Vida e morte de Danilo Ucha.

5 comentários:

Anônimo disse...

Políbio.
Agora entendo porque o admiro. És um camarada daqueles que já não encontramos mais; de outra cepa. Uma homenagem assim, no passamento de um amigo, é algo que diz bastante do vosso caráter. Denuncia e atesta a vossa boa índole.
Aceite, mesmo não me conhecendo, minha sincera solidariedade!

Anônimo disse...

Que vídeo lindo Polibio!!! Parabéns!!!

Anônimo disse...

Danilo. Ucha- um gentleman e um grande jornalista! Uma lástima!!

Anônimo disse...

Maravilha Políbio, meu pai era Assíduo leitor de "A Plateia", não sabia que vc trabalhou nesse jornal, eu já conheci vc como jornalista de economia da RBS, sou egresso de Quaraí, já não estava mais lá nesse episódio do tiroteio do Glênio para Salvar o Advogado e Prefeito Carlos Vieira. Ahá! sou um assíduo leitor do seu blog daqui onde moro há 25 anos SP/SP. Abraços vida longa e mta saúde. (Bruno Souza)

Anônimo disse...

Os méritos de Políbio Braga, um catarinense que aptou pelo Rio Grande do Sul, são inegáveis. Jornalista e advogado corajoso, combativo, com livros publicados que primam pela clareza, pela franqueza, de maneira que escutei sua manifestação registrada nesse vídeo com especial atenção. Quando jovem, 20 anos de idade, exilado em Rivera, no Uruguai, mas diariamente em Sant'Ana do Livramento, no Brasil. Um pouco engraçado, mas tudo bem, isso certamente não poderia fazer o Brizola, que seria prezo de imediato, exilado que estava em Montevidéu. Quanto à Plateia, sob o comando de Toscano Barbosa, nenhum reparo. Toscano, sem dúvida, foi um gigante na direção do jornal. Não vergou-se nunca e por isso sofreu um verdadeiro cerco, a partir de 64, por parte dos conservadores de Santana do Livramento e região, onde era diariamente distribuído seu jornal. Agora, quanto a Glênio Lemos, convenhamos, misturava Direito e caudilhismo. Um caudilhete, até porque os caudilhos da região pertencem a um passado mais distante. Encheu o recinto da Câmara de Vereadores de Quaraí de balas, através de uma pistola camuflada que levava. Até poderia ter suas razões diante dos desmandos históricos da política quaraiense, mas nada justifica que um advogado assim proceda. Para completar, Glênio terminou sendo eleito prefeito de Santana do Livramento e, determinado dia, simulou um ataque à sede administrativa do município. Montou barricada em frente à Prefeitura. Tudo fanfarronice. Um fanfarrão, que certamente nada aprendeu na passagem pela redação de a Plateia, como apenderam Políbio, Ucha e tantos outros.