Crise na indústria faz vendas do comércio despencarem em Caxias do Sul, mas ramo mole é o menos afetado

O mês de maio apresentou resultados negativos, tanto no ramo mole como no ramo duro do comércio de Caxias do Sul, o segundo município mais importante do RS, que caíram em relação ao mesmo período do ano passado. 

Na comparação com abril deste ano, apenas o ramo mole apresentou um pequeno crescimento positivo (0,83%).

Ramo duro, quatro segmentos apresentaram resultados positivos quando comparado com abril deste ano: informática e telefonia (18,04%); óticas, joalherias e relojoarias (12,77%); materiais de construção (32,85%) e implementos agrícolas (7,67%). Quando a comparação é com o mesmo período do ano passado, somente o segmento de materiais de construção apresentou crescimento positivo (65,89 %).
Ramo mole, apenas os segmentos de “vestuário, calçados e tecidos” apresentou crescimento positivo em relação a abril de 2015 (16,85%). Quando a comparação com o mesmo período do ano passado, nenhum segmento conseguiu resultados positivos. Com estes resultados, o comércio acumula perdas de 22,63% no ano de 2015 e 14,49% no acumulado de doze meses.
           
Quanto ao emprego, no mês de maio, apenas os setores de serviços de utilidade pública, construção civil e comércio apresentaram saldo positivo neste mês, os demais fecharam com saldo negativo. No ano, o acumulado de perdas de vagas no comércio chega a 107 vagas e no acumulado de doze meses a 449 vagas. Cabe ressaltar que o setor da indústria de transformação acumula saldo negativo de 2.204 vagas no ano e de 8.056 vagas no acumulado de doze meses.


Na avaliação da assessora de Economia e Estatística da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Caxias do Sul, Maria Carolina R. Gullo, em Caxias do Sul, a crise está mais forte, tendo em vista que o governo era quem estava auxiliando o setor industrial ao promover compras de alguns produtos, e/ou através dos subsídios fiscais anteriormente concedidos. “Ainda estamos passando por uma crise de legitimidade do governo federal, embora em menor escala, mas os resultados do ajuste fiscal vão demorar a aparecer e, por isso, a tendência de números ruins deve continuar”, salienta

2 comentários:

Anônimo disse...

Não culpem o governo. Por trás de governos fracos há empresários que se beneficiam. O resultado que se observa em Caxias é de um dos responsáveis pela política econômica do governo federal, Sr. Martins, da Marcopolo, que arrotou e vomitou, aos 4 ventos, durante os últimos 12 anos, sua ajuda ao governo federal, enquanto que a maioria dos empresários barnabés da paróquia - CIC Caxias do Sul - aplaudia, muitos com medo de perderem a boquinha de serem fornecedores da empresa. Bota povo primitivo nisto!!!

Anônimo disse...

Caxias não tem culpa, votou 70% em Aécio.