeata até a Polícia Federal, avenida Ipiranga, visando dar apoio aos policiais federais na investigação dos atos de corrupção no País, foi agendado para 16h, Parque Marinha, defronte ao shopping Praia de Belas.

CLIQUE AQUI para examinar uma das convocações para os atos de hoje. 

Por conta de atrasos de repasses da área da saúde, governo Tarso aplica calote de R$ 500 milhões nas prefeituras do RS

A Famurs reafirmou ontem que o governo estadual deve e não paga meio bilhão de reais que deve às prefeituras por conta de repases atrasados dos programas Saúde da Família e Farmácia Popular.

. O calote ficará como herança maldita do governo do PT para Sartori.

Irmãos do ministro da Agricultura saem da cadeia

Os irmãos do ministro da Agricultura, Neri Geller, saíram ontem da cadeia. Eles estavam presos  sob acusação de fraude na compra e venda de terras dos assentados do Mato Grosso.

Fusão das secretarias da Agricultura e Desenvolvimento Agrário poderá não sair

Farsul e Fetag de um lado, PP e PSB de outro, defendem posições diametralmente opostas sobre o que o governador Sartori deverá fazer em relação às secretarias da Agricultura e Desenvolvimento Agrário.

. O governador alinha-se mais com as posições da Farsul e PP, pensando fusionar tudo.

. PSB e Fetag não querem nada disto.

. Sartori poderá ceder.

. Ernani Polo, PP, iria para a Agricultura, enquanto Heitor Schuch, PSB, iria para a SDR.

Padilha, possível ministro de Dilma, conduz Eduardo Cunha no RS

Memo na iminência de ser nomeado ministro de Dilma, o deputado Eliseu Padilha ciceroneou o deputado Eduardo Cunha em Porto Alegre, ontem.

. Cunha é candidato a presidente da Câmara.

. Dilma não quer nem ouvir falar nele.

O ministro do STF que libertou Costa e Duque (Petrolão) receberá medalha, segunda, na Assembléia do RS

Teori Zavascki, o ministro do STF que mandou libertar os dois ex-diretores da Petrobrás mais implicados na Operação Petrolão (Paulo Costa e Renato Duque) receberá nesta segunda-feira a medalha do Mérito Farroupilha, Assembléia do RS. A homenagem começou pelas mãos do deputado Paulo Oddone, PPS.

. Zavascki, irmão do jornalista Olyr Zavascki, RBS, que já morreu, é catarinense.

- O jornalista Leandro Mazzini conta hoje na sua coluna no jornal O Sul que a presidente Dilma recebeu recados de senadores do PT, no Palácio do Planalto, de que o ex-diretor da Petrobrás, Renato Duque, a envolvria se ficasse mais uma semana detido. Dois dias depois, coincidência ou não, Duque foi solto por habeas em liminar concedida pelo ministro recém-empossado Teori Zavascki. 

Veja diz que o PT tem muito que explicar

O PT transformou-se numa organização criminosa que atenta contra a democracia brasileira.



Em acordo de delação premiada firmado no âmbito das investigações da Operação Lava Jato, um dos executivos da empresa japonesa Toyo Setal deu um testemunho de estremecer. Ao confirmar que participava do cartel que comandava as obras da Petrobras, Augusto Ribeiro de Mendonça Neto afirmou que parte do dinheiro roubado da estatal abastecia o caixa do PT, simulando uma doação legal. 

. Reportagem de capa da revista VEJA deste final de semana mostra por que as revelações do delator fizeram o partido tremer.

O ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, o primeiro a fazer acordo, revelou como funcionava a quadrilha dentro da estatal, as vinculações partidárias dos criminosos e a identidade dos empreiteiros envolvidos. Depois dele, foi a vez de o doleiro Alberto Youssef apresentar o nome de aproximadamente cinquenta políticos que receberam propina, entre deputados, senadores, governadores e ministros. O mosaico do golpe bilionário aplicado contra a Petrobras começou a ganhar forma a partir das informações, das pistas e das provas fornecidas pelos dois delatores. Na semana passada, o juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, divulgou um conjunto de depoimentos prestados por executivos da empresa Toyo Setal, uma das fornecedoras de serviços à Petrobras, que acrescentam ao caso ingredientes com imenso potencial de destruição. Segundo esses relatos, o PT não só é apresentado como o responsável pela montagem e pela operação do esquema de corrupção na estatal como também se nutriu dele. E ainda mais grave: dinheiro da corrupção pode inclusive ter ajudado a eleger a presidente Dilma Rousseff.
Em 2005, o marqueteiro Duda Mendonça assombrou o país ao revelar a uma CPI do Congresso os detalhes da engenharia criminosa montada pelo PT para pagar as dívidas da campanha presidencial de Lula. Contratado pelo partido para cuidar da propaganda eleitoral de 2002, Duda recebeu parte do pagamento — 5 milhões de dólares — em depósitos clandestinos no exterior. Era o início do até então maior escândalo de corrupção da história. Sob os holofotes do Congresso, Duda mostrou extratos, ditou o nome dos bancos estrangeiros e os valores ocultos pagos lá fora. A história do partido mudaria para sempre desde então. Seus líderes — definidos pelos ministros do Supremo Tribunal Federal como “profanadores da República” — foram julgados, condenados e enviados à cadeia. No auge da crise, o PT temeu sucumbir à gravidade dos seus pecados, mas resistiu, reelegeu Lula, elegeu e reelegeu Dilma Rousseff, mas, ao que parece, não aprendeu nada com o susto do mensalão.
Em acordo de delação premiada, Augusto Ribeiro de Mendonça Neto, um dos executivos da japonesa Toyo Setal, confirmou que participava de um cartel de empresas que comandava as obras da Petrobras e, em contrapartida, entregava uma parte de seus ganhos aos partidos do governo — exatamente como disseram o ex-diretor Paulo Roberto e o doleiro Youssef. No caso da empresa japonesa, o “acerto” era feito com o diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque. Militante petista, Duque foi alçado ao posto por indicação do mensaleiro José Dirceu, ex-ministro-chefe da Casa Civil, atualmente cumprindo pena de prisão por corrupção. Duque seria o responsável por coletar a parte do PT junto às empreiteiras que integravam o chamado “clube” do bilhão. Era ele também que decidia os valores que deveriam ser repassados diretamente ao partido. “Os pagamentos se deram de três formas: parcelas em dinheiro, remessas a contas indicadas no exterior e doações oficiais ao Partido dos Trabalhadores”, declarou o empresário. Definidos os porcentuais e a metodologia de distribuição, os detalhes eram combinados com o tesoureiro do PT, João Vaccari. É desse trecho do depoimento que eclode uma constatação de estremecer: o delator confirmou que a Toyo Setal enviou parte do dinheiro roubado da Petrobras ao caixa eleitoral do PT, simulando uma doação legal.