Discuso histórico do ex-premier da Austrália aos imigrantes: "Se não estão contentes, vão embora !"

No dia 22 de outubro de 2009, o então primeiro ministro John Howard pronunciou este discurso para a Nação, na Austrália:

Imigrantes não australianos devem adaptar-se. É pegar ou largar! Estou cansado de saber que esta Nação se inquieta ao ofendermos certos indivíduos ou a sua cultura. Desde os ataques terroristas em Bali, assistimos a uma subida de patriotismo na maioria dos australianos.

A nossa cultura está desenvolvida desde há mais de dois séculos de lutas, de habilidade e de vitórias de milhões de homens e mulheres que procuraram a liberdade. A nossa língua oficial é o Inglês; não é o Espanhol, o Libanês, o Árabe, o Chinês, o Japonês, ou qualquer outra língua. Por conseguinte, se desejam fazer parte da nossa sociedade, aprendam a nossa língua!

A maior parte do australianos crê em Deus. Não se trata de uma obrigação cristã, de influência da direita ou pressão política, mas é um fato, porque homens e mulheres fundaram esta Nação sobre princípios cristãos e isso é ensinado oficialmente. É perfeitamente adequado afixá-lo sobre os muros das nossas escolas. Se Deus vos ofende, sugiro-vos então que encarem outra parte do mundo como o vosso país de acolhimento, porque Deus faz parte da nossa cultura.

Nós aceitaremos as vossas crenças sem fazer perguntas. Tudo o que vos pedimos é que aceitem as nossas e vivam em harmonia e em paz connosco.

ESTE É O NOSSO PAÍS, A NOSSA TERRA E O NOSSO ESTILO DE VIDA. E oferecemo-vos a oportunidade de aproveitar tudo isto. Mas se vocês têm muitas razões de queixa, se estão fartos da nossa bandeira, do nosso compromisso, das nossas crenças cristãs, ou do nosso estilo de vida, incentivo-os fortemente a tirarem partido de uma outra grande liberdade autraliana: O DIREITO de PARTIR. Se não são felizes aqui, então PARTAM.

Não vos forçámos a vir para aqui. Vocês pediram para vir para cá. Então, aceitem o país que vos aceitou".

Je suis Charlie: Tarso, Boff, Túlio Milman e Voltaire. Saiba o que existe de pior na raça humana.

Se todos somos Charlie, todos apedrejamos mesquitas na quinta-feira. Todos colocamos a bomba no restaurante árabe da França. Todos berramos slogans islamofóbicos na Europa mal cicatrizada do nazismo.
Nós somos diferentes. Eles também
Jornalista Túlio Milmann, Zero Hora. CLIQUE AQUI para ler tudo.

Ao contrário do jornalista Túlio Milman, Zero Hora, o ex-governador Tarso Genro e o renegado frei Leonardo Boff (leia nota abaixo) cavalgam a rancorosa posição ideológica de comprometimento com o que existe de pior na raça humana, que é o alinhamento com o ideário marxista, baseado no qual algumas décadas de terror ditatorial subjugaram e assassinaram milhões de seres humanos, como aconteceu na URSS e ainda acontece em Cuba, Coréia do Norte, Vietname e China.
. Por isto é possível entender por que razão esse tipo de exemplar atrasado da raça humana, seja capaz de embaralhar o movimento universal de repúdio ao ataque terrorista às liberdades, tentando confundi-lo com apoio explícito ao conteúdo do que expressa a revista francesa Charlie Hebdo.
. Tarso e Boff fazem isto por falsidade ideológica, a mesma que justifica a roubalheira do Petrolão e o governo corrupto de Dilma Roussef e do PT, já que roubar, matar, torturar, mentir, corromper, tudo isto se justifica se os fins forem os faróis de todos estes atos abomináveis. Aqui não existe preocupação com escrúpulos. É a elegia do terror e da morte. Não é por outra razão que o ex-deputado João Luiz Vargas compara Tarso ao general Astray. 
. O caso do jornalista Túlio Milmann é diferente, porque ao defender a mesma tese, ele faz isto por covardia moral ou porque não entendeu que a consigna Je suis Charlie não significa apoio ao que a revista expressa, mas representa o apoio e o respeito ao contraditório, à liberdade de expressão, ao direito que tem qualquer democrata republicano de defender o que bem entender – de falar e escrever o que bem entender, gostemos ou não. É isto que garante a própria liberdade de cada um. O que foi profanado em Paris, foi o verdadeiro espírito da república e do estado democrático de direito, expresso por Voltaire nesta frase que não pode ser esquecida: "Não concordo com o que dizes mas defenderei até à morte o teu direito de o dizeres".

Grande marcha transforma-se em grande concentração em Paris

A grande marcha de Paris acabou transformando-se numa enorme concentração de um milhão de pessoas. Os chefes de governo e alguns outros grupos conseguiram avançar 200 metros, mas as grandes multidões não conseguem se mover.

. As redes de TV prosseguem mostrando tudo

OPINIÃO DO LEITOR


No Brasil para juntar 1.000.000 de pessoas so se for marcha gay.
E mto triste ser brasileiro.
Que show os franceses estão dando.

Ronildo Lima Silva, Portão, RS.

Líderes mundiais demonstram coragem ao tomar à frente da grande marcha pelas liberdades

Começou neste momento (12h29min)  a grande marcha de 1 milhão em Paris, saindo da Praça da República. Na linha de frente estão 40 líderes de governos, que demonstram enorme coragem, porque não há como evitar um ataque terrorista.

. A linha de frente inclui líderes como Hollande, Angela Merkel, Benjamin  Netanyhau e David Cameron. Governantes como Putin e Obama não foram. No pelotão principal nao se vê qualquer líder latinoamericano.

. O policiamente não é ostensivo, nem mesmo na proteção direta aos governantes.

. Veja ao vivo na Sky, canais 40, Globonews, e CNN, 110.

Globonews e CNN já transmitem marcha pelas liberdades em Paris

A Globonews (canal 40 Sky) e a CNN(canal 110 Sky) já transmitem ao vivo as imagens da manifestação de um milhão de pessoas pela liberdade de expressão e em homenagem às vítimas dos ataques dos terroristas fundamentalistas islâmicos.

. A marcha começará ao meio dia.

. 40 chefes de Estado confirmaram presença.

. Dilma mandou seu embaixador na Franças, mas não se atreveu a viajar. Aliás, nenhum governante latino-americano viajou.

Tabela do Imposto de Renda acumula defasagem de 64,3% em 19 anos

A tabela do Imposto de Renda (IR) aprofundou ainda mais a defasagem em relação à inflação. O reajuste anual de 4,5% das faixas de cobrança não foi suficiente para compensar o avanço do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que fechou 2014 em 6,41%. Trata-se do quinto ano consecutivo de correção abaixo da inflação.

CLIQUE AQUI para ler toda a reportagem deste domingo do jornal O Estado de S. Paulo. 

Saiba por que podemos falar o que quisermos sem o risco de fuzilamento

Neste pequeno texto, intitulado "Tu aussi es Charlie Hebdo", Renan Felipe explica por que as pessoas têm o direito de falar absolutamente tudo o que elas quiserem sem ser fuziladas, ao contrário do que defendem os jihadistas, neomarxistas renegados e alguns católicos extremamente conservadores:

. Leia:

Após dois terroristas jihadistas haverem matado 12 cartunistas da revista satírica Charlie Hebdo, o Facebook se dividiu entre aqueles que se identificam com as vítimas ("Je suis Charlie Hebdo" - Eu sou Charlie Hebdo) e aqueles que ou não se identificam com as vítimas ou optam abertamente por identificar-se com os assassinos ("Je ne suis pas Charlie Hebdo" - Eu não sou Charlie Hebdo). Entre estes últimos, vi desde esquerdistas radicais - que acham que a violência jihadista é uma forma de punição pelos erros do Ocidente - a católicos conservadores que pensam que a revista satírica não merece empatia por causa do seu conteúdo satírico e anti-cristão.
Bem, "eu sou Charlie Hebdo" e vou explicar por quê: por que eu acredito que as pessoas tem o direito de falar absolutamente tudo o que elas quiserem sem ser fuziladas. 

CLIQUE AQUI para ler mais. 
CLIQUE AQUI para ler, ver e ouvir J.R. Guzzo, Veja, recomendando a luta como única resposta aos bandidos fundamentalistas islâmicos.

Marta Suplicy ataca Dilma ("não ouve") e até o PT ("ou muda ou acaba").

 A jornalista Eliame Cantanhêde, que acaba de ser contratada pelo jornal O Estado de S. paulo,depois de ter saido da Folha, ouviu a senadora Marta Suplicy, PT de São paulo, que já se coloca praticamente fora do Partido dos Trabalhadores.

. A ex-prefeita e ex-ministra Marta Suplicy decidiu dinamitar de vez suas pontes com a legenda e com seus quase ex-companheiros.

. Em entrevista à jornalista Eliane Cantanhêde, ela detonou o ministro Aloizio Mercadante ('um inimigo'), o presidente da sigla Rui Falcão ('um traidor'), a presidente Dilma Rousseff ('não ouve') e o próprio PT ('ou muda ou acaba'). Sobrou até para o ex-presidente Lula, que, segundo Marta, não teria tido coragem para peitar Dilma e voltar em 2014. Ela ainda fez intriga dizendo que Mercadante fará o possível para escanteá-lo novamente em 2018 e sinalizou que irá enfrentar Fernando Haddad, em 2016, na briga pela prefeitura de São Paulo.

CLIQUE AQUI para ler a entrevista completa.