Artigo, Vitor Vieira - A falsa crise do Rio Grande do Sul

A foto é também do blog do jornalista Vitor Vieira, o VideVersus. - 


O Rio Grande do Sul é um Estado esquizofrênico. Existem dois Estados no Rio Grande do Sul. O primeiro é aquele que se vê da Capital, Porto Alegre. O segundo é o do Interior. Porto Alegre é uma cidade de burocratas. Quase todo mundo é funcionário público em Porto Alegre, seja das esferas federal, estadual ou municipal, ativo ou inativo, das administrações direta, indireta, fundacional, autárquica ou de sociedades de economia mista. Praticamente não tem casa ou família onde não haja um funcionário público. São mais de 700 mil pessoas vivendo na capital em estreita ligação funcional com o setor público. Isto condiciona cultura, isto impõe uma postura política mais ou menos uniforme, de cunho estatitizante, populista, corporativista. Em resumo, paralisante, porque burocrata é a antípoda do empreendedor. Burocrata gosta de estabilidade, garantia funcional, nenhuma marola, salário garantido no fim do mês até mesmo depois da morte. Toda a imprensa gaúcha que importa,que tem repercussão, está em Porto Alegre. é uma imprensa que repercute esse clima, essa condição social, em resumo, é uma imprensa que só trata de interesses corporativos. Ligue as rádios de Porto Alegre, especialmente nestes dias você ouvirá só anúncios de sindicatos do setor público. Os jornalistas, quando não são eles próprios chapas brancas (têm um emprego em veículo privado de comunicação e outro no setor público, ou saem do setor privado para trabalhar em assessorias no setor público, influenciando seus colegadas nas redações de jornais, rádios, televisões, sucursais, internet), têm familiares no serviço público. Cultura é algo que absorve quase por osmose. Os jornalistas em Porto Alegre, esquerdistas quase por natureza, são retrógrados também por natureza, atrasados, corporativistas, populistas, e refletem e ampliam a crise financeira enfrentada pelo setor público, como se esta retratasse toda a vida gaúcha. Isto simplesmente não é verdade, Basta sair uns 100 quilômetros de Porto Alegre em direção ao Interior, em qualquer direção, para se verificar que uma outra vida, uma outra cultura, viceja lá. As filhas, sobrinhas, netas, de fazendeiros, continuam fazendo suas viagens para o Exterior, preferencialmente aos Estados Unidos (Flórida, Miami) e Caribe, mas também para Argentina e Chile, porque, embora os preços das commodities agrícolas tenham caído, a valorização do dólar está mantendo a prosperidade no campo. Mas, tem outro detalhe fundamental: a maioria das pessoas, nesse mundo do Interior, tem uma mentalidade empreendedora, desafiadora. As pessoas são acostumadas a correr riscos, porque não têm a garantia do salário bancado pelo Papai Estado, pela mãe Teta Pública. As pessoas vão à luta. E são pessoas que dependem muito menos do aparelho do Estado. Aliás, o Estado é visto por elas como um ente que só serve para atrapalhar a vida. Aí está, essa é a dicotomia vivida pelo Rio Grande do Sul. É por isso que os gaúchos não se conscientizam completamente da intensidade da crise vivida pelo Estado. É por isso que os funcionários públicos não sensibilizam o povo gaúchos. É simples assim. Uma consulta aos dados estatísticos exibidos no site do IBGE ajudaria bastante a raciocinar. Mas isso também é outra coisa a que não está acostumada a elite gaúcha localizada em Porto Alegre que se deixa dominar pela cultura estatizante, corporativa, populista.

62 comentários:

Anônimo disse...


Infelizmente essa é a nua e crua realidade !!! Serve para refletir !!!



Anônimo disse...

Perfeito! Sou porto-alegrense, criado em apartamento no Bairro Auxiliadora, mas vivi quase cinco anos na região noroeste. Depois que abrir mão da mofada e inútil arrogância porto-alegrense, percebi a força motora e extraordinária capacidade desse RS dinamico que trabalha e produz. Está no interior do estado, principalmente em terra de gringo e colono, a mola propulsora que nos tirará deste atoleiro que se encontra o RS. Justiça seja feita, eles que "carregam o piano", gente que paga imposto, não faz confusão, não vota em petista mensaleiro e, principalmente, não tem retorno do Estado (resolvem suas demandas de forma comunitária).

Equipe Futurar disse...

Gigolô de vaca agora é empreendedor. Me poupe!!!!

Anônimo disse...

A mais puba verdade.....!

Anônimo disse...

Correto o texto.

O dito "gaúcho politizado", leia-se gaúchos corporativistas, para o resto do Brasil a fora.

Ao brigar por mais e mais Estado para si, o Gaúcho passa a imagem de politizado.

Não é a toa que gostam do socialismo, acreditam que neste sistema terão mais salários e menos tempo de prestação de serviço ao contribuinte.

Por quererem o socialismo são e foram militantes do PT, hoje são do PSOL/PC e outras ditas esquerdas. Só que, o egoismo é cego nesta CASTA, Eles não percebem o resto da população verdadeiramente trabalhadora, produtora de riquezas para o Brasil.

A classe produtora não irá para sempre carregar este fardo.

MAS não se preocupem, ESTA ESQUERDA nos governos tem procurado trazer para o Brasil empresas multinacionais para que a livre iniciativa brasileira sossegue e não tente tomar o poder e o transforme dum socialismo de merda para um capitalismo pujante, do ócio para o trabalho(cruz credo! né?).











Fernando disse...

Defender a vida agropastoril guasca, que acha que modernidade vem em boi, vaca, financiamento rural(Banrisul, BB) é de rolar de rir.
Ah então o "papai estado" só atrapalha? Concordo. Não tem mais financiamento agrícola, quem tiver dinheiro pra plantar, plante, quem não tiver, vire-se. Acabou a teta de fianciamento rural para comprar trator e camionete 4x4, não tem para o trator? Puxe o arado com boi. Não tem pra Amarok ou L200 Triton? Ande de ou carro de boi. Quer fazer silos para armazenar soja? Vá negociar na Kepler Weber como der, e acabou aquele jurinho a perder de vista, bem subsidiado. Acabou renegociação pela enchente, perdão da dívida pela seca, não tem mais obrigar o Estado a comprar o excedente da safra.

As sobrinhas e netas de fazendeiros da onde? Do favelão da entrada de Bagé? Daquela "coisa" próspera e moderna feito Jaguarão? De Alegrete, um dos piores IDH´s do RS?

Que CTGismo tosco este, que coisa década de 20, "filhos de estancieiros", "espoasas de fazendeiros", como alguém pode ficar preso nesta idéia canhestra de idilismo rural. Não é a toa que o RS tá no buraco com gente ainda achando que ter boi é sinônimo de riqueza, me lembrou os muçulmanos contando camelos.

Temos mais que ver a BMW indo para SC e a Chrysler abrindo montadora no interior do PE mesmo, afinal, não precisamos. Precisamos de uma fábrica de pentes de guampa, outra de botas e quem sabe uma de boleadeiras.

Dar no pé do Gauchistão para Dublin(basta conferir meu IP)foi uma das melhores decisões da minha vida. Lamento pelos que ficaram no RS, como minha família, ainda sob o jogo dos mulás da Expointer de 4x4 financiada por banco ESTATAL, mas com adesivo do Conrado em Punta del Este.

Emmanuel Carlos disse...

Não sou gaúcho e nem moro no RS; mas quando vou até aí não vejo o miserê que o povão propala. O que percebo, isso sim, é o que acontece no Brasil inteiro: um povo trabalhador, explorado até o último, por um governo que, quando não corrupto, é a fina flor da incompetência.
É dessa carga inútil que todos - gaúchos e demais brasileiros - precisamos nos livrar. Com efeito, o povo brasileiro era colônia dos portugueses, virou colônia do governo imperial e nunca mudou na república. É preciso um revolução verdadeira: quando o povo coloca o estado no seu lugar: ser seu empregado naquilo que lhe compete e nem um centímetros além disso.

Anônimo disse...

XI, É A SEGUNDA VEZ QUE ISSO APARECE AQUI NO BLOGG, SERÁ QUE SARTORI ESTA DE OLHO NAS "RIQUEZAS" DAS PESSOAS DO INTERIOR DO NOSSO QUERIDO RIO GRANDE ???

Anônimo disse...

Excelente artigo do Vitor Vieira. Particularmente já havia tentado ensaiar uma analise da quantidade de funcionários públicos e autárquicos em Porto Alegre, comparado com a população total para chegar a um entendimento melhor da tão decantada dicotomia, Maragato e Chimango, PT e não PT, Gremista e Colorado, Esquerda e Direita. Desisti por falta de dados com credibilidade, porém agora vejo que estava no caminho certo.
Não tinha ideia de que chegavam a 700.000. A explicação fica mais do que clara.
Infelizmente esta é a realidade colocada de forma cristalina!
Espero que um dia isto possa melhorar e novos ventos possam arejar tantas mentes conservadoras e retrogradas.
Também não é de estranhar que aqui esteja concentrada e arraigada fortemente a "Vanguarda do Atraso".

Anônimo disse...

E o Brasil? Além de república sindicalista, Estado aparelhado por uma organização criminosa, que esbulha a população, inviabiliza o futuro.
Até quando a agricultura suporta?
A Nação já não agüenta mais.

Anônimo disse...

Infelizmente a Cubalândia Sulista Bananeira vai demorar muitos anos pra sair do atoleiro!

Anônimo disse...

Exatamente o que eu penso. Mas acrescento um fato fundamental; o interior primeiro não existe para a mida calhorda da capital, depois o interior não se preocupa com o estado ou o governo o que é um erro grave. O povo do interior deveria se manifestar e atuar mais e cobrar de seus representantes muito muito mais, coisa que não faz. No resto é a pura verdade.
Joel Robinson de Novo hamburgo

Anônimo disse...

O governador Ivo Sartori no início de seu mandato fez os seguintes reajustes de salários:
Governador: de R$ 17.347,14 para R$ 25.322,25
Vice-governador: de R$ 11.564,76 para R$ 18.991,69
Secretários: de R$ 11.564,76 para R$ 18.991,69
Deputados: de R$ 20.042,34 para R$ 25.322,25
Nomeou sua esposa Maria Helena, Secretária de Estado Extraordinária do Gabinete de Políticas Públicas. Uma verdadeira vergonha isso!
E agora parcela o pagamento do executivo.
Policiais não estão atendendo ocorrências - estamos sem segurança.
Professores não estão lecionado - estamos sem educação .oantagonista.

Anônimo disse...

Excelente artigo, assino embaixo.

Anônimo disse...

É PERIGOSO POIS SARTORI PODE ADERIR A ALGUMAS ONGs QUE QUEREM COBRANÇA DE
IMPOSTO SOBRE RUMINANTES PARA COMBATE AO EFEITO ESTUFA.

Maximiliano de Almeida disse...

Bom texto, muito bom mesmo. obrigado.

Anônimo disse...

é a capital explorando-escravizando o interior.
são os morcegos da capital chupando o sangue do interior.
este artigo reflete a mais pura realidade e explica muito bem as causas e motivos pelo qual a gauchada quebrou o estado.
os da capital são os mais politizados do brasil.

Anônimo disse...

O jornalista do Vide Versus, acertou na mosca. É a mais pura realidade. Pq que a ESQUERDA MARXISTA sempre vence aki no estado...??? está explicado.

- Pelo andar da carruagem, o próximo governador será o COMPETENTE OLÍVIO DUTRA ou a VOLTA DO TURISTA DE COPACABANA, enterrou ainda mais o estado e se refugiou nas praias cariocas. O GAÚCHO MERECE ESSA ESQUERDA COMUNISTA.

Anônimo disse...

O jornalista do Vide Versus, acertou na mosca. É a mais pura realidade. Pq que a ESQUERDA MARXISTA sempre vence aki no estado...??? está explicado.

- Pelo andar da carruagem, o próximo governador será o COMPETENTE OLÍVIO DUTRA ou a VOLTA DO TURISTA DE COPACABANA, enterrou ainda mais o estado e se refugiou nas praias cariocas. O GAÚCHO MERECE ESSA ESQUERDA COMUNISTA.

Anônimo disse...

Falou quem não precisa de escola saúde e segurança pública ...
Resumindo: que o povo se lasque...

Anônimo disse...

Sim sim !! Foram 23 bilhões de dólares gastos por MÊS ! Até supermercado era feito em Miami.

Não foram os funcionários públicos, portanto, que quebraram o país e têm contas no exterior !!

Unknown disse...

e eu digo mais - essa crise que atinge o funcionalismo publico gaúcho esta se alastrando pelo Brasil afora e vai piorar.

Ora, que economia aguenta pagar milhares e milhares de servidores públicos, que não produzem uma única caloria.

A Grecia eh aqui!

Anônimo disse...

Desse mesmo mal sofre o Rio de Janeiro que traz esse problema desde que a Capital do Brasil mudou para Brasilia e o Estado ficou com muitos salários dos servidores e posteriormente das Pensões . Só que no caso do Rio é de salarios federais.

Anônimo disse...

"...gosta de estabilidade, garantia funcional, nenhuma marola, salário garantido no fim do mês até mesmo depois da morte."

esta parte pode fazer sentido em quqlquer situação que retrate o ser humano. aliás, grande reclame do empresariado neste país é a FALTA de estabilidade legal, de mercado, políticas, etc...

Abs

Lucaspsb disse...

Esperei muitos anos para que alguém tivesse coragem e escrevesse um texto que comprovasse o meu pensamento de que PoA tinha algo de bem diferente em relação ao resto do Estado, o qual já atravessei da Barra do Quaraí ao Mampituba. Cidade atrasada, retrógrada, esquerdista! Cheia de dinossauros nas ruas, que não aspiram progresso e crescimento.
Vão fazer uma obra qualquer, a gentalha do PSOL não deixa. Daí ligo a TV e vejo campanhas institucionais de um Rio Grande que não existe, um Estado construído ao longo do tempo por empreendedores, e que estão sendo barrados pela burrocracia governamental para manter as regalias do serviço "públixo" enquanto os colonos ralam dia e noite, faça chuva ou sol, para nos orgulhar com recordes contínuos e crescentes de produção.
E ainda vendo na telinha "A Sociedade Sofre" escrito em fundo preto e letras garrafais brancas e vermelhas, como se isso inexistisse antes de 1/1/2015, e que certamente não apareceria caso um mastodonte tivesse sido reeleito.

(obs: a região do Vale do Taquari, a qual conheço muito bem, dá uns 100km, o pessoal lá trabalha muito, a maioria é de origem alemã, e há cidades pequenas e médias muito bem cuidadas e enfeitadas)

Anônimo disse...

É isso aí !
Daí a tendência de POA eleger esquerdistas, da pior especie, para a prefeitura.

Anônimo disse...

Sou do interior e, não gosto da divisão: "capital x interior" ou "norte x sul do RS".
A divisão exalta o ódio e não constrói nada.
A capital tem coisas boas e coisas ruins.
Todo o povo pobre do interior ia para a capital em busca de trabalho e progresso. Como não tinha e, não tem para todos, ficou nos bairros mais pobres e sujeitos a exploração da esquerda cubana. Por isso e, mais CPERS e, todo tipo de sindicato que rouba e não representa o trabalhador, Porto Alegre é mal vista.
Não é Porto Alegre que denigre a capital, é o Legislativo Gaúcho que não faz nada. A maioria dos deputados são do interior e, quando sentem o carpete, o dinheiro fácil e o "chinaredo das boates" esquecem o povo do interior que os elegeu.
Vocês viram os prédios da Justiça da Capital?
No todo, são maiores que a maioria das cidades do interior. O que faz esta gente toda?
Se colocassem trabalhar no interior julgariam todos os processos em poucos dias. Mas, está lá aquele mar de prédios do judiciário e, aquele mar de gente.
A gente pensa mal desta gente do judiciário.
Há uma diferença enorme dessa do ganho dessa gente do judiciário e do trabalhador honesto. Isto ofende, afronta e humilha o povo pobre e trabalhador.
Mas, Porto Alegre tem muita gente boa a trabalhadora tem uma grande reserva moral do RS.
Gosto do interior, tem mais espaço, as relações são mais próximas e não acho justo denegrir o povo de Porto Alegre.
Penso que precisamos interiorizar o aparato do estado. Muitas coisas poderiam ser decidas no local e não serem transferidas para um ambiente estranho aos fatos e, serem julgadas por pessoas estranhas aos fatos. Isto nos incomoda muito.
Mas Porto Alegre continua sendo um belo lugar embora não seja o meu sonho de viver.

Anônimo disse...

Tá uma verdadeira graça ver a gauchada se entregando.....é impagável...

Anônimo disse...

Com 13 anos de desgovernos do PTpodemos tirar algumas lições.Uma das licoes é que não existe esquerda,direita de cima ou de baixo,o que existe é interesses puro e simples.Outra lição é que a disputa deve ocorrer entre Competentes e Incompetentes.Esse pessoal que está em partidos ligados ao Foro de Sao Paulo nao demonstram um minimo de capacidade para administrar alguma coisa pública.

Anônimo disse...

Realmente a culpa não é dos gestores nem da turma da AL...é de quem vota nessa cambada....
o jornalista é o senhor da verdade...só fala dos outros e nunca faz parte do problema...
usa a mídia pra criar a própria história

Anônimo disse...

Como não sou filho de CHUPA CABRA e nem tenho parentesco com CARRAPATOS NEM COM PETRALHAS OU COMUNISTAS DO ALHEIO, vivo aqui no interior vendo de longe a esbórnia, os maus exemplos e a vadiagem da
indiada da capital.

Anônimo disse...

Concordo com o Vitor Vieira, e gosto muito de ouvi-lo na rádio voz dando porrada na petralhada nas sextas-feiras a noite no programa do Alex: http://radiovox.org/.
A crise não é do Rio Grande do Sul, é do governo, mas isso porque o Estado é assaltado pela união, o Rio Grande do Sul arrecada R$ 35 bilhões em impostos federais e retornam somente R$ 12 bilhões, isto é, aqueles ladrões vagabundos lá de Brasília devolvem só a metade do que nos levam, e isso é pior para os municípios que ficam com um percentual menor de 10%! Imaginem se esse dinheiro ficasse todo aqui!
SEPARATISMO JÁ, COM A ANEXAÇÃO DE SANTA CATARINA E SE O PARANÁ TAMBÉM TOPAR, TUDO BEM, O MORO SERIA O NOSSO PRESIDENTE INTERINO!

Anônimo disse...

Quanta bobagem!
Este é o Vitor Vieira que invadiu o tribunal de contas???
O trago esta consumindo o pouco de cerebro que ele possuiia.

Anônimo disse...

Ora Vítor Vieira, vai te catar!! O agrobusiness é financiado quase que inteiramente por Bancos Estatais, e muito desses recursos é usado pra estancieiros e seus parentes pra viagens e compras em Miami.. Por isso o interior gaúcho, principalmente nas áreas de grandes latifúndios, é das regiões mais pobres do Estado, à exceção, naturalmente, dos donos das terras. Não fique cantando as belezas do Sul Rural, como se fosse devido só pelo "empreendedorismo" dos senhores de engenho, porque ele é financiado por nós, contribuintes, que ocupam a maioria das grandes cidades.

Unknown disse...

@lucaspsb, moro em Lajeado, capital do Vale do Taquari, trabalhamos muito, e infelizmente elegemos o PT, só fez porcaria, roubo, máfia, mas vão sair nas eleições municipais, igualmente a serra Gaúcha povo trabalhador como um todo, Santa Cruz do Sul, Passo Fundo, Erechim, Vale dos Sinos (que foram sugados pelo PT, com as políticas lulistas e do ólívio em mandar calçadistas embora...), mas odiamos qualquer tipo de funcionário público aqui, que só servem para mamar do estado, e formar sindicalistas, o problema do Rio Grande é o bolchevismo, verdadeiros dinossauros soviéts, ao melhor estilo da Alemanha Oriental!

Anônimo disse...

NEM LEONARDO DA VINCI

NINGUÉM ATÉ HOJE PINTOU COM PALAVRAS O RS,PORTO ALEGRE ,MELHOR,UMA OBRA PRIMA DO PORTE DE UMA MONA LISA DO LEONARDO, MAS COM PALAVRAS.

MAIORIA DO PORTOALEGRENSE É FUNCIONARIO PUBLICO CORPORATIVISTA, SÓ QUER MOLEZA E É GIGOLO DOS QUE PRODUZEM, SE ACHAM OS TAIS MAS SÃO UNS BOSTAS.

CONHEÇO TODO O ESTADO VIAJO HÁ 50 ANOS PARA TODOS OS RINCÕES, HÁ UMA CASTA DE GIGOLOS DOS PRODUTORES RURAIS, COMEM NA MÃO DELES E A MORDEM;FUNCIONARIOS PÚBLICOS QUE NÃO TEM VERGONHA NA CARA DE FAZER O QUE ESTÃO FAZENDO.

UM RETRATO FIEL DOS MAMADORES , SE DISPENSAREM 80% QUE SÃO VAGABUBDOS SÓ VÃO NOTAR MELHORIAS NOS SERVIÇOS PÚBLICOS E CONTAS DO ESTADO.

PARABÉNS AO ILUMINADO VITOR.

Justiniano disse...


O que ainda sustenta o ICMS estadual é a exportação de soja, que é produzida pelos colonos gringos e alemães, e que muitos destes nunca visitaram a capital POA.

Essa é a grande pergunta o que produz POA: somente funcionário público. A capital São Paulo é o maior conglomerado de industrias e lá funcionário publico não tem vez. Aqui se acham donos do estado.

Quanto aos empreendedores estes estão lutando no interior do RS para dar um melhor padrão de vida para suas famílias e pagando impostos sem nada receber em troca basta ver as estradas semi esburacadas para escoar a produção.


Querem exemplos de progresso visitem Marau, visitem Tapejara, visitem Sarandi, visitem Erechim, lá existem produção agroindustrial e trabalho, algo que o funcionalismo público não sabe fazer.






Anônimo disse...

Quem fala em gigolô de vacas, latifúndios improdutivos e oligopólios de terras não conhece a realidade do Rio Grande. Está no século passado ou retrasado. A reforma agrária se faz na cama O agronegócio sustenta este estado e gera muita riqueza. Riqueza esta que o poder público suga com impostos em todos os setores e de todos os atores. Quem não produzia no campo já faliu, quebrou, vendeu as terras a muito tempo, até pode ter ido morar no Rio, na Europa ou nos Estados Unidos. Em relação aos financiamentos de agricultura e pecuária, o governo precisa mais do que os produtores. Porque se o campo não produzir, não gera emprego, não tem retorno nos impostos, não tem dinamismo na cadeia produtiva como um todo que responde pela maior parte do PIB deste Estado. A realidade nua e crua é esta. So não vê quem tem a mente doutrinada ou é recalcado.

Anônimo disse...


O texto critica o estado, imprensa, burocracia, servidor publico, mas se serve nos números do IBGE (órgão do estado) para racionalizar? Chama de empreendedor o fazendeiro do interior e família quem viaja para Estados Unidos, Caribe..? Ou este fazendeiro já nasceu em "berço de ouro" ou esta endividado até os cabelos em empréstimos no banco (claro que também exagerei! existem muitos fazendeiros empreendedores a uns 100KM da cidade). A saber que os EUA possuem cerca de 15% da população de funcionários públicos, o Brasil 6%. Pegando o exemplo dos EUA, com população de mais de 300 milhões de pessoas. Todos gostam de falar neste pais por ser caracterizado como um estado ´privatista´ por seu elevado contingente de postos de trabalho no setor privado. Mas não esta fechando.. um estado "privatista" com 3x mais servidores públicos, e com mais postos de trabalho no setor privado que no publico.

Sou funcionário publico concursado,não sou PT, pago em dia todos meus impostos, trabalho na área de saúde e neste Mês ganhei R$ 600,00 pilas de um total de 2.240,00. Votei no Sartori e sou contra aumento de impostos e greve.

Mas no final das concordâncias e discordâncias, Qual o proposta? Acabar com o estado?

Anônimo disse...

Parabéns pelo artigo! É isso mesmo... E isso acontece em todo o país onde, com exceções como São Paulo, as capitais, via uma casta política e de funcionários públicos de "alto escalão", exploram as riquezas produzidas no interior do país. Vários posts eu diria preconceituosos falam do que não conhecem... O interior do RS não é rural, embora no artigo o articulista tenha se referido ao agronegócio. Sugiro aos bundamoles da capital conhecer o interior, Caxias do Sul, Serra Gaúcha em geral, Erechim, Passo Fundo, cidades que além da agropecuária tem fortes polos industriais e universidades. Indústrias alimentícias, de bebidas, como por exemplo a indústria vinícola, de máquinas, implementos, etc. Fora o setor comercial, nos pólos principais. Mas a capital do RS, com seu povo entojado e imbecilizado, esquerdista e boboca é um dos mais nojentos do país e não é a toa que ninguém gosta de portoalegrense, seja no interior do RS ou em qualquer outro rincão do país... É por causa dos portoalegrenses entojados e arrogantes que tanto tiram sarro da gauchada. Infelizmente a cultura de prosperidade, trabalho e humildade, ao invés de rumar para a capital, fica cada vez menor, e é o interior que se torna também mais arrogante, via sobretudo RBS, massificando uma cultura "superior" da capital. Sou gaúcho e saí do RS a mais de 10 anos... O RS era um estado próspero mas pelo perfil orgulhoso e arrogante do seu povo está se afundando e está perdendo para o PR e SC em quase tudo, para ficar apenas no sul do país... Triste quando as pessoas não aceitam críticas construtivas e as tomam como declarações de guerra Tanto pior, vão definhar cada vez mais se não abrirem o olho e a mente... E a arrogância portoalegrense em nada ajuda... Porto Alegre já não é mais a grande cidade do sul. Perde de Curitiba de balaio... Continuem assim, portoalegrenses. O RS, que tinha como principal virtude o povo com maior nível educacional do sul e talvez do país, não soube o que fazer com isso, torno-se arrogante e hoje, tende a perder importância em todos os sentidos, exceto, talvez por mais algum tempo, no futebol... O estado até geograficamente não é bem localizado em relação aos centros mais desenvolvidos... Humildade faz bem... É preciso repensar o estado e a cultura.

Anônimo disse...

Não sou do RS, mas a conclusão possivel a partir do texto é que o.Estado inteiro depende do Governo. Na capital pq são servidores públicos, no campo vivem das mamatas de crédito rural, cuja garantia em muitos dos casos.são terras improdutivas e inférteis superavaliadas.

Conheço um playboy que vive sustentado pelos pais e ainda tira onde que compra tudo mais.barato inclusive carro importado com crédito rural.

Esse é o Brasil. No final ninguem sai.limpo na história.

Anônimo disse...

Atirou com ma espalha-chumbo em direção ao bando. Acertou uns, mas ficou nisso.

Anônimo disse...

A mais concisa e perfeita análise da realidade gaúcha. Parabéns ao Vitor. As múmias ideológicas e os terneiros mamões do funcionalismo estão esperneando nos comentários, mas no fundo sabem que tudo que foi escrito é a mais cristalina das verdades.

Gilmar disse...

Que estoriazinha mais mequetréfe essa de os "Bancos" financiarem o Agronegócio? De onde vem os recursos do BNDES, que por sua vez são repassados via Badesul, Banrisul, CEF, BB, etc...) se não da atividade privada, que pagando a maior carga tributária do mundo por sua conta e risco ainda teima em produzir nesse oceano de hostilidade e incompetência pública? Apesar das greves a sociedade anda normalmente, pois nem o mínimo do mínimo temos de retorno das imundas guias de impostos que pagamos a esses parasitas do serviço pútrido. " Não toque flauta, não chame de grosso, prá ti alimentar na roça está lutando..." ( Teixeirinha, patroleiro do DAER defendendo o produtor Rural). Vitor, senta a púa porque somos os 93% das pessoas que estão de saco cheio dessa gentalha boavida.

Anônimo disse...

Isso, gauchinhos do campo que pensam que moram no Sul dos Estados Unidos...deixem os funcionários públicos, a policia e o Judiciario à míngua, e contratem jagunços capitaes-de-mato e justiceiros pra lidar com as invasões de terra e ocupações de áreas, improdutivas, o Stedile e muitos outros vão adorar essa quebra-de-braco.

Anônimo disse...

Mas oigaletê recalcado!

Anônimo disse...

Adorei! Muito bem colocado!

Anônimo disse...

Muito bom

Anônimo disse...

Esse que escreveu gigolô é autêntico burocrata , Petista vigaristas golpista

Anônimo disse...

O papai estado financia com dinheiros recolhido dos empreendedores da capital E interior

Anônimo disse...

Fernando quem mandou a Ford embora foi um burocrata Olívio quem enterrou outro burocrata Asno Genro e todos os chefes dos burocratas os governadores. Região citada por ti são falida mas Caxias Bento Novo Hamburgo Sao lei, em fim o outro Rio Grande é pujante e escolhem SC PR pela a proximidade com. SP..se vê que estais em Dublin pois o problema é Porto Alegre Corporation estatization

Anônimo disse...

Os que vão a Miami maioria é pagador de impostos

Anônimo disse...

Parabéns concordo

Anônimo disse...

Ótimo

Anônimo disse...

Ótimo

Anônimo disse...

O trago é com nove dedos que faliu a Petrobras e o Brasil

Anônimo disse...

Ótimo

Anônimo disse...

Ótimo

Anônimo disse...

Parabéns

Anônimo disse...

Parabéns

Anônimo disse...

Por que não se continuar como está pode esperar....

Anônimo disse...

Faz 40 anos q o RS paga suas contas com o cheque especial...uma hora tava na cara q iria estourar.