Pastor da Comissão de Direitos Humanos desafia: "Quero ver se aqui tem homem para me tirar do cargo"


As pressões dos grupos desajustados e renegados contra o pastor prosseguem, embora continuem omitindo-se em relação aos bandidos do Mensalão que prosseguem ativos na Câmara dos Deputados. 

* Clipping www.veja.com.br

Presidente da Comissão dos Direitos Humanos da Câmara diz que não há crise e desafia líderes da Casa a obrigá-lo a deixar o cargo

O presidente da Comissão dos Direitos Humanos e Minorias da Câmara (CDH), deputado e pastor Marco Feliciano (PSC-SP), reafirmou nesta quarta-feira que não vai renunciar ao cargo em hipótese alguma e desafiou o colégio de líderes da Casa – que junto com o presidente, Henrique Alves (PMDB-RN), montaram uma força-tarefa para convencê-lo a renunciar e por fim à crise iniciada com sua eleição. "Não renuncio de jeito nenhum. O que os líderes podem fazer com a minha vida? Eu fui eleito pelo voto popular e pelo voto do colegiado", disse.

. Na manhã desta quarta-feira, Feliciano foi à embaixada da Indonésia entregar um pedido de clemência em favor de dois brasileiros condenados à pena de morte por tráfico de drogas naquele país. Segundo o deputado, noticiário internacional indica que os dois figuram numa lista de estrangeiros que estariam prestes a serem executados por fuzilamento.

4 comentários:

Anônimo disse...

desafia nada!

esta mantendo um direito legitimo que eh dele e ninguém tasca...

foi eleito deputado e presidente da comissão sem irregularidade alguma...

apenas os militantes eh que não gostam dele, mas ai ja eh outra historia e o problema eh dessa gente...

Anônimo disse...

O sujeito tem o meu total apoio. Tem mesmo é que dar uma banana pra esse povinho idiota que pensa que faz parte de uma sociedade civil organizada, mas que são, de fato, um rebanho adestrado.

No estilo dele, temos um deputado gaúcho que disse o que eu também diria : eu estou me lixando pra opinião pública !!!

Anônimo disse...

Esse "vendilhão do templo" tem que deixar de ser é pasto. É vigarista do dinheiro do pobre.

Anônimo disse...

o que o editor quer dizer com grupos desajustados e renegados? O senhor compartilha da mesma opiniao machista, racista e homofobica do deputado?