Arrecadação federal atinge o menor resultado para meses de abril

Nos primeiros quatro meses da nova equipe econômica de Dilma Rousseff, a arrecadação de tributos e contribuições federais cobrados pela Receita Federal somou R$ 418,617 bilhões, uma redução real de 2,71%, na comparação com o mesmo período do ano passado.


No resultado de abril, a arrecadação chegou a R$ 109,241 bilhões, o que representa uma queda real de 4,62% na comparação com o mesmo mês de 2014. O valor é o maior desde janeiro. Porém, é a mais baixa para o mês desde 2010, quando somou R$ 99,312 bilhões. Um dos motivos que levaram a essa redução foram as desonerações concedidas pelo governo, que somaram R$ 9,180 bilhões em abril, renúncia fiscal maior que em abril de 2014, de R$ 7,941 bilhões. Em relação a março deste ano, a arrecadação de abril registrou alta de 13,56%.

Nos primeiros quatro meses do ano, o governo abriu mão de arrecadar R$ 38,297 bilhões por causa das desonerações, um aumento de 20,60% em relação ao mesmo período do ano passado. A desoneração de folha de pagamento foi de R$ 1,866 bilhão em abril e de R$ 7,464 bilhões nos quatro primeiros meses do ano.

2 comentários:

Anônimo disse...

se preparem o comuna do levy já esta aquecendo no forno mais impostos ppra mandar pro povao.

Anônimo disse...

Dilma enfiou imposto
de banco pela goela do Levy:

Não basta dizer o que não vai fazer, mas o que vai fazer, também.

Na véspera da anunciar os cortes do ajuste do ajuste do ajuste, o Ministro Levy, que não lê o Piketty, teve que engolir um sapo do tamanho da Febraban.

Dilma enfiou-lhe pela goela abaixo o aumento de 15% para 20% da alíquota de CSLL – contribuição social sobre o lucro líquido – dos bancos.

Levy não queria, não queria, não queria !

Teve objetivo político ?

Claro !

E é para ter mesmo !

O eleitor da Dilma precisa ter a percepção de que ela governa para ele, também, e não só para as agências de risco, a obsessão do Levy !

No dia do aperto, nada mais saboroso do que saber que os ricos vão pagar uma parte – ínfima ! - da conta.

Dará mais legitimidade aos cortes.

Agora, para a semana que vem, virão as notícias dos investimentos em infra-estrutura, porque, como diz o Lula, quando se referiu ao neto do Fernando Henrique: além de dizer o que não vai fazer tem que dizer o que VAI fazer !

Navalha

Os colonistas neolibelês (ambos no ABC do C Af) dirão que o aumento do tributo para os bancos é inútil, ineficaz, não vai arrecadar nada, não vai a lugar nenhum, como a ferrovia Transoceânica, na opinião de macrologístico do Globo.

Faz parte.

Os colonistas neolibelês nada mais são do que o trombone das casas bancárias – nacionais e internacionais.