Opinião do editor - Foi correta a segunda nota do Colégio Rosário, Porto Alegre

A segunda nota emitida pelo Colégio Rosário, Porto Alegre, ontem, cuja cópia o editor recebeu e publicou, foi de bom tamanho e pode colocar um ponto final nos incidentes de segunda-feira, quando grupos aparelhados de professores e alunos realizaram protestos contra o novo governo Bolsonaro, eleito por ampla maioria no dia anterior.

A direção da escola admite o aparelhamento, a manifestação partidária e prometeu impedir que isto se repita.

Os pais e alunos que protestaram de imediato, não podem baixar a guarda, mas a resposta foi adequada.

21 comentários:

Anônimo disse...

agora os pais tem de tirar os iPhones dos seus teenagers revolucionários por duas semanas por conta da presepada que protagonizaram...

e também terão de ficar duas semanas sem ir ao McDonalds do shopping depois da aula com os amiguinhos da revolução do Big Mac....

Carlos Renato Souza Santos disse...

Ótima noticia ! Os pais dos alunos, cuja a escola estão sendo usadas como redutos de disseminação ideológica vermelha , devem denunciar e exigir aos diretores que UM BASTA.

Carlos Renato Souza Santos disse...

Ótima noticia ! Os pais dos alunos, cuja a escola estão sendo usadas como redutos de disseminação ideológica vermelha , devem denunciar e exigir aos diretores que UM BASTA.

Anônimo disse...

Sr. Políbio
O senhor como jornalista (segundo diz seu próprio site), deveria investigar e apurar melhor os fatos. Sou pai de alunos do colégio, posso informar melhor o que ocorreu.
A manifestação dos alunos foram pró e contra Bolsonaro (ou seja, foi democrática), a reclamação de muitos pais foi em relação ao fato da permissão de como isso ocorreu, visto que a escola se declara apartidária.
O protesto dos alunos foi em relação à liberdade de expressão, não pró PT. Não havia nenhuma estrela ou camisetas vermelhas nos protestos. Os alunos vieram de preto simbolizando o luto de um governante que se diz intolerante às diferenças. O protesto teve esse caráter.

Anônimo disse...

Dentro de uma democracia a liberdade de um sempre termina onde começa a liberdade do outro.

Anônimo disse...

Bem escrita a 4 mãos e nada disseram o que vão fazer com os professores fazedores de cabeças dos alunos, como hoje as escolas tem os irmãos maristas só na parte financeira, e nada na parte diretiva, e funcional, tudo foi para baixo do tapete.

Mauro Moreira disse...

O anônimo das 15:17 é o mesmo que sempre aparece por aqui defendendo o indefensável. Como a esquerda perdeu, e perdeu feio, os argumentos falhos de antes não têm mais serventia, ele agora fará de tudo para continuar sua luta insana pelo poder, até mesmo se dizendo pai de um aluno de colégio pago. Esquerda caviar. Seria mais coerente que matriculasse a filha em um colégio do estado, que segundo a esquerdalha, pratica um dos melhores ensinos do mundo.

Unknown disse...

:-)

Anônimo disse...

O Colégio mudou, ou não mudou o nome? Ainda está sendo chamado de Colégio Marista MARIA DO ROSÁRIO???

Anônimo disse...

O anonimo das 15:17 acredita no papai noel, ou então está claramente manifestando sua inclinação ideológica. Fica muito fácil identificar quem aprova ou não o atual "status quo" das manifestações que ocorrem nos meios estudantis. Entendê-las como mero protesto político, em razão de pechas imputadas a um candidato, ora eleito pela maioria do eleitor brasileiro, notadamente das regiões mais desenvolvidas do Brasil, por grei partidária, notória em acusações eivadas de objetivos escusos e doutrinatórios, é santa ingenuidade, ou perfilamento ideológico escrachado.

Anônimo disse...

Anônimo das 15:17h. Seu relato não está condizente do que foi mostrado nas fotos em que todos tivemos a oportunidade de vê-las. Penso que tanto a esquerda quanto à direita tiveram a oportunidade de no dia 28/10/2018 ir a urna e formalizar sua opção por um candidato ou outro, pois era o que tínhamos. Se o Presidente eleito pelo voto do povo é considerado intolerante as diferenças como foi classificado para justificar a manifestação ele terá 4 anos para mostrar a que veio. O que o Colégio Rosário que se diz “ APARTIDÁRIO ” não fez e deveria ter feito é ter aproveitado o momento cívico para conscientizar o aluno do significado do que é DEMOCRACIA que “ É o Poder que emana do povo ”, respeitando a escolha ”. E não aceitar como “ normal ” as manifestações contra ou a favor do Presidente eleito. Ele é fato e como tal deverá ser respeitado. Assim como o povo fez quando o representante do outro partido ganhou e governou “ mal ou bem ” por longos 13 anos. Isso é Educação.

Anônimo disse...

Anônimo das 17:37h. Colégio Marista Maria de Rosário. É época de matrículas, vou repensar como pai de aluno.

Anônimo disse...

Escola jamais foi lugar de manifestações com ideologias políticas. Os alunos de preto na foto são oposição a Democracia exercida nas urnas dia 28 de outubro. A verdade é que o vencedor não foi a opção deles. E como não sabem perder, reagiram. Não se pode sempre conseguir o que se quer como uma criança quando não ganha o brinquedo que queria. Esses alunos não fizeram por merecer nada! Nunca lutaram por nada, mas querem tudo. Não é assim que funciona. A Escola e os Professores que incentivaram a manifestação perderam a credibilidade como Instituição de Ensino. Como coincidiu com a época das matrículas, estou tirando meus filhos do Rosário.

Anônimo disse...

Esse acontecimento no Rosário foi o que os pais viram, imaginem o que não se vê. Por isso determinados comportamentos de nossos filhos nos levam a questionamentos que dificultam a correção dos mesmos pelos pais. Triste, mas é a realidade do país.

Anônimo disse...

Perfeito!

Anônimo disse...

Os camisas pretas eram facistas, é muito coincidência? Não, é facismo.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Polibio, o anônimo das 15:17 é petralha.
Uma das alunas (do 9o ano) confessou no Twitter que a manifestação foi CONTRA O PRESIDENTE ELEITO. Várias bandeiras de partidos de extrema esquerda PT, PSOL, PSTU, PCdoB e bottons do Haddad foram retirados dos alunos antes do protesto.
Portanto foi sim uma manifestação político-partidária, que teve inclusive retuite da Luciana Genro no TWitter.
Eles não enganam mais ninguém.

Anônimo disse...

Talvez coisa e aos pais peicessardm estas escolas que incentivam ou são omissos face a violência dia esquerdistas professores e alunos.

Cidadania disse...

31 de outubro de 2018 15:17

Se realmente for pai de alunos desse colégio, lamento por seus filhos. Sua explicação não convence nem meu cachorro.
Esta manifestação não foi democrática, foi irresponsável, fomentada sim por professores militantes que deveriam ser exonerados pela maldade de fazer desses jovens "idiotas úteis", incluindo seus filhos. Essa meninada parece ainda estar de fraldas, não precisa ter um estrela no peito, esta só valida a própria ignorância e maldade. Desnecessário entrar em detalhas. Hoje até as pedras sabem quem são esses partidos “estrelados” e da "foice e martelo".
O senhor diz: "Os alunos vieram de preto simbolizando o luto de um governante que se diz intolerante às diferenças. O protesto teve esse caráter"
O aluno vai para a escola para estudar ou protestar?
Se vestirem de luto é o quê? Protesto de uma escolha da maioria dos brasileiros (não vi nada quando Lula/Dilma foram eleitos)
Um governante que se diz intolerante às diferenças? Quando Bolsonaro foi intolerante com às diferenças?
Bolsonaro apenas impediu que fizesse parte do currículo a doutrinação sexual desonesta, indecente e vergonhosa.
André Lázaro, ex-secretário do Ministério da Educação, pago por nós, durante uma apresentação do kit de vídeos e cartilhas sobre a questão homossexual que o governo pretendia distribuir em escolas públicas, explicou haver dificuldades em definir até onde entra a língua no beijo de lésbicas na boca e a liberação desse material para o ensino fundamental= crianças de 6, 7 anos. Pode?
Se não tivesse a gravação em vídeo, não acreditaria, mas vindo do PT, sabemos hoje, tudo ser possível.
https://www.youtube.com/watch?v=sidxJlbVxnI
Uberlândia 2015:
A direção se manifestou assim:"A diretora e uma professora disseram que distribuíram a cartilha por ver que tinha uma ilustração familiar, mas não tinham visto os conteúdos sexuais". Essa declaração merecia exoneração sumária.
http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulo-mineiro/noticia/2015/06/pai-reclama-de-cartilha-com-teor-sexual-entregue-em-uberlandia.html

Tenha santa paciência, ao menos tente ter vergonha de vir aqui defender o indefensável. Não subestime a nossa inteligência.

Anônimo disse...

Todos os babacas que eu conheço estudaram no Rosário ou no Anchieta. Fábricas de babacas da direita e da esquerda.