Bolsonaro cancela coletiva de imprensa em Davos

Após 15 minutos de atraso, a organização do Fórum Econômico Mundial de Davos anunciou oficialmente que a coletiva de imprensa prevista para as 16h local (13h de Brasília) com o presidente da República, Jair Bolsonaro, e ministros que o acompanham na comitiva a Davos foi cancelada.

Primeiro, surgiu a informação de que o presidente não viria mais e que os ministros seriam encarregados de falar com os jornalistas. Depois, que a entrevista teria sido cancelada por completo.

O que se sabe é que Bolsonaro estaria muito insatisfeito com a cobertura da imprensa durante o Fórum.

36 comentários:

Anônimo disse...

Na verdade,Bolsonaro está muito preocupado com a situação do filho Flávio.Tá mais enroscado que cipó em aroeira.
Flávio comporta-se como um relés petista.
Deveria ficar roxo,e renunciar nobremente a tudo.
Com certeza,não mais seria eleito.

Mordaz disse...

Se o motivo é insatisfação, só vai piorar com esta atitude.

Anônimo disse...

A imprensa tradicional moralmente morreu, virou mero puxadinho ideológico de partidos esquerdistas e seus repórteres, simples leitores de textos prontos.

Anônimo disse...

Ele perdeu o pique com a história do filho.Este imbecil do Flávio.Sempre tem que ter um assessor por trás de tudo.E os assessores ficam na boa sempre.Neste caso ele está deixando uma mancha no governo Bolsonaro.Sujou o lado do Flavinho e atinge o Jair porque a esquerda está como a boca de um jacaré assim como a Globo,esperando que caia qualquer coisa para digerir.Eles não estão nem aí para o país,querem é se atacar um ao outro.Se pensassem no Brasil de fato,até ajudariam o governo e não se meteriam em nada.Se teve problema com o filho,é com o filho,não com o presidente.Mas fazem de tudo para associar uma coisa com a outra.E o povo que paga.

Anônimo disse...

O cara passou a campanha inteira sem debater, sem detalhar as suas propostas. Elegeu-se, tomou posse e não deu uma entrevista coletiva sequer. Viaja a um importante evento internacional onde é convidado a fazer o discurso inaugural de 45 minutos, mas fala por 6 como se estivesse tuitando. É marcada então uma entrevista coletiva, todavia 40 minutos antes ele desmarca e diz que a culpa é dos jornalistas.
Mesmo os bolsominions, que tenham o mínimo de bom senso, terão que concordar que este homem não fala, porque não entende absolutamente nada sobre os temas sobre os quais deveria se pronunciar. Isso me parece muito claro.

Anônimo disse...

Afrouxou a bolsa de colostomia.
Deu merda!

Anônimo disse...

Na realidade não tem o quê dizer.
É bom mesmo ficarem quietos, para correr o risco de falar bobagens e o Brasil ser motivo mais piadas com esse governo patético.

Anônimo disse...

Ele viu que não havia repórteres da Rede Record e nem do SBT para fazerem perguntas combinadas estilo jogral.

Anônimo disse...

Ótimo passeio na Suíça com dinheiro público.

Anônimo disse...

Tem que fazer como Trump em relação a perguntas inadequadas...NEXT...

Anônimo disse...



vai falar com o bispo !

literalmente



PEDETISTA SAUDOSO

Anônimo disse...

Ora bota a EBC direto é uma empresa do estado.

Anônimo disse...

Comunicação social do Bolsonaro está amadorizando demais! Olha de colocar gente profissional e graúda por lá.

Anônimo disse...

Coletiva é o meuzovo, deixem o homem trabalhar.

Anônimo disse...

Os nomes dos motivos são vários: Flávio, Queiroz, Rio das Pedras, milícia, Marielle, Capitão Adriano…

E são um só: Bolsonaro não tem capacidade de argumentar, apenas de atacar.

Como não tem com o quê, teria de ficar na defesa.

Mas além daqueles, há outros: o fiasco de seu curtíssimo discurso, a reforma da Previdência da qual, sem se conhecer o que é, ele só sabe que não afetará os militares senão “numa segunda fase” (pausa para duvidar) e que confia ser aprovada por conta, apenas, do que julga serem os capachos parlamentares de seu governo.

Medidas econômicas? Nem pensar, isso é com o Paulo Guedes e, de Moro, já teve parte do que queria com o decreto das armas e com o silêncio sepulcral do ex-Savonarola Sérgio Moro, convertido à mudez.

A comunicação que interessa a Bolsonaro é a tosca, a sem contraditório, feita a veículos de comunicação dóceis como as suas TVs de estimação, aqui, a agências de notícias que só querem saber de anúncios de privatização e, claro, nas redes sociais, onde a fala é sempre curta e não questionada.

Escapar da imprensa, entretanto, é mil vezes mais fácil que escapar dos fatos . E, pior ainda, entregar-se de bandeja até a factóides.

Jair Bolsonaro deveria lembrar que só pôde atravessar calado a campanha porque um desequilibrado mental o atingiu a faca. Seu estado de saúde, providencialmente, serviu de motivo para não enfrentar as polêmicas e ficar como vítima.

No poder, não poderá fazer o mesmo sem ser desmanchado pela mídia.

Anônimo disse...

Bem que fez o Presidente. Se der entrevista essa midia canalha vai falar mal...se não der vão falar mal...então..sabia decisão.
Queria ver esses inuteis viajando com uma bolsa de colostomia para ver o comportamento deles....estariam todos em casa curtindo um afastamento medico...com atestadinho de 3 meses....Gentalha.

Anônimo disse...

"A fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, esta tarde ainda, será mais detalhada e mudará a primeira percepção negativa do mercado." Políbio Braga, há 24 horas...

Cris disse...

Não é fácil para um enfermo a alteração de fuso horário e para um carioca ... a neve...
Além disto a responsabilidade da estréia internacional...
Até agora está de parabéns e fez bonito...

Anônimo disse...

Cagão.

Anônimo disse...

BOLSONARO E EQUIPE FOGEM DE COLETIVA EM DAVOS


O presidente Jair Bolsonaro e três ministros cancelaram um pronunciamento que fariam nesta quarta no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça; segundo o assessor da Presidência Tiago Pereira Gonçalves, o cancelamento aconteceu devido o que ele e o governo consideram "abordagem antiprofissional da imprensa"; iniciativa é tomada em meio ao escândalo das milícias no Rio que ganhou destaque na imprensa nacional; nesta terça, a imprensa mundial já atestou o fracasso do discurso de Bolsonaro, que tinha 45 minutos, mas usou apenas 8

23 DE JANEIRO DE 2019 ÀS 14:01 // INSCREVA-SE NA TV 247 Youtube

Anônimo disse...

Bolsonaro fala uma coisa no mini discurso e faz tudo diferente na pratica.
Que imagem os investidores, lideres mundiais e imprensa internacional terão desse governo?
Amadorismo
Falta de pontualidade
Zero no quesito confiança
Irresponsabilidade

Anônimo disse...

MP-RJ JÁ TEM NOMES DE DEZ MATADORES DO ESCRITÓRIO DO CRIME
Mídia Ninja

O Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MP-RJ, já identificou os nomes de dez matadores que atuam para o Escritório do Crime, a organização de pistoleiros que comete assassinatos sob encomenda; promotores afirmam que o grupo está por trás do assassinato da ex-vereadora Marielle Franco (PSol)

23 DE JANEIRO DE 2019 ÀS 16:19 // INSCREVA-SE NA TV 247 Youtube

Anônimo disse...

Bonzo sempre foi do baixo clero e nunca teve compromisso com nada.
Ele não consegue argumentar ou desenvolver um pensamento critico sobre algo por mais de dois minuto . Suas respostas para os problemas do pais são sempre o comunismo, a doutrinação ideológica, os direitos humanos, etc.
A diferença é que lá ele não está falando para os idiotas da internet que aplaudem qualquer besteira que ele diz. Se ele repete essa bobagens lá ele vira piada para o mundo. Daí a solução encontrada foi cancelar a entrevista do Bozo e toda sua equipe.

Anônimo disse...

Quem não tem nada para dizer não precisa falar.

Anônimo disse...

MILICIANO LIGADO A FLÁVIO BOLSONARO É O PRINCIPAL SUSPEITO DE TER DISPARADO CONTRA MARIELLE


O jornalista Luis Nassif, editor do jornal GGN e primeiro colunista a dizer que o governo Bolsonaro poderá acabar em razão de sua ligação com as milícias do Rio de Janeiro, informa que o miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, chefe do Escritório do Crime que empregou sua mãe e sua mulher no gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj, é o principal suspeito de ter efetuado os disparos contra Marielle Franco; "há pelo menos seis meses a equipe que investiga a morte tem convicção de que foi ele o autor dos disparos que mataram a vereadora", diz Nassif; Adriano está foragido e Nassif diz ter certeza de que Bolsonaro será derrubado

23 DE JANEIRO DE 2019 ÀS 06:34 // INSCREVA-SE NA TV 247 Youtube

Anônimo disse...

Em conversa gravada, miliciano diz que é ele quem dá o dinheiro para a polícia:

Brasil 23.01.19 11:39 - O Antagonista

Em uma das conversas interceptadas pelo MP-RJ, no dia 15 de outubro de 2018, o miliciano Manoel de Brito Batista, conhecido como Cabelo diz que é ele quem dá o dinheiro para a polícia e que sabe quando eles iriam até o local em Rio das Pedras, informa o G1.

“Teve um Coroa lá no meio da rua quebrando concreto, eu já falei para vocês, só é para parar quando eu falar, sou eu que dou o negócio pro homem e vocês sabem mais do que eu, eu que levo o negócio pro homem, eu sei quando vem, pô”, reclama Cabelo, um dos presos na operação Os Intocáveis na terça-feira.

Anônimo disse...

Aos 19, Flávio Bolsonaro ocupou cargo em Brasília enquanto estudava e estagiava no Rio:​

Publicado em 23 janeiro, 2019 3:04 pm
Do Uol

Posto na liderança do PPB, partido ao qual Jair Bolsonaro pertenceu nos anos 2000, também foi ocupado pela então mulher do atual presidente.

Entre 2000 e 2002, Flávio Bolsonaro, então com 19 anos, acumulou três ocupações em duas cidades diferentes: faculdade presencial diária de Direito e estágio voluntário duas vezes por semana no Rio de Janeiro, e um cargo de 40 horas semanais na Câmara dos Deputados, em Brasília.

Ocupadas ao mesmo tempo por quase um ano, todas essas atividades exigiam a presença física do primogênito do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e hoje senador eleito pelo PSL-RJ, segundo as instituições ouvidas pela BBC News Brasil.

(…)

Procuradas, a assessoria de imprensa de Flávio Bolsonaro afirmou que não iria responder aos questionamentos da BBC News Brasil e a assessoria do presidente Jair Bolsonaro não respondeu até a publicação desta reportagem.

O posto de assistente técnico de gabinete foi ocupado por Flávio na liderança do PPB, partido pelo qual Jair Bolsonaro havia sido eleito para seu terceiro mandato na Câmara. Esse mesmo posto comissionado foi ocupado antes por outro membro da família de Jair Bolsonaro: a então mulher dele, Ana Cristina Siqueira Valle, deixou o cargo uma semana antes de ser substituída por Flávio.

Presença obrigatória

Não há informações públicas disponíveis sobre os salários pagos a Flávio e Ana Cristina à época. Mas, segundo declaração do Imposto de Renda de Flávio, o cargo de assistente técnico de gabinete rendeu em 2001 o equivalente a R$ 4.712 por mês, ou R$ 13,5 mil em valores corrigidos.

Esses cargos comissionados alocados nas lideranças de partidos na Câmara (considerados cargos de natureza especial, ou CNE) são ocupados a partir de indicações por critérios políticos e/ou técnicos. Em geral, os escolhidos são militantes ligados ao comando do partido; servidores concursados em outros órgãos públicos que recebem um adicional para trabalhar no Congresso; ou apadrinhados dos deputados da sigla, que em alguns casos loteiam os cargos do escritório da liderança entre si.

As normas da Câmara determinam que essas funções só podem ser exercidas pelos funcionários em Brasília. Questionada pela BBC News Brasil por meio da Lei de Acesso à Informação sobre a norma vigente à época, a Câmara dos Deputados afirmou que os cargos de natureza especial, como o ocupado por Flávio nos anos 2000, “têm por finalidade a prestação de serviços de assessoramento aos órgãos da Casa, em Brasília. Desse modo, não possuem a prerrogativa de exercerem suas atividades em outra cidade além da capital federal”.

No mesmo período em que ocupava esse cargo em Brasília, Flávio relata em suas páginas no LinkedIn e no site da Assembleia Legislativa fluminense que exercia outras duas atividades: faculdade de Direito na Universidade Candido Mendes e estágio na Defensoria Pública do Rio de Janeiro. Procurada pela BBC News Brasil, a Defensoria Pública afirma não haver registro de que Flávio Bolsonaro tenha atuado formalmente no órgão, mas informa que um defensor público do núcleo de sistema penitenciário (que não quis ser identificado na reportagem) relata que Flávio foi seu estagiário voluntário duas vezes por semana.

Não há informações precisas sobre o período em que esse estágio ocorreu. O parlamentar divulga duas datas diferentes nas duas versões de seu currículo: de março de 2001 a janeiro de 2002 (no LinkedIn) e de agosto de 2000 a outubro de 2001 (no site da Assembleia Legislativa). Não havia pagamento de bolsa de estudos, controle de frequência ou carga horária mínima, mas o jovem era “assíduo e interessado”, segundo o tutor, que respondeu a perguntas da BBC News Brasil por meio da assessoria de imprensa da Defensoria Pública.

(…)

Anônimo disse...

Flávio ainda tentará nos convencer de que Queiroz mandava nele, diz jornalista:

QUA, 23/01/2019 - 14:50

Jornal GGN - Bernardo Mello Franco escreveu em sua coluna no jornal O Globo, nesta quarta (23), que daqui a pouco Flávio Bolsonaro tentará nos convencer que Fabrício Queiroz era quem mandava no gabinete do ex-deputado estadual, e não o contrário.

A declaração foi dada após Flávio alegar que foi Queiroz quem determinou a contratação, para o seu gabinete, da mãe e esposa do Capitão Adriano Magalhães, de quem é amigo pessoal.

Ex-agente do Bope, Adriano teve mandado de prisão expedido ontem, no âmbito da operação Intocáveis, porque é acusado de ser o chefão do chamado Escritório do Crime, o maior grupo de extermínio em atividade no Rio. (...)

Anônimo disse...

Que papelão.

Anônimo disse...

O silêncio estridente das cadeiras vazias:

FERNANDO BRITO · 23/01/2019

Não foi grande surpresa para ninguém, exceto para os organizadores e para os jornalistas estrangeiros, que Jair Bolsonaro tivesse refugado da entrevista coletiva oficialmente marcada e deixado vazias as cadeiras preparadas para ele e seu séquito no centro de imprensa do Fórum Econômico Mundial, em Davos, Suíça.

Nem que a justificativa tenha sido, oficialmente, a de que o cancelamento se dava pela “abordagem antiprofissional da imprensa”.

Os nomes dos motivos são vários: Flávio, Queiroz, Rio das Pedras, milícia, Marielle, Capitão Adriano…

E são um só: Bolsonaro não tem capacidade de argumentar, apenas de atacar.

Como não tem com o quê, teria de ficar na defesa.

Mas além daqueles, há outros: o fiasco de seu curtíssimo discurso, a reforma da Previdência da qual, sem se conhecer o que é, ele só sabe que não afetará os militares senão “numa segunda fase” (pausa para duvidar) e que confia ser aprovada por conta, apenas, do que julga serem os capachos parlamentares de seu governo.

Medidas econômicas? Nem pensar, isso é com o Paulo Guedes e, de Moro, já teve parte do que queria com o decreto das armas e com o silêncio sepulcral do ex-Savonarola Sérgio Moro, convertido à mudez.

A comunicação que interessa a Bolsonaro é a tosca, a sem contraditório, feita a veículos de comunicação dóceis como as suas TVs de estimação, aqui, a agências de notícias que só querem saber de anúncios de privatização e, claro, nas redes sociais, onde a fala é sempre curta e não questionada.

Escapar da imprensa, entretanto, é mil vezes mais fácil que escapar dos fatos . E, pior ainda, entregar-se de bandeja até a factóides.

Jair Bolsonaro deveria lembrar que só pôde atravessar calado a campanha porque um desequilibrado mental o atingiu a faca. Seu estado de saúde, providencialmente, serviu de motivo para não enfrentar as polêmicas e ficar como vítima.

No poder, não poderá fazer o mesmo sem ser desmanchado pela mídia.

Aumentar o fanatismo dos incondicionais não é o mesmo que aumentar o número de apoios.

As cadeiras vazias são, talvez, mais expressivas do que tudo o que tem dito em Davos.

Anônimo disse...

Normal para quem sempre se escondeu do debate durante a campanha eleitoral também da imprensa hostil. Como diria o boris Casoy: uma vergonha!

Anônimo disse...

TA CERTO BOLSONARO ESSA GLOBO NEM DEVIA ESTAR LÁ O POVO APOIA VC BOLSONARO

Anônimo disse...

Com certeza quando eram os abostados do pt tu não reclamava. Muito menos quando a abostada da ex presidentaaaaa ta saracotiando por ai...zé buceta.

Anônimo disse...

É até melhor que não fale. Quando fala só faz merda.
Fica quieto bolsonaro.

Anônimo disse...

Bom mesmo seria o lula a falar merda enquanto a petralhada idiota segue sendo enrabada!

Anônimo disse...

Engraçado essa petralhada comentando aqui.

Falam mal do discurso do Bolsonaro, mas ele falando é um gênio perto da estocadora de vento e do pinguço de 9 dedos.

Falam sobre o caso Queiroz, mas passaram pano e ficam quietinho no caso do lularápio e nos quase 16 anos de roubalheira com escândalo dos aloprados, mensalão, petrolão, bndes, mais médicos, pode escolher aí..

Querem enganar quem?