É suprema cretinice comparar Lula a Getúlio e Jango, escreve Augusto Nunes

- Neste artigo, o jornalista Augusto Nunes, de WWW.veja.com.br, ex-diretor de redação do jornal Zero Hora, analisa a nota que os presidentes de alguns Partidos da base aliada tiraram para desagravar Lula. Nem todos os Partidos compareceram, porque Lula e o PT preferiram deixar de fora alguns companheiros que cheiram mal, como os presidentes do PL e do PP. Leia:

A nota oficial encomendada por Lula, redigida por Rui Falcão e subscrita por seis presidentes de partidos governistas comunica à nação, entre uma falsidade e uma safadeza, que está em curso uma trama política semelhante à que resultou no suicídio de  Getúlio Vargas. Conversa fiada, resumiu o comentário de 1 minuto para o site de VEJA. Só um ajuntamento de palermas, oportunistas e casos de polícia conseguiria vislumbrar conspiradores em ação nos três partidos oposicionistas mais dóceis da história.

Só um bando de cretinos fundamentais ousaria confundir Aécio Neves com Carlos Lacerda, Geraldo Alckmin com Afonso Arinos, ou tucanos em sossego no poleiro com militares sublevados nos quartéis. E até sócios remidos do clube dos cafajestes se recusariam a comparar Luiz Inácio Lula da Silva a Getúlio Dornelles Vargas.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

CLIQUE acima para ver melhor a charge de Chico Caruso, do jornal O Globo. 

Zé Dirceu, o subchefe do Mensalão, não vai à festa de formatura da filha com medo de ser vaiado e estragar tudo

* Clipping coluna Radar, www.veja.com.br

A formatura de Camila em Relações Internacionais no mês passado, não contou com a presença do pai, José Dirceu. Temendo ser vaiado pelas 2 500 pessoas espera-das na festa, Dirceu preferiu não estragar a noite da filha. E não foi.

Ibope constata que José Fortunati já venceria no primeiro turno com 52% dos votos válidos

Considerando-se apenas os votos válidos, que é como a Justiça Eleitoral monta sua equação para apurar o resultado das eleições, o prefeito José Fortunati já alcançou a maioria de 50% mais um necessários para se eleger no primeiro turno.

. Pelas contas do editor, José Fortunati já alcançou 52% dos votos válidos.

Senadores do PDT censuram Lupi por nota de apoio a Lula

Os senadores Cristovam Buarque (DF) e Pedro Taques (MT), ambos do PDT, escreveram uma carta a Carlos Lupi, presidente nacional do partido, censurando seu gesto de assinar nota junto com outros presidentes de partidos da base de apoio ao governo chamando a oposição de "golpista.
"Foi com surpresa que tomamos conhecimento pela mídia de uma nota que você assinou em nome do nosso partido, denunciando o que seria comportamento golpista por parte da oposição e do uso de matérias em jornais e revistas.

Gostariamos de ter sido consultados antes desta nota assinada em nosso nome, porque se tivéssemos sido consultados seríamos contra.

1. Porque não vemos gesto golpista por trás das falas e matérias. Além de ser um direito inerente às oposiçōes fazerem críticas, em nenhum momento tocaram na Presidenta Dilma. Consideramos mais ameaçadores à democracia as consequências dos imensos gastos publicitários feitos pelos governos.
2. As referências à pressōes sobre os ministros do STF passam imagem de desrespeito ao poder judiciário, que nesse momento vem desempenhando um importante trabalho, reconhecido pela opinião pública como decisivo na luta pela ética na politica. Mais importante seria mudar o sistema de escolha dos futuros ministros, para que não pesem dúvidas sobre a independência de cada um deles.

Pedro Taques - PDT-MT
Líder do PDT no Senado, assina em caráter pessoal
Cristovam Buarque - PDT-DF

Veja - Mensalão: agora, Lula se cala - e o PT fica desnorteado

- A revista Veja que já está nas bancas em SP, evita passar novas informações sobre a entrevista de Marcos Valério, mas publica a instigante reportagem a seguir sobre a repercussão da edição anterior. Diz Veja que o ex-presidente silencia diante das revelações do empresário Marcos Valério, que o colocou como chefe do esquema. PT, agora, diz que julgamento é golpe
A reportagem desta edição é de Daniel Pereira e Rodrigo Rangel


O PT fabricou uma manifestação de apoio a Lula por saber que as confissões de Valério podem ser investigadas. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, considerou importantes as revelações e declarou que poderá analisar o envolvimento de Lula no mensalão.

Na edição passada, uma reportagem de VEJA revelou com exclusividade parte das confissões feitas pelo empresário Marcos Valério, o operador financeiro do mensalão, sobre as engrenagens do maior escândalo de corrupção política da história do país. Além de confirmar a participação decisiva no suborno a parlamentares dos petistas José Dirceu e Delúbio Soares, que figuram como réus no processo em curso no Supremo Tribunal Federal (STF), Valério implicou o ex-presidente Lula no esquema -- e no papel de protagonista. Valério diz que Lula era o verdadeiro comandante da organização criminosa denunciada pelo Ministério Público. Afirma que a quadrilha do mensalão contava com um caixa de 350 milhões de reais, o triplo, portanto, do valor identificado pela Polícia Federal. Além disso, ressalta que desde a eclosão do escândalo, em 2005, teve Paulo Okamotto como interlocutor no PT. Amigo do peito e pagador de contas pessoais do ex-presidente da República, Okamotto era fiador de um acordo que previa a impunidade em troca do seu silêncio. O empresário desabafou: “Não podem condenar apenas os mequetrefes. Só não sobrou para o Lula porque eu, o Delúbio e o Zé não falamos”.

(...)

O PT sempre desdenhou dos impactos políticos do caso. Numa conversa com aliados dias antes do início do julgamento no STF, Lula disse que o processo teria “influência zero” sobre o partido e seus candidatos. Com a mesma confiança do líder messiânico que prometera aos réus livrá-los da condenação judicial, Lula lembrou que foi reeleito em 2006, um ano depois de ser acossado pela ameaça de um processo de impeachment, e fez de Dilma Rousseff sua sucessora em 2010. O mensalão seria uma mera “piada de salão”. Piadinha sem graça.

CLIQUE AQUI para ler toda a reportagem da edição anterior, a que trouxe a entrevista com Marcos Valério.  

Artigo, Marco Antonio Villa - Gritos presidenciais não ocultam fracassos

- Nunca, antes, na história deste País, um presidente foi tão refém do seu antecessor, e nem se submeteu de modo tão acachapante como Dilma Rousseff a Lula. É o que demonstra o artigo a seguir de Marco Antonio Villa. O editor já tinha prevenido que isto ocorreria, ainda durante a campanha, quando gravou depoimento em favor de Serra. O País tem um simples pau mandado na presidência. O caso é inédito na história da república e vai acabar mal.

O sonho acabou. Sonho ingênuo, registre-se. Durante quase dois anos, a oposição --quase toda ela-- tentou transformar Dilma Rousseff em uma estadista, como se vivêssemos em uma república. Ela seria mais "institucional" que Lula. Desejava ter autonomia e se afastar do PT. E até poderia, no limite, romper politicamente com seu criador.

Mas os fatos, sempre os fatos, atrapalharam a fantasia construída pela oposição --e não por Dilma, a bem da verdade.

Nunca na história republicana um sucessor conversou tanto com seu antecessor. E foram muito mais que conversas. A presidente não se encontrou com Lula para simplesmente ouvir sugestões. Não, foi receber ordens, que a boa educação chamou de conselhos.

Para dar um ar "republicano", a maioria das reuniões não ocorreu em Brasília.

CLIQUE AQUI para ler mais. 

Aécio, solteirão, folgazão, farrista, visitará nesta segunda-feira a cidade de Pelotas

Apesar dos apelos para visitar outros municípios onde o PSDB também está bem nas pesquisas de intenções de votos, como São Leopoldo, Uruguaiana e Viamão, o presidenciável Aécio Neves visitará na segunda-feira a cidade de Pelotas, onde reforçará a candidatura de Eduar Leite.

. Aécio evitará Porto Alegre, onde o candidato do PSDB está com 2% das intenções de votos. O senador não quis sequer gravar para a TV, apesar dos apelos do candidato. O tucano é a principal promessa dos tucanos contra Dilma Roussef, mas terá que disputar internamente com outros nomes fortes, como o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin e o senador do Paraná, Álvaro Dias. Aécio, separado, agora solteirão,  tem sido surpreendido pela imprensa e por seus opositores em constantes fugidas noturnas no Rio, onde já foi surpreendido bêbedo no meio da rua, sempre após noitadas na companhia de belas mulheres. Ele irá a Pelotas com a senadora Ana Amélia Lemos, PP do RS, que também apóia Eduardo Leite