Copom reduz juros básicos para 2% ao ano. É o menor patamar da história e a nona queda no atual governo.

O Copom (Comitê de Política Monetária) do BC (Banco Central) decidiu nesta quarta-feira (5), por unanimidade, cortar os juros básicos da economia brasileira pela nona vez consecutiva. Com a redução de 0,25 ponto percentual, a Selic vai a 2% ao ano e renova o menor patamar da história.

Apesar de inferior aos cortes anteriores, a decisão do BC foi mais uma vez influenciada pelo efeito da pandemia do novo coronavírus e tem o objetivo de estimular a economia nacional. O crédito mais barato tende a incentivar a produtividade e impulsionar o consumo das famílias.

16 comentários:

Anônimo disse...

Poupança à 1,4% ao ano, confisco, voltamos ao governo Collor.

Anônimo disse...

Pura frescura...
Os bancos cobram 60-70% aa dos clientes.

Anônimo disse...

Vai chegar no andar de baixo, ou vai se perder no spread bancário ???

Anônimo disse...

IPCA 2,13% ao ano, poupança 1,4% ao ano. Imposto disfarçado, pequeno poupador vai financiar gastança do governo.

Anônimo disse...

Aí Ministro Paulo Guedes taka-lhe pau nesse carrinho. E viva a nossa Economia. Brasil acima de tudo! Deus acima de todos!

Anônimo disse...

Mas editor, você não disse que ia manter os juros em 2,25%, contrariando o consenso??? kkkkk

Anônimo disse...

Juros básicos a 2% ao ano. Menor patamar da História. Parabéns Ministro Paulo Guedes. O Brasil em desenvolvimento. Huhuhuhu. Parabéns Presidente Jair Bolsonaro pela Seleção de Ministros do seu governo.

Anônimo disse...

Esse cara,ministro, vai quebrar o povo brasileiro, fazendo o ppoupador investir na bola de valores.
Na bolsa de valores o lucro é do empresário e o prejuízo é do investidor. É pura picaretagem igual ao bitcoin.
Desse jeito o Bolsonaro se iguala ao PT do Lula e Dilma.

Anônimo disse...

É muita sacanagem, os banqueiros amigos da esquerda vão diminuir muito seus lucros, isto é um golpe contra o povo......kkkkk

Anônimo disse...

Política econômicas igual à da Dilma. Vai dar em inflação de dois dígitos. Pequeno poupador vai perder duas vezes, com o juro negativo e com a inflamação. Não sou contra o governo, elogiar é demais. Política não visa o consumidor e sim financiamento da dívida pública com um confisco disfarçado.

Anônimo disse...

Juro negativo é política econômica da Dilma. Agora chegará a inflação de dois dígitos. O povo não têm o que comemorar.

Justiniano disse...

Os bancos estão com saudades da Dilma que a taxa Selic chegava a 14,5% e os rentistas viviam a bonança de não fazer nada.

Os produtores rurais eram desprezados, porque jogavam na cara que era melhor aplicar no governo do que emprestar dinheiro. Um conhecido tinha dois aviários e tinha garantias para construir mais um aviário e o gerente jogou na cara que não valia a pena investir. O produtor saiu do banco e levou mais um leva de toda família a sair deste banco. Hoje está correndo atrás para emprestar.
Só por curiosidade a poupança japonesa dá 0,005% de juros ao ano e tem mais de 2 trilhões de reais em poupança.
Para se ter uma ideia, quem deposita US$ 100 numa poupança japonesa ganhará, ao final de um ano, a remuneração de US$ 0,5 (cinquenta centavos de dólar).

Anônimo disse...

Rendimento da poupança 0,11% ao mês, inflação dos alimentos disparado. O governo está finalizando a divda com a pequena economia do pobre. O rico investe fora do pais, em ouro, dolar...

Anônimo disse...

O Copom reduz os juros e o dolar dispara. Como se diz no jargão popular, "grande bosta". A gente que paga, está subindo tudo absurdamente!

Anônimo disse...

14,25% e inflação de 12%, descontando IRPF o ganho real foi menor de 2 %. Pequeno poupador sempre perde. Juro negativo de forma artifial gera inflação, estamos repetindo os erros do Mantega.

Anônimo disse...

SELIC 2%, festa doas bobos...

IPCA 2,31 ao ano;

Poupança: 1,33 ao ano.

RESUMO: confisco de 1%, pequenos poupadores pagando imposto disfarçado. Os "rentistas" não pagam impostos, fazem planejamento tributário, criam fundo de investimentos pessoal ou familiar.