Análise - Aumento da tarifa da bandeira vermelha da conta de energia é inflacionária

A Aneel apresentou ontem proposta para alterar os valores adicionais cobrados em cada patamar das bandeiras tarifárias, que deverá impactar a cobrança já em novembro. Após consulta pública, os valores poderão ser revistos. Com a nova proposta, o adicional com bandeira amarela será de R$ 1 a cada 100 kWh (ante R$ 2 cobrados atualmente), ao passo que a bandeira vermelha 2 terá cobrança adicional de R$ 5 a cada 100 kWh (ante R$ 3,5). O adicional para bandeira vermelha 1 segue em R$ 3 a cada 100 kWh. Segundo a Aneel, a mudança levará o sistema de bandeiras a reagir mais ao nível de reservatórios do que à expectativa de chuvas, sendo portanto mais sensível ao histórico de chuvas (que afetam o nível dos reservatórios) e menos sensível às mudanças de curto prazo. Assim, a ideia é que o alerta emitido pela mudança das bandeiras seja mais efetivo para evitar riscos de desabastecimento. 

Como temos expectativa de manutenção da bandeira vermelha 2 em novembro, estima-se  impacto de aumento de 0,12 p.p. no IPCA naquele mês, que deverá atingir 0,38%.

31 comentários:

Anônimo disse...

CÂMARA SAFADA INOCENTA PRESIDENTE LADRÃO

Anônimo disse...

Sob as bençãos da Lava Jato, Temer começa nesta sexta a entregar o pré-sal

Anônimo disse...

Sobre o aumento de 42% na bandeira vermelha das tarifas de luz:
- na prática, o apagão de Michel Temer já começou pelos mais pobres, que agora terão de reduzir o consumo de energia.

Anônimo disse...

Engenharia brasileira sob ataque

As entidades representativas da engenharia abaixo assinadas vêm a público protestar contra o intento do Governo Federal, anunciado pelo jornal Folha de São Paulo de 16 de outubro último, em enviar ao Congresso Nacional projeto de Lei que abre indiscriminadamente o mercado brasileiro a profissionais e empresas de engenharia estrangeiras.

A engenharia brasileira, ao longo das últimas décadas, credenciou-se como uma das mais qualificadas do mundo. Além de contribuir decisivamente para o nosso desenvolvimento, está presente hoje em mais de 40 países, o que, além de gerar empregos e divisas, alavanca a exportação de produtos industriais brasileiros.

Não tememos a competição. Não somos xenófobos. Não podemos, entretanto, permanecer silentes diante do sistemático processo de desmonte da nossa engenharia em curso. A pretexto do combate à corrupção de alguns, o que nos une a todos, destrói-se a capacidade gerencial e tecnológica acumulada nas últimas décadas, levando ao fechamento de empresas e à irreparável perda de empregos.

Hoje, há mais de 50.000 engenheiros e centenas de milhares de técnicos desempregados. Amanhã, caso se implemente a proposta do Governo Federal, será irreversível o desmonte da engenharia brasileira, com o que não podemos concordar.

Brasília, 21 de outubro de 2017

Academia Nacional de Engenharia
ABCE - Associação Brasileira de Consultores de Engenharia
AEERJ - Associação de Empresas de Engenharia do Rio de Janeiro
AEPET - Associação de Engenheiros da Petrobrás
CBIC - Câmara Brasileira da Indústria da Construção
Clube de Engenharia
Clube de Engenharia de Alagoas
Clube de Engenharia de Pernambuco
CREA-GO
CREA-MG
CREA-PR
CREA-RJ
CREA-RS
CREA-SE
CREA-SP
FEBREAG - Federação Brasileira de Engenheiros Agrimensores
FISENGE - Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros
FNE - Federação Nacional dos Engenheiros
Instituto de Engenharia
Instituto de Engenharia do Paraná
SENGE - Sindicato dos Engenheiros no Estado do Rio de Janeiro
SENGE-RS - Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul
SINDUSCON Rio - Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do
Rio de Janeiro
SINAENCO - Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia
Consultiva
Sociedade Mineira de Engenheiros

Anônimo disse...

Soda, o povão só se ferra.

Anônimo disse...

O APAGÃO DE TEMER JÁ COMEÇOU E FOI PELOS MAIS POBRES
Agência Brasil
O aumento de 42% na bandeira vermelha das tarifas de luz foi o tema do programa Leo ao Quadrado, com Leonardo Stoppa e Leonardo Attuch; na prática, o apagão de Michel Temer já começou pelos mais pobres, que agora terão de reduzir o consumo de enegia; confira
25 DE OUTUBRO DE 2017 ÀS 08:05 // TV 247 NO YOUTUBE Youtube

Anônimo disse...

OS NAZISTAS ESTÃO DE VOLTA E SÃO MONITORADOS PELA POLÍCIA GAÚCHA
Igor Sperotto | Polícia Civil/Reprodução
Delegado Paulo Cesar Jardim, titular da 1ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre, responsável pelo Grupo de Combate ao Neonazismo no Rio Grande do Sul, afirma que "os neonazistas se acham superiores ao MBL ou a políticos como Jair Bolsonaro”; “Não estamos lidando com bandidos, ou doidos. Estamos combatendo uma ideologia de mais de 70 anos”, analisa; segundo ele, na maioria são jovens entre 17 e 30 anos que agem com extrema violência, em bandos. Em geral, são indiciados por crimes como tentativa de homicídio, formação de quadrilha, corrupção de menores, propaganda e incitação ao nazismo; confira reportagem do site Extraclasse
25 DE OUTUBRO DE 2017 ÀS 11:45 // TV 247 NO YOUTUBE Youtube

Anônimo disse...

Apenas para lembrar, até porque, a grande maioria tem memória curta.
Este reajuste na energia é reflexo do "canetaço" que a companheira Dilma deu em 2008/2009, reduzindo o preço da energia em torno de 20%, para controlar a inflação.
Resultado desta insanidade, inviabilizou a capacidade de investimentos do setor elétrico

Anônimo disse...

A inflação é causada principalmente pelos governos e seus "preços controlados". É só observar o quanto as refeições subiram desde 1994 e as tarifas e preços administrados.

Anônimo disse...

Isso é causa da desoneração ou redução de energia proporcionado pela Dilma, agora estamos pagando a conta!

Anônimo disse...

Isso é causa da desoneração ou redução de energia proporcionado pela Dilma, agora estamos pagando a conta!

Unknown disse...

GESTÃO DILLMA:
*Manipulação dos preços dos combustíveis - R$ 60 bilhões de prejuízo à Petrobrás e aumento dos derivados com preços ao consumidor "flutuando" somente para cima;
*Manipulação das tarifas de energia elétrica - Prejuízo fantástico às empresas que foram privatizadas e aumento generalizado de tarifas ao consumidor;
8Juros, "flutuando" para cima e penalizando o correntista que contratou empréstimo ou cheque especial... nem vou falar de cartão de crédito pois é caso de polícia!!!

Anônimo disse...

Mais uma vez, ferro nos mais pobres.

Anônimo disse...

TIJOLAÇO: 1º “APAGÃO” É O DA INFORMAÇÃO. VEJA O QUE MIRIAM LEITÃO DIZIA EM 2014:

Reprodução
Para Fernando Brito, do Tijolaço, a manchete de O Globo desta terça-feira, a matéria da Folha "Novo cálculo na conta de luz evitaria disparada de preço em ano eleitoral" e a do Estadão "Governo deve mudar regra de bandeiras tarifárias e conta de energia elétrica pode ficar mais cara" são "uma prova de que, infelizmente, a imprensa brasileira não é pautada pelo desejo de informar, mas pelas notícias que interessam ao 'mercado'"; ele lembra ainda um discurso de Miriam Leitão em 2014 "desancando o Governo Dilma por 'não ter feito esforços maiores desde o começo do ano no sentido de incentivar a economia no consumo'"
24 DE OUTUBRO DE 2017 ÀS 14:27 // TV 247 NO YOUTUBE Youtube

Anônimo disse...

De apagão o Temer entende....

Anônimo disse...

Quem não pode parar, tá na hora de comprar geradores.

Anônimo disse...

Energia: 1º “apagão” é o da informação. Veja o que Miriam Leitão dizia em 2014:

FERNANDO BRITO · 24/10/2017 - Brasil 247

A manchete de O Globo de hoje, reproduzida aí acima, a matéria destacada da Folha – Novo cálculo na conta de luz evitaria disparada de preço em ano eleitoral – e a do Estadão – Governo deve mudar regra de bandeiras tarifárias e conta de energia elétrica pode ficar mais cara – são uma prova de que, infelizmente, a imprensa brasileira não é pautada pelo desejo de informar, mas pelas notícias que interessam ao “mercado”.

A crise hídrica está evidente há quase dois meses.

Os caros leitores e queridas leitoras deste blog sabem que corri o risco, durante dois meses, de ser apontado como “alarmista” por dizer que a situação estava pior do que em 2014, quando toda a imprensa, todos os dia, dizia que rumávamos para um “apagão”.

Estava pior e piorou mais, atesta hoje O Globo, dizendo que “a expectativa é que o país chegue ao próximo mês a um nível de 15% nos reservatórios do Sudeste”. Ontem era de 19% e será até um pouco mais que aqueles 15% no final do mês, porque uma chuva de pouca expressão, somada à queda de temperatura no Sudeste – que reduz o consumo – e, sobretudo, ao parque eólico implantado nos governos Lula e Dilma, que já vai chegando próximo de 10% de toda a geração nacional, estão ajudando, com seu “estoque de vento”.

O nível dos reservatórios, nacionalmente considerado, é dramático:

Segundo a consultoria Thymos Energia, no último dia 17, o nível médio dos reservatórios era de 20% contra 34% no mesmo dia em 2015 e 26,5% em 2014, anos em que o país enfrentou forte estiagem. Mesmo em 2001, ano do racionamento, os reservatórios estavam em patamar superior: 23%. [Nota minha: domingo, 22, já era de 18,25%]

Nada disso, porém, era tema presente no noticiário desta vez.

Anote a informação acima e assista ao discurso de Miriam Leitão, no “Bom, Dia Brasil”, no dia 15 de outubro de 2014, em pleno processo eleitoral, desancando o Governo Dilma por “não ter feito esforços maiores desde o começo do ano no sentido de incentivar a economia no consumo”, enquanto agora se passou o ano saudando o Governo pela queda do preço da eletricidade.

Para não falar num antipático aumento de tarifas, a “papisa” da economia sugere que o governo Dilma deveria ter feito campanhas para que as pessoas tirassem aparelhos (de TV e outros) do modo ‘stand by’, o que produz uma diferença absolutamente ridícula no gasto energético.

Vale a pena assistir e ver o tom de alarme, de condenação feroz, e compare com a discrição que tiveram até agora diante de uma situação – os números mostram – ainda pior.

Infelizmente, não achei um programa onde ela entrevista com um consultor da área de energia em que ele diz outra bobagem antológica: que os reservatórios seriam praticamente inúteis quando chegassem a 10% de seu volume útil, porque o o assoreamento já deveria ter “comido” ao longo dos anos este grau de capacidade de reservação. Não é preciso dizer que várias das maiores hidrelétricas do país estão com 10% de volume e seguem produzindo. Sobradinho, inclusive, com seus meros 3,49% de água, nos dados de domingo.

A imprensa brasileira, com todo o nariz em pé de seus principais comentaristas, não é uma máquina de informação. É um monstruoso sistema de manipulação, voltado para a guerra política e, portanto, onde se aplica a regra de que, na guerra, a primeira morte é a da verdade.

Anônimo disse...

Está guerra política deferida contra o governo Dilma/Lula está cristalizada na história do Brasil com nome e sobrenome dos vilões.

O mais interessante disto tudo será ver os empresários e pessoas físicas apoiadores do golpe, cujas atividades econômica dependem do uso intensivo de energia, terem prejuízos bilionários pela falta e baixa qualidade da energia !

Anônimo disse...

Os mentirosos mentem, os idiotas repetem, o ovo da serpente chocou uma serpente, os fascistas atacam. Seria cômico se não fosse trágico. É tudo tão previsível, lógico, absolutamente lógico, sem nenhuma novidade. Mas, mesmo assim, é real, nós realmente estamos vivendo esse momento, em que, acreditando em uma imprensa comprovadamente corrupta e mentirosa, considerável parcela da população odeia e condena uma corrente política que fez o país mudar pra melhor, enriquecer, e deu oportunidades aos menos favorecidos. A essa parcela da população falta uma mínima capacidade de questionamento.

Anônimo disse...

Na verdade esse é o segundo apagão. O primeiro “apagão” deu na cabeca dos coxinhas e nos camisas da CBF que protestaram na Av. Paulista e Brasil afora (Rsrsrs)! Os “nanocefalos” buchas de canhão, massas de manobra e “inocentes úteis”!

Anônimo disse...

Bandeira Vermelha: R$3,50 por 100 kW;

Lâmpada de LED: R$ 20

Ver a Miriam Leitão e o Temer gaguejando: não tem preço.

Anônimo disse...

A lista dos jornalistas que apoiaram o golpe e hoje fingem que descobriram agora que Temer é um lixo:

Pedro Zambarda de Araujo - 25 out 2017 - DCM

A grande imprensa empenhou seus jornalistas na venda de que o impeachment de Dilma era sinal de que as instituições estavam funcionando. Boa parte deles hoje diz o contrário de ontem(...)
Não é bom senso. É porque o patrão mandou. (...)

1. Míriam Leitão: No dia 19 de outubro, Míriam Leitão publicou um texto chamado “Quanto custa”, perguntando se ainda vale a pena manter o governo Michel Temer no poder. (...)
Agora, a jornalista global acusa o próprio Michel Temer de “abandonar a agenda das reformas”, de gastar muito dinheiro público e de ser um presidente que mantém uma “conta imensa” pra permanecer no poder.

2. Ricardo Noblat: Quando Michel Temer assumiu, Ricardo Noblat foi integrante de um Roda Viva especial com o presidente primoroso em perguntas lambe saco. (...)
Com as denúncias de Joesley Batista na delação da JBS, Noblat chegou a publicar uma barriga no Globo de que Michel Temer renunciaria ao cargo. Depois do furo que virou furada, publicou no dia 23 de outubro o texto “O preço de manter Temer”. (...)
Temer estava na festinha de 50 anos de jornalismo de Noblat(...)

3. Merval Pereira: O imortal publicou no dia 24 de setembro que só agora a “democracia está em xeque”, falando do perigo do uso das Forças Armadas e do caos armado no Rio de Janeiro.
O colunista também deu repercussão às denúncias de Joesley Batista e da JBS, que atingiram o núcleo duro do PMDB (...)

4. Carlos Alberto Sardenberg: Guru da economia do grupo da família Marinho, Sardenberg ficou imortalizado por seus gráficos exagerados no Jornal da Globo de Waack, sempre atacando Dilma e o PT, e do otimismo com Temer no começo do governo. Agora, a roubalheira está tão no ar que até ele virou-se contra quem iria salvar o Brasil da corrupção.
Com a delação de Josley, Carlos Alberto Sardenberg sacramentou que a “calmaria acabou” e fez diversas colunas no jornal O Globo condenando o assalto aos cofres públicos feito por Michel Temer. Afirmou em julho que “reforma com corrupção não funciona”. (...)

5. Time da GloboNews: Renata Lo Prete, Cristiana Lôbo, Gerson Camarotti, Leilane Neubarth e Andreia Sadi agora denunciam com afinco as denúncias sobre os dólares de Geddel Vieira Lima e a corrupção do PMDB. O canal informativo da Globo omite o apoio que deu aos protestos do MBL de Kim Kataguiri. Chegou a exibir o pato amarelo inflado em todo o seu horário de noticiário, dando um espaço minúsculo para manifestações de esquerda.(...)

6. William Waack: Embora não tenha escondido o sorriso quando Lula foi condenado a nove anos e meio de prisão em primeira instância pelo juiz Sérgio Moro, Waack agora nos brinda no final de noite com denúncias envolvendo Michel Temer. (...)

7. Arnaldo Jabor: Depois de anos dedicado aos ataques contra lulopetismo, somente agora os ouvintes de Jabor na CBN descobrem que existe corrupção no governo Temer e por parte de tucanos como Aécio Neves. O próprio Jabor condenou a atitude do Senado ao “barrar a Lava Jato” salvando a pele de Aécio.

8. Diego Escosteguy: Responsável por divulgar vazamentos das operações da Polícia Federal e decisões do juiz Sergio Moro, Escosteguy até agora não conseguiu explicar como entrevistou Eduardo Cunha fora de “qualquer local do sistema prisional”, segundo ele mesmo. Em março de 2016, Escosteguy antecipou com sadismo em sua conta no Twitter a condução coercitiva do ex-presidente Lula em São Bernardo do Campo. (...)
Depois de tudo, é mandado para “novos desafios” por seus donos. A vida não é justa.

Anônimo disse...

Conta de luz: a bandeira não será vermelha. Será roxa: 42,8% a mais!

FERNANDO BRITO · 24/10/2017 - O Tijolaço

badeiraroxa

Como já se sabia no noticiário da manhã, que vinha aumento na conta de energia.

E a “bandeira vermelha”, até agora o maior adicional a ser cobrado nas tarifas, pela escassez de água, manteve o nome mas mudou o valor: de R$ 3,50 para R$ 5 a cada 100 quilowatt hora consumido, o que representa uma sobretaxa 42,8% maior.

Tanto o consumidor – na época de maior consumo, com o calor – quanto o industrial e comerciante intensivo em energia – produção metálica, alimentos congelados e de forno, supermercados, borrachas, plásticos e químicos em geral, entre outros – vão sofrer este aumento.

O consumidor vai engolir, porque não tem outro jeito. O empresário vai tentar repassar, apesar da demanda curta.

A bandeira vermelha vermelha bem merecia ser chamada de roxa, agora.

Anônimo disse...

E segue o Golpe. Quando o pequeno empresário perceber que si fú, começará a gritaria.

Anônimo disse...

Um conhecido (mais um da turma "eu votei no Aécio" e no momento em processo de arrependimento), reclamou que no comércio agora existem 2 segmentos: o pessoal que tá quebrado e o pessoal que vai quebrar....rsrsrs. Imagine quando os comerciantes em geral tivrem que repassar o aumento roxo da energia para os consumidores (aquela turma que some dia após dia......). Pois é, os meses de novembro e dezembro prometem.......

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

E não esqueçam dos repasses dos reajustes do oleo diesel e da gasolina e do gás de cozinha......

Mas para a bancada BBB (Boi, Biblia e Bala), MBL, Vem pra Rua, Fiesp, coxinhas, bundinas, Patos em geral o que pesa mais é a "moralidade" (falsa) do " Queermuseu" (que os trouxas nunca frequentaram) e os comunistas.....

Anônimo disse...

pra contentar o pessoal do "a nossa bandeira jamais será vermelha", aí vai: é cor de rosa shocking.

Anônimo disse...

Já vai preparando a privatização da Eletrobras ..

Anônimo disse...

E não esqueçam quando vier a privatização, o aumento será muito maior. Na Argentina foi de 700%!

Anônimo disse...

E a Eletrobrás, poderia plagiar o slogan da Petrobrás: "O vermelho é a nossa energia". E rosa shocing a conta para o povão

Anônimo disse...

e os indices de inflação vão continuar caindo ?????

Anônimo disse...

Coxinha é uma raça tão cretina e burra que até comemora - 'roxo tudo bem, o importante é que não seja vermelho'. E as panelas enfiadas...