Governo empurra com a barriga crise entre IPE Saúde x Hospitais. Um milhão de servidores públicos poderão ficar sem assistência a partir do dia 1o.

A direção do Ipergs, e o chamado Núcleo Central do Governo, apresentaram na tarde desta quinta-feira, dia 25, as respostas,consideradas inaceitáveis, às demandas dos hospitais e entidades médicas. Os hospitais ameaçam parar o atendimento para 1 milhão de associados e familiares inscritos no IPE. A crise assola o Ipe-Saúde. Diante dos protestos, o IPE agendou para o dia 29 nova reunião, basicamente de três pontos: Reajuste Emergencial, Remuneração de Medicamentos e Tabela CBHPM. 

. O governo tenta empurrar a crise com a barriga para evitar desastre eleitoral para o governador Tarso Genro.

. Estiveram presentes a Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde (FEHOSUL), a Associação dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do Rio Grande do Sul e as demais entidades médicas e hospitalares que compõem o Grupo Paritário. 

. O Ipergs e o Núcleo Central do Governo, representados pela Secretaria da Fazenda e pela Secretaria da Saúde, afirmaram, mais uma vez, que é impossível conceder reajustes em 2014

. A FEHOSUL mostra-se inconformada com tal conduta já que dados oficiais indicam um superávit orçamentário de 691 milhões de reais desde a criação do FAS (Fundo de Assistência a Saúde) e a disponibilidade financeira atual do mesmo fundo gira em torno de 300 milhões de reais, 

. As demandas

- Tabelas de remuneração - Não são reajustadas desde agosto de 2011. Neste período os insumos da cadeia de custos dos hospitais, a chamada inflação médica, subiu cerca de 25%. Estudos técnicos da FEHOSUL, realizados no ano passado, apontam defasagens, no Ipe-Saúde como nas diárias hospitalares (17%), taxas de serviços (32%) e para os atendimentos de urgência (46%).
- Valores relativos ao congelamento da remuneração dos medicamentos - Isto remonta a 5 de novembro de 2010, calculado em 30 milhões de reais. A Fehosul reclama que estes valores sejam quitados até 10 de dezembro
. O Ipergs manifestou na reunião seu propósito em antecipar a quitação do débito de 25 de janeiro para 10 de janeiro do próximo ano, o que foi rechaçado pela Fehosul.
- Implantação de novos procedimentos e reajuste dos valores remuneratórios para médicos, a adoção da tabela CBHPM - A proposta conseguiu desagradar a todas as entidades médicas e hospitalares presentes no encontro. Pela proposta, apresentada pelo representante da Secretaria da Fazenda, a autarquia concluiria o atual processo denominado até o final do corrente ano, implantaria a nova nomenclatura até 31 de março do ano vindouro, acompanharia a implantação nos 6 meses subsequentes e somente discutiria a partir de setembro a valoração pecuniária dos procedimentos, estimando-se sua efetiva implantação para 2016. 

6 comentários:

Anônimo disse...

FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS ESTADUAIS CONTINUEM VOTANDO NO PETRALHA TARSO QUE A COISA SÓ VAI PIORAR! HA,HA,HA,HA...

Anônimo disse...

Se isso não se chama herança maldita então que nome teria? Tu vais ter trabalho, Ana Amélia.

Luiz Vargas disse...

A gauchada botocuda bem que merece mais quatro anos de desgoverno do peremPTório Pinóquio embu$teiro prevaricador.
Caso reeleito, este embu$te renunciará no primeiro ano de novo mandato pois o seu imenso e mastodôntico ego se negará a continuar reinando sobre ruínas.
Se este povo tacanho e botocudo, cultivador do pensamento mágico, pode achar que dá para governar fazendo empréstimos e dívidas, berrará muito na hora em que a conta vier.
Neste desgoverno do far$ante embu$teiro não há seriedade, não há competência e não há mínimos resquícios de responsabilidade no trato da coisa pública.
Estes hospitais e entidades médicas serão enrolados o que der e no final a resPosTa que terão do estelionatário Pinóquio será que a culpa foi do GOVERNO Yeda.

Anônimo disse...

Acho interessante CPERS, ABAMF,UGAPOCI enfim que representam a maior parte dos servidores estarem caladas diante desta situação.......Para que servem estas entidades se não defender o interesse de seus associados

Anônimo disse...

Não só os hospitais que estão em pé de guerra com o IPE. Os médicos, também, são explorados pelo Instituto. Conheço vários médicos que se descredenciaram do IPÊ. O meu cardiologista e o ginecologista da minha esposa e da minha filha já se descredenciaram.

Vi uma tabela de honorários médicos (mostrada pelo próprio profissional) do IPÊ: para retirar uma mama com câncer a equipe do médico (o próprio, mais o auxiliar e o anestesista) receberiam espantosos R$ 192,00. É obvio que tive que pagar (por fora) mais R$ 5.500,00, pois até eu mesmo fiquei com vergonha dos valores pagos. E se o usuário insistir com o profissional que ele cumpra a tabela do IPÊ, certamente ele vai ficar sem o trabalho deste profissional.

O problema maior d IPÊ são os desvios do dinheiro que é recolhido dos contra-cheques. Tudo acaba se perdendo no tal caixa único do estado.

Anônimo disse...

Não só os hospitais que estão em pé de guerra com o IPE. Os médicos, também, são explorados pelo Instituto. Conheço vários médicos que se descredenciaram do IPÊ. O meu cardiologista e o ginecologista da minha esposa e da minha filha já se descredenciaram.

Vi uma tabela de honorários médicos (mostrada pelo próprio profissional) do IPÊ: para retirar uma mama com câncer a equipe do médico (o próprio, mais o auxiliar e o anestesista) receberiam espantosos R$ 192,00. É obvio que tive que pagar (por fora) mais R$ 5.500,00, pois até eu mesmo fiquei com vergonha dos valores pagos. E se o usuário insistir com o profissional que ele cumpra a tabela do IPÊ, certamente ele vai ficar sem o trabalho deste profissional.

O problema maior d IPÊ são os desvios do dinheiro que é recolhido dos contra-cheques. Tudo acaba se perdendo no tal caixa único do estado.