Facilitador da abertura de contas na Suíça para o depósito das propinas da Petrobras vive como marajá

Bernardo Schiller Freiburghaus, citado por ex-diretores da Petrobras como o operador que facilitava a abertura de contas na Suíça para o recebimento da propina, vive em um dos endereços de maior prestígio de Genebra, às margens do Rio Ródano (foto ao lado). O apartamento onde Freiburghaus mora está avaliado em cerca de R$ 10,6 milhões.

O operador foi citado pelo ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa e pelo ex-gerente Pedro Barusco nas delações premiadas da Operação Lava Jato como o homem recomendado para abrir contas naquele país.

Convocado pela Polícia Federal para prestar esclarecimentos, no mês passado, ele não foi encontrado.

Um comentário:

Anônimo disse...

NINGUÉM SABIA?
TODOS DE BRASILIA SABIAM E SE LOCUPLETAVAM.
O BRASIL É ISTO: POUCOS ROUBAM E, A MAIORIA PASSA FOME, COM O AVAL DOS TRÊS PODERES.