Simon faz discurso obscurantista para atacar Ana Amélia, sem dirigir uma só crítica a Tarso Genro

Sem fazer uma única crítica ou ataque ao candidato do PT ao governo do RS, o senador Pedro Simon aproveitou a pré-convenção do PMDB para fustigar a candidata do PP, a senadora Ana Amélia, revelando quem o Partido considera seu adversário mais competitivo. Foi um discurso obscurantista. O senador poupou Tarso porque esta semana o governador defendeu-o das acusações de gastar dinheiro público excessivo para arrumar os dentes. 

. Simon foi até grosseiro com sua colega de Senado, aproveitando para atacar a RBS, que esta semana classificou-o como "boca de ouro":

- O PP teve de ir buscar na RBS uma senhora que vive em Brasília há 20 anos e que acompanhava a mais alta estirpe da corte do regime militar. Descobriram essa jornalista lá. Se a Ana Amélia não quiser concorrer, quem o PP vai indicar? Aquele senhor que fez declarações preconceituosas?

. O senador do PMDB é especialista em produzir ataques oblíquos contra adversários. É a sua histórica característica.

. No caso de Ana Amélia, Simon deixou no ar a acusação de que ela foi conivente com a ditadura militar, mas não apontou fato algum que comprovasse suas críticas, até porque a senadora trabalhou como jornalista e nunca no governo, abrindo espaços para o próprio senador do PMDB, mesmo quando a censura era mais agud
. Ao se referir a "aquele senhor", ele esqueceu que no seu próprio Partido, no RS, o deputado Alceu Moreira fez pronunciamentos exatamente iguais aos de Heinze.

. Simon disse que a imprensa "foi maldosa" com ele no episódio do tratamento dentário feito pelo senador e pago pelos cofres públicos. E criticou os jornalistas:

– Eu tenho 84 anos e não tenho nada no bolso. Me chamar de boca de ouro é uma maldade. Quem fez isso já antecipou a propaganda do antagonismo.

. Antes da pré-convenção, a direção estadual do PMDB distribuiu 3 mil cópias do texto do jornalista David Coimbra, publicado na edição de sexta-feira de Zero Hora, e que defende Simon. O senador também criticou a pouca atenção dada pela mídia às campanhas de José Ivo Sartori e Paulo Ziulkoski no Interior.

. David Coimbra é do mesmo jornal que Simon criticou por tê-lo chamado de "boca de ouro" em editorial, portanto refletindo a posição oficial da RBS.

Editorial, jornal Pampeano, Jaguarão, RS, ontem - Brigada Militar invade o Pampeano e me dá ordem de prisão.

Editorial, Anibal Ribas, diretor.


Acuado em minha escrivaninha, fui humilhado com o aparato policial militar, que invadiu sem mandado meu sagrado espaço de trabalho, para, com arrogância e descontrole emocional, me darem ordem de prisão, atribuindo crimes de injúria, calúnia e difamação e ameaçando colocar 56 processos contra mim, se eu não me calasse, ou seja, segundo cálculo de um dos assistentes desta vergonhosa mega operação (que envolveu 8 policiais militares fardados e uma policial militar a paisana, 2 motos, 1 camionete e um veiculo de passeio) um processo por cada policial da guarnição de Jaguarão, como se pudessem ordenar o pensamento individual de outros. Não resisti e não resistiria, pois acredito nas instituições democráticas de meu amado país, mas ao quererem que eu assinasse 6 termos circunstanciados, pedi imediatamente a presença de meu advogado, e me foi dito “assina ou te levamos algemado para a delegacia civil” e eu insisti na presença de meu advogado, no que fui atendido, vigiado de perto por 2 policiais militares dentro de meu escritório, fiz minha ligação enquanto outros 6 policiais exibiam na frente do jornal suas fardas orgulhosos de seu poder. Minha advogada chegou e me instrui a assinar tais termos o que fiz contrariado, pois me senti intimidado. Cavalheiros da valorosa Brigada Militar, se estiverem me lendo pelo Brasil a fora, por favor impeçam seus companheiros de farda de cometerem abusos como este, pois como guardiões da ordem pública, poderão estas ações erradas denegrir a tão prestimosa Brigada Militar. Não vou me calar, darei queixa na corregedoria, na policia civil, ministério Público, nas associações de imprensa brasileiras, irei aos meios de comunicação de massa relatar este abuso de autoridade. Uma pena certa vez já silenciou canhões, chegou a vez dos teclados cessarem os abusos.

CLIQUE AQUI para saber a história antecedente.
E-mail: jornal.pampeano@hotmail.com 

Entrevista, Anibal Ribas, diretor do jornal Pampeano - Estou assustado com a invasão do meu jornal

ENTREVISTA
Aníbal Ribas, diretor do jornal Pampeano, Jaguarão, RS

 O senhor foi ouvido hoje, sábado, pela  Corregedoria da Brigada Militar.
Esta tarde. Contei a eles que um grupo da Brigada invadiu meu jornal, deu voz de prisão e me ameaçou.

O que houve ?
Publiquei diálogo gravado por leitor aqui da cidade, que deixou mal o prefeito, já que ele foi abordado pela operação Balada Segura, não quis fazer bafômetro e teve a carteira apreendida. A gravação foi realizada com o comando da guarnição local, que confirmou o incidente, porém mais tarde negou tudo.

Como foi a prisão ?
Um ato arbitrário. Eles me reptaram a parar com as publicações sobre o caso com o prefeito. Estou assustado, amedrontado e temeroso. Me mandaram encostar na parede, me revistaram, ameaçaram me algemar e não quiseram nem deixar chamar meu advogado. Eu sempre fui a favor da Brigada e agora acontece uma barbaridade dessas.Esta não é a Brigada que eu conheço e defendo.

O que o senhor fará ?

Já fiz, porque a Corregedoria veio rápido para cá e está ouvindo todo mundo. Eu fui ouvido. Tenho a gravação de toda a invasão, das ameaças e inclusive de campanas em carro com placa fria que é feita diante do jornal. Falei com o senador Simon, com o vice Beto Grill, com a OAB. Neste momento viajo para o Uruguai, porque não me sinto seguro aqui. 

E-mail: jornal.pampeano@hotmail.com 

Vitória de Sartori rifa Dilma no PMDB do RS

A esmagadora derrota sofrida por Paulo Ziukolski na pré-convenção do PMDB do RS (leia nota a seguir) terá desdobramentos importantes para as eleições estadual e nacional, porque foi uma vitória incontestável do “velho PMDB de guerra” de Pedro Simon, José Fogaça, Ibsen Pinheiro, Germano Rigotto, Cesar Schirmer e todos os outros caudilhos que comandaram a oposição no Estado durante os anos de chumbo.

. O grande perdedor do dia foi o deputado Eliseu Padilha, que nas últimas semanas deu a cara para bater e assumiu o comando da campanha de Paulo Ziukolski. Novos líderes terão que suceder Padilha no comando das forças emergentes do outro lado do PMDB, a menos que queiram soçobrar com ele.

. Paulo Ziukolski, derrotado, não sofre grande desgaste, porque saiu do zero para uma ribalta que ainda não era dele.

. A vitória esmagadora de Sartori também o coloca como o grande eleitor para três decisões seguintes:

- Coligação presidencial: Dilma foi rifada pelo PMDB do RS, que procurará fechar aliança com o governador Eduardo Campos, PSB, a primeira opção de Sartori.
- Coligação estadual: a função de vice irá para algum Partido aliado, cujo nome ainda não se conhece.
- Senado: a vitória de Sartori fortalece o senador Pedro Simon, que só não será candidato à reeleição se não quiser de verdade. Caso ele desista, estão na lista para sucedê-lo: Germano Rigotto, José Fogaça e Ibsen Pinheiro. Apesar destes nomes, Sartori e a franja vitoriosa hoje, poderá fortalecer a união, oferecendo a vaga a Paulo Ziukolski.


. O PMDB ganhou muita visibilidade com a pré-convenção. A partir de agora, o ex-prefeito de Caxias poderá começar sua campanha. Trata-se de um foertíssimo candidato, com história pessoal e política inatacáveis, um histórico de administrador competente e corajoso, além de parecer para o grande público um político novo na cena estadual, apesar de todo o seu tempo de trajetória. José Ivo Sartori também transmite a percepção de homem do interior bonachão e avesso a jogos e trampas. 

Sartori esmaga Ziukolski na pré-convenção do PMDB: 994 x 304 votos

Apurados 1.380 votos na pré-convenção do PMDB do RS

José Sartori - 994 votos
Paulo Ziukolski - 304 votos

Foi a previsão do editor, com base em informes de uma hora atrás.

Artigo, Percival Puggina - Chover no molhado

Sei que choverei no molhado. Mas penso que em matéria de segurança pública precisamos de muita chuva no molhado. Só uma verdadeira avalanche, causada por sucessivas e repetidas manifestações, poderá frear a expansão da criminalidade a cujo crescente poder, leis e demandas estamos todos sujeitos. É exasperador ler que o provável assassino de um empresário está condenado a penas que se concluem em 2039, mas já flanava no semiaberto, liberado para trabalhar durante o dia. É intolerável saber que esse não foi um episódio ocasional, mas evento rotineiro, parte da agenda cotidiana de ocupações e reclamações, para magistrados, promotores e delegados. É profundamente frustrante, aos pagadores de impostos, saber que autoridades remuneradas com o fruto do nosso trabalho se declaram obrigadas a soltar indivíduos sabidamente perigosos "porque a lei assim determina". E mesmo essa justa frustração fica diminuta perante o sentimento que nos domina quando lemos que há, entre os magistrados, quem faça isso de bom grado, por motivos ideológicos. 

Ao fim e ao cabo, ainda que não o confessem, como aquele parlamentar, lixam-se quase todos. A criminalidade campeia solta, como repetidas vezes tenho afirmado, porque existe muito bandido agindo com inteira liberdade, rindo da lei e auferindo ganhos crescentes em atividades de quase nenhum risco. Parte significativa dos incontáveis crimes contra o patrimônio e a vida dos cidadãos é praticada por indivíduos que já se defrontaram com a polícia e com a justiça. E não deu nada, ou quase nada. 

CLIQUE AQUI para ler tudo. 
E-mail: puggina@puggina.org
Site: www.puggina.org

Tiroteio na Quintino, Porto Alegre, fere um. Assaltante foi preso.

Do Face do editor, ainda há pouco

Tiroteio na rua Quintino Bocaiúva. A área está isolada. Um homem foi detido e uma pessoa foi baleada devido a um assalto, segundo informações do 11º Batalhão de Polícia Militar. Sábado à tarde e bandidos cometendo assaltos... Não querem mais trabalhar à noite, pelo visto.
Renata, Porto Alegre

Comentário de Jorge Bengochea, no mesmo Face
 A impunidade está livre, leve e solta pelo Brasil....Azar de todos nós, vítimas das leis permissivas elaborada pelos nossos "dignos" representantes no Congresso, de uma justiça morosa que não está nem aí para a segurança pública e de administradores que só pensam em gastar e se manter no poder.

Artigo, André Singer - Saiba quem é Eduardo Cunha, o mais novo verdugo de Dilma

Trajetória exemplar
por André Singer, na Folha

Alguns dados biográficos do líder do PMDB, Eduardo Cunha, ajudam a entender a lavada, de 267 a 28, que o governo levou na votação da última terça-feira, quando a Câmara decidiu criar comissão para investigar a Petrobras.

(...) 

Em resumo, é quase um quarto de século de experiência acumulada em controvertidas matérias republicanas. Convém não subestimar.

CLIQUE AQUI para ler tudo.


PMDB estende votação por mais uma hora. Sartori é o favorito.

Neste momento, 14h45min, já votaram 1.361 dos 2.100 convencionais à pré-convenção do PMDB do RS, segundo informou há pouco o presidente do Partido, Edson Brum, que resolveu prorrogar por mais uma hora a votação. Os sinais exteriores de apoio que o editor conseguiu perceber no Teatro Dante Barone, indicam que o ex-prefeito de Caxias, José Ivo Sartori, livrará uma folgada vitória. 

Freire, PPS, hoje: "O ciclo do PT esgotou"

A candidatura de Eduardo Campos e Marina Silva ao Palácio do Planalto já tem seu pitbull. Trata-se do deputado Roberto Freire (PPS-PE), que, na manhã deste sábado, foi um dos astros do encontro programático PSB-Rede. É o que informa o site www.brasil247.com.br, de quem é o texto a seguir:

"Estamos vivendo o esgotamento de um ciclo", disse Freire. Segundo ele, apenas a direita empresarial está tranquila no Brasil, "em razão das negociatas que este governo facilitou".
Freire também bateu duro no pacote de socorro às empresas de energia elétrica. "É um evidente estelionato eleitoral", disse Freire. Segundo ele, os aumentos nas tarifas de energia estão sendo adiados para 2015, depois das eleições.
O presidente do PPS, partido que deve fechar aliança com Campos, também atacou o que chamou de corrupção endêmica no governo do PT.

A transmissão do encontro pode ser assistida aqui. 



Brigada manda Ouvidoria a Jaguarão para investigar invasão e prisão do diretor do jornal "O Pampeano"

 A Corregedoria da Brigada Militar está neste momento na cidade de Jaguarão, RS, porque quer investigar dois incidentes graves que aconteceram em função de um a ocorrência na qual esteve envolvido o prefeito  José Claudio Martins, do PT. O editor chegou a publicar a notícia esta semana, porque as informações iniciais não foram e continuam não sendo divulgadas nos principais jornais do Estado. Pela ordem:

1) No último dia do carnaval, o carro do prefeito foi atacado por uma blitz da Brigada Militar (Operação Balada Segura), o prefeito negou-se a fazer o bafômetro e teve sua carteira de habilitação apreendida. O leitor Renato Jaguarão, no exercício da sua cidadania, procurou a Polícia Civil para verificar a lavratura de Boletim de Ocorrência, mas lá nada encontrou. Foi então até a Brigada e obteve a confirmação de tudo, passando a notícia ao editor, que disponibilizou a nota. Acontece que em seguida o prefeito negou publicamente o incidente, divulgando até mesmo um ofício da guarnição local com a informação de que não teve registro algum sobre o caso. O Boletim de Ocorrência sumiu.
2) O leitor Renato Jaguarão comunicou ao editor que tinha provas do que sabia, comprometendo-se a apresentá-las caso necessário. Isto acabou acontecendo através do jornal Pampeano, que divulgou a íntegra da conversa do leitor com representantes locais da Brigada. Renato tinha gravado a fala dos brigadianos.O MP iniciou investigações, mas arquivou o material. 


. O pior ainda estava por acontecer, porque o jornal acabou sendo invadido esta semana por forças policiais, que foram atrás das provas, dando voz de prisão ao jornalista Anibal Ribas, sem apresentar qualquer mandato judicial. O diretor do jornal, Aníbal Ribas, com quem o editor conversou esta tarde, repeliu as agressões e denunciou a ocorrência.

- O prefeito faz uma gestão polêmica
Por unanimidade, a Quarta Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado recebeu em janeiro a denúncia, formulada pelo Ministério Público, contra o Prefeito Municipal de Jaguarão, José Cláudio Ferreira Martins, por apropriar-se de bens ou rendas públicas, ou desviá-los em proveito próprio ou alheio. Conforme a denúncia, em sua primeira gestão à frente do Executivo municipal, mais precisamente no ano de 2011, José Cláudio Ferreira Martins gastou R$ 5,7 mil para publicar material publicitário em sua promoção pessoal. A renda pública foi usada na confecção e distribuição de 15 mil exemplares de uma revista informativa. Nela, foram publicados depoimentos de cidadãos de Jaguarão declarando-se satisfeitos com as realizações da administração do Prefeito. 

Endividado, Rio Grande do Sul empobrece e perde importância no PIB nacional

Fatores climáticos, dependência do campo e crise nas contas públicas são algumas das causas citadas por economistas para explicar o mau momento do Estado. 
A reportagem é da Folha de S. Paulo. Leia tudo:

Com dificuldade para acompanhar o ritmo do crescimento do país, o Rio Grande do Sul perde status na economia nacional.
Fatores climáticos, dependência do campo e crise nas contas públicas são algumas das causas citadas por economistas para explicar o mau momento do Estado.
O Estado vem freando a participação da região Sul no PIB (Produto Interno Bruto) e foi o único, juntamente com São Paulo e Distrito Federal, a perder importância em relação a 1995. Os dados estão em estudo do IBGE divulgado em novembro.
Entre os anos 1990 e o início dos 2000, os gaúchos respondiam por 7,1% das riquezas produzidas no país. Em 2011, último ano analisado na pesquisa, o índice passou para 6,4%. Já o Centro-Oeste, região de novas fronteiras agrícolas, ganhou espaço. 
Enquanto o país experimentava crescimento acelerado de destaque mundial no meio da década passada, o interior gaúcho enfrentou na época uma das maiores secas de sua história.

Motivos da crise.

CLIQUE AQUI para ler tudo.


Entrevista - Ex-ministra do STF da Venezuela falará dia 19 em Porto Alegre

Décio Gianelli Martins, presidente do Instituto de Pesquisas Gianelli Martins, Porto Alegre

Dia 19, 9h da manhã, a ex-ministra da Suprema Corte da Venezuela, Dra. Branca Rosa Mármol de Leon, falará em Porto Alegre sobre o que acontece neste momento no País de Nicolás Maduro.
Nós convidamos. Será no auditório do Tribunal de Contas do Estado. A dra. Branca foi convidada a se aposentar, depois que libertou das masmorras alguns dos líderes políticos mais importantes da oposição, mandados para a cadeia pelo presidente Hugo Chavez, como foram os casos de Henrique Capriles e Leopoldo López.

Foi um expurgo?
Ela foi muito ameaçada, inclusive seus familiares, e até hoje circula com seguranças.

O que será discutido?
Liberdade de imprensa, autonomia do Judiciário, liberdades públicas, reflexos da crise econômica, conjuntura atual e perspectivas de mudanças. É pauta bem extensa. As informações chavistas são dominantes e por isto queremos notícias de corpo presente, de outra fonte.

Como participar?
A entrada é grátis.

Informes e inscrições grátis:
secretaria@ipgm.org.br

Site www.ipgm.org.br

Tarso renega político do PTB para a vaga de Busatto na secretaria de Obras

O governador Tarso Genro continua mantendo sub judice a atuação do secretário Luiz Carlos Busatto na secretaria estadual de Obras, fustigado pela Operação Kilowatt, desfechada pelo próprio governo e que resultou na demissão de assessores diretos do presidente estadual do PTB e na nomeação de um delegado petista da confiança do Piratini para vigiar os passos do secretário. 

. É que Tarso não aceitou a primeira indicação feita por Busatto para a sua vaga, já que ele sairá do governo no dia 20.

. O PTB foi obrigado novamente a engolir em seco e apresentou o nome do atual diretor técnico da CRM, o engenheiro Eduardo Medeiros.

. Antes de sair do cargo, Busatto terá que comparecer à Assembléia para falar sobre as acusações feitas pela Polícia no âmbito da Operação Kilowatt.

Quantas vezes mais a LBR será denunciada por falsificação de leite ?

O repórter Nilson Mariano conta no jornal Zero Hora de hoje que a LBR, que no RS, entre outras, controla a antiga Bom Gosto, envolveu-se em novas malfeitorias, o que é intolerável para qualquer empresa que tenha se envolvido em casos criminosos semelhantes. Neste caso, não basta que a LBR diga sobre as providências que tomou para a correção do crime, porque punições severas devem ser encaminhadas pelas autoridades policiais e do Ministério Público contra sua própria direção. O caso deixa muito mal o próprio Estado do RS, onde crimes econômicos parecem ocorrer sem que seus autoresd diretos e indiretos enfrentem o banco dos réus e as duras penas da cadeia. Não é mais caso de se lamentar, mas de responder pelo que aconteceu. Leia tudo:

A LBR – Lácteos Brasil tornou-se reincidente com a descoberta de que cerca de 300 mil litros de leite das marcas Parmalat e Líder foram contaminados com formol. Em maio do ano passado, no início da Operação Leite Compen$ado, já fora envolvida em fraudes com lotes da Líder e Bom Gosto.
Apresentando-se como a maior empresa privada do país no ramo de laticínios, a LBR produz mais seis marcas de leite – nenhuma delas sob suspeita –, além de queijos, manteigas e derivados. A companhia está em recuperação judicial desde fevereiro de 2013, com dívidas de R$ 1,1 bilhão junto a 2,7 mil fornecedores. No ano passado, quase foi vendida ao grupo francês Lactalis. Para tentar se equilibrar, está se desfazendo de indústrias pouco rentáveis – já teve unidades em 11 Estados.
Sem detectar "anormalidade"
Na tarde de sexta-feira, a LBR lançou nota sobre o caso. Garantiu que realizou baterias de testes no leite, sem detectar "nenhuma anormalidade". Julgando que estava apropriado, enviou o alimento in natura da fábrica gaúcha de Tapejara para as unidades de Lobato (Paraná) e Guaratinguetá (São Paulo). Também informou que recolheu os lotes apontados como impróprios pelo Ministério da Agricultura, por cautela, mesmo acreditando não haver "anormalidades".
A LBR foi criada em 2010, fruto da união das empresas LeitBom (controlada pela Monticiano Participações, que tem como acionista a dona da Parmalat no Brasil) e a gaúcha Bom Gosto, do empresário Wilson Zanatta, de Tapejara. O novo grupo conseguiu que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aportasse R$ 700 milhões na fusão.

Zanatta é o atual presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Estado (Sindilat). Ele não se manifestou sobre a reincidência da LBR em adulteração de leite, mas o Sindilat divulgou nota lamentando a ocorrência de novo episódio e pedindo que seja esclarecido.

CLIQUE AQUI para ler mais. 

Já começou votação para a escolha do candidato do PMDB ao governo do RS

A votação já começou na pré-convenção do PMDB do RS. Pelo menos 200 delegados encontram-se neste momento na fila que liga o Teatro Dante Barone ao Salão Júlio de Castilhos, interior da Assembléia. A votação irá até as 15h. As 11h40min, os candidatos José Ivo Sartori e Paulo Ziukolski falarão para os 2 mil convencionais.


Chuvas fortes neste sábado e por mais quatro dias no RS

Segundo os meteorologistas da Somar, as cidades gaúchas registrarão chuva intensa nos próximos cinco dias e há riscos de alagamentos. A mínima será de 22ºC e a máxima de 32ºC.

Maria do Rosário diz que não defende bandidos

A ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, denunciou ontem que voltou a ser vítima de informações falsas divulgadas nas redes sociais. Ela se refere exatamnente a uma matéria com declarações inverídicas atribuídas a ela, de que teria se posicionado em defesa de bandidos. O material foi replicada em jornais e colunas.

"Mais uma vez o tal Joselito inventa noticia falsa e absurda sobre mim. É um criminoso, mas como também é mentira que eu defenda bandido, não conta comigo", afirmou no Twitter. Joselito Muller, que escreve um blog diário, especializou-se em fazer humor pesado contra personalidades, o que tem confundido leitores e jornalistas. 


Veja denuncia privilégios de Zé Dirfceu na cadeia. A revista quer presídio de segurança máxima para o chefe do Mensalão.

Com a capa desta semana, a revista Veja denuncia clasros privilégios que gozam na prisão alguns dos mensaleiros do PT, com ênfase para Zé Dirceu. A reportagem também ataca outro bandido do PT, no caso Zé Genoíno: "Numa conversa entreouvida por um servidor, um médico que atendia Genoino revelou ter escutado do próprio petista a admissão de que deixara de tomar alguns remédios para provocar uma arritmia cardíaca e, assim, poder pleitear a prisão domiciliar", diz Veja.

No caso de Dirceu, Veja quer que ele seja enviado para um presídio de segurança máxima:


- A Justiça está analisando um pedido do Ministério Público para que, diante da impossibilidade de controlar os privilégios concedidos aos mensaleiros pelo governo petista de Brasília, todos eles sejam transferidos para um presídio federal.

CLIQUE AQUI para resgatar toda a cronologia do escândalo do Mensalão, a organização criminosa montada pelo PT para desviar recursos públicos e achacar empresários privados, tudo para corromper eleitores e parlamentares, visando perpetuar o Partido no Poder. 

Entenda as manobras que o governo faz para socorrer as elétricas e evitar aumentos de tarifas até as eleições

Em consistente nota que tirou ontem, sexta-feira, o PSDB denunciou os malabarismos que faz o governo Dilma Roussef para segurar o reajuste das tarifas elétricas, o que prejudicaria suas pretensões eleitorais. As manobras sairão muito caras, porque o Tesouro desembolsará R$ 4 bilhões e abriu chance para que a banca entre com mais R$ 8 bilhões em financiamentos, tudo para ajudar as combalidas finanças das distribuidoras, esgualepadas desde que o governo forçou a queda dos valores das tarifas. Em função disto, os papéis das elétricas caíram ontem na Bolsa, tudo por conta do temor de novos desajustes fiscais e em função da certeza de que o socorro não é solução estrutural, mas eleitoreira. Leia a nota do PSDB:

 Durou pouco, muito pouco, a fantasia de contas de luz baratinhas que o governo teceu desde fins de 2012 como manto para a campanha de Dilma Rousseff à reeleição. O modelo está fazendo água por todos os cantos e demandando aportes bilionários, bancados por contribuintes e consumidores. Em poucos meses, guiado pelas mãos da presidente, o setor elétrico brasileiro foi à breca.
Ontem, a equipe econômica anunciou um pacotaço que eleva a R$ 31 bilhões os custos gerados pelo desequilíbrio criado no setor a partir da edição da malfadada medida provisória 579, em setembro de 2012. Como parte das medidas, o governo também antecipou que vem mais aumento de imposto pela frente para bancar parte do rombo. E, espertamente, jogou para depois das eleições o tarifaço que será necessário para soerguer o setor de energia.
A partir de 2015, as contas de luz deverão subir com mais força do que caíram. Segundo cálculos de uma consultoria em energia publicados por O Globo, há um aumento de 24%  já represado para ser repassado às tarifas a partir do ano que vem. Parte disso (4,6%) já irá entrar nas contas de luz deste ano, segundo a Aneel. Ou seja, tudo o que Dilma anunciou como uma “histórica redução” nos preços da energia no país irá para o ralo rapidinho.

A crise energética é fruto exclusivo de iniciativa tomada pela presidente Dilma estritamente sob prisma eleitoral, a desastrada MP 579. Na ocasião, a presidente usou a data cívica mais importante do país, o aniversário da Independência, para convocar rede nacional de rádio e televisão e alardear a redução nas contas de luz. Será que agora fará o mesmo para explicar aos cidadãos que a medida não deu certo e eles terão de começar a pagar a conta já neste ano?

CLIQUE AQUI para mais análise. 

PMDB decide, hoje, se fica com Sartori ou Ziukolski para o governo do Estado

Os candidatos à condição de candidato a governador pelo PMDB, José Ivo Sartori e Paulo Ziukolski, falarão no final da manhã na pré-convenção que o Partido realizará durante todo o dia no Teatro Dante Barone, Assembléia Legislativa, Porto Alegre.

. 2.100 delegados votarão em três urnas eletrônicas. Os resultados serão conhecidos até as 16h30min.

. A pré-convenção não decidirá sobre a vaga ao Senado e nem sobre coligações.

. A confirmação do nome extraído hoje, a escolha dos candidatos ao Senado, Assembléia e Câmara, bem como as alianças, sairão na convenção de junho.

. O PMDB poderá confirmar a recandidatura de Pedro Simon, mas se ele abrir mão, disputarão a vaga o ex-governador Germano Rigotto e o ex-prefeito e ex-senador José Fogaça. Aliados de Ziukolski acham que ele poderá ocupar o encargo, caso perca a disputa de hoje. 

. No caso das coligações nacionais, caso Sartori vença, a opção será por Eduardo Campos ou Aécio Neves, com preferência pelo socialista, mas se o vitorioso for Ziukolski, o PMDB gaúcho optará por Dilma.