Ministério Público do Trabalho impede demissões em massa no Marfrig do Alegrete

O Ministério Público do Trabalho (MPT) em Uruguaiana obteve nesta segunda-feira (26) liminar contra o frigorífico Marfrig, de Alegrete, impedindo a dispensa em massa anunciada pela empresa para 4 de fevereiro. Caso desrespeite a decisão judicial, a empresa fica sujeita ao pagamento de multa de R$ 100 milhões. O frigorífico poderá retomar as atividades ou, caso decida encerrá-las, colocar os empregados em licença remunerada até que a situação seja encerrada mediante acordo coletivo entre a empresa e os trabalhadores, representados pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação (STIA) de Alegrete. A legislação brasileira proíbe a decisão unilateral nas dispensas coletivas. A medida decorre de ação civil pública (ACP) ajuizada pelo MPT, após tentativa de acordo entre os envolvidos, em reunião com a procuradora responsável pelo caso, Fernanda Dutra Arruda, na quinta-feira (22). Na ocasião, a Marfrig não compareceu. Segunda maior empregadora do Município, a empresa pretende manter fechada a planta industrial, pagando o aluguel de R$ 500 mil, sem a possibilidade de transferir a unidade a terceiros e manter os empregos.
     Além da negociação entre as partes, o MPT requer na ação civil pública a condenação da Marfrig ao pagamento de indenização, a título de danos morais coletivos, de R$ 16,4 milhões, valor calculado tendo em conta o valor dos salários que deixarão de circular no Município por um ano, mais a perda estimada da arrecadação com o fechamento da planta.

    Na manhã desta terça-feira (27), será realizada audiência de mediação na sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT4) para resolver o impasse.

Marco Arildo, ex-presidente, volta ao Trensurb, agora como diretor Financeiro

Marco Arildo Prates da Cunha, ex presidente da Trensurb, e como ex funcionário da Invepar tentou privatizar a Trensurb, é agora e o novo diretor de Finanças da estatal federal do governo do PT, que agora está sob controle do ministro das Cidades, Gilberto Kassab, PSD. Cunha é do PT. Ele substitui Leonardo Hoff, PP, que foi ser diretor da CEEE no governo Sartori. 

Nelson Harter é o novo presidente da Fundação Gaúcha do Trabalho

O atual deputado estadual por Pelotas, Nelson Harter, PMDB, será o presidente da Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social (FGTAS).

. Harter não se reelegeu.

Polícia prende ex-chefe de Segurança do secretário de Segurança de Tarso. Investigações podem levar ao gabinete de Michels.

A Polícia ainda não disse o que fará para investigar possíveis atividades criminosas no gabinete do ex-secretário da Segurança de Tarso, Airton Michels, mas de qualquer forma a  Corregedoria da Polícia Civil já prendeu o comissário Nilson Aneli, suspeito de ter ligações com o traficante Alexandre Goulart Madeira, o Xandi. Aneli foi chefe de segurança do secretário, trabalhando em seu gabinete e com acesso a senhas de acesso a informações confidenciais da Polícia Civil e da Brigada, opodendo ter repassado tudo para o tráfico. A prisão preventiva de Aneli foi decretada pela Justiça a pedido da corregedoria, que intimou o comissário a prestar depoimento no órgão nesta segunda-feira. Ao se apresentar em outro órgão policial, ele recebeu voz de prisão.

Aneli havia admitido ter feito segurança para Xandi e um grupo de pessoas no final de semana em que o traficante foi executado com um tiro de fuzil, supostamente alvo de uma quadrilha rival. O crime ocorreu em 4 de janeiro, a uma quadra da orla, em Tramandaí. A Justiça de Tramandaí decretou a prisão preventiva do comissário por crimes como associação ao tráfico. Desde o dia do crime em Tramandaí, a corregedoria investiga a atuação do policial junto ao grupo de Xandi, conhecido traficante que já foi preso pelo Departamento Estadual do Narcotráfico (Denarc).

Por que a produtividade do trabalhador brasileiro é tão baixa ?

Esta reportagem publicada no domingo pela Folha de S. Paulo e assinada pelo jornalista  Pedro Cavalcanti Ferreira, revela que pouca escolaridade, educação sofrível, burocracias, barreiras comerciais e tecnológicas explicam por que um brasileiro produz um quarto do que produz um norte-americano
Um trabalhador brasileiro produz, em média, somente um quarto do que produz um trabalhador americano.
De um ponto de vista meramente contábil, essa diferença de produtividade pode ser explicada por três fatores:
1) nossos trabalhadores são menos educados e menos qualificados (isto é, possuem um menor "capital humano");
2) esses trabalhadores têm a seu dispor menos máquinas, equipamentos, estruturas e infraestrutura (isto é, possuem menos "capital físico"); e

3) a ineficiência da economia é tal que trabalhadores com mesmo capital humano e físico que trabalhadores em países avançados produzem menos que estes últimos (isto é, a eficiência produtiva --a "produtividade total dos fatores", no jargão dos economistas-- é baixa).

CLIQUE AQUI para ler tudo. 

VÁ ESTA NOITE COM SEUS AMIGOS
Mais de 100 rótulos das melhores cervejas e chopes artesanais do mundo.
Duas casas em Porto Alegre. 1o lugar em Veja.
Endereços, serviços, cartas, cardápios:
www.biermarkt.com.br

PT manda deputada devolver as medalhas que concedeu aos irmãos, cunhados e netos

O Partido dos Trabalhadores mandou, hoje, depois de cinco horas de reunião, que a deputada Marisa Formolo devolva as medalhas concedidas a 21 familiares na última quarta-feira na Assembleia Legislativa. No caso do PT, a partir de agora todas as honrarias deverão passar por aprovação de toda a bancada.
A deputada chegou ao local por volta das 10h30 para prestar esclarecimentos sobre a atitude tomada. Ela demonstrou confiança, defendeu-se na reunião, mas saiu acabrunhada do encontro. 
O caso teve repercussão nacional e desgastou o PT.
O que mais chocou na decisão da deputada foi a entrega da mais importante medalha da Assembléia, a Medalha do Mérito Farroupilha, para o próprio irmão. Na Assembléia, o deputado Vanderlan Vasconcellos, PSB, pediu a anulação dos atos.

VÁ ESTA NOITE COM SEUS AMIGOS
Mais de 100 rótulos das melhores cervejas e chopes artesanais do mundo.
Duas casas em Porto Alegre. 1o lugar em Veja.
Endereços, serviços, cartas, cardápios:
www.biermarkt.com.br

Polícia Federal investiga participação de Nizan Guanaes no esquema do Mensalão

Uma investigação paralela do chamado "mensalão" pode respingar no publicitário Nizan Guanaes, dono das agências Escala, Morya, África e DM9 e um dos mais conhecidos do País. A apuração é fruto de uma denúncia feita pelo empresário Marcos Valério de Souza, condenado na Ação Penal 470 a 40 anos de prisão. Segundo ele, a Portugal Telecom pagou 2,6 milhões de euros a fornecedores do PT, que atuaram nas campanhas de 2002. Um desses fornecedores seria Nizan Guanae (o primeiro da coluna da direita).

De acordo com reportagem do jornal O Globo , que por razões provavelmente comerciais omite o nome de Nizan, o processo avançou. No último dia 9 de janeiro, foi interrogado, em Lisboa, por meio de carta rogatória, o executivo Miguel Horta e Costa, ex-presidente da Portugal Telecom. Em 2005, ele teria sido visitado pelo empresário Marcos Valério e por Emerson Palmieri, à época tesoureiro do PTB, em Lisboa. Naquele encontro, teria sido acertado o pagamento aos fornecedores do PT por meio de uma subsidiária da Portugal Telecom em Macau. Os portugueses pagaram, segundo Valério, porque tinham interesse em adquirir a Telemig Celular.

Um dos credores do PT, beneficiado na transação, segundo Valério, seria o publicitário Nizan Guanaes, que, em 2002, fez a campanha ao governo do Rio do então candidato Jorge Bittar. Além dele, os recursos também teriam sido usados para pagar showmícios da dupla Zezé di Camargo & Luciano (leia aqui reportagem do Estado de S. Paulo a respeito).

O alvo é o ex-presidente Lula

De acordo com dois parlamentares da oposição, o deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO) e o senador Agripino Maia (DEM-RN), o pagamento teria sido determinado por Lula. E os dois não escondem aonde querem chegar. "Nós vamos agir em duas frentes para saber se há previsão de ouvir o ex-presidente Lula aqui. Primeiro vou solicitar ao procurador Rodrigo Janot o envio de informações sobre o depoimento do ex-executivo da Portugal Telecom. Se ele não teve acesso ao processo que corre em Portugal, então nós vamos propor a criação de uma comissão externa do Senado para ir lá acompanhar o processo. Se o ministro Janot já estiver de posse dessas informações e der conhecimento ao Senado, não há necessidade de irmos lá", disse Caiado.

Maia foi mais longe. "A providência de requerer o depoimento do senhor Miguel Horta é o primeiro e fundamental passo. Se o processo não anda aqui, pode andar lá. Portugal e Espanha estão dando especialíssima atenção a investigações de crimes do colarinho branco envolvendo políticos. Se há conexão com o PT e Lula, aqui, vai ter desdobramentos. Lula pode acabar sendo apanhado por uma circunstância secundária ao mensalão", afirmou.


O Instituto Lula afirmou ao jornal que não há novidades no caso. "É a mesma do Marcos Valério, de 2012, não? Sem novidades. Falou disso na época para a Imprensa", respondeu a assessoria do ex-presidente Lula.

Agências de Nizan ficaram com 52% das verbas de publicidade do governo Tarso, PT do RS

As empresas controladas pelo publicitário baiano Nizan Guanaes, Escala e Morya, levaram a parte do leão na administração dos R$ 200 milhões que o governo Tarso Genro gastou em propaganda durante seu governo. O valor não inclui Banrisul, de cujas verbas a Escala também abiscoita a parte do leão.
No total, Escala e Morya ficaram com 58 milhões, algo como 52% do total.

A importância da Escala deve-se ao papel jogado pela agência na eleição de Tarso. Seu diretor, Alfredo Fedrizzi, foi o marqueteiro de Tarso e auxiliou-o na confrontação com os adversários durante os quatro anos do seu governo. Sua agência também foi envolvida na campanha. 

Tarso gastou R$ 200 milhões em propaganda, sem considerar o Banrisul. Escala ficou com 45% de tudo.

Sem considerar o Banrisul, que administra verbas publicitárias quase tão grandes quanto as do governo inteiro, a administração do petista Tarso Genro gastou com propaganda a importância total de R$ 200 milhões, mais do que o dobro do total aplicado pelo governo Yeda Crusius, que somou R$ 80 milhões.
O editor só conseguiu agora os dados dos quatro anos que vão de 2011 a 2014.
O diretor da Escala, Alfredo Fedrizzi, que fez a campanha de Tarso e do PT, levou quase a metade de todas as verbas. Foram R$ 90 milhões, 45% do total, sem levar em conta a parte do leão que também abiscoitou nos gastos do Banrisul.
Eis a lista das agências que mais faturaram no governo Tarso/
Escala, R$90 milhões (45%)/
Matriz, R$ 43 milhões 22%)/
Dez,R$ 18 milhões (9%, mas apenas nos últimos dois anos)
Morya, R$ 15 milhões (7%nos últimos dois anos)/
Globalcomm, R$ 11 milhões (5,5% nos dois últimos anos)/

Novacentro, R$ 8 milhões (apenas nos dois primeiros anos)

Polícia pede prisão do chefe de segurança do secretário de Segurança de Tarso

A Corregedoria da Polícia Civil pediu hoje a prisão do comissário Nilson Aneli, investigado por envolvimento com o traficante Alexandre Madeira, o Xandi, assassinado por desafetos do tráfico em Tramandaí, 4 de janeiro.O comissário participava de um churrasco na casa do traficante, quando um grupo rival atacou o local. No primeiro momento, Aneli se apresentou à polícia e afirmou que chegou à casa após saber que um sobrinho estava lá e tinha sido baleado. Mais tasrde ficou confirmado que ele era segurança do gtraficante. 

Aneli era chefe de segurança do ex-secretário de Segurança do Estado, Airton Michels. Michels disse que não sabia nada. Durante quatro anos, o comissário acessou dados confidenciais policiais, usando senhas especiais que só gente lotada na ante-sala de Michels possuia. Dali, ele poderia ter alertado o tráfico e colaborado com as ações dos bandidos.

Ainda em recesso, a Assembléia nada falou sobre o assunto, que envolve o governo Tarso, PT, com suspeitas de ligações com o tráfico de drogas. 

Jornalista ameaçado de morte pelo governo Kirchner foge para Israel e conta sua epopéia no caso Nisman

O jornalista argentino Damián Patcher, que fugiu em escapada espetacular para Israel, contou em material de imprensa que se livrou de morte certa organizada por esbirros do governo peronista de Christina Kirchner: “La Argentina se volvió un lugar oscuro, dirigido por la corrupción política. Sigo sin entender todo lo que me sucedió en las pasadas 48 horas. Nunca imaginé que mi regreso a Israel sería así”, contó Patcher, nacido en Argentina pero con doble nacionalidad, quien vivió varios años allí, tres de los cuales estuvo en el ejército israelí (en una situación similar a la vieja colimba argentina).

“Me voy porque mi vida corre riesgo. Acá no puedo estar más. No puedo volver más al país, al menos hasta el final de este Gobierno. Estoy muy marcado”, le dijo Patcher a Gabriel Martínez Bracesco, del diario Muy –del Grupo Clarín–, un rato antes de emprender su exilio.

Este é mais um dos episódios terríveis que ocorrem na Argentina, tudo por conta do assassinato do promotor Nisman, um dia antes da denúncia que ele apresentaria contra Cristina Kirchner e membros do seu governo, tudo relacionado com o acobertamento do atentado terrorista de iranianos contra a Amia, entidade que reúne judeus argentinos.

CLIQUE AQUI para ler a reportagem de Patcher.

CLIQUE AQUI para ler o jornal Clarin de hoje, com novas notícias sobre o caso Nisman. 

Conheça Bumlai, o empresário da família Lula, do Instituto Lula e da corrupção na Petrobrás

Esta reportagem de capa da revistra Veja, assinada por Rodrigo Rangel e Adriano Ceolin, denuncia que um dos grandes pecuaristas do país, José Carlos Bumlai administra até os negócios do Instituto Lula, de Lula e da família, além de negócios sujos da Petrobrás. Leia tudo: José Carlos Bomlai conta que visualizou em sonho sua aproximação com Luiz Inácio Lula da Silva, quando ele era apenas aspirante à Presidência. Com a ajuda de um amigo comum, Bumlai conheceu o petista e o sonho se realizou. O pecuarista tornou-se íntimo de Lula. O sonho embutia uma profecia que ele só confidenciou a poucos: a aproximação renderia excelentes resultados para ambos. Assim foi. Lula chegou ao Planalto, e Bumlai, bom de negócios, bem-sucedido e rico, tornou-se fiel seguidor do presidente, resolvedor de problemas de toda espécie e, claro, receptador de dividendos que uma ligação tão estreita com o poder sempre proporciona. No governo, só duas pessoas entravam no gabinete presidencial sem bater na porta. Bumlai era uma delas. A outra, Marisa Letícia, mulher de Lula.

O acesso livre foi formalizado em agosto de 2008. Certo dia, Bumlai chegou ao Planalto sem avisar. A equipe de segurança, seguindo o protocolo, barrou sua entrada. Foram-lhe exigidas cópia de sua carteira de identidade e informações mais precisas sobre o motivo da visita. O nome dele não constava da lista de pessoas que Lula receberia em audiência naquele dia. Bumlai foi impedido de entrar. Quando Lula soube do episódio, determinou ao Gabinete de Segurança Institucional que mandasse fazer um cartaz com foto, a ser mantido permanentemente na recepção, contendo um aviso incomum: "O sr. José Carlos Bumlai deverá ter prioridade de atendimento (...) em qualquer tempo e qualquer circunstância". Nenhum ministro, nenhum assessor, nenhum parente de Lula mereceu tal deferência.

Discreto e eficiente no cumprimento das tarefas que recebia, o pecuarista foi ocupando espaços. A derrocada dos mensaleiros fez dele interlocutor direto do presidente com diversos setores no mundo empresarial. Bumlai foi encarregado de missões complexas — a montagem do consórcio de empresas que construiriam a usina de Belo Monte, uma obra orçada em 25 bilhões de reais, foi trabalho dele. Cumpriu-as com destreza. Sua influência cresceu a ponto de ele ser mais procurado para intermediar interesses no governo que a maioria dos ministros. O pecuarista, que nunca teve nenhuma função oficial, montou um gabinete num quarto de hotel a 2 quilômetros do Planalto, onde recebia empresários e lobistas que se enfileiravam para vê-lo. Em paralelo, exercia outra tarefa igualmente sensível: virou tutor dos negócios dos filhos do então presidente, em especial de Fábio Luís, o Lulinha.

Desde 2005, sabia-se em Brasília que Bumlai também tinha delegação para tratar de interesses que envolvessem a Petrobras. Foi ele, por exemplo, um dos responsáveis por chancelar o nome do hoje notório Nestor Cerveró, um desconhecido funcionário da estatal, para o posto de diretor internacional da empresa. Em sua missão de conjugar interesses públicos e privados, Bumlai tinha seus parceiros diletos, aos quais dedicava atenção especial. Não demorou para que começassem a chegar ao governo queixas de empresários descontentes com "privilégios incompreensíveis" concedidos aos amigos do amigo do presidente.

Uma das reclamações mais frequentes envolvia justamente a Petrobras e uma empreiteira pouco conhecida até então, a UTC, que de repente passou a assinar contratos milionários com a estatal, ao mesmo tempo em que surgia como uma grande doadora de campanhas, principalmente as do PT. Gigantes da construção civil apontavam Bumlai como responsável pelos "privilégios" que a UTC estava recebendo da Petrobras. Hoje, a escalada dos negócios da UTC é uma peça importante da Operação Lava-Jato, que está desvendando o ultrajante esquema de corrupção montado no coração da estatal para abastecer as contas bancárias de políticos e partidos. A cada depoimento, a cada busca, a cada prova que se encontra, aos poucos as peças vão se encaixando. A última revelação pode ser a chave do quebra-cabeça. Bumlai, o amigo íntimo do ex-presidente que tinha entrada livre ao Palácio do Planalto, está envolvido até o pescoço no escândalo de corrupção montado na Petrobras durante o governo petista.


Bumlai, soube-se agora, ajudou a compor a teia de corrupção na estatal. As investigações da Polícia Federal o colocam como um dos responsáveis pelo acesso que o lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, desfrutava na Petrobras. Preso desde novembro, Baiano é mencionado como um dos principais operadores do esquema de propina na estatal. Era ele o responsável por distribuir a parte que cabia ao PMDB.,partido que, junto com o PT e o PP, formava a trinca governista que assaltava os cofres da empresa. Em um dos depoimentos à Justiça, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa revela o papel de relevo que Baiano exercia no esquema — a ponto de atuar dentro da própria Petrobras, viabilizando acordos e estabelecendo condições de negócios, mesmo sem nenhum vínculo funcional com a companhia.

CLIQUE AQUI para ler tudo. 

Mercado aposta em inflação maior e PIB menor em 2015. Focus prevê dólar a R$ 2,80.

Os economistas consultados pelo Banco Central subiram suas projeções para a inflação nesta semana, de 6,67% para 6,99%, bastante acima do limite máximo da meta do governo.O governo tem o objetivo de manter a inflação em 4,5% ao ano, com tolerância de 2 pontos percentuais para cima ou para baixo (ou seja, variando de 2,5% a 6,5%).

Além disso, na semana passada, o mercado previa uma alta de 0,38% do PIB (Produto Interno Bruto), mas a mediana das estimativas caiu para 0,13% nesta semana, segundo o Boletim Focus.

A previsão para a Selic, a taxa básica de juros, foi mantida em 12,5%; na semana passada, o BC subiu a taxa de juros do país para 12,25%.


Os analistas ainda preveem que o dólar vai fechar o ano a R$ 2,80, mesma projeção da semana passada.

Advogado das empreiteiras ameaça: "Temos provas de que os funcionários da Petrobrás não são anjinhos, mas bandidos"

O advogado criminalista Alberto Toron afirmou hoje que los donos e executivos das grandes empreiteiras presas no paraná guardam e-mais para provar que foram vítimas de coação: ‘Por enquanto, só posso dizer que os funcionários da Petrobras não podem ser tratados como anjinhos, como coitadinhos. Não dá. Houve uma postura ativa de pedir dinheiro, de exigir dinheiro. Isso é incontestável. 
Nos últimos dias, a própria Engevix deixou claro que foi achacada por funcionários da Petrobrás para dar dinheiro destinado ao PT e até mesmo para a eleição de Dilma Roussef. 
Os empreiteiros convenceram-se de que o silêncio só favorecerá seus achacadores do PT e da Petrobrás. A idéia deles é levar vantagem nos julgamentos em instâncias superiores, onde a influência do governo é devastadora. 

Panvel faturou R$ 2 bilhões em 2014. Gaúchos programam desembarcar em SP em 2016.

O grupo Panvel, que faturou R$ 2 bilhões no ano passado, possui 6 mil empregados e mantém 321 lojas, quer ampliar sua presença no Paraná, depois de ter consolidado posição no RS e em Santa Catarina. No ano que vem, quer chegar a São Paulo, onde já constrói sua primeira loja no shopping Morumbi Town, a cargo da empresa israelense Gazit-Globe.

. O programa de expansão do grupo prevê investimentos de R$ 35 milhões para este ano, quase todo em programas de instalação de novas lojas.


. Recentemente, a empresa instalou seu moderno centro de distribuição e sede administrativa em Eldorado do Sul, RS, 15 mil metros quadrados, no qual investiu R$ 100 milhões. 

Mendonça de Barros projeta grossa recessão para 2015

Duas projeções para o PIB deste ano, segundo análises deste domingo: Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central, 2%; José Roberto Mendonça de Barros, ex-presidente do BNDES, menos 1%. Em artigo publicado na Folha, Henrique Meirelles avisou que o potencial de crescimento do País caiu do patamar entre 4% a 5% da década passada para pouco acima de 2% na próxima década. Ele avisa que nem tudo está perdido, dependendo de mudanças muito maiores do que estas que são levadas adiante pelo ministro Joaquim Levy.
CLIQUE AQUI para ler a receita de Meirelles, que é a melhor receita apresentada até agora para o País.
CLIQUE AQUI para ler, também, a análise de José Roberto Mendonça de Barros.

Aproveite o sol e o calor desta segunda-feira em Porto Alegre
BIER MARKT
Dois endereços para curtir 100 rótulos diferentes de chopes e cervejas artesanais. Programe-se com seus amigos.
Cardápio, carta de bebidas, serviço: www.biermarkt.com.br

PT e PP do RS preparam-se para dias de fúria por conta do Lava Jato

PT e PP do RS começam a pensar de que forma enfrentarão o tsunami político que atingirão os Partidos quando sair a lista dos deputados gaúchos envolvidos nas denúncias de corrupção do Lava Jato. A ideia geral é não lavar as mãos sujas de ninguém.


Domingo poderá ser o Dia D para o governo Dilma na Câmara dos Deputados

Será neste domingo a eleição do novo presidente da Câmara dos Deputados. Se vencer Eduardo Cunha, PMDB, como se espera, Dilma Roussef, Lula e o PT, precisarão mais do que um Petrolão para evitar a cadeia. Dilma reunirá amanhã seus 39 ministros pela primeira vez, quando discutirá também o caso. Os ministros serão acionados para ficar com o candidato oficial, Arlindo Chinaglia, PT.

Sartori é o governador mais mal pago do Brasil

O governador do RS, José Ivo Sartori, é o governador do Brasil com os piores salários. Ele vai faturar R$ 16,7 mil por mês, o mesmo que Yeda e Tarso receberam durante oito anos, sem qualquer reajuste. Ao lado, Beto Richa, governador do PR, o primo rico.
. O aumento de 46,2%, que recompôs as perdas inflacionárias de oito anos, ficará suspenso enquanto durar o atual período de contingenciamanto de despesas no Estado.
. O governador melhor remunerado é o do Paraná, que recebe ER$ 33,8 mil por mês, praticamente o dobro do faturado por Sartori.

. Alckmin, o governador do Estado mais rico do Brasil, recebe R$ 21,6 mil mensais. 

Aproveite o sol e o calor desta segunda-feira em Porto Alegre
BIER MARKT
Dois endereços para curtir 100 rótulos diferentes de chopes e cervejas artesanais. Programe-se com seus amigos.
Cardápio, carta de bebidas, serviço: www.biermarkt.com.br

Governador gaúcho ganha a metade do que ganha diretor de qualquer área de grandes empresas do RS

A seguir o leitor poderá comparar o atual salário do governador do RS, José Ivo Sartori, com os salários dos 5 governadores melhor remunerados do Brasil e com os cinco cargos mais bem pagos por diretores de área de grandes empresas no RS, segundo pesquisas feitas pelo jornal "O Estado de S. Paulo" deste domingo (governadores) e pela empresa gaúcha Resolution, consultoria de recursos humanos (diretores). A pesquisa da Resolution não inclui cargos de presidente, que seria o equivalente ao de governador.
Governador José Ivo Sartori: R$ 17,3 mil. Governadores: Paraná, R$ 33,8 mil; Mato Grosso, R$ 32,9 mil;  Roraima, R$ 30,9 mil; Paraíba, R$ 29,6 mil; Piauí, R$ 26 mil. Diretores de empresas no RS: Marketing e vendas, R$ 43,9 mil; Finanças, R$ 40,1 mil; Suprimento e Logística, R$ 39,5 mil; Engenharia, R$ 37,8 mil; Industrial, R$ 36,8 mil.

Produtores gaúchos começam a jogar leite para os porcos

Já ganhou contornos de escândalo a recente decisão de 150 produtores de leite da região do nordeste do RS, municípios de Alegria e Independência, que passaram a dar para os porcos e até jogar fora boa parte da produção de leite que conseguem extrair todos os dias. A alegação é de que o pequeno laticínio que recebia a produção parou de operar. A informação foi liberada este final de semana pela Fetag.
Esta é apenas a ponta do iceberg de um desastre anunciado.
Em outros municípios acontece o mesmo, como em Capão do Cipó, onde 50 produtores seguem o exemplo dos colegas de Alegria e Independência.

Há um problema sistêmico na área do leite do RS, porque o problema não se resume ao recolhimento do produto em pequenas localidades. Existem calotes claros aplicados por empresas como Laticínio santa Rita, estrela, e Promilk. Pelo menos 5 indústrias integram o pelotão dos caloteiros. 

Aproveite o sol e o calor desta segunda-feira em Porto Alegre
BIER MARKT
Dois endereços para curtir 100 rótulos diferentes de chopes e cervejas artesanais.
Cardápio, carta de bebidas, serviço: www.biermarkt.com.br

Fórum da Liberdade será lançado esta manhã em Porto Alegre

Será lançada hoje, 10h, a 28a. edição do Fórum da Liberdade, que este ano ocorrerá dias 13 e 14 na PUC. Ao contrário do Fórum Social Mundial, que já nem existe mais, o evento gaúcho é promoção do Instituto de Estudos Empresariais e não conta com verbas públicas.

TVE decide cortar pela metade 40 CCs que eram usados no governo TArso

A TVE decidiu cortar pela metade os 40 CCs mantidos ali pelo governo Tarso Genro.


Promulgação de lei de Redecker facilita Parcerias Público Privadas no RS

O governador José Ivo Sartori sancionou a lei 202/2012, de autoria do deputado estadual Lucas Redecker – atual secretário de Minas e Energia – que amplia o processo de parcerias público-privadas (PPPs) no Rio Grande do Sul. A promulgação das modificações na lei das PPPs (12.234/2005) foi publicada no Diário Oficial da última sexta-feira (23). O deputado tucano Lucas Redecker comemorou a decisão do governador,em nota enviada ao editor neste domingo a noite: "A parceria público-privada traz menos burocracia e vai beneficiar, principalmente, as regiões do Estado que hoje são carentes de investimentos. Será possível encaminhar os projetos para o governo, que vai avaliar a viabilidade de execução e iniciar a licitação". 
Mudan;ças - 1) Empresas e pessoas físicas apresentem análises sem prévia autorização e encaminhem para o Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas. 2) Todo o ônus dos projetos ficará a cargo das empresas. No entanto, caso o estudo seja aproveitado em uma futura licitação, o custo pode ser pago pelo vencedor do certame. 3) A empresa que tiver um projeto selecionado para basear uma concorrência pública, não terá nenhum tipo de benefício, concorrendo igualmente com outras companhias pela PPP.
Tarso boicotou PPPs no RS - Atualmente, o Rio Grande do Sul não tem nenhuma Parceria Público-Privada em andamento. No governo Yeda Crusius, foi iniciado o processo para pavimentação da RS-010 (rodovia alternativa para quem usa a BR-116), mas não houve prosseguimento no governo Tarso Genro. Outra iniciativa que não avançou durante o governo anterior refere-se à construção de um presídio em Canoas.
O que são PPPs - Parceria público-privada é o contrato pelo qual o parceiro privado assume o compromisso de disponibilizar à administração pública ou à comunidade uma certa utilidade mensurável, mediante a operação e manutenção de uma obra por ele previamente projetada, financiada e construída. Em contrapartida, há uma remuneração periódica paga pelo Estado e vinculada ao seu desempenho no período de referência. As PPPs têm sido largamente empregadas em diversos estados brasileiros, principalmente na construção de rodovias, postos de saúde e hospitais, entre outros projetos.