Zero Hora denuncia nove obras sem conclusão e R$ 21 milhões em sobrepreço: o legado da Copa em Porto Alegre

A reportagem a seguir é assinada pelos jornalistas Bruno Felin e Marcelo Gonzatto, jornal Zero Hora de domingo, e foi construída em cima da análise de 4,9 mil páginas de inspeções do Tribunal de Contas, que  mostra erros, irregularidades e atrasos nas obras de mobilidade urbana de Porto Alegre.

Dentro de campo, a Copa do Mundo 2014 terminou há um ano. Nas ruas de Porto Alegre, não tem data para acabar. De 14 projetos elaborados para o torneio, apenas cinco foram concluídos: três viadutos e a ampliação de duas vias no entorno do Beira-Rio. Os demais seguem em execução, com atrasos superiores a dois anos em relação ao previsto nos contratos com as empreiteiras. Algumas melhorias, como a duplicação da Rua Voluntários da Pátria, não têm prazo para o apito final.
O prejuízo não é só no cotidiano de quem precisa driblar canteiros de obras e desvios, mas concreto. Em inspeções, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) sobrepreços que somam pelo menos R$ 21 milhões – em parte evitados pela retenção de pagamentos às construtoras. Outros R$ 2 milhões já foram pagos e podem ser restituídos aos cofres públicos quando as contas forem julgadas.
Atrasar o término do corredor BRT (ônibus de trânsito rápido) da Protásio Alves, por exemplo, custou R$ 98 mil ao mês até agora. O impacto poderia ter sido maior se o TCE não tivesse acompanhado todas as obras em tempo real, medida que não era aplicada para outras obras públicas.
Entre as razões do sobrepreço identificado está o tipo de tabela usada para orçar materiais de construção. A prefeitura adotou uma planilha nacional referendada pela Caixa Econômica Federal (chamada Sinapi), mas os auditores consideraram que ela apenas estabelece um limite máximo, e que seria mais adequado empregar a tabela da Secretaria Municipal de Obras e Viação (Smov), por retratar melhor o mercado local.

— O sobrepreço tem uma discussão técnica. Em alguns casos, equacionamos. Em outros, não tivemos como, ou a obra não seria feita — diz o prefeito José Fortunati.

ZH analisou, via Lei de Acesso à Informação, 4.894 páginas produzidas pelo TCE com descrições de problemas em projetos básicos, licitações e serviços. Em parte, as falhas têm origem na pressa e na falta de planejamento a fim de garantir R$ 888 milhões disponíveis para financiar obras de mobilidade. A Capital obteve verba federal para o maior número de melhorias urbanas entre todas as cidades-sede, mas se sujeitou ao ônus de não conseguir terminá-las. O relatório do TCE sobre a Terceira Perimetral diz: "O baixo percentual de execução das obras e as dificuldades para superar os entraves existentes demonstram as deficiências de planejamento e de gestão (...)".

Tudo começou em 2009, quando o município assinou convênio para receber como doação do Centro das Indústrias do Estado (Ciergs) todos os projetos básicos de engenharia. Os trabalhos não conseguiram identificar, por exemplo, o tipo de solo em obras como a trincheira da Anita, onde havia rocha, ou na da Ceará, muito mole. A construção parou, e os projetos foram refeitos.

— Foi erro de projeto, mas, com o tempo e o dinheiro que tínhamos, fizemos o possível — alega o engenheiro contratado pelo Ciergs, Paulo de Tarso Dutra, em relação à Ceará.

Dutra também se queixa de falta de planejamento das gestões municipais:

— O projeto da Tronco foi alterado oito vezes na prefeitura. Não se sabia quantas pessoas seriam realocadas.
]
Uma das exigências da Caixa era começar as construções a tempo de terminá-las para o Mundial. Isso resultou em canteiros de obras abertos sem verbas disponíveis, com projetos a serem corrigidos ou sem todas as licenças devidas. Sem os papéis em ordem, o banco não liberava os recursos, as construtoras não recebiam, e o trabalho perdia fôlego. Para terminar o entorno do Beira-Rio a tempo, a prefeitura usou dinheiro próprio.

— Ou iniciávamos (as obras) ou perdíamos a verba. Que bom que iniciamos — argumenta o secretário municipal de Gestão, Urbano Schmitt.


O improviso tem seu preço. Surgiram entraves com desapropriações, brigas judiciais, transplantes de árvores. Somaram-se a isso os apontamentos de sobrepreço, o que fez a prefeitura reter parte dos pagamentos às empreiteiras. Sem repasses, os canteiros de obras definharam ainda mais.

Aliado do PT no Paraná e em Brasília, senador Requião anuncia a criação do Movimento "Nos Fodemos"

Aliado do PT no Paraná e no governo Dilma, do qual acaba de arrancar a nomeação do seu irmão Maurício para o cargo de conselheiro de Itaipu Binacional,R$ 24 mil por uma reunião por mês, o senador e ex-governador Roberto Requião reuniu-se com blogueiros amestrados em Curitiba e se declarou adepto do movimento popular "Nos Fodemos", que segundo ele é o movimento "contra tudo e contra todos" que virão aí, desde que ninguém perca suas boquinhas.

Eis o que disse o senador do PMDB:

- Na Grécia temos o ‘Syriza’, na Espanha nós temos o ‘Podemos'; agora, se os movimentos populares no Brasil continuarem despolitizados, for uma manifestação simples e vaza dia, de indignação, contra tudo e contra todos, nós não vamos fazer nem o ‘Syriza’ nem o ‘Podemos’. O nosso movimento poderá ser chamado ‘Nos Fodemos.

Os blogueiros amestrados foram ao delírio e prometeram engrossar o movimento "Nos Fodemos".

Lula recebe a visita de chefão do tráfico venezuelano

Na semana passada, Diosdado Cabello, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, esteve no Brasil, em visita não-oficial. Foi recebido por Lula duas vezes, segundo a Veja. Seria mais um convescote bolivariano-lulista, não fosse Diosdado Cabello um dos maiores barões da cocaína do mundo, ligado ao Cartel dos Sóis. Um ex-guarda-costas do sujeito delatou às autoridades americanas que Diosdado Cabello comanda 90% da exportação da cocaína produzida pelas Farc. O currículo é tão pesado que ele só se atreve a viajar a Cuba -- e ao Brasil.

Logo depois que Diosdado Cabello desembarcou em São Paulo, a PF deu início à operação para prender uma quadrilha que, da Venezuela, internou ilegalmente no país o equivalente a 3 bilhões de reais. O chefe venezuelano dessa bandidagem especializada em evasão de divisas e lavagem de dinheiro é José David Cabello, ministro das Indústrias e diretor do Centro Nacional de Comércio Exterior bolivariano. Ele é irmão de Diosdado.


Lula tem milhões de motivos para comemorar as dificuldades dos jornais brasileiros.

Com sintomas de esquizofrenia, PT grita "Fora, Cunha !", no seu Congresso de Salvador, mas aprova prosseguimento da aliança com Cunha

O PT rejeitou neste sábado, em seu 5º Congresso Nacional, a revisão da política de alianças do governo da presidente Dilma Rousseff, que tem como principal aliado o PMDB, partido do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Apesar da decisão, dirigentes petistas ecoavam gritos de "fora, Cunha" enquanto era discutida a proposta sobre uma ruptura com o PMDB e demais partidos aliados já para as eleições de 2016, como propunham alas mais à esquerda do PT.

O líder do governo no Congresso, deputado José Guimarães (PT-CE), que defende a manutenção do sistema de coalizão, disse que não estava ali em favor do presidente da Câmara. "Não estamos aqui defendendo Cunha", disse Guimarães aos gritos.

"Vocês não sabem como é. No Congresso, matamos um leão por dia. Não podemos isolar o governo", disse o deputado.

O deputado Carlos Zarattini (PT-SP), que também saiu em defesa do PMDB, disse que há "democratas" entre os aliados, mas chamou Cunha de "oportunista de ocasião."

"Não é porque um oportunista de ocasião conseguiu se alçar à Presidência da Câmara que vamos perder conquistas de doze anos", disse Zarattini.

O texto rejeitado pelos petistas dizia que "o presidencialismo de coalizão está esgotado, dando espaço e poder ao principal dos 'aliados', muitas vezes, o sabotador do governo, o PMDB, que opera pela contrarreforma política e pela revisão do regime da partilha do pré-sal."

ECONOMIA

Em acordo com a ala majoritária do PT, um grupo liderado pela Mensagem ao Partido, segunda maior tendência petista, aprovou uma emenda sobre a política econômica do governo federal com críticas ainda mais atenuadas do que já havia no texto-base, aprovado na quinta-feira (11).

O texto final não citará o nome do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e dirá que é preciso "conduzir a orientação geral da política econômica para implementação de estratégias para a retomada do crescimento para a defesa do emprego, do salário e dos demais direitos dos trabalhadores que permita a ampliação das políticas sociais."

A edição inicial da emenda propunha "alteração da política econômica", expressão que foi trocada de última hora, em acordo, para "conduzir a orientação geral da política econômica."

CPMF

A emenda que propunha incluir a volta da CPMF, além do imposto sobre grandes fortunas, imposto sobre herança, imposto sobre lucros e dividendos e a auditoria da dívida pública foi rejeitada por 350 votos a favor e 302 votos contrários.

A reedição da CPMF havia sido incluída no texto base pelo presidente do PT, Rui Falcão, que foi aprovado na quinta-feira (11), mas o debate virou uma queda de braço entre PT e governo. O trecho foi retirado do documento final.

Foi mantido no texto base a proposta de imposto sobre grandes fortunas, imposto sobre herança e imposto sobre lucros e dividendos como um aceno do governo à esquerda.

A emenda que propunha incluir a auditoria da dívida pública foi rejeitada.  

Aécio e Dilma lamentam a morte de Fernando Brant

Aécio e Dilma, dois mineiros, lamentaram esta tarde a morte de Fernando Brant. Dilma publicou a seguinte nota:

Quero deixar meus sentimentos aos familiares, amigos e fãs da música e da poesia de Fernando Brant, lembrando um dos seus mais conhecidos versos: ‘Com a roupa encharcada e a alma/ Repleta de chão/ Todo artista tem de ir aonde o povo está’. Fernando cantou a nossa geração, o nosso povo e os nossos sonhos" declarou Dilma, na nota divulgada neste sábado

Arbitrariedades de Aécio/Marchezan Júnior são derrubadas em decisões sucessivas da Justiça Eleitoral do RS

A direção nacional do PSDB, leia-se Aécio Neves, continua agindo de modo autoritário em relação ao Partido no RS, tratando-o como se os tucanos gaúchos fossem representantes de alguma colônia africana, porque depois de impugnar a escolha de 100 delegados dos diretórios de Porto Alegre, São Leopoldo, Santa Maria, Dom Pedrito e Caxias do Sul, visando interferir na escolha do novo presidente estadual, acabou adiando a convenção para o dia 21.

A convenção iria acontecer amanhã.

A decisão de Aécio, tomada pela sua longa manus, o vice Bruno Araújo, visa beneficiar o deputado Marchezan Júnior, que ele quer ver nas posições de presidente estadual e municipal, tudo com o objetivo de lançá-lo candidato a prefeito de Porto Alegre.

Aécio e seu aliado Marchezan, trombam com 4 dos 5 deputados estaduais, inclusive os mais votados, além de hostilizarem prefeitos como Moacir Aníbal, São Leopoldo, que derrotou o PT depois de 16 anos de domínio estrelado da cidade. Em Porto Alegre, os 53 delegados estão todos contra Marchezan Júnior. O deputado também tem mantido trajetória de conflito com a ex-governadora Yeda Crusius.

O candidato da situação, Lucas Redecker, além de ser o deputado mais votado (200 mil votos), é secretário estadual de Minas e Energia do governo José Sartori.

A impugnação dos delegados, feita de modo arbitrário e ilegal, está caindo como um castelo de cartas.

Na terça-feira, o diretório de São Leopoldo derrubou a decisão em juízo e o advogado Décio Itiberê disse esta tarde ao editor, que fará o mesmo em Caxias, Dom Pedrito e Porto Alegre. Em Santa Maria, o próprio deputado Jorge Pozzobom cassou a decisão.

Três chapas concorrem, lideradas por Marchezan Júnior, Vicente Bogo e Lucas Redecker. Os adeptos de Redecker acham que ganhariam mesmo sem os 100 votos de delegados.

Capa de Veja discute redução da maioridade penal

A revista Veja disponibilizou há pouco a capa da sua edição deste final de semana, mas a reportagem central é sobre a questão da maioridade penal.

O PT e Lula vinham alertando seus fiéis para o que aconteceria com a edição da revista, que segundo eles trataria de denunciar o ex-presidente por novos crimes, todos relacionados com dinheiro que seu Instituto Lula vem arrecadando com empreiteiras envolvidas no Petrolão.

Ontem, em Salvador, no Congresso do Partido, o Instituto Lula chegou a divulgar nota, alertando para a reportagem que Veja estaria construindo (leia nota abaixo), mas este não é o assunto de capa.

O que chama a atenção é que a revista não costuma demorar tanto para disponibilizar na Internet a sua capa.

Duas propostas disputarão construção de estacionamento subterrâneo no centro de Porto Alegre

A prefeitura de Porto Alegre recebeu, nesta sexta-feira, dois estudos sobre a construção de um estacionamento subterrâneo no Centro Histórico. Entregues por duas empresas na modalidade manifestação de interesse, os documentos serão abertos na semana que vem e poderão servir de base para um futuro edital de licitação - isso se algum dos estudos (ou ambos) mostrarem que existe viabilidade econômica no empreendimento. 

A discussão sobre a criação de vagas subterrâneas na Capital começou há quase quatro anos com a ideia de construir dos estacionamentos: um no subsolo do Parque da Redenção e outro sob a Praça Parobé. O primeiro foi descartado pela prefeitura, por conta do alto custo que a obra despenderia, devido ao desnível do terreno. 

A segunda ideia foi apenas deslocada de lugar para o Largo Glênio Peres, por ser um lugar mais central, com mais circulação de pessoas e mais próximo do trensurb, do Mercado Público e outros pontos importantes. 

Redução de vagas no centro de Porto Alegre é caminho sem volta, diz secretário 

De acordo com o coordenador do Gabinete de Assuntos Especiais (GAE), Edemar Tutikian, que está à frente do projeto desde o início, as quatro empresas que já haviam entregue estudos em 2011 foram convidadas novamente a apresentar ideias, com a liberdade de propor número de vagas e tamanho, valor de investimento e tempo de concessão de um possível estacionamento sob o Largo. 

- O projeto vai ter sustentabilidade se oferecer um resultado viável dessa equação - explica Tutikian. 

Leia todas as notícias sobre Porto Alegre 


Os estudos servirão de embasamento científico para a prefeitura e não há nenhuma garantia de que um seja escolhido. Pode ser que um pouco de cada um seja aproveitado ou até mesmo nenhum. Mas se um for considerado viável, o edital de licitação poderá prever pagamento de R$ 150 mil para a empresa que fez o estudo, valor a ser pago por quem vencer o processo. 

Veja quer surpreender com reportagem-bomba sobre os crimes de Lula

A revista Veja ainda não colocou em circulação a sua edição deste final de semana, embora já estejamos no sábado, 9h28mnin. Ao lado, Lula e Okamotto, mais capas de Veja sobre as patifarias do ex-presidente. - 

Fechada em copas” a redação da Revista Veja tomou todos os cuidados para que não vaze absolutamente nada sobre o conteúdo da matéria que publicará nas próximas horas. Mas reina um silêncio sepulcral a respeito do que será publicado.


Em Brasília a aposta é que a capa da revista mostre um Lula e seu Instituto no centro do Petrolão.

Em Salvador, o presidente do PT, Rui Falcão, já sabe que virá chumbo grosso. 

O Inastitutro Lula também sabe de tudo. Eis a nota que ele divulgou ontem:

- Estamos assistindo ao início de uma ofensiva midiática contra a imagem e a honra do ex-presidente Lula, com evidente motivação político-partidária. Como tem se tornado comum, infelizmente, em nosso País, tal ofensiva não poupará pessoas e instituições de reconhecida probidade e seriedade, no intuito de desmoralizar e até criminalizar as atividades do mais importante líder popular do Brasil. A revista Veja é um dos instrumentos dessa ofensiva.

A entidade foi procurada pela revista Veja, que conversou com o presidente, Paulo Okamotto, e prepara reportagem sobre doações; "A abordagem da revista revelou claro intuito de colocar as atividades do ex-presidente, legais e legítimas, em mais um dos enredos fantasiosos, mistificadores e caluniosos que têm caracterizado aquela publicação", diz o Instituto Lula;

Impasse na escolha de delegados faz PSDB adiar eleição do novo presidente para o dia 21

O impasse ocasionado pela legitimação de delegados de cidades importantes como Porto Alegre, São Leopoldo e Santa Maria, levou a direção nacional a adiar deste domingo para o dia 21 a convenção que elegerá o novo presidente do PSDB no RS.

A direção decidiu enviar a Porto Alegre um dos seus representantes, João Almeida, que tentará acertar os ponteiros.

Disputam três chapas, lideradas por Marchezan Júnior, Lucas Redecker e Vicente Bogo.

A disputa pelos delegados transbordou para o Judiciário, porque o deputado Jorge Pozzobom, que é de Santa Maria, incomodado com a impugnação feita por Marchezan Júnior, conseguiu derrubá-la em decisão liminar.

Ricardo Noblat diz que o ladrão número 1 da República quer que o defendam como o Catão número 1 da República

É deste modo que o povo que frequenta as redes sócios querem ver Lula. Ele escapou da Papuda porque Zé Dirceu e seus quadrilheiros do Mensalão praticaram a lei do silêncio, livrando o verdadeiro chefe da organização criminosa, mas também porque o PSDB quis "sangrar" e não "prender" Lula. Agora, com o Petrolão, está de novo chegando a hora de Lula, o verdadeiro chefe da nova organização criminosa. - 


Neste artigo de hoje em O Globo, intiulado "Lula cobra explicações da República e exige que o defendam", o jornalista Ricardo Noblat revela que algumas cabeças ilustres da República tiveram, ontem, que dar satisfações a Lula, o ex-presidente que não desencarna nunca do papel que hoje cabe a Dilma. O motivo? A convocação de Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula e uma espécie de contador da família Silva, pela CPI que finge investigar a roubalheira na Petrobras.

Leia toda a análise:

O governo tem folgada maioria na CPI desde que o PMDB se comporte ali como ele quer. Há dois dias, a turma do PT faltou a mais uma sessão da CPI. E o PMDB resolveu dar uma traidinha.

Foi o que bastou para que a oposição aprovasse a quebra do sigilo do ex-ministro José Dirceu e da empresa de consultoria dele. E chamasse Okamotto para depor.

Espera-se que Okamotto, que conhece Lula melhor do que a própria Dona Marisa, fale sobre as relações do Instituto Lula e do próprio Lula com empreiteiras que prestaram serviços à Petrobras.

Lula ficou furioso. E o primeiro a sentir o peso da sua fúria foi o vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP). Lula foi ríspido com ele. Temer também se disse surpreendido pela convocação de Okamotto.

“Você não sabe que há uma campanha de destruição de minha imagem?” – perguntou Lula a Temer. “Como o PMDB deixou que a CPI chamasse Okamotto?”.

Temer transferiu as perguntas para Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados. Eduardo respondeu que não sabe o que houve. Irá se informar.

Em Salvador, onde participa do 5º Congresso do PT, Lula reuniu-se com Rui Falcão, presidente do partido, com o líder do governo na Câmara, José Guimarães, e com o relator da CPI.


Tomou satisfações. E exibiu que o partido não deixe que coisas assim voltem a acontecer. Luiz Sérgio (PT-RJ), relator da CPI, queixou-se da falta de articulação política do governo.

Itamaraty libera documentos de 'Operação Abafa' do caso Lula

CLIQUE AQUI para entender o caso. O texto é análise do Instituto Teotônio Villela sobre a negativa inicial do Itamaraty e as razões que apontou. -

Presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado conversou com o ministro interino, Sérgio Danese, nesta sexta-feira

O Itamaraty confirmou nesta sexta-feira a liberação dos documentos que ligariam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a empreiteira Odebrecht.

Por meio de nota, o Itamaraty justificou que o memorando do diretor do Departamento de Comunicação e Documentação (DCD), ministro João Pedro Corrêa Costa, faz parte de um processo “normal de consulta interna”.


O jornal O Globo, que foi quem revelou a primeira informação, informou neste sábado que o Ministério das Relações Exteriores deflagrou ação para evitar que documentos que envolvam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com a Odebrecht, empreiteira investigada na Operação Lava-Jato, viessem a público.

Jô fez programa eleitoral disfarçado com Dilma

Num programa que mais parecia horário eleitoral disfarçado, a presidente Dilma Rousseff afirmou em entrevista ao Programa do Jô, que foi ao ar na madrugada deste sábado, na TV Globo que, embora necessite de um ajuste fiscal para equilibrar as contas públicas, o Brasil não está "estruturalmente doente".

Segundo ela, o país passa momentaneamente por "problemas e dificuldades", e o ajuste é necessário para uma rápida retomada do crescimento econômico. Ela também se disse "bastante agoniada" com a inflação e afirmou que se sente "triste" com as críticas que recebe, mas disse que aprendeu a conviver com a situação:

- É todo dia. Tem horas que exageram um pouco. Pegam pesado. Mas é da atividade pública.

Ibsen avisa que abriu mão do salário de deputado quando assumiu o cargo

Ao contrário do que publicou o jornal Zero Hora, o deputado Ibsen Pinheiro, PMDB, não saca os R$ 25,3 mil a que tem direito na Assembléia.

É que ele abriu mão do salário, considerando que já recebem como procurador aposentado do Ministério Público Estadual.

Ibsen só divulgou a notícia ontem a tarde, porque não quis fazer alarde quando assumiu como deputado.

O deputado recebe valores pelo antigo Feppa (R$ 6 mil), Fundo de Pensão da Assembléia, e também pelo Fundo da Câmara dos Deputados (R$ 12 mil), para os quais contribuiu antes de serem extintos e terem seus valores apropriados pelos governos estadual e federal.

Médicos e pessoal da Bom Jesus resolveram parar duas horas sempre que ocorrer violência no Pronto Atendimento

O Sindicato Médico resolveu apoiar publicamente a decisão do pessoal do Pronto Atendimento, que decidiu paralisar tudo por duas horas, sempre que ocorrer agressões físicas ou morais na unidade. A nota do Simers saiu na manhã deste sábado.

É duríssima a nota do Sindicato Médico do RS, Simers, ao protestar contra os crescentes níveis de mau atendimento dos serviços públicos em Porto Alegre.

Os médicos resolveram centrar as críticas à escalada de falta de pessoal e condições materiais  que atinge o Pronto Atendimento da Bom Jesus, um dos mais populosos e centrais da Capital.

"A prefeitura age de forma temerária e irresponsável", denunciou o Simers, em nota assinada pelo presidente Paulo Argollo se sua vice Maria Rita Assis Brasil.

Faltam médicos e funcionários, a área existente já é insuficiente, falta segurança e as condições de trabalho são insalubres.


Saiu lista dos pensionistas do IPE. Banrisul não divulgará dados de ninguém.

Saiu ontem a tarde a relação nominal e os salários dos servidores ativos vinculados às empresas públicas. Na mesma página na internet, é possível também obter informações sobre os 45.668 pensionistas pagos pelo IPE (Instituto de Previdência do Estado).

Já tinham sido divulgados os salários de 372.011 servidores estaduais (ativos e inativos) vinculados ao Poder Executivo, incluindo a administração direta, fundações e autarquias.

Durante a tarde desta sexta, foi disponibilizada para consulta a lista de servidores do Badesul Desenvolvimento, Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan), Companhia Estadual de Silos e Armazéns (CESA), Companhia Riograndense de Artes Gráficas (Corag), Companhia de Gás do RS (Sulgas) e Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR).

Ainda estão previstas as divulgações da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), Companhia de Processamento de Dados do RS (Procergs), Centrais de Abastecimento do RS (Ceasa) e Companhia Riograndense de Mineração (CRM).


Ainda de acordo com nota publicada no site do governo, o Banrisul não divulgou os salários "por uma questão de mercado": argumenta-se que os demais bancos, inclusive controlados por governos, não tornam públicas suas listas de trabalhadores.

Sartori abre exceção e chama 240 concursados da Secretaria de Recursos Humanos

O governador José Ivo Sartori resolveu, ontem, chamar 240 aprovados selecionados em concursdo para preenchimento de vagas na Secretaria de Modernização Administrativa e Recursos Humanos (Smarh). 

A decisão foi uma exceção ao decreto do governo suspendeu até o fim do ano a convocação de concursados. Serão supridas 226 vagas no Quadro dos Técnico-Científicos, sete para os cargos do Quadro Geral do Estado e outras sete para o Quadro dos Técnico-Científicos de Nível Médio. 

Segundo o secretário da Smarh, Edu Olivera, a medida irá atender aos cargos vagos existentes e substituir as contratações emergenciais vigentes.