Governo Sartori só terá preços de mercado quando pagar como o mercado paga (em dia).

O governo gaúcho vem aí com o programa "RS mais eficiente", destinado a montar banco de dados baseados nos dados das notas fiscais eletrônicas e visando comparar preços nos pregões eletrônicos.

Para não ser garfeado.

O programa vai chover no molhado se o governo continuar caloteando.

É que nenhum fornecedor cobra preço sem custo adicional embutido, quando sabe que o comprador não vai pagar em dia.

7 comentários:

Anônimo disse...

RJ: Beltrame é réu em escândalo de viaturas superfaturadas.Secretário de Segurança assinou contratos em que Estado pagou 3.300 reais por mês pela manutenção de cada carro da PM. MP pede a devolução de quase 135 milhões aos cofres públicos. (veja)

Se for mesmo, é decepcionante.

Anônimo disse...

É BOM UM PROGRAMA ASSIM 'NO COMPUTADOR'

Anônimo disse...

Ótimo, todos os comerciantes que vendem qualquer produto ao ESTADO doravante mesmo que haja pregão publico, SOMENTE devem entregar a mercadoria depois de receber o efetivo pagamento, caso contrário vão sofrer o CALOTE.

Mikael disse...

'RS mais eficiente' > campanha vingaria de não houvesse aumentos de impostos e tivesse sido cortados gastos, se policiais recebessem salários em dia . . .

Mikael disse...

Pesquisa totalmente inválida. Preços para pagamento parcelado ou a longo prazo não é possível fazer. Variáveis são muitas, e todo mercado brasileiro já não sabe qual será o seu custo amanhã.

Com volta da inflação, aumento de energia (tem estados que até aumentaram o icms sobre energia), e outros tantos não é possível.

Só servirá para alguém ganhar dinheiro com vende de sistema.

NEWTON disse...

Isso a "Ieda Déficit Zero" já havia cabalmente nos comprovado, mas aí o eleitorado gaúcho preferiu a pratica do "Tarso Déficit Responsável", e foi um abraço para o "Deus nos acuda".

Anônimo disse...

Segundo informado pela mídia, 30% do imposto é sonegado. Isto é visto pelo que constamos diariamente onde boa parte que compramos não vem acompanhado de nota fiscal. Desta forma, impossível manter um banco de dados fidedigno. Antes é necessário colocar os fiscais nas ruas para comprar mercadorias e verificar se recebem ou não a NF. O retorno será maior que o aumento do ICMS. Na contramão, o aumento do ICMS aumentará a sonegação, por uma questão de sobrevivência.