A foto abaixo mostra meu netinho buscando um "empreguinho público", no dizer alienado de Túlio Milman.

Ao lado um dos inúmeros netinhos do editor, apenas 2 anos, aprendendo patriotismo antes mesmo de optar pelo Grêmio.

Ele prepara-se para as manifestações de domingo, sabendo que os atos de rua do dia 15 defenderão sua liberdade, ameaçada pelos pelegos, lúmpens e toda a catrefa petista e neopetista aboletada dentro e fora do governo.

O jornalista Túltio Milman, diante da cena, certamente recomendaria que meu netinho enrolasse a bandeira e fosse para casa tomar chá de mate e ler Luiz Fernando Veríssimo, afastando-se das desagradáveis disputas políticas pela sobrevivência da democracia e da economia de mercado.

No seu artigo de hoje (leia abaixo) o jornalista diria que meu netinho prepara-se para disputar um empreguinho público.

Túlio Milman ainda não aprendeu que não fazer política é permitir que canalhas da pior espécie, como os atuais varões da república, façam política suja por ele.

Este é o artigo que Túlio Milman deveria ter lido antes de escrever seu besteirol covarde deste sábado

O artigo a seguir é do jornalista Josias de Souza, UOL. Seu colega Túlio Milman teria lucrado muito, caso tivesse escrito sua catilinária neutra - o besteirol imoral e covarde que assinou hoje na zerohora.com

"Dilma Rousseff dividiu o asfalto em duas faixas. Numa, promete desfilar neste domingo a rapaziada da ala chapa quente. Noutra, trafegou nesta sexta-feira a pelegada do bloco chapa branca. É grande a diferença entre os dois grupos. Um é a sociedade civil. Outro, a sociedade organizada. Um é o público. Outro, a coisa pública. Um faz pressão popular. Outro, lobby. Um é grito. Outro, resmungo. Um é explosão. Outro, flatulência".

E concluiu:


"Ninguém espera para este domingo nada tão grandioso. Mas Dilma está apreensiva. Dependendo da temperatura do asfalto, o derretimento do que lhe resta de imagem será mais rápido".

Só o Senado julgaria o impeachment de Dilma

O editor buscou ouvir juristas, deputados e senadores na manhã deste sábado, e reolheu esta rota para que pedido de impeachment contra Dilma Roussef seja aceito, discutido e votado pela Câmara e pelo Senado:

Fato determinado – Não existe necessidade de fato determinado. Não se trata de CPI. O impeachment é um processo político e ocorre por qualquer caso que deputados e senadores considerarem relevante, como caso claro de improbidade administrativa do presidente ou a simples ameaça ou existência de condições de gogvernabilidade, que é o que acontece agora.

Câmara recebe o pedido, mas não julga – Quem aceita o pedido ou rejeita o pedido in limine é o presidente Eduardo Cunha, mas o plenário poderá desautorizá-lo e fazer ele mesmo o serviço.

Senado julga – Somente os senadores encaminham o processo e julgam o presidente.
No caso atual de Dilma, como ainda não surgiram fatos incontroversos que a liguem diretamente ao escândalo do Petrolão, o que está mais próximo da justificativa para impeachment é as crescentes demonstrações de ingovernabilidade.


Caso Dilma seja cassada, assumirá Michel Temer, que terá 90 dias para convocar novas eleições. 

Artigo do editor - Eu quero que me incluam nessa !

Túlio Milman acha que garante sua zona de conforto ao alienar-se da disputa política em curso e que opõe as forças do bem e as forças do mal. Ele será degolado da mesma forma, caso vença o corrupto e comunista Exército do MST, o Exército de Lula. A história já demonstrou que colaborar com exterminadores sempre acaba mal - para o colaboracionista. 


Ao contrário do jornalista Tulio Milman, um dos principais colunistas do jornal Zero Hora, RBS, eu quero que: me incluam  nessa, porque estou do lado dos que não roubam dinheiro público, não procuro empreguinho e quero asseguradas as liberdades públicas e individuais, o que significa que estou no campo de quem defende o estado republicano e democrático de direito, além da economia de mercado com isonomia social.

Não se trata de uma disputa eleitoral entre governo e oposição,  mas de uma luta política no seu sentido mais aristotélico entre o governo e seus asseclas de um lado, e do outro lado o povo que não aguenta mais seus inconsequentes representantes.

Aqui não é GreNal, mas tem que ter lado.

No seu artigo da RBS de hoje, o jornalista apenas replica os argumentos que Zero Hora usou no editorial deste sábado, que mais uma vez revela apenas a covardia moral e política do grupo gaúcho, já ele que é incapaz de se colocar ao lado do bem, mas que pior do que isto, tenta situar-se acima de uma falsa disputa que estaria ocorrendo entre brasileiros que defendem valores morais, éticos e políticos de peso igual, embora com inflexões um pouco diferentes um do outro, resumindo-se tudo a uma luta de semelhantes pelo Poder.,

Como se fosse possível igualar a luta do bem contra o mal, ou por acaso o povo que pede o impeachment de Dilma é o mesmo que roubou R$ 88 bilhões da Petrobrás, está nas prisões da Papuda e da PF do Paraná, repatriou R$ 187 milhões de dinheiro sujo que estava na Suíça ? A quem julgam Sérgio Moro e Teori Zavascki: os representantes do eixo do mal (Dilma, Lula, PT e seus asseclas) ou a população que irá para as ruas neste domingo de tarde ?

Isto não passa de um insulto à inteligência das pessoas, porque ofende gravemente os brasileiros que não são ladrões, que não organizam quadrilhas, que não corrompem e nem são corrompidos, que não tentam amordaçar as liberdades públicas, inclusive de imprensa, mas que sobretudo não mentem, não são traiçoeiros e nem se colocam a serviço de forças ideológicas corrompidas, chame-se isto de comunismo ou bolivarianismo, o que dá no mesmo.

Leia a insultuosa, covarde e falsamente esperta manifestação de Túlio Milmann, que neste domingo estará tomando mate em casa e vendo os jogos do futebol americano, enquanto nós estivermos desfilando na rua para impedir que seus inimigos, m ais adiante,  ganhem força política para fechar o seu jornal, tirar-lhe o emprego e fuzilá-lo, como fizeram antes comunistas, fascistas e nazistas. 

Leia o artigo de Túlio Milman, "Me incluam fora dessa"

Antes que algum gritão jogue a primeira pedra, explico: a roubalheira na Petrobras me enoja. E acho que protestar na rua – pacificamente – é bom para a democracia e não uma tentativa de golpe.
Mas eu aprendi com a História. Quando os ânimos se acirram, são os mesmos que sempre sofrem. Eu não sou massa de manobra de ninguém. Vocês aí que querem briga, não contem comigo. Vocês que querem justificar a roubalheira, não contem comigo. Quero os ladrões na cadeia, mas só depois de serem condenados pela Justiça. Vocês que querem atropelar a democracia e derrubar a presidente, não contem comigo. Posso não concordar ou não gostar do governo, mas ele foi eleito.
Tenho mais o que fazer. Trabalhar, curtir meus amigos, minha família. Cumprir com as minhas obrigações de cidadão. Para depois, aí, sim, exigir meus direitos.
O Brasil está se transformando em um grande Gre-Nal de antigamente. Não torço sequer pelo empate.
Quero que os dois percam.

Frias, Saad, Ratinho e Guzzo estão na lista do HSBC da Suiça

Entre os personagens que mantêm ou mantiveram contas numeradas no HSBC da Suíça estão nomes como Otávio Frias, que fundou a a Folha de S. Paulo, Johnny Saad, dono do grupo Bandeirantes, Lily Marinho, viúva de Roberto Marinho, do Globo, José Roberto Guzzo, colunista e membro do conselho editorial da Abril, Ratinho, apresentador do SBT, e Mona Dorf, jornalista ligada à Rádio Eldorado; todos alegam que não cometeram irregularidades; presença de barões da mídia na lista também revela seletividade do jornalista Fernando Rodrigues, do Uol, que foi escolhido pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, do qual faz parte, para divulgar o material. 

Fernando Rodrigues é jornalista do Uol, site controlado pela Folha e por O Globo. 

Quem disputaria novas eleições: Lula, Aécio e Joaquim Barbosa ?

Veja praticamente replica reportagem de capa da revista ´Época (veja abaixo) e diz que encurralada pela crise política, a paralisia econômica e os cofres vazios, Dilma Rousseff parece incapaz de enxergar a realidade.

 Reportagem de VEJA de hoje mostra os motivos da insatisfação popular com o governo e as saídas possíveis, de uma reforma ministerial que aplaque os ímpetos conspiratórios de aliados à destituição da presidente por um processo de impeachment.

A revista mostra que o impeachment está previsto na Constituição.

Em 90 dias, novas eleições deverão sair. Candidatos seriam Lula, Aécio e Joaquim Barbosa ?

Coca Cola terá rua, hoje, no Viva Open Mail

Será neste sábado a inauguração da Rua Coca Cola. O evento sairá no interior do novo Viva Open Mail. Ali, o grupo Vonpar, que detém os direitos do uso da marca e das bebidas, inaugurou a primeira loja de seu outro empreendimento, a Neugebauer.

Famurs também apóia manifestações do dia 15

A Famurs, entidade que representa os municípios do RS, acaba de tirar nota de apoio às manifestações deste domingo em todo o Brasil.

Política externa pró-comunista também justifica impeachment do governo do PT

Ao lado, capa da revista Época de hoje -

Os desmandos que promove nas áreas política e econõmica não são as únicas razões que justificam as atuais manifestações pró-impeachment da presidente Dilma Roussef, que na verdade são manifestações pró-impeachment dos governos desordeiros e pró-comunistas do PT.

É que na área da política externa a posição dos governos do PT são ainda mais explícitas pró-comunismo, com atos deliberados de confronto com a ordem mundial estabelecida, já que Dilma tem se colocado ao lado dos piores renegados da humanidade, justamente governos como os da Coréia do Norte, Venezuela, Cuba e Rússia, sem falar nos pequenos territórios ditatoriais da África e da Ásia.

Ninguém consegue esquecer do último discurso feito por Dilma na ONU, quando sugeriu diálogo com os terroristas do Exército Islâmico.

Nesta sexta-feira, o governo do PT recrudesceu, desta vez na ONU, porque unicamente o Brasil, acompanhado pela Rússia, negaram-se a votar por ajuda emergencial á Ucrânia, violentada de modo selvagem e criminoso por Putin. Foram os únicos votos dissidentes entre os 188 Países que integram o FMI, que concedeu um pacote de ajuda de US$ 5 bilhões a Kiev.

Zero Hora amplifica atos pró-Dilma e por pouco não ignora atos de amanhã pró-impeachment

Jornal não viu os estrangeiros refugiados e os brasileiros pobres que receberam R$ 35 por casbeça para defender Dilma e o PT -

O jornal Zero Hora deste sábado, privilegia a defesa do governo Dilma, porque resolveu abrir duas páginas para repercutir os inexpressivos atos públicos chapas-brancas de São Paulo e de outras Capitais, todos movidos a soldos de R$ 35,00 por cabeça e sanduíches de mortadela (o jornal não fala no assunto, ao contrário dos jornais Valor e Folha). O jornal também ignorou que dinheiro oficial, do governo ou recolhido e repassado por ele, financiou tudo, porque CUT, UNE e Cpers, são abastecidos com muita verbas públicas. Em contrapartida, concedeu pouco mais de meia página para as manifestações do dia 15, que pedirão o impeachment da presidente. Os atos de amanhã não contam com verbas públicas, contribuições sindicais ou outras formas de dinheiro do gênero.

Além disto, o jornal que é líder das mídias da RBS, resolveu entregar uma página inteira para que o melancólico e agora fritado ministro Pepe Vargas fizesse os ataques oficiais aos atos de amanhã. Desmoralizado na sua função de interlocutor com a área política, porque o presidente da Câmara não atende sequer seus telefonemas e ele mesmo foi reduzido a ator de segunda linha no Planalto, Pepe avisa:

-  Fazer a defesa do impeachment, hoje, é golpe.

O impeachment é previsto na Constituição do Brasil e portanto não tem nada de golpe.

A defesa dos atos de amanhã foram entregues pelo jornal à dona de casa Lislane Collares. Ela ajudou a derrubar Collor e agora repete a dose com Dilma.

Os dois principais colunistas de Zero Hora, Túlio Milman e Rosane Oliveira, esta também editora de Política, ignoram as manifestações de amanhã, que poderão ser as maiores desde as jornadas de junho de 2013. Rosane preferiu manter fogo cruzado em Sartori, seu alvo preferido.

- O editorial do jornal é neutro, mas como os dois espaços concedidos para artigos assinados, Zero Hora demonstra ter comprado a esperta e mentirosa consigna petista e chapa branca de que "impeachment é golpe". A consigna visa apenas fazer um contraponto falso aos atos de protesto que fazem todos os brasileiros.


53 mil confirmaram presença nos atos "Fora Dilma" de domingo em Porto Alegre

52 mil gaúchos marcaram presença na concentração e passeata que foi agendada para este domingo à tarde em Porto Alegre.

O contador é do Facebook.

O ato defenderá o impeachment de Dilma Roussef.

Ao contrrário de manifestações anteriores, os atos de amanhã terão esta única palavra de ordem.

A concentração foi agendada para o Parcão.

Em dezenas de municípios gaúchjos acontrecerão passeatas e comícios. Um dos mais ativos é Novo Hamburgo, onde atua o grupo local Brasil Limpo.

Nesta sexta-feira, panfletos com convocatórias foram distribuídos na rua da Praia e grupos de jovens desfraldaram faixas pretas com a inscrição Fora Dilma nos principais cruzamentos de Porto Alegre.

PT batalha para trazer de volta a Porto Alegre o Fórum Social Mundial

A deputada Stela Farias, PT, que vai à Tunísia para participar da nova edição do Fórum Social Mundial, recebeu unção do prefeito José Fortunati para que defenda o retorno do evento a Porto Alegre.

Como se sabe, Porto Alegre não pode viver sem a presença da disneylandia da diversidade pétista.

O Dmlu e a Delegacia de Combate às Drogas que o digam.

Depois dos tapas, Brizolas voltam aos beijos com Carlos Lupi

A família Brizola voltou a falar com Carlos Lupi, reconduzido quinta-feira à direção nacional do PDT.

PT gaúcho faz seminário estadual neste sábado

É hoje o seminário estadual do PT. Será na Câmara de Vereadores. Stédile e Tarso serão os oradores principais.

Justiça dá prazo de 72 horas para que Sartori diga se vai pagar em dia os salários

Atendendo mandado de segurança impetrado pela Asdep, Associação dos Delegados de Polícia, o dsembargador João Barcelos de Souza Júnior deu 72 horas para que o governador José Ivo Sartori diga se vai parcelar os salários, quando fará isto e quais os números que embasam sua decisão.

Desde janeiro o governo adverte sobre a possibilidade, mas este mês os sinais são de que o atraso ocorrerá ao final de março.

Esta semana, liminar concedida a servidores da Brigada, garantiu-lhes pagamento em dia.

A PGE vai responder à nova ação.

O secretário da Fazenda avisou que nada há de concreto sobre o caso.

De acordo com a Constituição Estadual os pagamentos salariais devem ser feitos integralmente e em dia, mas também permite atrasos em caso de dificuldades financeiras.