Crise econômica no Brasil deve fechar 1 milhão de vagas até o fim do ano

A recessão econômica bateu em cheio no mercado de trabalho e a geração de empregos dos últimos anos deu lugar a demissões em massa. No primeiro mandato da presidente da República, Dilma Rousseff, 4,9 milhões de postos formais foram criados, mas nos cinco primeiros meses deste ano, 243.948 pessoas já foram dispensadas, segundo dados Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Os analistas temem uma aceleração do nível de desemprego a partir de junho, o que resultaria no fechamento de 1 milhão de vagas com carteira assinada até dezembro. Há quem aposte que a taxa de desocupação ultrapassará os 10% em 2016. Para piorar, o rendimento médio real dos assalariados também está em queda. Esse processo derrubará ainda mais a popularidade da chefe do Executivo, que já tem um índice de rejeição de 65%.

Das 27 unidades da Federação, em 19 o número de dispensas supera as contratações. E essa situação se agravará nos próximos meses. Nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste, 314.870 vagas formais desapareceram. Com o baixo nível de confiança dos empresários, não há expectativa para reposição dos postos de trabalho nessas localidades pelo menos até o fim do próximo ano.

Nos três estados do Sul, a geração de empregos ainda supera os desligamentos quando analisados os resultados acumulados nos cinco primeiros meses do ano. A agropecuária e o setor de serviços são os que mais empregam. Mas, em abril e maio, o ritmo de demissões cresceu e já supera as contrações no Paraná, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul. No Centro-Oeste, o Distrito Federal é a única localidade em que o fechamento de postos formais é maior do que o número de contratações. A construção civil é o segmento que mais dispensa, seguido pelo comércio e pelo setor de serviços.

4 comentários:

Anônimo disse...

1 milhão só no comércio e no resto ?

Anônimo disse...

decisão de controle de capitais e fecho dos bancos já teria sido tomada neste domingo pelo Conselho de Estabilidade Financeira da Grécia, estão a adiantar diversos órgãos de comunicação social gregos e a informação deste medida drástica tornou-se viral nas redes sociais. A medida durará, pelo menos, até depois do referendo a 5 de julho.


Esta decisão já era esperada depois do Banco Central Europeu ter decidido não autorizar o aumento do teto da linha de emergência de liquidez - conhecida pela sigla ELA - na reunião que realizou este domingo.

Na gíria financeira a situação é alcunhada de 'corralito', a expressão criada pelo jornalista argentino Antonio Laje para as medidas de emergência tomadas naquele país latino-americano em dezembro de 2011 pelo presidente Fernando de La Rúa. O ministro das Finanças helénico, o académico Yanis Varoufakis, adiantou que "conceptualmente" é contra a instauração de mecanismos de controlo de capitais no quadro de uma zona monetária única, mas as circunstâncias podem exigir esse tipo de medidas drásticas.


Os bancos vão manter as portas fechadas durante a próxima semana e medidas de controlo de capitais vão ser anunciadas face à sangria nos depósitos registada nos últimos dias. Anthimos Thomopoulos, diretor-geral do Banco Pireu, confirmou aos jornalistas, à saída da reunião do Conselho de Estabilidade Financeira, que as dependências do seu banco não abrirão na segunda-feira. O Banco Pireu é um dos quatro maiores do país. A Bolsa de Atenas também não abrirá as portas, segundo a Reuters. O analista Hugo Dixon sublinhou que a primeira onda de choque desta medida será sentida pelos turistas, em plena época alta, que deixarão de poder levantar dinheiro nas caixas automáticas e nos bancos.(jornal de Portugal)

Anônimo disse...

TÁ BOM assim, ou querem MAIS, seus MERDAS PTISTAS CONCURSADOS OU NÃO?

Anônimo disse...

Toda razão ao editor. Os governos Federais, Estaduais, municipais e Empresas Públicas, mistas devem começar a fazer economia, além de terminar com Ministérios, Secretarias e CCs, economizar em anúncios nas empresas de comunicação, é muito dinheiro em publicidade. Os empresários devem fazer o mesmo, talvez esse 1 milhão de vagas anunciadas, sejam reduzidas para 500 mil ou menos, ou seja, fazer tudo para manter empregos para quem precisa mais. E as empresas de comunicação, incluindo blogs, de segunda categoria, que façam seus ajustes internos, parar de fazer politica rasteira, mais seriedade mais reportagem investigativa - com provas, menos jornalismo publicado e menos mimimi.