Tuma Júnior revela: Ministro reitera vontade de processar Tuma Júnior, que no seu livro denunciou: "Ministro Gilberto Carvalho me disse que PT desviava da prefeitura de Santo André e entregava o dinheiro para Zé Dirceu"

A tarde desta quarta-feira foi dia de muitos esclarecimentos na Comissão de Segurança Pública da Câmara, que convocou para depoimento o ministro Gilberto Carvalho. A oposição fustigou-o sobre as denúncias feitas pelo delegado Tuma Júnior. Ele foi encurralado, demonstrou enorme nervosismo e novamente ameaçou processar o autor de "Assassinato de Reputações".

No livro, Tuma Júnior declara, dirigindo-se ao ministro Gilberto Carvalho: "Seus amigos de Santo André não queriam matá-lo,mas  assumiram claramente esse risco. Planejaram e mandaram executar o seqüestro de Celso Daniel para lhe dar um susto (Celso, já convidado para coordenador da campanha vitoriosa de Lula, queria interromper o esquema).

O ministro Gilberto Carvalho é uma espécie de eminência parda da presidente Dilma Roussef. Ele foi colocado no cargo de secretário Geral por Lula. Deve lealdade somente a ele. Dilma, sua preposta, responde ao seu ministro.

. O delegado Romeu Tuma Júnior costuma chamá-lo de “viúva funcional” do ex-prefeito Celso Daniel.

. Na página 489 do seu livro “Assassinato de Reputações”, o delegado conta como foi sua última reunião com Gilberto Carvalho, pouco antes de “sair” do cargo de secretário nacional da Justiça em 2010, depois de uma armação orquestrada pelo próprio ministro contra ele.

. Foi uma conversa que emocionou muito os dois interlocutores, que choraram durante o evento, emocionados com a troca de confidências. Tuma Júnior abriu o coração sobre as intrigas palacianas que o levaram à demissão e Gilberto Carvalho fez a mesma coisa ao falar sobre o assassinato do ex-prefeito Celso Daniel.

. Acontece que Tuma Júnior foi o delegado que primeiro chegou à cena do crime, o local onde foi despejado o corpo do ex-prefeito, e abriu o inquérito sobre o crime, depois abortado pelo governo tucano de Geraldo Alckmin, que o retirou do caso.  Gilberto Carvalho tinha sido secretário, confidente e amigo de Celso Daniel, na época já indicado para ocupar as funções mais tarde exercidas por Antonio Palocci.

. O que ele ouviu do ministro:

- Veja, Tuma, o quanto fui injustiçado no caso do Celso Daniel. Quando saiu aquela boataria de que havia desvios na prefeitura, eu, na maior boa fé, procurei a família dele para levar um conforto. Fui dizer a eles que  todo o recurso que arrecadávamos eu levava para o Zé Dirceu, pois era para ajudar o Partido nas eleições.

. Na sua “candura”, o ministro Gilberto Carvalho confessou que o PT furtava dinheiro dos fornecedores e permissionários de ônibus da cidade e que ele mesmo levava o dinheiro para Zé Dirceu.

. Dias antes, quando já estava sendo fritado pelo governo e pelo PT, Tuma Júnior esteve com o ministro Gilberto Carvalho, que demonstrou “interesse” em saber quem tinha assassinado Celso Daniel. Na página 485, o delegado conta o que explicou ao ministro:

- A priori, seus amigos de Santo André não queriam matá-lo,mas  assumiram claramente esse risco. Planejaram e mandaram executar o seqüestro de Celso Daniel para lhe dar um susto (Celso, já convidado para coordenador da campanha vitoriosa de Lula, queria interromper o esquema). No caminho, ocorre um acidente de percurso e acabam matando o prefeito.


. Foi assim.

9 comentários:

Anônimo disse...

Este crime ocorrido com o Celso Daniel, só vai solucionado, depois que acabarem com a máfia do PT.

Anônimo disse...

Nenhum dos acusados (Lula, Tarso Genro e Gilberto Carvalho) quer processar Tuma Junior pelas acusações de crimes praticados. Isso demonstra que as acusações têm fundamento, logo deve ser totalmente ignorado, porque se processarem terão que se explicar.

Anônimo disse...

No ABC paulista foi onde começou o assalto às prefeituras para financiamento do projeto Petralha de assaltar o país todo, como é possível ver na roubalheira generalizada que acontece no Brasil, com a propagação dos tentáculos do petê pela totalidade dos órgãos públicos e estatais nacionais.
É impossível um país crescer com todo esse parasitismo desenfreado, afanando os cofres públicos!
Essa bandidagem política é do tipo de gente que não vão parar assim tão fácil, não vão largar o osso! A tendência é aumentar os assassinatos, pois há grande infiltração de agentes cubanos aqui no Brasil, os PeTralhas estão abrindo mão da soberania nacional, o que já é um crime grave!

Anônimo disse...


Fux não abre mão de julgar furto de galinha, enquanto Sen. Jayme Campos se safa.

Detalhe: As aves já foram devolvidas ao dono.

Não ria porque é sério. Deu no Estado de Minas:

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) terão que julgar um processo criminal aberto contra Afanásio Maximiniano Guimarães, acusado de ter furtado um galo e uma galinha, avaliados em R$ 40, em São João Nepomuceno, na Zona da Mata de Minas.
.
A defensoria pública tentou livrar Afanásio do processo, mas não conseguiu até agora. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitaram os pedidos, que eram baseados no princípio da insignificância, ou seja, no pequeno valor das aves subtraídas. Também foi usado o argumento de que os animais foram devolvidos ao proprietário.
.
Em um despacho assinado no último dia 2, Fux negou o pedido de liminar para que a ação fosse suspensa. "A causa de pedir da medida liminar se confunde com o mérito da impetração", justificou o ministro. Ele decidiu pedir um parecer do Ministério Público Federal. Em seguida, o caso deverá ser julgado pelos ministros da 1ª Turma do STF.
Cá para nós, o judiciário brasileiro precisa de uma reforma urgente, não? Pedir parecer do MPF, ocupar tempo com uma sessão para isso na Suprema Corte, considerando as atribuições e o custo-hora de funcionamento do STF, da Procuradoria-Geral da República, é um pouco demais.

Enquanto isso, vai fazer um ano que o julgamento do senador Jayme Campos (DEM-MT), amigo do ministro Gilmar Mendes, foi marcado e adiado 5 vezes e está engavetado. Vai prescrever em outubro.

Anônimo disse...


Gilberto processará Tuma Jr. quando "for conveniente":

Questionado em audiência na Câmara por que ainda não processou o ex-secretário da Justiça Romeu Tuma Jr., que o acusou de ter levado dinheiro de empresários de Santo André para José Dirceu e de pedir a fabricação de dossiês contra inimigos do PT, o ministro da secretaria-geral da Presidência disse que vai processá-lo quando for conveniente e que não "dará palanque" para Tuma.

Anônimo disse...

Quem não lembra qdo do assassinato dos prefeitos Celso Daniel e Toninho do PT em 2002, o senador Suplicy e mais o Mercadante, deram uma entrevista na TV, dizendo que estavam recebendo AMEAÇAS DE MORTE POR TELEFONE. Querendo dizer com isso, o coitadinho do partido MAIS HONESTO E ÉTICO DA POLÍTICA BRASILEIRA ESTAVA SOFRENDO AMEAÇAS DOS PARTIDOS CONSERVADORES E DIREITA RADICAL.
- Essa quadrilha do mensalão é capaz de tudo prá atingir o poder e permanecer nele, inclusive até matar.

Anônimo disse...

Políbio,

Quando iniciei a leitura de “Assassinato de Reputações - Um Crime de Estado” - comecei pela página 233 – Toda a verdade do caso Celso Daniel – cujo capítulo termina na página 282. Confesso que ao terminar de lê-lo fiquei completamente arrepiado, tamanha a riqueza em detalhes.

A meu ver, os fatos apurados e contados agora no livro pelo delegado Tuma Junior, que foi o primeiro a chegar à cena do crime do ex-prefeito, corroboram para desmascarar e jogar por terra a fantasiosa versão de crime comum da Polícia Civil de São Paulo, diferente da versão do Ministério Público de São Paulo, que sempre acreditou que o assassinato foi premeditado e teve motivação política.

Tuma Junior foi tirado da investigação da morte de Celso Daniel e o caso teve uma mudança brusca de rumo.

Aqui em Brasília, na morte do meu irmão Marcelo Cavalcante, ex-assessor da ex-governadora Yeda Crusius do Rio Grande do Sul, o delegado Aélio Caracceli Junior, primeiro responsável pelo inquérito, também foi estranhamente e repentinamente tirado do caso após falar que poderia ter ocorrido um MASCARAMENTO.

Com a saída de Caracceli, o premeditado e covarde assassinato sofreu uma mudança brusca em seu rumo e foi transformado, sem a menor cerimônia, em suicídio pela delegada que o substituiu.

O pior de tudo e causando bastante estranheza é que o vergonhoso e descabido desfecho ainda teve a corroboração e ratificação do Ministério Público do DF, diferente do caso Celso Daniel, cuja investigação policial não contou com o aval do Ministério Público de SP.

Outro fato que chama muita atenção é que após a posse do governador de Brasília, o petista Agnelo Queiroz, a delegada que encerrou a “investigação”, de forma farsante, foi promovida para a Secretaria de Transparência e Controle do DF, enquanto Caracceli, com a chegada de Agnelo ao GDF, foi castigado e transferido para Planaltina, considerada uma das delegacias mais perigosas do DF, distante uns 40 km do centro da Capital.

Tem um pensamento que diz: “Toda maquiagem sai, toda máscara cai e toda mentira se revela”.

Brasil do PT, infelizmente, um país sem solução, com polícias políticas e sem Justiça!

Jamais desistirei em buscar a verdade. Tenho plena convicção de que um dia a verdade ainda aparecerá e desmascarará definitivamente a farsante investigação da Polícia Civil do DF!

Marcos Cavalcante, irmão de Marcelo

Anônimo disse...

Perguntem pro Sgarbi, ele é enfronhado com essa turma, deve saber alguma coisa...

Anônimo disse...

Qualquer pessoa REALMENTE HONESTA que tivesse seu nome elameado num livro deveria processar o autor, caso estivesse dizendo inverdades.

Admiro estes honestíssimos senhores que tiveram seus nomes listados e arrolados em falcatruas não tenham processado ainda o delegado Tuma Júnior.

Será que é porque o autor, que foi delegado da polícia federal por mais de 30 anos, e não é bobo, deve ter cópia e gravações de tudo o que escreveu no livro.

Qualquer pessoa ofendida pelo autor, e que estivesse com a consciência tranquila, deveria processá-lo imediatamente.

O delegado, inclusive, recentemente sofreu um atentado no dia em que deveria ir a Câmara dos Deputados para dar mais esclarecimentos.