Tuma Júnior falará em audiência pública da Câmara sobre a "fábrica de dossiês" montadas por Lula e Tarso

No livro, Tuma Júnior conta como é que Lula foi recrutado por Romeu Tuma Júnior para ser informante, alcaguete, ganso da ditadura militar. Ele poderá mostrar provas das deduragens de Lula contra seus companheiros de oposição e de sindicalismo. 



Na tarde desta quarta-feira, a Comissão de Segurança da Câmara aprovou o pedido de audiência com o ex-secretário nacional de Justiça Romeu Tuma Junior. Desde o ano passado, a oposição tentava levar Tuma Jr. para falar sobre seu livro Assassinato de Reputações – Um Crime de Estado no Congresso, mas a base governista resistia.

. Tuma Júnior está lançando seu livro em todo o País. No dia 18 irá a Curitiba e no dia 19 virá a Porto Alegre.

Conforme tem informado diariamente esta página, Tuma Jr. afirma em seu livro que recebeu ordens enquanto esteve no cargo para “produzir e esquentar” dossiês contra adversários do governo Lula. Durante três anos, ele comandou a Secretaria Nacional de Justiça, sob as ordens de Tarso Genro, atual governador do RS. Sua mais delicada tarefa era coordenar as equipes para rastrear e recuperar no exterior dinheiro desviado por políticos e empresários corruptos. Pela natureza de suas atividades, Tuma ouviu confidências e teve contato com alguns dos segredos mais bem guardados do país, mas também experimentou um outro lado do poder — um lado sem escrúpulos, sem lei, no qual o governo é usado para proteger os amigos e triturar aqueles que são considerados inimigos. Entre 2007 e 2010, período em que comandou a secretaria, o delegado testemunhou o funcionamento desse aparelho clandestino que usava as engrenagens oficiais do Estado para fustigar os adversários.

. “O livro é apenas a letra fria. Nós queremos que ele explique com detalhamento as questões e complete algumas páginas em branco que não foram escritas”, disse o deputado Efraim Filho (DEM-PB), autor do requerimento. “Temos a evidência de um crime organizado instalado dentro da Presidência da República. São denúncias qualificadas feitas por uma pessoa que serviu ao governo." 

. Minutos antes, com o apoio de deputados da base governista, a comissão aprovou também duas novas convocações ao ministro Gilberto Carvalho (Presidência da República). Ele terá de dar explicações sobre seu envolvimento na fábrica de dossiês, relatada por Tuma Jr. no livro, e sobre ações criminosas comandadas pelo Movimento dos Sem Terra (MST). 

4 comentários:

Joao Luiz Vargas disse...

Eu sou o João Luiz Vargas, que tenho provas que o Tenente Tarso, foi grande e influente no período da ditadura como aspirante no Regimento Mallet, tenho provas.A assembléia Legislativa deveria aproveitar a presença do Dr. Tuma e ouvi-lo sobre suas denúncias e também as provas que tenho sobre o tenente Tarso.

Anônimo disse...

Políbio, o filho Nelson Marchezan Junior, fez um requerimento para que todos os projetos sobre FRONTEIRA e DESENVOLVIMENTO na Cãmara dos Deputados, fossem apensados ao projeto do pai - Nelson Marchezan, que trata da matéria e foi aprovado desde 1997 até 2002.
Uma bela ideia, pois o pai já havia aprovado a criação do Fundo de Desenvolvimento do Sul e virou até um Projeto de Lei Complementar 350/2002:

http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=607804

Anônimo disse...

É a maior e mais bem organizada quadrilha instalada no governo federal, em todos os tempos nestepaiz tupiniquim.

Anônimo disse...

Tá na hora de mandar o molusco se juntar aos companheiros PeTralhas no presídio e o pau mandado do Atraso Genro, junto!