Cairolli chefia de novo a equipe que volta a Brasília para acertar a adesão ao RRF dos Estados

A adesão ao RRF possibilita a suspensão do pagamento da dívida com a União por três anos, prorrogáveis por mais três, aliviando o caixa do Estado em R$ 11,3 bilhões até 2020. O regime também abre espaço para que o Rio Grande do Sul possa receber novos financiamentos.

O governador Ivo Sartori decidiu mandar sua equipe mais qualificada e de maior confiança na área financeira paraBrasília, nesta quarta-feira, para dar continuidade às tratativas com o Governo Federal para adesão do Rio Grande do Sul ao Regime de Recuperação Fiscal.

O grupo será liderado mais uma vez pelo vice-governador José Cairolli, experiente empresário gaúcho, ex-diretor do grupo Ipiranga, ex-presidente da Federasul e presidente durante quatro anos do BRDe.

A formalização do acordo com a União ainda depende de definições com o Governo Federal, entre elas a comprovação de gastos que ultrapassem 70% da receita com pessoal e parcela da dívida.

2 comentários:

Anônimo disse...

O RS vive seu momento "A escolha de Sofia"... ou o TCE assume que "sonegou" informações nos últimos 15 anos e assinamos o acordo ou façam suas apostas...

Anônimo disse...

Cairole seria um bom nome para o senado.