Exército volta a patrulhar ruas de Porto Alegre com ajuda da Brigada

Pela segunda vez em um mês, o Exército patrulhou ruas e avenidas de Porto Alegre. Foi ontem, em ação conjunta com a Brigada. Nas últimas três semanas, isto também ocorreu na Zona Sul. Homens experientes, que participaram de ações no Haiti e nos Complexos do Alemão e da Maré, no Rio de Janeiro, participaram das operações.

Desta vez, as patrulhas atuaram no bairro Santa Tereza, a poucos minutos da zona central. Um posto de bloqueio e controle foi montado durante a manhã e a tarde no início da Rua Correia Lima, nas proximidades do quartel do 3º Batalhão de Polícia do Exército (3º BPE), cujo efetivo participou da operação.,Com o auxílio de cães farejadores, os militares abordam motoristas que trafegam pela via, identificando-os e revistando os veículos. Policiais militares do Pelotão de Operações Especiais do 1º BPM acompanham o trabalho, garantindo poder de polícia à ação.

Paralelamente, é realizado patrulhamento em algumas vilas do bairro, próximas ao quartel da 1ª Divisão de Levantamento, com o uso de viaturas do Exército e da BM.

5 comentários:

Unknown disse...

Estado de guerra e pelotões de fuzilamento já!!!

Anônimo disse...

Nao adianta nada, enquanto tiver o semi aberto é perda de tempo.

Anônimo disse...

O Exercito tem que responder porque existe o livre comércio e transito de dinamite no RS? Não saõ eles os responsáveis pela fiscalização. Estamos no aguardo.
Joel
Em tempo; deveriam fazer isso todo o dia e disponibilizar os quartéis para colocar os presos também.

Anônimo disse...

Pelo visto tu não entende nada de lei ou de assuntos militares. Como oficial da reserva do EB vou tentar levar luz a tua escuridão mental. Se o estado brasileiro declarar estado de guerra interno, todos os presos em "combate" passam a ser prisioneiros de guerra, protegidos pela Convenção de Genebra a qual o Brasil é signatário. Eles não podem ser acusados de crimes que não sejam militares, não podem ser transferidos, passam a gozar da supervisão da Cruz Vermelha, etc. Toda e qualquer violação dos "prisioneiros de guerra", torturas, fuzilamentos, maus tratos, fome ou trabalho forçado, passa a ser CRIME DE GUERRA, podendo os governantes e superiores militares brasileiros serem presos por forças internacionais e conduzidos a Haia, para julgamento do Tribunal Penal Internacional, o mesmo que julgou e botou na cadeia assassinos sérvios como Ratko Mladic(O Açougueiro de Srebenica), Slobodan Milosevic, ou os canibais africanos da Libéria e Rep. Centro-Africana. Se tu não quer ver os generais brasileiros sendo presos por forças da ONU e o Brasil sofrendo sanções internacionais é melhor não ter mais ideias "brilhantes.

Anônimo disse...

Não existe livre comércio, existe roubo e comércio ilegal. Já fazem alguns anos que o EB quer transferir este papel para a PF. É ridículo deslocar efetivo operacional para fiscalizar fábricas de fogos de artifícios. Segundo, eu fui militar(sou ex-militar, sem posto, mas sempre serei um soldado) para defender a pátria e a constituição,não para ser carcereiro ou agente penitenciário. Não suei sangue, estudei ou me preparei para entrar para a SUSEPE.