Governador de Goiás batiza autódromo com o nome de seu principal aliado político

O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), decidiu mudar o nome do Autódromo Internacional Ayrton Senna, em Goiânia, desfazendo a homenagem a um dos maiores pilotos brasileiros de todos os tempos. A pista, inaugurada em 1974, passará a se chamar “Autódromo Internacional Governador Ary Valadão”.

Desconhecido da maioria dos brasileiros, Ary Valadão, que ainda é vivo, é mentor e aliado político de Perillo desde o início de sua carreira política e teve seu apoio e de seus correligionários nas quatro vezes em que disputou e venceu o governo do Estado.

Em uma nota divulgada à imprensa, Perillo justificou a decisão ao afirmar que o senhor conhece, como poucos, o trabalho que estamos desenvolvendo em prol da população goiana e, jamais, se absteve de defender nossa atuação e nosso legado do achincalhe promovido pelos nossos adversários, movidos pelo único intuito de ganhar as eleições a qualquer preço.

Justiça determina bloqueio de R$ 106 milhões das contas de Nestor Cerveró

A Justiça Federal decretou nesta quinta-feira o bloqueio de R$ 106 milhões do ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás, Nestor Cerveró, acusado de receber propina na contratação de navios-sonda para uso em águas profundas no Golfo do México e na África.

A medida acolheu pedido da força-tarefa da Operação Lava Jato, que investiga esquema de corrupção na estatal petrolífera.

Cerveró está preso desde janeiro. Ele já é réu em duas ações criminais da Lava Jato, uma por corrupção passiva e outra, por lavagem de dinheiro.

Dólar vai a R$ 2,89, maior valor em 10 anos

O dólar fechou em alta frente ao real nesta quinta (26), batendo nova cotação máxima em mais de 10 anos; a moeda norte-americana fechou cotada a R$ 2,8852 para venda, em alta de 0,59%. Desde o início de janeiro, o dólar acumula alta de 8,51%

Deputado Pedro Ruas está sofrendo de ansiedade. Ou é mal assessorado

De duas, uma: ou o deputado de primeiro mandato Pedro Ruas (Psol) está sofrendo de ansiedade em querer mostrar serviço ou é mal orientado. Anunciou que sua assessoria na Assembleia Legislativa está trabalhando na elaboração de um projeto de lei para acabar com a aposentadoria vitalícia dos ex-governadores.

Ocorre que sua colega e também iniciante no Parlamento, Any Ortiz (PPS), já protocolou – e há duas semanas – um projeto para tratar do mesmo tema. Ela tenta fazer aprovar algo que o hoje prefeito de Passo Fundo, Luciano Azevedo, também do PPS, tentou viabilizar quando era deputado, mas não conseguiu votos suficientes.

Brasil está em atoleiro, diz Economist em manchete de capa

A revista The Economist volta a dedicar a capa para o Brasil. Na edição latino-americana que chega às bancas, uma passista de escola de samba está em um pântano coberta de gosma verde com o título "O atoleiro do Brasil". Em editorial, a revista diz que a antiga estrela da América Latina "está na maior bagunça desde o começo dos anos 1990". A capa da edição da Economist para o restante do mundo não tem o País como tema principal e dá destaque a outro assunto: o avanço dos telefones celulares.

A Economist diz em editorial que, durante a campanha, Dilma Rousseff "pintou um quadro rosa" sobre o Brasil e a campanha teve o discurso de que conquistas como o emprego, aumento da renda e benefícios sociais seriam ameaçados pela "oposição neoliberal". "Apenas dois meses do novo mandato, os brasileiros estão percebendo que foi vendida uma falsa promessa".

Para a revista, "a economia do Brasil está em uma bagunça, com problemas muito maiores do que o governo admite ou investidores parecem perceber". Além da ameaça de recessão e da alta inflação, a revista cita como grandes problemas o fraco investimento, o escândalo de corrupção na Petrobras e a desvalorização cambial que aumenta a dívida externa em real das empresas brasileiras.

"Escapar desse atoleiro seria difícil mesmo para uma grande liderança política. Dilma, no entanto, é fraca. Ela ganhou a eleição por pequena margem e sua base política está se desintegrando", diz a revista.

A Economist nota que boa parte dos problemas brasileiros foram gerados pelo próprio governo que adotou uma estratégia de "capitalismo de Estado" no primeiro mandato. Isso gerou fracos resultados nas contas públicas e minou a política industrial e a competitividade, diz o editorial. A revista cita que Dilma Rousseff reconheceu parte desses erros ao convidar Joaquim Levy para o Ministério da Fazenda. "No entanto, o fracasso do Brasil em lidar rapidamente com distorções macroeconômicas deixou o senhor Levy com uma armadilha de recessão".

Entre as medidas para que o Brasil retome o caminho do crescimento sustentado, a revista diz que "pode ser muito esperar uma reforma das arcaicas leis trabalhistas". "Mas ela deve pelo menos tentar simplificar os impostos e reduzir a burocracia sem sentido", diz o texto, ao citar que há sinais de que o Brasil pode se abrir mais ao comércio exterior.



O editorial termina com a lembrança de que o Brasil não é o único dos BRICS em apuros e a Rússia está em situação pior ainda. "Mesmo com todos os seus problemas, o Brasil não está em uma confusão tão grande como a Rússia. O Brasil tem um grande e diversificado setor privado e instituições democráticas robustas. Mas seus problemas podem ir mais fundo do que muitos imaginam. O tempo para reagir é agora".

Ministro Pepe Vargas está perdendo espaço no governo Dilma

Pode ser questão de tempo a substituição do ministro das Relações Institucionais, o gaúcho Pepe Vargas, na articulação política do governo.

Dois sinais disto: ele não foi convidado para integrar a comitiva da viagem da presidente Dilma Rousseff à Bahia, ontem, e também não vai liderar a negociação do ajuste econômico no Congresso Nacional.

MPF pede intervenção do TCU para impedir acordos de leniência com empreiteiras

Procuradores federais integrantes da força-tarefa que investiga o achaque aos cofres da Petrobras recomendaram a ministros do Tribunal de Contas da União que impeçam a Controladoria-Geral da União de fechar acordos de leniência com empreiteiras suspeitas de participar do esquema.

Conforme o Ministério Público, esses tratados podem não ser vantajosos porque as empresas se livrariam da punição pelos crimes cometidos em troca do fornecimento de informações que poderiam não ter valor para as investigações.

O receio dos procuradores é acabarem sendo punidas apenas empreiteiras denunciadas, em detrimento das delatoras. Sustentam que, como as investigações correm sob sigilo, o TCU não saberia se as informações prestadas pelas empresas já seriam de conhecimento do MPF, correndo o risco de homologar um acordo vantajoso apenas para as empresas.

Dilma, na Bahia, recorre ao diversionismo para justificar reajuste nos combustíveis

A alteração no valor dos combustíveis no País não se deve a um aumento, e sim a uma recomposição da Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico, a Cide. 

Com sua habitual desfaçatez, foi com estas palavras que a presidente Dilma Rousseff justificou o aumento de até R$ 0,22 no preço dos combustíveis, em janeiro.

Ao menos, não culpou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, desta vez.

PSDB ingressará com mandado de segurança no STF contra nova "farra das passagens" na Câmara

O líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Carlos Sampaio (SP), anunciou esta tarde que pretende entrar com um mandado de segurança ainda nesta quinta-feira no Supremo Tribunal Federal para barrar a decisão da Mesa Diretora da Casa, que liberou o pagamento de passagens aéreas aos cônjuges dos parlamentares.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), também autorizou ontem o aumento em todas as despesas dos deputados, incluindo verba de gabinete, auxílio-moradia e cota parlamentar, que dispõe sobre gastos com passagens aéreas e conta telefônica. A determinação não vale para namoradas, mas inclui parceiros de parlamentares homossexuais.

A bancada do PPS anunciou que abrirá mão das passagens destinadas aos companheiros e companheiras.

O reajuste, que passará a valer a partir de abril, representará impacto de cerca de R$ 110 milhões.

Governo resolve prender e arrebentar os líderes dos protestos dos caminhoneiros que pararam o Brasil

Sem conseguir negociar com os caminhoneiros que bloqueiam estradas do país em diversos estados, o governo determinou que a Polícia Rodoviária Federal multe os motoristas parados nas rodovias. Além de notificá-los pela infração de trânsito, a decisão tem um objetivo mais importante: identificar os líderes do movimento grevista e, assim, permitir a aplicação de multas por desobediência às ordens judiciais que exigem a desobstrução das vias. Nesse caso, o valor a ser pago varia de 5 000 a 10 000 reais por hora.
A medida anunciada pelo ministro da Justiça, José E duardo Cardozo, foi a solução encontrada pelo governo para permitir a punição dos grevistas, já que não há um sindicato ou entidade juridicamente constituída a ser responsabilizada pelo movimento. "O governo agirá firmemente no cumprimento da lei e das determinações judiciais", disse Cardozo.
O Executivo também determinou que a Polícia Federal abra inquérito para investigar a prática de crimes por participantes do movimento – entre eles, o de obstrução ao trânsito de outros veículos.

O último dado da Polícia Rodoviária Federal é que existem 97 pontos de bloqueio em sete estados.

Chega a 80 o número de bloqueios em rodovias do Rio Grande do Sul

Pelo menos 80 pontos de rodovias no Estado estão sendo bloqueados por caminhoneiros, desde o início desta tarde. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal e com o Comando Rodoviário da Brigada Militar, na maior parte deles o trânsito está completamente interrompido. A situação é mais grave nas regiões Norte e Noroeste. Não há previsão para a liberação das rodovias.

Entra em operação P-66, terceira plataforma do pré-sal automatizada pela gaúcha Altus

Mais uma etapa da construção da P-66, primeira das replicantes da Petrobrás automatizada pela empresa gaúcha Altus, está chegando ao fim. Uma equipe formada por especialistas das duas empresas esteve no estaleiro de Brasfels conferindo a evolução dos trabalhos. A plataforma, que irá produzir no campo de Lula, será a terceira comissionada pela Altus a entar em operação na região do Pré-Sal.

. Foi o que informou a Altus ao editor.

Na última terça-feira, a equipe de coordenação do projeto de replicantes da Altus, assim como representantes e coordenação do contrato com a Petrobrás, fizeram uma visita ao estaleiro de Brasfels, localizado na cidade de Angra dos Reis, Rio de Janeiro, para uma vistoria na plataforma P-66, uma das FPSOs replicantes automatizadas pela Altus que serão utilizadas na exploração e produção de petróleo na região do Pré-Sal. Durante a vistoria, o time de especialistas conferiu a evolução da etapa de Construção e Montagem e, também, aproveitou o encontro para planejar as etapas de pré-comissionamento e comissionamento da plataforma.
A equipe contou com os engenheiros da Altus, Fernando Volpato, Andre Corazza, Augusto Spinelli e Carlos Theisen, bem como com os representantes da Petrobras, Sandro Ferreira, Luiz Arruda, Paulo Cintra e Roberto Bellas.

A P-66 será a terceira plataforma – primeira replicante – totalmente automatizada pela Altus a entrar em operação na região do Pré-Sal. A expectativa é que a participação da Altus no comissionamento da plataforma deva ter inicio em setembro deste ano.

Sartori confirma nova diretoria do Badesul, Odone será um dos diretores. Kakuta irá para a presidência.

O governador José Ivo Sartori confirmou os nomes dos novos diretores do Badesul-Agência de Fomento. Peri Coelho ocupará o cargo de vice-presidente. Farão parte também da diretoria a servidora do quadro com formação em Sociologia Jeanette Halmenschlager Lontra, o ex-deputado e ex-secretário de Ciência e Tecnologia Kalil Sehbe e os ex-deputados estaduais Paulo Odone e Diogo Paz Bier, conhecido por Mano Changes.

No início deste mês, o governo anunciou o nome de Susana Kakuta como diretora-presidente do Banco. Susana já foi presidente da CaixaRS, diretora de Operações do Sebrae RS e coordenadora da Unidade de Competitividade Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI). É diretora da Unidade de Inovação e Tecnologia da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) e gestora executiva do Tecnosinos - o Parque Tecnológico São Leopoldo.


O Badesul é vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia e atua na promoção do desenvolvimento econômico e social do Rio Grande do Sul. Para isso, oferece soluções financeiras de longo prazo para projetos do setor público e de empresas privadas.

Tropas da Força Nacional de Segurança já estão no Estado para intervir no RS

O governo federal resolveu usar a força bruta contra os caminhoneiros que bloqueiam as rodovias federais do RS. Uma guarnição da Força Nacional de Segurança Pública foi deslocada para o Rio Grande do Sul e pode dar apoio ao desbloqueio do tráfego em rodovias como a BR-101, em Três Cachoeiras. Eles agirão por determinação de qualquer juiz federal. A Justiça Federal concedeu hoje mais três liminares a favor do Sindicato da Indústria de Laticínios para liberação de trechos nas BR-285, BR-344, BR-158, BR-392 e BR-386, na região de Santa Maria. 17 ações foram protocoladas até o momento na Justiça Federal que determinou desbloqueios em rodovias de 13 regiões do Estado. 

O cenário é explosivo e dramático na região de Três Cachoeiras, vizinhança de Torres, onde já ocorreram graves incidentes. 

A tropa, cujo efetivo não foi informado pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) está de prontidão mas só deverá agir mediante solicitação da Polícia Rodoviária Federal (PRF). 

A Senasp, por meio de nota, confirmou a presença da tropa em solo gaúcho, mas não forneceu maiores detalhes. Confira a íntegra do texto:

A Força Nacional de Segurança Pública teve equipes deslocadas para os estados do Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul para dar apoio à Polícia Rodoviária Federal, caso seja necessário, na desobstrução de rodovias em que se faça necessário, cumprindo decisão judicial.

De nada adiantou o acordo firmado entre o governo federal e representantes dos caminhoneiros, na tarde desta quarta-feira (26), o Rio Grande do Sul tem o maior número de bloqueios de estrada desde o início das manifestações. Nas rodovias federais, são 43 e mais 41 pontos de bloqueios nas estaduais.


Líder do PSDB trai oposição, vota com o governo e ajuda a eleger comando que fará nova pizza na CPI da Petrobrás

Reunião de instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito que irá investigar a corrupção na Petrobras elegeu nesta quinta-feira, os nomes dos deputados Hugo Motta (PMDB-PB) e Luiz Sérgio (PT-RJ) na presidência e relatoria do colegiado.

Houve tentativa de eleger um nome da oposição para a presidência, mas o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio, traiu seus companheiros e ficou com o candidato do governo, Hugo Motta, selando uma aliança destinada a promover nova pizza na Câmara, já que a primeira CPI não deu em nada. 

O próprio deputado Onyx Lorenzoni, DEM, único gaúcho na CPI, chegou a ser aventado para a presidência, teria chance de vencer, mas o caso não foi adiante.

O candidato do PSOL, Ivan Valente, fez 4 votos.

. A CPI terá o prazo de 120 dias para concluir seus trabalhos e deverá ser investigado também as denúncias de pagamento de propina na estatal durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi presidente da República (1995-2003).

Não foi aceito o pedido do PSOl para a impugnação dos deputados indicados para a CPI e que receberam dinheiro sujo do Petrolão.

Segundo o líder do Psol, Chico Alencar (RJ), o partido questionou as indicações para a CPI dos deputados que receberam doações das empreiteiras OAS, Camargo Corrêa, Sanko, Engevix, Galvão Engenharia, Mendes Junior, UTC e Toyo Setal. Para defender a questão de ordem, Alencar invocou o Código de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara, segundo o qual não pode relatar matéria parlamentar que tenha sido financiado por empresa que tem interesse naquela matéria.

"Se um prefeito tivesse feito o que Tarso fez com o RS, já estaria preso", garante Postal

O líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Alexandre Postal (PMDB) vai divulgar, na próxima semana, números que considera “chocantes” a respeito da situação financeira do Estado, herdada de Tarso Genro (PT).

De posse dos números oficiais obtidos junto à Secretaria da Fazenda, ele garantiu ao editor que os gaúchos vão ficar estarrecidos com suas revelações. São fatos tão graves, que se tivessem sido cometidos por algum prefeito, ele certamente já estaria preso, assegurou.

Procurador Geral da República é ameaçado de morte na véspera do anúncio da lista dos políticos corruptos do Petrolão

Temperatura máxima em Brasília:  às vésperas da apresentação da denúncia contra os políticos atingidos pelo Petrolão, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, reuniu-se fora da agenda com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Janot também esteve com Dilma, conforme nota abaixo de Claudio Humberto.

O ministro  informou a ele que áreas de segurança do governo federal detectaram riscos à sua segurança pessoal, já que há movimentação para matar o procurador.

A denúncia de Janot deve atingir 42 políticos com foro privilegiado e será apresentada nas próximas horas.

Questionado, Cardozo desconversou: 'sempre que houver riscos à segurança de qualquer autoridade, não confirmarei, nem negarei'.

No Congresso, esta tarde, é o só o que se fala. Senadores e deputados não falam sequer sobre a greve dos caminhoneiros. 

Sem saída, empreiteiros da Camargo Corrêa cedem e aceitam fazer delação premiada geral, segura e irrestrita contra os governos Lula e Dilma

O juiz Sergio Moro, do Paraná, venceu a Camargo Corrêa pelo cansaço. Com seus executivos presos há mais de três meses, a empreiteira aceitou fazer um acordo de delação premiada e irá revelar esquemas de corrupção em outras áreas do governo federal, como o setor elétrico e rodoviário. 

Ao que tudo indica, nada será questionado sobre a atuação da Camargo nos governos estaduais. 

O furo é do jornalista Kennedy Alencar. Leia abaixo:

A Camargo Corrêa decidiu fechar um acordo de delação premiada com o juiz Sérgio Moro e os procuradores da Operação Lava Jato. A expectativa dos investigadores é que a empresa dê informações sobre seus negócios com a Petrobras, mas também a respeito de outros setores da economia, como obras nas áreas de energia e estradas.

Na segunda-feira, o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, negou pedido de liberdade feito pela defesa de dois executivos da empresa. Foi a gota d’água para a companhia optar pela delação, caminho que já vinha analisando.

Lula espera que MST tome as ruas e garanta a governabilidade de Dilma

No ato de apoio à Petrobras organizado pela CUT, o ex-presidente Lula mandou um recado bastante objetivo a respeito do que pode acontecer no país, caso se acirrem os ânimos da população nos movimentos em favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff:

Em vez de ficarmos chorando, vamos defender o que é nosso. Defender a Petrobras é defender a democracia e defender a democracia é defender a continuidade do desenvolvimento social nesse país. Quero paz e democracia, mas também sabemos brigar. Sobretudo quando o Stédile colocar o exército dele nas ruas.

O “exército de Stédile” a que Lula se referiu são os terroristas do MST que, mesmo não sendo uma figura jurídica constituída, é financiado com vultosos recursos públicos através de ONGs laranjas, para invadir fazendas produtivas e destruir propriedades privadas.

É assim que o ex-presidente pretende garantir a paz e a democracia que ele diz querer defender. Ameaçando os inimigos do PT com uma guerra civil.

Lei que libera a venda de bebidas alcoólicas nos estádios pode não ter validade

Divulgada em primeira mão por este blog, ontem, a aprovação, pela Câmara de Porto Alegre, do projeto de lei do vereador Alceu Brasinha (PTB) que libera o consumo de bebidas alcoólicas nos estádios de futebol já encontra resistências legais para tornar-se realidade.

Isto porque fere o Estatuto do Torcedor, de abrangência nacional, que veda a venda durante as partidas. Inobstante, há ainda uma lei estadual, de autoria do deputado Miki Breier (PSB), de idêntico cunho. Como se sabe, uma lei municipal não pode suplantar leis estaduais ou federais.

A Promotoria do Torcedor também se manifestou ontem, garantindo que os clubes podem ser denunciados no Superior Tribunal de Justiça Desportiva se permitirem a venda de bebidas alcoólicas em seus estádios durante a realização de jogos.

Procurador Geral da República visita Dilma na véspera da divulgação dos nomes dos políticos corruptos envolvidos no Petrolão

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, esteve no Palácio Alvroada, residência oficial da presidente Dilma Rousseff, e de lá saiu há cerca de vinte minutos. A informação é de agora, 13h12min. O material é do blog do jornalista Claudio Humberto.

Leia tudo:

O encontro de Dilma com Janot foi "extra agenda" e não foi divulgado com antecedência por suas assessorias. Nem a Presidência da República e nem a PGR não divulgaram quaisquer informações sobre a visita de Janot.  
A assessoria do procurador-geral afirma que nem sequer sabia do encontro, e confirmou que não estava previsto. Oficialmente, Janot tinha apenas "agenda interna", nesta manhã, e à tarde no Supremo Tribunal Federal.

A visita de Janot a Dima ocorre na iminência da divulgação da lista de políticos e autoridades, sobretudo ligados ao governo Dilma, enrolados na Operação Lava Jato, que desvendou o maior escândalo de corrupção de todos os tempos no Brasil. (Com Ana Paula Leitão e Roberta Abreu).

OPINIÃO - COMO NO CHILE DE ALLENDE, OS CAMINHONEIROS BRASILEIROS PODEM EMPAREDAR E DERRUBAR O GOVERNO

No dia 22, o editor postou o seguinte comentário:

A greve dos caminhoneiros chilenos começou como se sabe e terminou assim. 

Na foto, Allende armado. Foi seu último ato - As greves relâmpagos e selvagens dos caminhoneiros brasileiros, que começaram há dois meses no Mato Grosso do Sul e agora atingiram Paraná, Santa Catarina e RS, lembram os bloqueios que no dia 27 de outubro de 1972 derrubaram o governo Allende, no Chile. Na ocasião, caminhoneiros chilenos pararam seus veículos, em um ato consciente de hostilidade de classe. Não eram assalariados, mas
sim proprietários de caminhões, alguns deles donos de frotas inteiras que transportavam mercadorias pelas estradas daquele país longo e delgado. A inflação alta, portanto preços em disparada, além da paralisia econômica e governo deslegitimado, como no Brasil atual, foram caldo de cultura ideal para a derrubada do governo socialista.  O tamanho limitado da rede ferroviária nacional  conferia aos caminhoneiros um papel econômico crucial e uma força real, caso optassem por utilizá-la. É o que acontece também no Brasil. Naquele
mês de outubro, a decisão do governo de nacionalizar uma pequena firma
transportadora do extremo sul do país, em Aysen, proporcionou-lhes o
pretexto para agir. A decisão da greve foi anunciada por Leon Vilarin, o líder
da organização dos caminhoneiros.
Mas a greve não era simplesmente o produto de uma pequena conspiração. Era um movimento chave.
A greve de outubro iniciou uma nova fase naquela estratégia política e econômica. Os meses anteriores haviam presenciado um nível crescente de mobilização da classe média e algumas vitórias políticas contra o governo. Por volta de outubro os líderes da oposição constataram que tinha chegado o momento de derrubar o governo. As condições objetivas e subjetivas existiam naquele momento, algo que vai se formando atualmente no Brasil. Dia 15 de março, com o povo nas ruas, o Congresso poderá ser levado a agir, produzindo o impeachment de Dilma. No front do aparato judicial, a hora de levar à prisão os bandidos que se alojaram no governo, PT e seus aliados, o tempo estará maduro para mais cadeia.

Luiz Henrique adverte Dilma e o PT: "Lembrem-se do Chile de 1973"

A presidente Dilma Roussef telefonou ontem ao senador Luiz Henrique, PMDB, e a pretexto de cumprimentá-lo pelo aniversário, pediu que ele repetisse as advertências feitas por ele a respeito da semelhança entre o bloqueio das estradas e a greve dos caminhoneiros que derrubou Allende em 1973.

O editor já tinha falado sobre o assunto em seu comentário diário.

O governo de Dilma e do PT prosseguem subestimando a força do movimento e a sua independência, tentando fazer acordos apenas com sindicatos de pelegos que controla, portanto ignorando as lideranças autônomas mais combativas e que verdadeiramente controlam o movimento.

A greve dos caminhoneiros brasileiros adquiriu contornos de crise política grave, porque representa a primeira reação de grandes proporções aos desmandos do governo do PT, que tenta transferir para a população os enormes prejuízos causados ao setor público pelas roubalheiras na Petrobrás e decorrentes do estelionato eleitoral do ano passado.

Acerto entre governo e pelegos sindicais não consegue conter bloqueios nas estradas do País

CLIQUE AQUI para ver e ouvir o líder dos caminhoneiros, ao desmentir o fim da greve, anunciada ontem a noite pelo governo, que usou a Rede Globo para mentir -

“O acordo fechado ontem entre o governo e algumas lideranças não teve efeito, porque não houve legitimidade nas representações sindicais”, disse ao editor, ainda há pouco, o deputado Jerônimo Goergen, que neste momento (12h35min) abriga lideranças ativas do movimento dos caminhoneiros, principalmente do RS, que impedem o levantamento dos bloqueios em 91 pontos de estradas de 9 Estados.

O governo reuniu-se ontem com pelegos e retirou da sala de negociações as lideranças mais ativas. Estas lideranças, reunidas num Comando Nacional dos Transportes, protocolará pedido de audiência no Planalto, para abrir novas negociações.

O bloqueio tem conseguido apoio generalizado.

As liminares concedidas pela Justiça acabam não produzindo efeito, porque os caminhões são deslocados rapidamente para novos pontos.

A Polícia Rodoviária Federal tem usado pontualmente a força, mas as enormes dimensões das paralisações impede resultado efetivo.

O governo teme que os bloqueios engrossem as manifestações públicas programadas para o dia 15.
Em Santa Catarina, estudantes mobilizaram a população por Whats App e saíram as ruas, ontem, em apoio aos caminhoneiros. O pefeito João Carlos Valar mandou a prefeitura fechar para que todos participassem dos atos públicos.

Desabastecimento provoca corridas aos supermercados e postos de gasolina

O prosseguimento da greve dos caminhoneiros já afeta gravemente o abastecimento de mercadorias em todo o País, produzindo falta de alimentos e combustíveis, o que paralisam vendas até mesmo nos supermercados.

Algumas farmácias e hospitais das regiões afetadas pelos bloqueios também reclamam da falta de remédios. 

O desabastecimento começa a oferecer contornos dramáticos.

Em muitas cidades já acontecem corridas aos supermercados e postos de gasolina. 

Em Rio Grande, conforme informou o editor esta manhã, o porto de Rio Grande não funciona mais.
As exportações foram suspensas.


Também as indústrias são afetadas, mas os casos mais dramáticos são as cadeias produtivas de carnes de frangos e suínos. Em Santa Catarina, RS e SC já ocorrem casos de canibalismo nas granjas de frangos. Pintos que não são alimentados a cada três horas, acabam devorando-se uns aos outros.

Artigo de Noblat diz que Dilma volta a apelar ao discurso cínico, mentiroso e marqueteiro

Espantosa a desfaçatez da presidente Dilma Rousseff.
Embora tenha sido condenada por se valer de um discurso descaradamente marqueteiro e repleto de mentiras, ela cede à tentação e apela para o mesmo discurso quando faz sua primeira visita ao interior do país depois de ter sido reeleita.
Em Feira de Santana, na Bahia, a pretexto de entregar unidades do programa Minha Casa, Minha Vida, ela disse coisas do tipo:
- Como uma mãe, como uma dona de casa, faço algumas correções...
- Precisamos fazer ajustes e faço ajuste no meu governo como a dona de casa faz na casa dela...
Tudo isso a propósito do ajuste fiscal que cortará direitos sociais. Logo ela que na campanha do ano passado garantiu que jamais cortaria direitos sociais.
- Essas correções dizem respeito ao fato que para o Brasil é muito importante focar os programas sociais. Fazer com que se beneficiem só quem precisa deles.
Quer dizer: Dilma descobriu que pessoas que não precisavam dos programas sociais se beneficiavam deles...
Tremendo cinismo.
Depois de ter dito e repetido durante a campanha que a economia estava arrumada e sob controle, ela agora justifica o ajuste fiscal como indispensável para a retomada de "um novo ciclo de desenvolvimento econômico para gerar mais emprego, mais renda e fazer com que o Brasil continue a crescer de forma acelerada".
Antes o Brasil não carecia de nenhum ajuste fiscal. Foi isso o que ela jurou para garantir a maioria dos votos capaz de reelege-la. Agora...
- Eu tenho coragem suficiente para fazer as mudanças que são necessárias. Só tenho o compromisso com a população e a cidadania desse país, com o povo pobre desse País.
O disco demagógico irrita quem o ouve. Dilma e sua turma continuam subestimando a inteligência alheia.
Uma vez pode dar certo – como deu. A segunda vez, duvido.
















Parou o porto de Rio Grande

Parou o porto de Rio Grande, o maior do RS.

Lista do HSBC na Suíça revela empreiteiras da roubalheira na Perobrás com dinheiro sujo em Paraísos Fiscais

O jornalista Fernando Rodrigues, o primeiro a falar no escândalo do SwissLeaks, revelou hoje no site UOL novos detalhes do que sabe. Ele informa que os da Galvão e da Queiroz Galvão têm firmas nas Ilhas Virgens Britânicas. São 3 offshores: Fipar Assets, Montitown United e Melistar Management. 11 integrantes da família Queiroz Galvão estão nos registros do SwissLeaks

Os procuradores do MPF no Paraná irão de novo à Suiça para buscar mais elementos para o julgamento das empreiteiras. 

O julgamento do Petrolão vai adquirindo contornos cada dia mais amplos e explosivos no Paraná, atingindo dimensões inimagináveis.

A revelação dos nomes dos políticos envolvidos, segredo que o Procurador Geral da República continua mantendo inexplicavelmente sob clausura, atingirá em cheio a base do governo. Será material explosivo às vésperas das manifestações do dia 15 de março. 

Leia mais:

Análise detalhada de milhares de fichas de correntistas da agência de “private bank” do HSBC de Genebra, na Suíça, indica que muitos operavam por meio de empresas em paraísos fiscais. Esse é o caso de pelo menos 9 dos 11 integrantes da família Queiroz Galvão –que comandam as empreiteiras Galvão Engenharia e Queiroz Galvão– e que têm contas numeradas no exterior.

As empresas estão em Tortola, nas Ilhas Virgens Britânicas, um território ultramarino do Reino Unido, na região do Caribe. São três offshores: Fipar Assets Ltd., Montitown United Ltd. e Melistar Management Inc.


A revelação da existência dessas empresas pode contribuir na investigação da Operação Lava Jato. Na apuração das acusações contra a Galvão Engenharia e Queiroz Galvão, a Polícia Federal e o Ministério Público poderão solicitar informações a respeito de fluxo financeiro dessas empresas com sede em paraísos fiscais.

CLIQUE AQUI para saber mais. 

Shopping a céu aberto, Viva Open Mall, abriu hoje em Porto Alegre

O Viva Open Mall abre as portas nesta quinta-feira em Porto Alegre, apresentando a primeira fase do projeto. Localizado na Avenida Nilo Peçanha, 3.228, o empreendimento chega com a proposta de tornar-se referência no segmento Open Mall no Sul do País. Chamado de Semana Viva, o evento de inauguração oficial acontecerá de 16 a 22 de março. Com uma rua de passeio, o Viva tem foco em serviço, conveniência, lazer e alimentação.

Leia todo o material desenvolvido pelo site www.coiletiva.net

O Shopping foi desenvolvido a partir de pesquisas que apontaram para o desejo das pessoas em valorizarem mais o estar na rua, ao ar livre, convivendo com um ambiente mais aberto, como se estivesse em uma rua de passeio, enquanto utilizam os serviços, o lazer e a gastronomia. O conceito do Viva responde estas demandas do público e convida as pessoas a terem novas experiências, vivendo e pensando a vida fora da caixa.
“Escolhemos cuidadosamente os nossos parceiros comerciais, buscando sempre a melhor opção dentro de cada segmento e que atendesse à demanda e necessidades da região. Outro ponto importante da abertura do Viva é a geração de empregos, teremos aproximadamente 200 empregos diretos e 400 indiretos”, revela Mathias Rodrigues, empreendedor do Phorbis, um dos grupos responsáveis pelo Viva.
Algumas das lojas já confirmadas são Panvel, STB Trip & Travel, Big Festa, Loja da Neugbauer, Mulligan, Vermelho Grill, Brasco, Mirage, Subway, Net, Claro, Flex Nutrition, Smart Fit e Universitário. O empreendimento ainda conta com as marcas Coca-Cola, Neugebauer, Heineken, Claro e Net, que são parceiras do shopping desde a sua concepção e assinam diferentes espaços no local, como a Rua Coca-Cola, que dará nome à rua de passeio do mall, em uma iniciativa inédita no Rio Grande do Sul. Outros diferenciais são os espaços Gourmet, Pet, Fitness, Chimarródromo, Wi-Fi, Bicicletário e Fumódromo.
“Acreditamos em um espaço que possa atender a todos os serviços, a conveniência e ao lazer que as pessoas buscam no seu dia- a- dia, em um espaço aberto, moderno e aconchegante. A tradução e implementação desses conceitos no Viva conta com marcas parceiras como a Coca- Cola, Neugebauer, Net e Claro – e mix de lojistas diferenciados”, destaca Fernando Tornaim, da empresa Tornak.
O projeto arquitetônico tem assinatura da Ronaldo Rezende Arquitetura e foi inspirado no conceito Open Mall com áreas cobertas, garantindo o melhor uso do shopping em todas as estações do ano. Em forma de ‘U’ convida o público a entrar e desfrutar das áreas abertas, dos espelhos d’água e das áreas verdes. O paisagismo é assinado pela a Takeda Arquitetos Paisagistas.


Terra quer que CUT, Vicentinho e PT peçam apoio para votar o ajuste fiscal de Levy

O deputado Osmar Terra confirmou esta manhã que tenta convencer o PMDB a só votar a favor do ajuste fiscal se receber um pedido formal da CUT e do ex-presidente da entidade, o ex-líder do PT deputado Vicentinho.

Ao fazer a proclamação numa reunião do Partido, foi ovacionado de pé pelos 50 deputados presentes. 

Prefeitura acha que Infraero faz corpo mole no caso da ampliação da pista do Aeroporto Salgado Filho

Sem previsão de quando os trabalhos de ampliação da pista do Salgado Filho vão começar, a discórdia reina entre a Infraero e a Prefeitura de Porto Alegre. O Executivo quer que a remoção dos moradores que ocupam áreas da nova pista seja de quatro anos, alegando que a área ainda não impede os trabalhos, mas a Infraero exige retirada imediata para iniciar as obras e não há previsão de quando os trabalhos  vão começar. A Infraero exige que sejam  removida 1.819 famílias das Vilas Dique, Nazaré e Floresta, nos arredores do aeroporto. Já a prefeitura de Porto Alegre afirma que o combinado era de que a desocupação poderia ser finalizada até o início da operação da nova pista.


O prefeito José Fortunati informou  que todas as medidas necessárias para o início da obra já foram adotas e em nenhum momento empresa exigiu a retirada de todas as famílias da região antes do término das obras.  

A prefeitura acha que a Infraero cria obstáculos novos para não dizer claramente que não quer fazer nada. 

As pressões públicas pela retomada da pista foram reduzidas a zero e por isto a estatal federal faz exigências que nunca fez antes.

A Infraero chegou ao ponto de dizer que depende de verbas do orçamento da União, embora o ministro Eliseu Padilha tenha garantido que existem recursos da própria Infraero. 

O reassentamento de famílias deve avançar em 2015 e, até o momento, já foram removidas 922 famílias da Vila Dique e transferidas para o conjunto habitacional Porto Novo, no bairro Rubem Berta, mas faltam  554 unidades   

Em janeiro de 2011, o município entregou ao governo do Estado, oficialmente, a área destinada à ampliação da pista do Aeroporto Internacional Salgado Filho, que repassou o terreno à Infraero.

Câmara aprova quarentena para novos Partidos. Objetivo é trancar o passo do governo Dilma e de Kassab.

Foi aprovada ontem  na Câmara dos Deputados proposta que limita fusão de novos partidos.  O Projeto de Lei 23/15, que proíbe a fusão entre partidos que tiverem menos de cinco anos de registro definitivo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), alterando a Lei dos Partidos Políticos (9.096/95). 

A nova lei visa atingir o governo Dilma, que infla Kassab e seu projeto de criar um novo Partido, tudo com o objetivo de reduzir a força do PMDB.

O ministro das Cidades e ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), um político fisiológico e sem princípio algum, que agora é o maior aliado do PT. Ele tentava recriar o PL por meio de una fusão entre o PR com o PSD, atraindo fisiológicos do PMDB e do PTB. 

 Agora, a proposta partirá para o Senado.

Prejuízo líquido da Vale chega a 4,8 bilhões de reais em 2014

A mineradora Vale informou nesta quinta-feira que realizou baixas contábeis de R$ 2,8 bilhões relacionados aos ativos de fertilizantes no Brasil no quarto trimestre, devido a condições de mercado desfavoráveis, segundo anúncio realizado simultaneamente à divulgação de seu balanço trimestral.  

A mineradora registrou prejuízo líquido de R$ 4,8 bilhões no quatro trimestre de 2014 ante prejuízo de R$ 14,9 bilhões no mesmo período de 2013, com o preço do minério de ferro despencando no mercado internacional, perdas cambiais em derivativos e baixas contábeis de ativos.

Sartori adere ao Twitter, ferramenta que Tarso sempre dominou com maestria no RS

O governador José Ivo Sartori finalmente se rendeu a nova tecnologia, porque poiado pelas equipes de comunicação e das mídias sociais, postou sua primeira mensagem no Twitter. Em breve, com sua vontade, poderá ser conhecido em breve como o governador high-tec. 

Sua página do Twitter de campanha teve  7.135 Tweets, seguiu 751 pessoas e foi seguido por 6.177 usuários.

Rigotto e Odone poderão ocupar as duas vagas do RS no BRDE.

As  duas vagas a que tem direito o governo gaúcho no BRDE poderão ir para o ex-governador Germano Rigotto e para o ex-deputado Paulo Odone. 

inflação do IGPM subiu 0,76% em janeiro

O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) subiu 0,27 por cento em fevereiro, após avançar 0,76 por cento em janeiro, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira.  A expectativa em pesquisa da Reuters era de alta mensal de 0,29 por cento, de acordo com a mediana de 20 projeções, que variaram de avanço de 0,18 a 0,55 por cento. O IGP-M é usado como referência para a correção de valores de contratos, como os de energia elétrica e aluguel de imóveis

Ministro Kassab tentará, hoje, arrancar dinheiro da pedra para viabilizar o metrô. O governo Sartori não tem dinheiro nem para o cafezinho.

O ministro das Cidades, Giberto Kassab terá nesta quinta-feira reuniões com o governador José Ivo Sartori e com o prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, para tratar principalmente de viabilizar o custeio do metrô da Capital. O governo estadual está quebrado e não poderá ajudar com nada. Se o metrô andar, terá que ser com dinheiro federal e municipal.

Esta é a primeira visita do ministro a Porto Alegre. Ele é o criador do PSD, Partido do vice de Sartori, José Cairolli.

O metrô foi anunciado em 2013 pela presidente Dilma Rousseff com orçamento previsto de R$ 4,8 bilhões. Foi um factóide de Dilma para se cacifar. Fortunati e Tarso aceitaram a farsa por oportunismo político. O metrô depende de repasses de município, Estado, União e iniciativa privada. Kassab assegura que as dificuldades financeiras do Estado e do país não engavetarão a obra, que deve ter a licitação lançada em meados do ano.

— É uma obra de grande dimensão para a cidade, e a disposição da presidente Dilma é total no sentido de superar os obstáculos que existem, com o apoio e verba do governo federal — disse em entrevista ao jornal zero Hora de hoje. 


Um dos objetivos da conversa com o governador é examinar os caminhos que existem para que possa ser iniciada a obra e o Estado possa honrar sua participação.

Aloysio assumirá Comissão de Relações Exteriores do Senado com foco na Venezuela

Segundo o presidente do PSDB, Aécio Neves, o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) deverá ser o próximo presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) do Senado. A proposta é que o vice do presidenciável em 2014 convoque, na comissão, uma audiência pública para debater a tensão política em curso na Venezuela.

Ontem, a Câmara dos Deputados aprovou proposta de apoio aos venezuelanos que lutam pela democracia e que pede a libertação de todos os presos políticos. 

Governo e líderes dos caminhoneiros anunciam acordo. Bloqueios podem terminar hoje.

Apesar das más notícias do início da noite de ontem, pouco mais tarde o governo e os principais representantes dos caminhoneiros parados anunciaram a conclusão de um acordo. O acerto inclui congelamento do preço do diesel por meio ano, revisão dos fretes e redução dos preços dos pedágios. Não foi exatamente o que pediram os caminhoneiros, mas é algo parecido. 

O ministro Miguel Rosseto, que coordenou reuniões de mais de dez horas, avisou que o movimento de bloqueio nas estradas terá que terminar, a fim de que o acordo seja cumprido.

Isto pode acontecer ainda hoje. 

Tudo vai depender dos movimentos autônomos, pouco sujeitos às lideranças nacionais. 

 Eis no que cedeu o governo

1 - Sanção integral da chamada Lei dos Caminhoneiros, que na prática reduz o valor do pedágio que pode ser cobrado dos caminhões e aumenta o número de horas extras que podem ser feitas pela categoria.

2 - A segunda medida é a suspensão, por um ano, dos pagamentos de empréstimos feitos pelo BNDES para a aquisição de caminhões.


3 - O governo anunciou, ainda, a criação, por empresas e caminhoneiros, de uma tabela referencial de fretes, o que pode levar a preços mínimos para o serviço. A quarta proposta é o estabelecimento de uma mesa permanente de negociações entre motoristas e empresas.