Na platéia, Dilma e Raul Castro aplaudem a repressão na Venezuela

O material aí ao lado, uma evidente montagem publicitária, circula nas redes sociais de todo o mundo, fazendo parte de uma campanha internacional em defesa do povo democrático da Venezuela, que move duras jornadas de protestos contra o governo opressor de Nicolás Maduro, apoiado entre outros pelos governos de Cuba e do Brasil.

. A chamada do protesto, defende os direitos humanos espezinhados pela Guarda Nacional Bolivariana.

. “Quem cansa, perde”, diz o material.


. Vale a pena perceber a triste figura que se coloca ao lado do ditador Raul Castro, assistindo de modo participante as perseguições policiais levadas a efeito em Caracas. Trata-se da presidente Dilma Roussef, trabalhando no caso como cão de guarda do chavismo, a mando dos seus donos do PT e de Lula. 

- Ontem, Maduro fez novas ameaças na estreia do seu novo programa de rádio Ele disse: "Eu não vou deixar entrar, porque não vamos trazer o que há em Chacao (leste) para o centro de Caracas. Eu vou proteger os territórios que estão em paz, com zelo o farei, porque essa marcha de ontem (marcha dos médicos) não estava autorizada", disse o presidente venezuelano.



7 comentários:

Alberto/NH disse...

Cada vez mais tenho vergonha de ser brasileiro. Com certeza esta Sra PresidentA não está representando a maioria do povo assim como nossos Parlamentares fazem em Brasília votando quase sempre o oposto do que a nação precisa como foi no caso da diminuição da maioridade penal.

Anônimo disse...

Pessoal do Foro de Sao Paulo eh unido, sem duvida.

Papai Fidel feliz da vida com seu clubinho do atraso. Agora o Chile tambem vai entrar no baile de Las Feas (junto com a nossa Feiosa e a feiosa hermana).

Anônimo disse...

O governo desta pançuda já é motivo de piada até no Paraguai. Lá no Paraguai contam uma piada que Lula estava com sede e chegou numa casa no sertão nordestino e pediu água e a senhora chamou o menino de Lula: "vai buscar água pro moço". O Lula perguntou para senhora se este nome no menino é em homenagem ao presidente, ao que ela retrucou que era apelido e que esse menino mente muito e aí apelidaram ele de lula.

Anônimo disse...

excelente montagem editor, tá quase igual aguela do navio russo atracando em um porto na Venezuela, quando na verdade era na Siria, mas a piada é ainda melhor, os elementos tiveram que recorrer ao Paraguai para montar uma piada sobre lula, deve ser uma daqueles muambeiros que trazem badulaques do Paraguai, alias a 2a maior fonte de arrecadação do Pais, depois de Itaipu. E a piada ainda foi sobre o sertão nordestino onde lula é imbatível, ou seja, onde ele surgiu para o mundo. Conta outra, digo, inventa outra piada elemento, invez do nordeste pega o leblon, reduto das zelite, onde a aceitação de lula é zero, aí a piada cola.

Anônimo disse...

Lá, como aqui, as urnas têm falado contra "as ruas".
Fenômeno interessante...
Um senhor desafio para o regime democrático.

Anônimo disse...

A propósito, cadê o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na imagem que percorre o mundo? Afinal, FHC, sociólogo e marxista, foi um dos pais da criança, responsável por ajudar Hugo Chávez, então aspirante a tiranete da Venezuela, a levar o país vizinho, e de resto a "América Latrina", ao abismo chamado Comunismo!
Reproduzo um excelente, porque esclarecedor, texto de um amigo deste blog:

A situação em que se encontra aquela porção da população brasileira que o jornalista Augusto Nunes houve por bem denominar de "o Brasil que presta", explica olhar-se FHC com esperança, como se houvesse chegado a oposição que falta. Na verdade, FHC anda, ele próprio, com aquilo que de pior vagueia pelo mundo: Jimmy Carter, que entregou a AL para os comunistas e o Irã aos aiatolás, George Soros, seu mentor no esforço pela produção de mortos-vivos através da liberação do consumo de drogas -upgrade terrificante do profético Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley. Naquele, o Estado distribuía o SOMA, uma espécie de antidepressivo,no Estado de FHC, o tratamento dos viciados -, só para citar alguns. Convém lembrar, sempre, que o empolado orador foi nosso Kerensky, abrindo caminho para nossos bolcheviques. Farofeiros, é certo, mas sempre bolcheviques, a saber, rapinantes e sanguinários. Não esqueçamos, nunca, que foi por obra exclusivamente sua que o petismo não foi defenestrado do poder quando da descoberta do Mensalão.
Sua perplexidade, para quem acompanha a cena, mesmo superficialmente, não passa de jogo de cena: homem vivido, estudado, de formação marxista, sabe que a amoralidade e a criminalidade política são imanentes às ideologias socialistas, mormente àquelas de cepa marxista: o barbudo furunculoso, na senda de Darwin, teria descoberto as leis que governam o curso da História. Como corolário, resultam os bons, aqueles que seguem a corrente, e os reacionários, irrecuperáveis a quem não deve sequer oferecer a Lei, fadados a desaparecer - no que os partisans, para apressar a tal marcha da História, ficam felizes em dar uma mãozinha... Os lamentos desse senhor não têm eco em seu íntimo. Não passam do velho truque da esquerda de dividir-se por cissiparidade, como as amebas. Diferentemente daqueles protozoários, contudo, uma das partes resultantes leva embora consigo todo o lixo, todo o sangue, todas as ruínas. A outra sai limpinha e nova em folha, pronta para produzir nova safra de lixo, sangue e ruínas. Com nada de ingênuo, mas com a Utopia a embalar sua verve de Wille Zur Mächt nietszcheana (vontade de potência), e sabendo que os dias de Nicolás Maduro estão contados, trata de preservar a maldita ideologia de si própria, isolando o pobre motorista caraquenho de ônibus, jogando-o no inferno socialista em que fritam aqueles "que deturparam os princípios em que se baseia a 'humanitária doutrina'". Lá terá diversificada companhia: Stálin, Bukharin, o casal Ceausescu, Trotsky e tantos outros.
Peço notar que, em momento algum o idoso mostra algum juízo e amor à humanidade, condenando o socialismo, causa direta da condenação do povo venezuelano às eternas miséria e desesperança, de resto a experiência dos cubanos há quase 60 anos. De forma sinuosa e debilmente, reclama das consequências de sua aplicação, reclamando de outrem a compaixão que não possui.

Almirante Kirk

Anônimo disse...

A Venezuela com esse governo bolivariano é caso perdido.