Estradas do Pólo de Gramado oferecem risco de tragédia iminente. Governo foi avisado e não se move.

Prestes a devolver para o governo estadual as praças de pedágios das ERS 115, 235 e 020, a concessionária do chamado Pólo de Gramado voltou a advertir o Daer e a EGR sobre os enormes riscos  estruturais oferecidos por 15 cortinas que funcionam como vigas que impedem desmoronamentos das encostas.

. A Brita Rodovia chegou a promover obras de responsabilidade do governo estadual, confiando na promessa de que seria reembolsada, mas sofreu calote. Em juízo, não obteve êxito nem mesmo sua proposta de estender o contrato de concessão por alguns meses, visando receber de volta o que pagou.  

. O juiz do caso, sem atacar diretamente o caloteiro, quer que a Brita adote medidas paliativas, o que nem de longe é obrigação sua.

. O governo - Daer e EGR - fazem ouvidos de mercador.

. Continuarão fazendo isso, pelo menos até que ocorra alguma tragédia na estrada. 

11 comentários:

Anônimo disse...

PT NO VOLANTE, PERIGO CONSTANTE

Anônimo disse...

Em outras palavras, a tal concesionária recebeu as estradas e sequer fez a manutenção, agora, com o fim da concessão (depois de 15 anos) devolve para o governo, que por sua vez VAI FAZER OS DEVIDOS CONSERTOS e depois algums governo de plantão devolve os pedágios para as concessionárias ganharem $, até terminar a concessão e, assim sucessivmente, ou seja, é uma vergonha.

Anônimo disse...

E se acontecer alguma tragédia, será que vão responsabilizar o desgovernador?

Luiz Fernando de Campos Velho disse...

Conheço bem a região. O que se fez lá nos últimos anos foi pela iniciativa privada. Dá pena de ver o que vai acontecer. Não duvido inclusive que um dos nossos maiores pólos turísticos esteja sob risco.

Anônimo disse...

Por que será que o editor defende tanto as concessionárias de estradas? que não fazem nada e só arrecadam...

Ricardo disse...

Se o anônimo petralha retrógrado não leu, repito o seguinte parágrafo:

A Brita Rodovia chegou a promover obras de responsabilidade do governo estadual, confiando na promessa de que seria reembolsada, mas sofreu calote. Em juízo, não obteve êxito nem mesmo sua proposta de estender o contrato de concessão por alguns meses, visando receber de volta o que pagou.

Ou seja, as obras, DE RESPONSABILIDADE DO GOVÊRNO ESTADUAL, foram feitas emergencialmente pela concessionária (sim petralha, concessionária se escreve com 2 S's) e ela nunca recebeu pelo trabalho.
Portanto, petralha, quem tem a culpa É O GOVÊRNO SIM.
Aprenda a ler e interpretar ao invés de ruminar cartilhas de sindicatos.

Anônimo disse...

ENQUANTO UMA TRAGÉDIA NÃO ACONTECE, NÃO FAZEM NADA.

E QUANDO ACONTECE, NINGUÉM É CULPADO, SENDO QUE O PERIGO IMINENTE ERA DE CONHECIMENTO DOS RESPONSÁVEIS.

Anônimo disse...

Obras emergencias caro Ricardo, significa, obras nas coxas, ou seja, obras com prazo determinado, ou seja, porque não fizeram durante os 15 anos de concessão, não de forma emergencial, mas permanente? Porque fizeram emergencial: Resposta: Porque sabiam que o contrato estava terminando.

Anônimo disse...

É o RS marchando para o fracasoo...

Anônimo disse...

Ao retardado das 21:45, não fizeram as obras, cara anta, porque são de RESPONSABILIDADE do governo...
É difícil entender né ?? Sei, as cartilhas petistas não ensinam estas coisas.

Ricardo disse...

Vejo que o papel da concessionaria era cobrar o pedágio. Nada mais. É só vir ver os estado da RS 235. Em quinze anos nenhum acostamento foi feito e nas pistas, só medidas cosméticas.