Leia, aqui, íntegra da rejeição do pedido de habeas corpus para Marcelo Odebrecht

Para a canalha petista comprometida com a organização criminosa do Mensalão e do Petrolão, a ordem é atacar o juiz Sérgio Moro, tentando desqualificar todo o trabalho da PF, do MPF e da Justiça Federal, mas a longa e bem fundamentada decisão tomada em Porto Alegre pelo desembargador João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, ontem, sábado, é um abalo a este tipo de tentativa de criminalização do juiz do Paraná,  e de defesa do estado democrático de direito.

O desembargador rejeitou neste sábado o pedido de habeas corpus do empresário Marcelo Odebrecht.

CLIQUE AQUI para ler a sentença. 

Na sua longuíssima decisão, o desembargador se ocupa de evidenciar as culpas da Odebrecht 

11 comentários:

ARS disse...

Uma aula de direito, é a decisão do desembargador. Merece ser guardada como exemplo para os rábulas da oab.

Anônimo disse...

O Marcelo Odebrecht deve continuar preso e não sair mais da cadeia, ele é o Nº2 da quadrilha que roubava os cofres públicos, e ainda falta trancafiar o nº1, o Brahma!

Anônimo disse...

Acho que tão cedo os advogados das empresas envolvidas no Petrolão, mormente Odebrecht e Andrade Gutierres , não impetrarão mais petições de habeas corpus no TRF 4, onde o desembargador João Pedro Gebran Neto atua, pois em sua sentença com a negação do pedido de Habeas Corpus, ele não deixou pedra sobre pedra. Comparadas, a petição com a sentença, vai uma distância oceânica, aquela insignificante perto desta. Com esta decisão o desembargador praticamente selou a sorte de qualquer pedido de HC a ele endereçado, pois sua contundência é tamanha que os advogados de defesa não encontrarão argumentos que justifiquem novas petições. Parabéns desembargador João Pedro Gebran Neto - a justiça brasileira precisa de gente assim como o Sr., que a dignifique . Um fato porém está me intrigando: porque será que a maioria dos HC, inclusive aquele do amigo do Brahma, estão sendo direcionados ao TRF 4 de Porto Alegre? Será que os impetrantes contavam que as decisões cairiam nas mãos de algum discípulo do Zavascki? O fato é que nem o próprio Zavascki teve peito de melar a delação de Ricardo Pessoa. De fato o homem é muito pesado mesmo e não é fácil de segurar. Cabe ainda a destacar a estratégia perfeita do juiz Moro: só mexeu com os grandes empreiteiros, umbilicalmente vinculados ao versátil e caro palestrante Brahma, quando já tinha impossibilitado, através das inúmeras provas colhidas no decorrer das delações premiadas, a sua rota de fuga. Agora estão enjaulados e não há quem os tire de lá.

Anônimo disse...

PARABÉNS AO DESEMBARGADOR JOÃO PEDRO GEBRAN NETO, FEZ CUMPRIR A LEI.

MAS PARECE QUE "DERAM FÉRIAS" PARA ELE A PARTIR DE 29/06/2015 E ENTRA OUTRO COM "GRANDES POSSIBILIDADES" DE LIBERAR, ISSO DITO PELOS ADVOGADOS.

EDITOR CONFIRMA ISSO ?

Anônimo disse...

A partir de segunda-feira, outro magistrado será o responsável pela análise do mérito dos habeas corpus dos executivos das construtoras Andrade Gutierrez e Odebrecht. O juiz federal do Paraná Nivaldo Brunoni substituirá por 30 dias o desembargador João Pedro Gebran Neto, que entra em férias.

Gebran Brunoni conforme advogados é menos alinhado. (valor)

Anônimo disse...

Ao Anônimo das 12h29: a sede regional do TRF-4 que é em Porto Alegre, abrange até o Paraná, sendo esta a razão pela qul a movimentação contece por aqui.

Anônimo disse...

Ao Anônimo das 12h29: a sede regional do TRF-4 que é em Porto Alegre, abrange até o Paraná, sendo esta a razão pela qul a movimentação contece por aqui.

Anônimo disse...

Por que a mídia não defendeu Jô Soares dos ataques fascistas?

Autor: Miguel do Rosário

Ontem conversei com um professor do Iesp (Instituto de Estudos Sociais e Políticos, um dos mais importantes da América Latina, vinculado à UERJ), que me contou sobre um seminário ocorrido na instituição, na semana passada, para discutir as “jornadas de junho” de 2013.

Um dos professores fez uma abordagem mais crítica, e identificou o embrião, naquelas manifestações, de um novo tipo de fascismo, o qual, desde então, só vem crescendo, com apoio de importantes forças políticas, em especial a mídia.

Espero voltar a este assunto, inclusive entrevistando o professor, mas por enquanto fiquemos apenas nesta menção.

Recentemente, a rua onde mora o apresentador Jô Soares foi pichada com uma ameaça de morte:

“JÔ SOARES, MORRA”.

A razão: Jô Soares entrevistou a presidenta da república, eleita em outubro passado com 54 milhões de votos.

Vou falar de novo: um apresentador foi ameaçado, publicamente, no lugar onde mora, porque entrevistou a presidenta da república de um país democrático.

Por mais que o apresentador tente fingir que não dá bola para isso, e leve na esportiva, é claro que ele deve ter ficado profundamente abalado, assim como todos os apresentadores de tv do país.

É um recado do Brasil fascista ao Brasil democrático: “não insista, nós, fascistas, temos a mídia, temos o dinheiro e queremos o poder!”

Jô Soares, apesar de ser um apresentador da Globo, não foi defendido pela Globo.

Não vimos nenhum editorial, nenhuma reportagem, nenhuma cobertura decidida da Globo contra os ataques fascistas a um de seus apresentadores mais tradicionais.

Ao contrário, a Globo empurrou Jô Soares para o horário mais vazio da madrugada. A própria entrevista com Dilma não foi sequer aproveitada devidamente nos telejornais da emissora.



Por que a Globo nem nenhum outro canal, nenhum jornalão, fez uma defesa decidida de Jô Soares contra os ataques fascistas que recebeu, os quais, aliás, não se limitaram a pichação de sua rua, mas também ofensas e amaeças em massa nas redes sociais?

Porque a nossa mídia não iniciou imediatamente uma campanha contra essa escalada fascista que atinge profundamente a liberdade de expressão no país?

Afinal, que apresentador de TV terá coragem de entrevistar a presidenta Dilma, uma presidenta eleita duas vezes consecutivas pelo povo brasileiro?

Simples.

A mídia não defendeu Jô, porque ela é a matriz do novo fascismo brasileiro.

É duro dizer isso, mas é a pura verdade.

A criação da figura de um juiz-justiceiro, idolatrado pela classe média, ovacionado nos saguões dos aeroportos, e que não respeita direitos de defesa, e que prende ricos e poderosos, integra uma narrativa clássica do fascismo.

O fascismo, para se consolidar perante a opinião pública, precisa de figuras e narrativas que galvanizem a massa.

E como o fascismo esconde, no fundo, uma ideologia profundamente elitista, antissocial e antidemocrática, a única maneira de ganhar apoio das massas é sacrificando cordeiros cordos no altar do populismo penal.

Os fascistas de outrora faziam isso com judeus ricos.

As massas aplaudiam, entusiasmadas, a repressão a toda uma classe de ricos burgueses de ascendência judaica.

Os fascistas de hoje querem fazer o mesmo com empreiteiros que financiaram a ascensão do PT.

Não importa que os mesmos empreiteiros também financiaram, até em maior escala, a oposição.

É preciso promover um circo para o populacho.

Enquanto o populacho segue distraído pelo espetáculo, os representantes do capital fazem avançar sua pauta no congresso, destruindo leis trabalhistas e vendendo o patrimônio público para interesses estrangeiros. É o que fazem Eduardo Cunha e José Serra, faturando em cima do fato da esquerda estar sendo encurralada pelas agressões crescentes de movimentos fascistas.

O capital sempre usou o fascismo para promover seus interesses, como quem solta uma fera em cima de seus adversários.

Anônimo disse...

O Instituto Lula as 15:23, sempre tentando ENROLAR a população, agora, aqui com textos bostados, achando que os leitores são ignorantes eleitores do Lula. PTRALHAda NOJENTA!

Anônimo disse...

Ao anônimo das 15:23
Pelo visto você mergulhou fundo nas teorias de Marx, Engels, Gramsci e isso certamente te deixou meio abilolado dos miolos, não conseguindo mais diferenciar um movimento popular de um movimento como o fascismo, tão organizado como o partido comunista, PT e demais partidos políticos. O partido petralha está caindo de podre e até seus próprios eleitores o estão rejeitando, quanto o mais o povo brasileiro que foi ludibriado grosseiramente. Como, muito bem demonstrado no mensalão e agora no petrolão, o PT corrompeu as entranhas da nação. O juiz Moro não é justiceiro coisíssima nenhuma. É apenas um juiz que não se deixou comprar pela quadrilha petralha, como o fizeram Toffoli, Barroso, Lewandovski, Zavascki e outros mais. A tua retórica é a retórica de um intelectualóide petista que fica repetindo sempre o mesmo dircurso, com o qual sofreste a lavagem cerebral de tal forma que ficou incrustrado no teu DNA. Onde tu já viste que o Serra é de direita? Ele não foi até preso político e exilado? Assim como todo o pessoal do PSDB é originário da dissidência do MDB, ou seja, tudo de esquerda. Os partidos de direita que haviam, dissidentes da antiga ARENA são o PP e o DEM. O PP, como tu sabes é aliado de vocês, pois foi comprado a muito tempo. Não existe direita no país, porque a classe política é tão fisiológica que prefere os farelos que caem da mesa do PT a fazer-lhe oposição. Este teu papo nhenhenhém de fascismo não está com nada, é papo furado de descerebrado mental, de intelectualóides, sem compromisso com a realidade. Foda-se!

Anônimo disse...

O lugar do petralha 15:23 é no hospício ou na cadeia.