Deputado do PT, André Vargas, amigo do doleiro Youssef, poderá renunciar a qualquer momento

Na noite de ontem, deputado federal e vice-presidente da Câmara, André Vargas (PT-PR) teria dito a um interlocutor que “não mudaria de posição”.  Segundo o colunista Fernando Rodrigues, com a Lei da Ficha Limpa, o prazo se esgota na apresentação do pedido de abertura de processo e ele ficará inelegível de qualquer forma. O parlamentar é investigado por envolvimento com doleiro Alberto Youssef.

. O PT quer que Vargas renuncie para esvaziar a fatia da crise política que lhe diz respeito.

. Ao site www.brasil247.com.br, esta manhã, Vargas jurou que não renunciará. 

7 comentários:

CARLOS SGARBI disse...

Porque vc, editor imparcial, nao informa aos asnos que o Alvaro Dias, membro da TUCANALHA, aqla turminha que ROUBOU bilhoes nas obras do Metro SP, tambem utilizava o "jatinho" do doleiro? Ja sei: e que vc e imparcial e, como sabemos, jornaleiros imparciais nao podem misturar as informacoes.

Anônimo disse...


Controlador de Três Irmãos é sócio de doleiro:

Documentos apreendidos pela Polícia Federal apontam que empresa presidida Pedro Paulo Leoni Ramos, que detém 51,1% do consórcio vencedor de Três irmãos, junto com a estatal Furnas, mantém sociedade com Alberto Youssef no Labogen; Leoni é ex-ministro do governo de Fernando Collor de Mello; laboratório tentava fechar um acordo com o Ministério da Saúde e também buscava, em conluio com o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, contrato com a BR Distribuidora

Controlador majoritário do fundo Constantinopla, que venceu o leilão da hidrelétrica de Três Irmãos, Pedro Paulo Leoni Ramos é suspeito também ser sócio do doleiro Alberto Youssef no laboratório Labogen. Preso pela PF na Operação Lava Jato, ele é acusado de intermediar pagamento de propina para agentes públicos.

Ex-ministro do governo de Fernando Collor de Mello, Leoni é diretor-presidente da GPI que controla quatro das cinco empresas que compõem o fundo Constantinopla, que detém 51,1% do consórcio vencedor de Três irmãos, junto com a estatal Furnas.

Investigações da PF encontraram um documento de "promessa de compra e venda de ações e outras avenças da Labogen S. A Química Fina e Biotecnologia" que cita a GPI.

A Labogen tentava fechar um acordo de Parceria para Desenvolvimento Produtivo (PDP) com o Ministério da Saúde e também buscava, em conluio com o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, contrato com a BR Distribuidora.

Segundo reportagem da revista "Época", o executivo, conhecido como PP, também teria depositado R$ 4,3 milhões na conta da MO Consultoria, comandada por Yousseff, que não tem atividades de fato. O depósito teria ocorrido em 19 de setembro de 2012, por meio da empresa Investminas, de Pedro Paulo.

Anônimo disse...

Nossa, Sgarbi, como tu és revanchista kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

é a casa de tolerância esta ficando de saco cheio , desculpas pelo trocadilho.

Anônimo disse...

És ESTÚPIDO, CARLOS SGARGI!

Filho de DILMA e LULA, vens aqui dar coises, não temos culpa da carga pesada que carregas no lombo, sua MULA!


Luiz Vargas disse...

O discurso diário do PeTralha Sgarbi é infantil e se resume a: se eles podem ser corruptos nós também podemos, se eles são ladrões nós também podemos ser.
Como se vê é um discurso bem diferente daquele que nas décadas de 80 e 90 do século passado o ParTido PraTicava.
Dá até para entender o motivo: antes eles se diziam um partido político, hoje na real são uma máfia.

Anônimo disse...

Esse partido é constituído só de ladrão e corrupto, aliás não escapa nenhum partido, todos são farinha do mesmo saco.