Moro: "Governo e Legislativo são tímidos no combate à corrupção"

Nesta quinta-feira, em palestra realizada pelo juiz Sérgio Moro, no Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), o responsável pela Operação Lava Jato afirmou que o governo e o Legislativo têm atuação tímida quando se fala em combate à corrupção.

Ele disse que as iniciativas mais amplas têm partido do Judiciário, citando as decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) quanto às prisões após a condenação na segunda instância e o entendimento de que doações de empresas para campanha eleitoral são inconstitucionais.“Passamos do modelo de privilégio para um modelo de responsabilidade”, afirmou Moro. 

Moro afirmou que a expectativa é de que Executivo e Legislativo caminhem no mesmo sentido, porém, segundo ele, o que se vê são posicionamentos contrários. Ele mencionou três projetos de lei que estão no Congresso Nacional que, conforme dito por Moro, visam restringir a colaboração premiada, reformar a execução de penas e dar nova redação à lei de crime de abuso de autoridade.

14 comentários:

Anônimo disse...



Logo, logo, esse Juiz vai chegar para analisar as licitações do Melo na Prefeitura de Porto Alegre...

Anônimo disse...

O legislativo e Executivo tem atuação "TIMIDA" em relação a corrupção é uma
forma amena de informar que eles são GRANDES SABOTADORES das medidas que
prevejam combater a corrupção, sem falar no STF, que é um antro de figuras
lá colocadas para servir criminosos, indicados pelos maiores corruptos da história do Brasil, um cachacista e uma mulher sapiens mandioquista.

Anônimo disse...

Por motivos óbvios !!!!!!!!

Façanha, o advogado do povo disse...

A Lavajato, metralhadora giratória do mussolini de Curitiba, dedo congelado no gatilho, vai alvejar os políticos de centro e de direita. Começou com o Mister INPEACHMENT, Eduardo Cunha.

Anônimo disse...

Tímido é o Sartori, que não faz a extinção da fdrh e da corag.

Mordaz disse...

Não é só neste caso que existe leniência. Com o crime e a contravenção também. Basta ver o índice brutal de homicídios no país e continuamos com a mesmas leis ineficazes. Se existe alguma alteração sempre é para beneficiar o criminoso. Os criminosos quase sempre são os mesmos que voltam para as ruas em seguida.

Anônimo disse...

Moro: "Governo e Legislativo são tímidos no combate à corrupção".

O título acima está totalmente errado. Não é caso de timidez, mas sim de PODER. Os gangster de qualquer partido que estiver no PODER, jamais irá deixar de levar e lavar dinheiro mal havido, porque a política brasileira, é feita de favores entre os que estão no PODER.

Querem acabar com a corrupção? Mudem a lei e para aplicar a pena capital.

Anônimo disse...

Terminem com o " FORO PRIVILEGIADO " pois somos todos iguais perante as leis. A Constituição Federal é clara e deve ser cumprida por todos. Os políticos estão lá para servir o povo e não para se servir dos recursos suados do povo trabalhador. Tanto fizeram que conseguiram acabar com a moral e a ética do povo brasileiro. Vergonhoso

Anônimo disse...

E o nosso TCE e MP RS não são?

Anônimo disse...

Japão repreendeu Temer por perdas com Lava Jato:

A missão oficial de Michel Temer ao Japão, preparada pelo chanceler José Serra, parece ter resultado em mais prejuízos do que lucros; na esperança de atrair investimentos ao Brasil, o Temer foi obrigado a ouvir reclamações e cobranças do primeiro-ministro Shinzo Abe; segundo reportagem da Folha, a portas fechadas, Abe foi curto e grosso com Temer: reclamou das perdas bilionárias que o Japão teve recentemente devido à operação Lava Jato, responsável por paralisar inúmeros projetos e obras de infraestrutura que os japoneses desenvolviam em parceria com as empreiteiras brasileiras; como exemplo, citou a Kawasaki, maior fabricante de navios, trens e outros maquinários pesados do Japão, que declarou perdas de R$ 760 milhões com o Estaleiro Enseada, em que tem sociedade com as empreiteiras Odebrecht, OAS e UTC

20 de Outubro de 2016 - Miguel do Rosário, O Cafezinho

Temer foi ao Japão de ‘pires na mão’, na esperança de atrair investimentos ao Brasil, mas levou um puxão de orelha do primeiro-ministro Shinzo Abe.

Segundo reportagem da Folha, apesar do aperto de mãos entre os chefes de Estado, a portas fechadas o primeiro-ministro japonês foi curto e grosso: reclamou das perdas bilionárias que o Japão teve recentemente devido à operação Lava Jato, responsável por paralisar inúmeros projetos e obras de infraestrutura que os japoneses desenvolviam em parceria com as empreiteiras brasileiras.

Ele deu como exemplo as perdas de R$ 760 milhões da Kawasaki — mais conhecida no Brasil por suas motos, mas que no Japão é a maior fabricante de navios, trens e outros maquinários pesados — no Estaleiro Enseada, no Rio de Janeiro.

A Kawasaki administra o estaleiro junto com a Odebrecht, OAS e UTC, e teve suas atividades paralisadas pela Lava Jato.

SE CONTINUAR NESSA BALADA OS COXINHAS/BUNDINHAS vão ter de ir pra 25 de março, principalmente coxinhas paulistas. Não será pra fazer comprar , mas andar com aquelas placas nas costas anunciando "compro ouro".

Anônimo disse...

A quebra de protocolo da prisão de Cunha é gritante e merece explicação:

20 Oct 2016por - Kiko Nogueira - DCM

Sem show

Das estranhezas da prisão de Eduardo Cunha, a mais gritante é a quebra de protocolo c0m relação às anteriores, supondo-se que haja um protocolo.

Primeiro, não há um apelido genial. Operação Malparido, digamos.

Não houve vazamento para a imprensa preparar o show. Não havia equipes de TV com câmeras.

Num despacho, Sérgio Moro determinou que “não deve ser utilizada algema, salvo se, na ocasião, evidenciado risco concreto e imediato à autoridade policial”.

Continua: “Consigne-se que, tanto quanto possível, não se deve permitir a filmagem ou a fotografia do preso durante a efetivação da prisão e deslocamento”.

Cunha não foi algemado com as mãos para trás, como aconteceu anteriormente. Segundo o criminalista Paulo Sérgio Leite Fernandes, a finalidade disso é impedir o cidadão de cobrir o rosto, o sinal mais instintivo de vergonha.

Cunha estava no apartamento funcional da Câmara, que ainda está desocupando, apesar de ele ter perdido o mandato. Foi em torno das 13h — e não às costumeiras 6h da manhã.

Seu advogado estava com ele no momento. A malinha pronta. Ao chegar a Curitiba, os jornalistas foram autorizados a filmar a passagem do carro da PF e só.

A costumeira coletiva de imprensa em que procuradores brilham diante de perguntas feitas para levantar sua bola não ocorreu.

O Jornal Nacional dedicou em torno de 7 minutos para o caso, espremidos entre uma “reportagem” sobre a triunfal viagem de Michel Temer ao Japão e mais alguma irrelevância.

No dia seguinte, depois de passar pelo IML, Cunha reclamou que “é uma decisão absurda”.

A Lava Jato deve uma explicação para a diferença de tratamento. Que nunca será dada. Mas ficamos combinados que a imparcialidade está acima de qualquer suspeita.

Anônimo disse...

O JUDICIÁRIO IDEM.

BASTA VER A LOMAN ONDE JUÍZES CORRUPTOS SÃO APOSENTADOS QUANDO PEGOS COM A BOCA NA BOTIJA.

VÁ PREGAR MORAL DE CUECAS NA REPUBLIQUETA DE CURITIBA QUE NÃO RESPEITA A LEGISLAÇÃO VIGENTE.

A LEI TAMBÉM VALE PARA JUÍZES, MAS QUEM VAI APLICÁ-LA?

Unknown disse...

Tímidos não... comprometidos... cúmplices!!!

Anônimo disse...

O Moro só não fala do caso Banestado, onde era Juiz e pegaram só peixinhos. Empresas citadas ficaram de foram como: Rede Globo, Editora Abril e Correio Braziliense. Políticos de um partido (aquele que não vêm ao caso) sequer foram investigados.
http://www.conversaafiada.com.br/politica/banestado-ali-comecou-o-nao-vem-ao-caso

Também o wikileaks trás informação sobre treinamento de Moro nos EUA:
https://wikileaks.org/plusd/cables/09BRASILIA1282_a.html