Delegados querem que Operação Zelotes será desmembrada

A empresa da qual Jorge Gerdau é sócio, a Gerdau, é uma das investigadas. No RS, também estão na lista RBS, Marcopolo e Mundial-Eberle.



A Operação Zelotes será desmembrada, de forma a facilitar as investigações e as instruções processuais relacionadas ao caso, informaram hoje (20) delegados da Polícia Federal (PF) envolvidos nas investigações.

Durante audiência pública na Câmara dos Deputados, eles recomendaram também uma reformulação estrutural do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), a fim de evitar a repetição das práticas criminosas investigadas.

Deflagrada em março pela Polícia Federal (PF), a Operação Zelotes investiga organizações que influenciavam e corrompiam integrantes do Carf. Dessa forma, manipularam trâmite e resultado de processos e julgamentos envolvendo empresas interessadas em anular ou diminuir os valores dos autos de infrações emitidos pela Receita Federal.

De acordo com o delegado da Divisão de Repressão a Crimes Fazendários da PF, Marlon Oliveira Cajado, os valores discutidos ou em discussão no Carf chegam a R$ 1,3 trilhão. "Estima-se que cerca de R$ 5 bilhões tenham sido sonegados [de um total de] R$ 20 bilhões investigados em 74 processos", disse o delegado.

4 comentários:

Anônimo disse...

Pior do que este escândalo foi a ridícula e covarde posição da OAB em prol da desestruturação paritária do CARF. Colocaram toda a classe de advogados do Brasil no mesmo saco. E ainda tomam R$ 75,00 por mês dos advogados para apresentar uma defesa da classe deste nível...!

Anônimo disse...

Que se manifestem os arautos do PGQP da ética e da moralidade

Anônimo disse...

Acho importante fazer esse desmembramento dos criminosos para facilitar as investigações, isto é, amigos do Lula para um lado e amigos da Dilma para outro!

Justiniano disse...

A conta do CARF, segundo o senador Ataídes de Oliveira do PSD (BA), é de meio trilhão de reais, acima de 565 bilhões de reais e ao contrário dos mais de 110 mil processos, 780 empresas brasileiras devem R$357 bilhões ao governo federal. Entre elas, estão bancos Bradesco, o Itaú e o Santander, que acumulam lucros estratosféricos, além de empresas automobilísticas, como a Ford e a Chevrolet, que tentam burlar os autos de infração, não pagando o que devem à União, em contrapartida, 93 mil empresas de pequeno porte, abaixo de 100 mil reais, devem ao fisco cerca de R$9 bilhões em multas e impostos não pagos. Isso mostra, segundo o senador Ataídes de Oliveira do PSD (BA), que os pequenos negociantes pagam seus tributos, enquanto os grandes, além de não pagarem, ainda corrompem os conselheiros para se livrarem das dívidas, de acordo com a apuração da Operação Zelotes.

A exposição do senador Ataídes de Oliveira estão no site:
https://youtu.be/hBNHOcQbDmM


Cobrem a conta dos sonegadores e não necessita ajustes fiscais e aumento de impostos. Mas claramente não há interesse do governo mexer com os grandes doadores de campanha do PT.